Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Economistas enxergam fim da recessão na construção civil

12 de outubro de 2016 5
Foto: Felipe Nyland / Agência RBS.

Foto: Felipe Nyland / Agência RBS.

 

 

Acabou a recessão na construção civil? Muita gente interessada nisso. O setor emprega muita e mexe com vários segmentos da economia. Só que foi o primeiro a sentir a crise econômica.

Pesquisadores da Fundação de Economia e Estatística, Jéfferson Colombo e Fernando Cruz analisaram vários indicadores. Identificaram que a intensa e duradoura recessão que atingiu o setor está próxima do fim.

“A retomada, no entanto, a julgar pela magnitude e pela difusão na recuperação dos indicadores, deverá ser moderada, o que enseja um otimismo cauteloso.”

Os pontos elencados pelos pesquisadores da FEE:

Positivos:

- Alta de 36,9% no IMOB, que aponta evolução da cateira teórica de ativos.
- Índice de Confiança da Construção subiu 30,4% desde o nível mínimo, atingido em março.
- Taxa de juros de DI pré-fixada de 360 dias, que caiu de 15,8% para 13,2%.
- Aumento, mesmo que tímido, da produção de insumos típicos da construção (cimento, aço, etc.) e de bens de capital destinados ao setor.

Mais ou menos:

- Consumidores de Porto Alegre ainda estão pouco otimistas.
- Concessões reais de crédito para o setor da construção no Rio Grande do Sul apenas pararam de cair, sem ainda reverter a tendência.

Negativos:

- Nível de emprego formal permaneceu caindo até agosto (-3,3%).
- Segue em queda o número de unidades lançadas em Porto Alegre, apesar da leve recuperação observada nas vendas de imóveis.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Comentários (5)

  • nicolau copernico diz: 12 de outubro de 2016

    Que engraçado a imprensa falaba que rsta foi a pior crise de todos os tempos muito pior que fhc e que levaria anos para se recuperar pelos numeros foi pior que a ehropa que ainda vive crise e agora com muita coincidência apos a saida da dilma tudo voltou ao normal a crise está acabando. Vou dizer uma coisa a crise nunca existiu pelo comportamento das pessoas que lotaram o litoral no veraneio passado serra este ano sempre lotada e no anterior o transito em vez de baixar po4 causa do “desemprego” só aumentou vendasbno dia das maes pais criancas e etc só aumentaram churrascadas quase todos os dias. No tempo da crise do fhc e a marolinha do lula o transito desapareceu o litoral ficou as moscas a serra só tinha como hospede o frio churras era só para rico. Vicemos a maior farsa de todos os tempos a imprensa manipulando as pessoas vivemos o tempo da desinformação.

  • Paulo diz: 12 de outubro de 2016

    Quem diria!
    Estamos caminhando para a argentinalização.
    Quem viver, verá.

  • Lise diz: 12 de outubro de 2016

    AONDE TEM CHURRASCADA e gente dando presente????
    O mercadinho só tem movimento qdo o sartori e o Fortuna pagam e é so gente comprando pão e refri pra jantar.
    Já avisaram que vão contratar p/fim de ano menos de 18%.
    Os caras de 1,99 estão quase todos fechados e o que esta aberto não vendem nada nem conseguem mais pagar impostos.
    S´o o pessoal das drogas é que estava bem, mesmo assim a renda caiu, pq esta raro ouviu bombas agora .
    VAi ficar pior pq agora que ele congelou salario de funcionario público e de aposentado do INSS vai virar o HAITI pós furacão-temer de vez.

  • Zé diz: 12 de outubro de 2016

    Esse Nicolau vive no mundo da lua….não vivemos uma crise? Se refere a qual país? Um monte de gente conhecida desempregada, inclusive eu e minha esposa, o que mais se vê na cidade são lojas da rede “Aluga-se”….hoje ter uma faculdade, uma pós graduação e outra em curso, 8 anos de experiência no meu segmento, parece não valer nada…..daí me vem um cara é diz que não existe crise? Pagamos impostos e não temos direito a nada, nem saúde, nem segurança, muito menos educação….tudo agora gira em torno do coitadismo destes vagabundos que não estudam e nem trabalham….agora com a saída do PT, quem sabe acaba um pouco essa farra….

  • Pedro Carlos diz: 12 de outubro de 2016

    Matéria bem conveniente para o setor imobiliário, que está desesperado.

Envie seu Comentário