Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Leitor pergunta se pega empréstimo ou usa o cartão de crédito para comprar alianças de noivado

28 de maio de 2015 0
Foto: Agencia RBS.

Foto: Agencia RBS.

Não vou identificar o leitor para não estragar a surpresa para a futura noiva, mas recebi a seguinte pergunta:

“Queria uma sugestão tua: vou comprar as alianças de casamento (sem a patroa saber, é claro). Não quero gastar as minhas economias. Devo parcelar no cartão do crédito ou tirar um empréstimo no banco?”

Por partes:

Primeiro: empréstimo no banco tem cobrança de juro e, eventualmente, outras taxas.

Segundo: Parcelar no cartão de crédito não tem juro. A não ser que o consumidor atrase o pagamento da parcela. Ai, o juro é mais alto do que outros empréstimos.

Então, o leitor pode parcelar no cartão de crédito, mas tem que pagar a fatura direitinho em dia. E ainda pode acumular pontos ou milhas aéreas no cartão, se tiver algum programa neste sentido.

Terceiro: Se não tiver cartão de crédito, provavelmente deve ser mais vantagem usar as economias do que pegar o empréstimo. Dificilmente, a rentabilidade da aplicação financeira compensa o juro que será pago ao tomar dinheiro do banco. Mas é preciso fazer uma análise melhor sobre qual é a aplicação que o leitor usa para guardar dinheiro e quanto o banco cobraria de juro.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Banco Central aposta na safra e no dólar para amenizar crise no Rio Grande do Sul

28 de maio de 2015 0
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS.

Foto: Porthus Junior / Agencia RBS.

No último boletim de conjuntura econômica, o Banco Central chamou a atenção para a desaceleração da economia no Rio Grande do Sul. Enfatizou novamente a influência do menor dinamismo na indústria sobre este cenário.

“em razão, sobretudo, do menor dinamismo industrial, da evolução menos favorável dos indicadores do mercado de trabalho e da deterioração das expectativas de empresários e de consumidores.”

No entanto, a autoridade monetária aposta em dois fatores para amenizar estes impactos na economia gaúcha. Primeiro, a safra agrícola e também os efeitos da desvalorização cambial sobre a balança comercial, estimulando as exportações.

No trimestre encerrado em fevereiro, a atividade econômica teve retração de 1,8% no Rio Grande do Sul. Calculado pelo Banco Central, o IBCR-RS acumula recuo de 1,3%. A venda do varejo caiu e uma das principais influências foi a comercialização de automóveis e veículos.

Emprego

Além disso, a economia do Rio Grande do Sul eliminou 25 mil empregos formais no trimestre encerrado em fevereiro. No mesmo período do ano anterior, foram gerados 8,1 mil postos de trabalho, destaca ainda o relatório do Banco Central.

“A retração no mercado de trabalho repercutiu a eliminação de vagas em cinco dos oito setores pesquisados, principalmente na indústria de transformação, -9,3 mil (-2,3 mil na indústria mecânica e -2 mil em material de transporte), e no comércio, -7,9 mil.”

Safra

No entanto, no setor agrícola, a autoridade monetária enfatiza que a estimativa para a safra gaúcha de grãos de 2015 indica novo recorde de produção. A previsão reflete, em especial, as expectativas de aumentos para o trigo (73,4%) e a soja (15,9%).

Inflação

O IPCA na Região Metropolitana de Porto Alegre variou 4,19% no primeiro trimestre de 2015 (1,94% no último de 2014), com aceleração nos preços livres, de 1,73% para 2,87%, e, principalmente, nos monitorados, de 2,67% para 8,58%.

“sobressaindo-se, nesse segmento, os reajustes da tarifa de energia elétrica residencial (46,86%) e do preço da gasolina (7,21%)”

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Agenda Econômica 28.05

28 de maio de 2015 0

FGV divulga o IGPM de maio. É usado para indexar contratos.

IBGE divulga o Índice de Preços ao Produtor.

Audiência pública na Câmara de Porto Alegre sobre a minuta de projeto de lei que institui a atividade gastronomia itinerante – incluindo os food trucks -, o comércio ambulante em veículos e altera a Lei 10.605/2008 (que regula a atividade ambulante) para a adaptação desta nova modalidade.

ANEEL promove o Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída, em Brasília.

Meeting Jurídico da Federasul discute o tema “10 anos da lei de Recuperação de Empresas”.

SEBRAE/RS promove a primeira rodada de negócios para os produtores de microcervejarias artesanais. Às 15h, no Ipanema Sports (Rua Coronel Marcos, 2353, em Porto Alegre).

Plataforma Liderança Feminina realiza o Curso de Técnicas de NEGOCIAÇÃO para Executivas com ênfase nas estratégias, técnicas e ferramentas para a construção do processo de negociação em cenários masculinos e altamente competitivos.

Conselho Regional de Administração promove debate com o co-organizador da FailCon Brazil, Flávio Steffens.

Férias

12 de maio de 2015 0

Leitores,

Estou saindo para férias de 15 dias.

Em breve, estou de volta.

Abraços e até lá!

Giane Guerra

Mais da metade de líderes lojistas gaúchos não vai investir em 2015

12 de maio de 2015 0
Foto: Genaro Joner / Agencia RBS.

Foto: Genaro Joner / Agencia RBS.

Investimento

Investimentos estão fora dos planos de mais da metade de líderes de entidades lojistas do Rio Grande do Sul. A pesquisa foi feita na reunião da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo, que juntou 30 representantes do comércio de todo o Rio Grande do Sul. Menos de 40% disseram que vão investir no negócio e o restante ainda está decidindo.

Emprego

Sobre contratações, o resultado não é tão ruim, segundo o presidente da AGV. Vilson Noer informa que mais de 40% projetam ainda contratar empregados. Menos de um terço descarta a possibilidade para 2015.

Agronegócio

Para um terço dos empresários que responderam a pesquisa, o agronegócio tem um peso alto. Para quase quatro em cada dez lojistas, o setor tem um impacto médio.

Crise RS

A crise do Rio Grande do Sul tem um peso médio para seis em cada dez lojistas entrevistados. O impacto é alto para 30% deles.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Arrecadação tributária está concentrada no consumo e no salário

12 de maio de 2015 0

A arrecadação de tributos no Brasil se concentra no consumo e na folha de salários. Pesquisador da Fundação de Economia e Estatística, Róber Avila mostra como é a divisão da origem dos tributos, usando por base os dados de 2013:

Consumo de bens e serviços 51,28%
Folha de salários 24,98%
Renda 18,10%
Propriedade 3,93%

Informações da Receita Federal mostram ainda grande concentração de renda no País. Avila estima que, em 2012, 8,13% dos brasileiros eram proprietários de 87,40% da riqueza.

- A concentração de impostos no salário e no consumo aponta que há maior oneração aos grupos médios e de baixa renda. Outra característica dessa estrutura é a majoração dos preços dos bens, uma vez que metade dos impostos incide sobre o consumo. – comenta o pesquisador da FEE.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

"Importar insumo do Marrocos é mais barato do que de Florianópolis", conta presidente da Yara

12 de maio de 2015 0

- Importar insumo do Marrocos é mais barato do que seria trazer de uma rocha que tínhamos em Florianópolis, em Santa Catarina.

A informação é do presidente da Yara Fertilizantes ao exemplificar os desafios de logística e infraestrutura enfrentados pela empresa. Lair Hanzen reforça que o setor tem margem pequena e, então, se desenvolve:

- Sem ICMS e sem custo logístico.

A Yara mantém a operação no Rio Grande do Sul devido ao decreto que reduz em 75% a tributação e pelas operações que já existiam das empresas que comprou: a Trevo e a divisão de fertilizantes da Bunge. Nos últimos dois anos, a empresa investimento cerca de R$ 300 milhões no Estado.

Lanzen conta que outros R$ 700 milhões em investimentos são analisados. Não estão confirmados. Mas, caso ocorram, serão em modernizações, como automação, construção de armazenagem e também em segurança.

- A Yara tem ações negociadas no mercado da Noruega. Obedecemos padrões exigentes e o que acontece aqui se reflete lá.

O Brasil ainda importa 70% dos fertilizantes que usa no campo.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Leitor viaja em outubro e pergunta quando comprar euros

12 de maio de 2015 0

Leitor Fernando Sapucaia pergunta:

Vou para a Europa em outubro. Compro Euros agora ou mais perto da viagem?

Pergunta difícil, mas a diretora da AZM Assessoria em Câmbio, Aldrey Zago Menezes, responde:

“Diante do cenário econômico, tanto interno como externo, é difícil precisar o valor que estará o Euro em outubro. Muitas pessoas que têm viagem marcada estão monitorando o câmbio. A cada oscilação favorável, realizam uma pequena compra. O objetivo é estabelecer, com isso, um preço médio ao chegar no montante final.”

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Produção da indústria gaúcha caiu 8,8% no primeiro trimestre

12 de maio de 2015 0
Foto: Arivaldo Chaves / Agencia RBS.

Foto: Arivaldo Chaves / Agencia RBS.

A produção acumulada no primeiro trimestre de 2015 na indústria gaúcha recuou 8,8% frente a igual período do ano passado. Segundo o IBGE, as taxas negativas foram disseminadas, atingindo 12 das 14 atividades pesquisadas.

Os impactos negativos mais relevantes sobre o total da indústria ficaram com os setores de máquinas e equipamentos (-24,3%) e de veículos automotores, reboques e carrocerias (-14,9%). Foram pressionados, principalmente, pela menor fabricação de máquinas para colheita, aparelhos de ar condicionado, semeadores, plantadeiras ou adubadores, automóveis, reboques e semirreboques, autopeças e carrocerias para ônibus.

Março

Março, no entanto, apontou crescimento de 1,1% na produção da indústria do Rio Grande do Sul. No entanto, foi sobre fevereiro, mês com menos dias úteis e Carnaval. Sobre março do ano passado, a queda é de 2,1%.

12 meses

No acumulado dos últimos 12 meses, a produção industrial gaúcha registra recuo de 7,1%.

Leia também:

GM e Dana vão reduzir produção para evitar demissões em Gravataí

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Empresas pedem terminal para acordos com consumidores de Porto Alegre antes da ação judicial

12 de maio de 2015 0

Coluna Acerto de Conta$, no Diário Gaúcho. Todas as terças.

Foto: Divulgação D´acordo.

Foto: Divulgação D´acordo.

Acelerando acordos entre consumidores e empresas

Consumidores do Rio Grande do Sul e empresas poderão ser conectados por um terminal de atendimento para resolver problemas. O equipamento foi lançado pela D´acordo e há demanda de empresas querendo que o totem seja instalado no Estado, mas antes é preciso autorização do Tribunal de Justiça.

O objetivo é desafogar o Juizado Especial Cível. O consumidor será orientado a usar o terminal antes de acionar a Justiça, clica no ícone da empresa e começa uma conversa por teleconferência com um atendente, sem as regras – às vezes, insanas – dos call centers. Caso a negociação tenha sucesso pelo equipamento, o consumidor poderia resolver o problema em 30 minutos em vez dos sete meses que é a média atual.

Já está instalado em São Paulo. Lá, Volkswagen e Samsung já colocaram uma equipe para atender os consumidores. Mas o terminal tem capacidade para até 12 empresas.

Leia também: Como funciona o Juizado Especial Cível?

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.