Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Tem fanzine novo circulando em Caxias

06 de dezembro de 2014 0

momo

Se cruzar com este fanzine por aí, numa mesa de bar, numa livraria o café, pega! É a primeira edição do Mosaicco, produção colaborativa que que pulverizar artes e cultura pelas ruas e pelos lugares que a moçada frequenta. Ele foi lançado em novembro, além de seu uma agenda cultural, tem muita arte gráfica, fotografia, textos opinativos e literários, dicas etílicas, quadrinhos, variações visuais e textuais para muitos gostos, com espaço para anunciantes.

A distribuição é gratuita, em pontos de interesse cultural da cidade de Caxias do Sul e região. A tiragem inicial é de mil exemplares e a periodicidade, mensal. O Mosaicco é impresso em papel jornal, com formato standard, com dobraduras que o convertem em um envelope. Essa primeira capa é assinada por Matias de Lucena,

 

Criolo hoje em Caxias e as doideiras de uma trajetória

05 de dezembro de 2014 0

cricri

Criolo, figura pra lá de importante da nova cena musical brasileira, que se apresenta pela primeira vez hoje em Caxias, na All Need Master Hall, às 23h, tem, como ele mesmo contou na entrevista que me concedeu, dois momentos em sua carreira artística. Antes e depois do codinome “Doido”. Esse apelido vem de sua habilidade mais do que consagrada nas Rinhas de MCs, que ajudou a criar e movimentaram a cena hip hop nacional a partir de São Paulo. É daí que vem sua história.

E isso importante ser resgatado para a gente olhar para sua trajetória mesmo depois dele passar a assinar só Criolo, quando lançou Nó Na Orelha, em 2011. Antes disso, ele tem outros serviços bacanas prestados à música, ao rap e à cultura nacional.  Ainda Criolo Doido, ele lançou seu primeiro disco, Ainda Há Tempo, em 2006. Tem também  o EP Duas de Cinco, feito no intervalo do para o Convoque Seu Buda, lançado em novembro.

E tem também um ótimo disco em parceria com Emicida, além dos DVDs Criolo Doido Live in SP (2010), Criolo & Emicida ao Vivo (2013) e Nó na Orelha ao Vivo no Circo Voador (2013). Aliás, quando assisti Criolo e Emicida ao vivo, na Fundição Progresso, em julho do ano passado, no Rio, tremi nas bases pela potência e beleza de tudo: o povo cantava todas as músicas, do começo ao vim, sem parar. De arrepiar! Tive certeza de que estava diante de duas figuras para quem a MPB deve fazer reverência para sempre.

Ontem, a partir de comentários do Face, refleti sobre esse contexto e lembrei de quando ele entrevistei Criolo aqui para o Pioneiro, depois do Nó Na Orelha. Ele mesmo tratava o disco como “primeiro”. E numa altura da entrevista publicada na íntegra no Pioneiro On Line de ontem, ele mesmo fala que anunciou o fim da carreira num certo momento da vida. Mas daí veio a consagração nacional a partir do , produzido pelo bem articulado Daniel Ganjaman. Tudo mudou. E para melhor, acredito. Enfim, na cena alternativa ou, agora, na condição de grande nome do showbiss brasileiro, Criolo segue com uma coerência artística elogiável.

Aliás, ao entrevistá-lo pela primeira vez, em maio de 2009, no Festival de Joinville, quando ele se apresentou numa Rinha de MC’s do Encontro das Ruas, lembro bem de que, na hora da foto, ele fez questão de posar ao lado daquele conjunto de lixeiras para coleta separada de lixo. Justificou que, quando o vissem no jornal, veriam também que é preciso separar o lixo e ter consciência sobre a preservação do planeta. Doido de lúcido, não?!

Foto Caroline Bittencourt/Divulgação

 

 

Comediante Rogério Vilela se apresenta em Caxias na próxima quinta

04 de dezembro de 2014 0

stand

Humorista, desenhista, roteirista, quadrinista, ator, dublador, improvisador e aeromoça de banho tomado e barba feita (nossa, que apresentação!), Rogério Vilela (acima, em foto de Ivan Shupicov/divulgação) é o convidado do projeto Vagão Stand Up, da próxima quinta-feira, dia 11, às 22h30min, no Vagão Bar.

Além de ter publicado quadrinhos da Folha de S.Paulo, o cara também comanda a produtora de conteúdo Fábrica de Quadrinhos, foi criador do Mundo Canibal, um dos maiores sites de animações da web e referência do humor politicamente incorreto. Na TV, foi repórter do Brothers, participou de programas na MTV, Comedy Central e Record. Dirige e apresenta o programa Mundo Canibal TV, no Multishow e participa do Fritada, na mesma emissora.

A noite também terá participação dos comediantes Douglas Pedro, de Alvorada, e Daniel Bozz, de Caxias do Sul. No comando, o apresentador Rafael Campos.

Um dos focos do projeto desenvolvido no Vagão é o, microfone aberto, que abre espaço para que as pessoas que têm interesse em se iniciar na comédia ou apenas contar uma piada no palco participem.  Os interessados em participar do microfone aberto podem entrar em contato pelo email contato@rafacampos.com.

Os ingressos custam R$ 12.

 

Como olhar para o movimento hip hop em Caxias?

03 de dezembro de 2014 0

rap

A foto acima, de  Wagner Guilherme Adler/divulgação, começou a circular pelas redes sociais segunda-feira. Tentava expor uma ação sofrida por integrantes da Batalha da Estação, encontro do movimento hip hop caxiense acontecido domingo à tarde, no Largo da Estação. Foi no fim da tarde, depois das 18h. Os encontros de MCs, rappers, b.boys, b.girls e simpatizantes têm rolado pro ali há algum tempo. São as novas manifestações culturais geradas nas metrópoles, que sinalizam as expressões artísticas e inquietações sociais desse extrato da sociedade. É o grito do gueto, como se fala costumeiramente.

Batalhas de MCs têm gerando artistas importantes e hoje consagrados na MPB como Emicida e Criolo. Criolo, aliás, se apresenta em Caxias sexta-feira, na All Need, Master Hall. Em entrevista que me concedeu na semana passada, cuja íntegra deve ser publicada sexta-feira no Pioneiro impresso, ele diz que o hip hop salvou sua vida, mudou seu status social, o fez compreender o mundo, ressignificar sua trajetória. Ele tem circulado pelo mundo mostrando sua música, afirmando suas conquistas geradas pelo hip hop.

— Todos os dias agradeço pelo rap ter me escolhido. Lá atrás, quando eu falava que cantava rap, o povo ria de mim — afirmou.

O grafite, outro elemento dessa cultura, tem ajudado muita gente a construir uma alternativa artística e profissional. Estas são, sim, legítimas e importantes contribuições do movimento hip hop para a cultura aqui em Caxias, na região, no estado, no país, no mundo.

Uma prova de que essa moçada vem se organizando e tentando demarcar seu espaço foi a realização, há duas semanas, da 4ª Semana Hip Hop Caxias, e a aprovação de dois projetos daqui no edital do gênero da Funarte – Fundação Nacional das Artes, do Ministério da Cultura.

Um deles é do coletivo feminino Elo Delas, que vai lançar a Revista da Rua – Rima Impressa em  2015 com novidades, street art e trabalhos sociais inclusivos. Outro projeto é do D’Guria Crew, das b.girls Jéssica Viganó e Fernanda Rieta, que fará ações nas comunidades com saraus de literatura marginal, festival gastronômico da favela, vídeo debates e murais coletivos temáticos.

Até terça-feira à tarde não havia nenhum Boletim de Ocorrência registrado contra a ação. Portanto, o debate é em outra instância. Qual, como, por que, quando, onde? Tudo exige reflexão e determinação de diálogo.

Então, pensando nessa possível abordagem truculenta, existe a necessidade de refletirmos sobre possíveis comportamento discriminatórios, excludentes, preconceituosos. Afinal, ali, no Largo da Estação, ora com as batalhas de MCs, ora com shows sertanejos, festas de música eletrônica, festivais e tais, transitam as várias facetas da comunidade. Harmonizar este convívio, conviver com as diferenças, é fundamental.

 

Criolo tá no pique para o show sexta em Caxias

02 de dezembro de 2014 0

cric

Semana passada, quinta-feira, falei com Criolo por telefone. Ele estará em Caxias sexta-feira, fazendo show na All Need Master Hall. De cara, ele saudou e agradeceu a chance de vir a Caxias.

— Você não sabe como a gente está feliz com esta possibilidade.

Ele vem com a banda e o show do novo disco, Convoque Seu Buda, completinhos: no palco, Criolo é acompanhado por Daniel Ganjaman (teclados e programação eletrônica), Marcelo Cabral (baixo), Guilherme Held (guitarra), Maurício Badé (percussão), Sérgio Machado (bateria) e DJ Dan Dan (voz e toca-discos).

Seguindo o que fez no primeiro e consagrado disco, Nó Na Orelha, mistura de samba, afrobeat, reggaeton, rap e tal. Diz que sua escola de 25 anos na cena rapper brasileira lhe permite isso.

—Tenho 25 anos de trabalho, 40 de vida —brinca, citando outra vez sua simpatia pelo Sul:

— O povo daí é muito único, a moçada troca. Tem um grafiteiro maravilhoso, o Trampo, que conheci (no Encontro das ruas, do Festival de) em Joinville.

Pelo que se vê, a primeira vinda de Criolo a Caxias promete…

Manifestasol é sábado, em Caxias, com música, teatro, dança e oficinas

01 de dezembro de 2014 0

wanab

Marcada para sábado, no Ponto de Cultura Casa das Etnias, em Caxias, a oitava edição do Festival Manifestasol. Desta vez o tema é Migração Intergaláctica, propondo movimentos cósmicos em busca de um lugar no planeta. As atividades começam às 14h e vão rolar noite adentro.

A principal atração é a banda porto-alegrense Wannabe Jalva (acima, em foto de Biel Gomes e Guilherme Netto/Divulgação), que acaba lançar EP e fazer turnê pelos Estados Unidos. O quarteto canta em inglês e faz um rock alternativo à Queens Of The Stone Age e Arctic Monkeys. Eles abriram abriram  o show do Pearl Jam, dividiram palco com os indies do Cut Copy em 2011, em Porto Alegre, tocaram com o Two Door Cinema Club e a Vampire Weekend no MECA Festival, no verão de 2012, e no Lollapalooza Brasil do ano passado. Eles substituem a banda Tereza, que Niterói, que estava programada inicialmente para se apresentar no festival.

Outras atrações são a My Magical Glowing Lens, do Espírito Santo, projeto de  Gabriela Deptulski, que gravou seu primeiro e único EP de forma caseira. O álbum, lançado em janeiro, tem quatro faixas e forte pegada psicodélica. Devem se apresentar ainda as bandas caxienses Cuscobayo, Catavendo e Dones Primata.

Também vão rolar uma série de outras atividades, como teatro, street dance da Jet Project, oficinas de stencil em camisetas e permacultura. Também estão programadas intervenções artísticas de Música Computacional e da poesia inspiradora do Piquenique Poético.

O Festival Manifestasol congrega outros coletivos de atuação na cena caxiense, como Honey Dones, Casa Paralela, além  do Sesc Caxias, e tem apoio do Coletivo Labs e da Coordenadoria da Juventude.

Baile Tropical neste sábado em Caxias pra ninguém ficar parado

29 de novembro de 2014 0

pt

MPB e samba rock, reggae e rock, Madonna e Elis Regina, Pupilo e Curumin, samba e forró, brega e folk music, balcãs e maracatu e hip hop. Tudo pode rolar no set do Baile Tropical, do DJ pernambucano Patrick Tor4 (acima, em foto de Jedson Nobre).

A festa rola neste sábado à noite, no Curinga Bar. Também tocam os caxienses Muzak e Sattva. Uma pedida para quem não quer ficar parado na pista. No Face, eles conclamam para a movida assim, ó: “Vc que já conhece a nossa má fama multiplica-í com amigxs e inimigxs a nossa fesshtinha rebolativa, quente e apimentada com sonidos tropicais afro-latinos, ciganos, árabes e do mundo”. Formô?!

 

Cantor senegalês grava clipe tendo Caxias como cenário

28 de novembro de 2014 0

Dji

Destaque na coluna impressa desta sexta-feira, o senegalês Djily Lo (acima, em foto de Jonas Ramos) está determinado a dar impulso à sua carreira de cantor no Brasil. Ele vive por aqui há três anos. Antes de Caxias, morou em Fortaleza e no Rio de Janeiro. No Senegal, foi cantor por dez anos, gravou dois discos. Gosta de baladas e ritmos mais dançantes. Acha que ritmo e dança unem brasileiros e senegaleses. Gosta de Akon, cantor de R&B e hip hop americano de ascendência senegalesa, e do brasileiro Lucas Santana. É adepto de canções que façam as pessoas refletirem.

Quando fala do Brasil, diz que é um país acolhedor, de pessoas amáveis. Por isso, quer que sua carreira artística deslanche por aqui.   Ndortélle, título da música gravada, significa “começar agora”. Aos 26 anos, Djily Lo quer cantar o amor e a solidariedade.
— Este é um país tranquilo, de pessoas legais. Aqui não tenho problemas e tenho muitos amigos. E amigos que me dizem que eu posso ser um cantor no Brasil — afirma ele, que mora no Desvio Rizzo.

No clipe da Antro e Retrola, com produção de Vinícius Lazzari, Djily aparece cantando no Teatro São Carlos, na Praça Dante, ao lado da lagoa do Rizzo, entre outros cenários caxienses. Confira:

Duas estreias teatrais no fim de semana em Garibaldi

27 de novembro de 2014 0

MaldHugo Araújo

Cia Teatral Acto (acima, em foto de Hugo Araújo, de Divulgação) iniciou suas atividades em setembro de 2013 e, sábado, às 20h30min, faz sua estreia nos palcos de Garibaldi. A apresentação será no Salão de Atos da Escola Estadual Santo Antônio, com entrada franca. O peça escolhida pela Acto para se apresentar ao público A Maldição do Vale Negro. Escrito por  Caio Fernando Abreu e Luiz Arthur Nunes, o texto se passa em 1834 misturando uma trupe de personagens envoltos num enredo de mistério, cobiça, traição, amores e disputa pelo poder. Adriano Garda, Alexandre Lazzari, Alexandre Leoncio, Angelita Bianchetti, Fabiano Vuelma, Greice Emer, Nelci Cisilotto, Patrícia Benini, Sabrina Fragoso e Taís Rossi formam o elenco, dirigido por Manuela Guerra, com produção de Rafael Lumi.

O projeto é uma realização do Centro Cultural e Artístico e Cia Teatral Acto, com financiamento da Prefeitura Municipal de Garibaldi, através da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura e do Fundo Municipal de Cultura, com apoio da Escola Estadual Santo Antônio e da Floricultura Giardini. A entrada é franca!

Além desta estreia, no fim de semana Garibaldi também assistirá à volta à cena do grupo Hora Vaga. Eles vão se apresentar domingo, às 17h, na estação da Maria Fumaça da cidade. O espetáculo é a comédia A Farsa do Advogado Pathelin. No elenco, Diane Schizzi, Paulo Ricardo da Veiga, e Rafa Schizzi.

Saiu a lista de atrações do Planeta Atlântida

26 de novembro de 2014 0

kes

Está fechada a lista das principais atrações do Planeta Atlântida. Entre os destaques do line-up da 20ª edição do festival estão Ke$ha (acima, em foto de divulgação da Sony Music), Sublime with Rome e Capital Cities. Além das estrelas internacionais, o festival terá Ivete Sangalo, Skank, Gigantes do Samba, Gusttavo Lima, Natiruts, Baile da Favorita e Malta, entre outros artistas distribuídos em diversos palcos. São esperadas cerca de 100 mil pessoas nos dias 30 e 31 de janeiro na Saba, em Atlântida. Em 2015 o Festival terá edição única no Rio Grande do Sul.

Eis a lista das atrações confirmadas:

Acústicos e Valvulados
Armandinho
Baile da Favorita (Buchecha|Ludmilla| Dj Tubarão )
Banda Malta
Bidê ou Balde
Capital Cities
Comunidade Nin-jitsu e Ultramen
CPM22
Dr. Hank
Filhos de Gaya
Forfun
Gigantes do Samba (Raça Negra | SPC)
Gusttavo Lima
Ivete Sangalo
Jamz
Jota Quest
Ke$ha
MC Jean Paul
Nalanda
Natiruts
Neto Fagundes
Onze20
Reijow
Seu Cuca
Skank
Suricato
Sublime with Rome
Tequila Baby
Tiago Abravanel
Vitor Kley
Vera Loca

Ingressos podem ser adquiridos pelo site www.planetaatlantida.com.br.