Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Dicas práticas para estimular o empreendedorismo nos filhos dos 6 aos 17 anos

08 de agosto de 2016 0
Foto: Marcelo Matusiak / Divulgação PlayPress..

Foto: Marcelo Matusiak / Divulgação PlayPress..

 

Liberdade e responsabilidade – São os dois conceitos que devem ser mais trabalhados para estimular o empreendedorismo das crianças em casa. O blog Acerto de Conta$ pediu para a Junior Achievement RS dicas práticas para os pais. Organização que trabalha o empreendedorismo nas escolas pelo mundo todo, a JARS elaborou um material muito bacana.

- Estimular a criatividade e a imaginação da criança, ensinar desde cedo a pensar “fora da caixa”, mostrando que para um mesmo problema não existe uma única solução, nem mesmo uma única resposta correta, que é possível construir novas formas de enxergar uma questão e também de superar determinado desafio. Ensinar, aliás, que os desafios também não vêm sempre prontos, os empreendedores são aqueles que criam os desafios antes de ter as respostas e só depois saem atrás delas. E, claro, também vale o exemplo dos pais, em qualquer idade. Não adianta querer que o filho seja empreendedor se os pais tem um comportamento passivo e resignado, sem iniciativa – destaca o presidente da Junior Achievement RS, Sergio Lewin.

 

*** Dicas práticas:

 

Dos 6 aos 8 anos:

- Amplie a leitura de mundo. Mostre como é diverso o mundo do trabalho, com muitas opções e caminhos. Leve o jovem para o seu trabalho, conte como é o seu dia a dia de forma estimulante e divertida. Peça aos padrinhos e outras pessoas próximas fazerem a mesma coisa.
- Valorize a iniciativa própria e a tomada de decisões dos jovens. Provoque-os a decidir o que querem fazer, exponha-o a situações em que a tomada de decisão é necessária.
- Estabeleça tarefas dentro de casa e acompanhe o seu cumprimento. Deixe um quadro visual com as atividades que os jovens devem realizar.
- Mostre que ele tem limites a serem seguidos, e que existe diferença entre a sua vontade e o que de fato pode ser feito.

 

Dos 9 aos 11 anos:

- Valorize o alcance de resultados através de variações na mesada. Dê mérito às pequenas vitórias do dia a dia. Não deixe de elogiar ou ache que o jovem não fez mais que a obrigação. Devemos estimular a correr riscos e superá-los.
- Promova a criatividade nos trabalhos escolares. Acompanhe o que o jovem está fazendo e condene o copia e cola. Desafie-os sempre a fazer muito mais que o mínimo necessário. Sempre “suba a barra” da qualidade em suas entregas.
- Reforce a atenção às histórias que trabalham a “trajetória do herói” e a superação a desafios, em filmes, livros e histórias em quadrinhos.

 

Dos 11 aos 14 anos:

- Crie projetos junto com o seu filho, para que ele execute com os amigos. Estimule-o a organizar um campeonato de videogame no final de semana ou uma copa de futebol no parque da vizinhança. – Faça alguns destes projetos ao longo do ano.
- Reconheça limitações e valorize as potencialidades. Exponha o jovem a diferentes situações para que ele possa se conhecer. Se ele joga futebol muito bem, como seria para ele passar seis meses jogando vôlei?
- Leve seu filho para as compras no supermercado. Faça com que entenda o custo das coisas que ele mesmo consome.
- Ensine a lidar com a frustração. Nesta idade, as primeiras grandes decepções acontecem e o jovem precisa reconhecer que está em um ambiente seguro, mas que nem sempre as coisas vão acontecer conforme sua vontade.

 

Dos 14 aos 17 anos:

- Seja aberto e transparente com as finanças em casa. Mostre o orçamento doméstico e as ações realizadas caso a conta não feche, ou os investimentos quando há sobra. Faça esse exercício mensalmente, no mínimo.
- Estimule-o a buscar as primeiras iniciativas remuneradas. Desde varrer a calçada dos vizinhos a organizar pequenos eventos, tudo que ele sinta resultado financeiro pelo seu trabalho é bem-vindo.
- Faça-o questionar e compreender as regras no ambiente escolar e em casa. Isso ajudará a reconhecer a importância de limites e responsabilidade.
- Trabalhe um orçamento para ele. Faça com que ele tenha noção clara de onde está gastando seu dinheiro.
- Estimule relações éticas com os colegas, professores, vizinhos e a família.

Leia também:

Crise econômica – Como explicar para as crianças

Sancionada lei que inclui educação financeira nas escolas de Porto Alegre a partir de 2017

Secretaria da Educação apoia projeto que inclui educação financeira nas escolas públicas de Porto Alegre

Lançados novos quadrinhos da Mônica sobre educação financeira para crianças

Sete erros para evitar ao dar mesada para os filhos

“Faço birra, ajoelho, deito” – Crianças contam como fazem para ganhar o que querem

Mesada deve começar a partir dos sete anos da criança

Finanças é coisa de criança – As primeiras lições para a vida financeira

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

 

 

Envie seu Comentário