Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "Seu Bolso"

Pesquisa mostra aumento de gastos com segurança em 75% das escolas gaúchas

26 de agosto de 2016 0

14556083

 

Pesquisa que está sendo feita pelo Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul incluiu duas perguntas sobre investimentos em segurança. Na prévia do levantamento, 75% das escolas privadas consultadas aumentaram o gasto no primeiro semestre, na comparação com o ano passado.

Outra pergunta questionava quais foram os investimentos. Os itens mais citados foram: guardas, portarias e monitoramento por câmeras.

Mas há ainda iniciativas diferenciadas:

O Dom Bosco, onde uma mãe foi assassinada enquanto esperava o filho estacionada na rua, tem táxis para levar os estudantes da noite até a parada de ônibus.

Uma faculdade do Centro de Porto Alegre disponibilizou vans: Faculdade de Porto Alegre transporta alunos até pontos de ônibus para evitar assaltos

E ainda, cada vez mais, escolas de Porto Alegre estão construindo estacionamentos para os pais pegarem e largarem os filhos na escola.

Segundo o presidente do Sinepe/RS, a entidade terá uma grande reunião de diretores de escolas do Estado na segunda-feira. Estava marcada já, mas Bruno Eizerik explica que ficou definido agora que o assunto será a insegurança.

Leia toda a cobertura sobre a crisa da insegurança no Rio Grande do Sul no site da Rádio Gaúcha.

E mais: Pais incluem investigação policial para escolher escolinha infantil em Porto Alegre

 

 

 

 

Divulgada na internet lista de gaúchos que ainda não sacaram abono PIS/Pasep 2014

25 de agosto de 2016 5

Já está disponível pela internet a lista de nomes de quem tem direito ao abono salarial ano-base 2014. O Rio Grande do Sul é o quarto Estado com mais trabalhadores que não sacaram o PIS/Pasep.

O prazo já foi prorrogado. Termina agora no dia 31. O valor é de um salário mínimo (R$ 880).

Lista dos gaúchos que têm PIS e Pasep 2014

 

 

Reprodução site Ministério do Trabalho.

Reprodução site Ministério do Trabalho.

 

Para consultar, é só clicar no link ou na imagem acima. Escolher o arquivo da cidade. Em alguns momentos, o sistema está mais lento, mas as listas já estão disponíveis sim.

Outros canais – Os trabalhadores ainda podem consultar se têm direito ao benefício pelo portal http://abonosalarial.mte.gov.br/, inserindo CPF ou número do PIS/Pasep e data de nascimento.

Outras informações podem ser obtidas diretamente com a Caixa Econômica Federal, no caso do PIS, no telefone 0800-726 02 07, ou Banco do Brasil, no caso do Pasep, pelo número 0800-729 00 01. Os atendentes da Central de Atendimento Alô Trabalho do Ministério do Trabalho, que atende pelo número 158, também podem ajudar.

Quem tem direito?

PIS - Têm direito ao abono salarial os trabalhadores que tenham exercido atividade remunerada durante pelo menos 30 dias em 2014 e recebido até dois salários mínimos por mês nesse período. Além disso, é necessário estar cadastrado no PIS há pelo menos cinco anos e ter tido seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

Pasep – Têm direito ao abono salarial os servidores públicos e comissionados que ainda estão trabalhando ou que tenham se aposentado, mas exercido atividade remunerada durante pelo menos 30 dias em 2014. Também é necessário que o trabalhador tenha recebido até dois salários mínimos por mês nesse período, além de estar cadastrado no PASEP há pelo menos cinco anos e ter tido seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

====

Ano-base 2015

Também começou a ser pago o abono ano-base 2015. Quem nasceu de julho a dezembro recebe o benefício neste ano (2016). Os nascidos entre janeiro a junho receberão no primeiro trimestre de 2017. Em qualquer situação, o recurso ficará à disposição do trabalhador até 30 de junho de 2017, prazo final para o recebimento.

*** Quem tem direito pode sacar este abono junto com o dinheiro do ano-base 2014, caso tenha perdido o prazo. ***

Veja abaixo perguntas e respostas do Ministério do Trabalho sobre o assunto:

1 – Eu trabalhei no ano passado como empregada doméstica. Pela nova lei eu tenho direito ao Abono Salarial?

As empregadas domésticas vinculadas a empregador “pessoa física” não tem direito ao Abono Salarial, porque a norma legal não obriga o seu patrão a contribuir para o Programa PIS/PASEP.
Têm direito ao Abono Salarial os trabalhadores que atendem simultaneamente às seguintes condições:
· Estar cadastrado no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos;
· Ter recebido de empregador contribuinte do PIS/PASEP (inscrito sob CNPJ) remuneração mensal média de até dois salários mínimos, durante o ano-base que for considerado para a atribuição do benefício;
· Ter exercido atividade remunerada, durante pelo menos 30 dias, consecutivos ou não, no ano-base considerado para apuração;
· Ter seus dados informados pelo empregador corretamente na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) do ano-base considerado.

2 – Minha duvida é quanto à mudança nas regras do Abono. Antes você trabalhava 30 dias durante um ano e já tinha direito ao recebimento do abono de formal integral. E agora será proporcional aos meses trabalhados? Como devo calcular?

O valor do abono salarial anual será calculado na proporção de 1/12 (um doze avos) do valor do salário-mínimo vigente na data do respectivo pagamento, multiplicado pelo número de meses trabalhados no ano correspondente. A fração igual ou superior a 15 (quinze) dias de trabalho será contada como mês integral.

3 – Eu trabalhei três meses em 2015. Tenho direito ao abono salarial inteiro?

No caso, a atual legislação assegura o pagamento proporcional do Abono Salarial aos meses trabalhados. Assim, três meses trabalhado no ano, dará direito ao valor proporcional de 3/12 do salário-mínimo vigente na data do respectivo pagamento.

4 – A partir de quanto tempo de trabalho passo a ter direito a receber o abono?

Para ter direito ao Abono Salarial o trabalhador precisa estar cadastrado há pelo menos cinco anos no Fundo de Participação PIS-Pasep, no Cadastro Nacional do Trabalhador.

5 – A partir de quando estará disponível a consulta dos valores do Abono Salarial?

O calendário está disponível nas Agências da Caixa e Banco do Brasil e nos respectivos correspondentes bancários, como Lotéricas e caixas eletrônicos. Para informações sobre o assunto os trabalhadores poderão ligar também para o telefone 158 do Ministério do Trabalho ou no 0800 729 0001 do Banco do Brasil, para o PASEP e no 0800-726-0207 da CAIXA, no caso do PIS.

6 – Quem estagiou tem direito a receber o abono salarial?

Não. O teor do art. 3º da Portaria MTPS nº 1.002, de 29 de setembro de 1967 indica que estágios não geram vínculos de emprego com empresas, conforme o Art. 3º os estagiários contratados através de Bolsas de Complementação Educacional não terão, para quaisquer efeitos, vínculo empregatício com as empresas, cabendo a estas apenas o pagamento da Bolsa, durante o período de estágio.

7 – Abono salarial e PIS são a mesma coisa?

Não. Abono salarial se refere ao PIS e ao Pasep. O Abono é o benefício no valor de até um salário mínimo anual, assegurado aos empregados que recebem até dois salários mínimos de remuneração mensal de empregadores que contribuem para o Programa de Integração Social (PIS) ou para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP). O Abono foi instituído pela Constituição Federal de 1988. Para situações anteriores, até 1988, existem trabalhadores que são ainda portadores de contas individuais específicas que constituem o denominado Fundo de Participação PIS/PASEP.

8 – O que ocorre se a empresa não enviou corretamente os dados cadastrais para o RAIS, ano base 2014? A empresa paga algum tipo de multa?

Conforme determina o art. 2º da Portaria nº 14, de 10 de fevereiro de 2006, alterada pela Portaria nº. 688, de 24 de abril de 2009, o empregador que não entregar a RAIS no prazo legal ficará sujeito à multa prevista no art. 25 da Lei nº 7.998, de 1990, a ser cobrada em valores monetários a partir de R$ 425,64 (quatrocentos e vinte e cinco reais e sessenta e quatro centavos), acrescidos de R$ 106,40 (cento e seis reais e quarenta centavos) por bimestre de atraso, contados até a data de entrega da RAIS respectiva, ou da lavratura do auto de infração, se este ocorrer primeiro.
O valor da multa resultante da aplicação, acima prevista, quando decorrente da lavratura de Auto de infração, deverá ser acrescido de percentuais, em relação ao valor máximo da multa prevista no art. 25 da Lei nº 7.998, de 1990, a critério da autoridade julgadora.

9 – E como fica o funcionário que preencheu todos os requisitos para receber o Abono, porém, por erro cometido pela empresa na RAIS, deixou de receber?

Os empregadores que não entregaram a RAIS no prazo, podem ainda prestar informações depois do prazo, para que no final de setembro, essa informação seja reprocessada e o trabalhador tenha direito ao Abono. Caso a empresa não faça, o funcionário terá que recorrer no âmbito judicial.

10 – Qual o tempo de recolhimento? 5anos?! Esse tempo é somado na mesma empresa?

Trabalhadores precisam estar cadastrados há pelo menos cinco anos no Fundo de Participação PIS-Pasep ou no Cadastro Nacional do Trabalhador. Nesse caso não há que se falar necessariamente de tempo de recolhimento na mesma empresa. Contudo, para direito ao benefício no calendário atual, o trabalhador deverá ter vínculo mínimo de pelo menos um mês de trabalho e o valor do Abono nesse caso, será proporcional ao período de trabalho atual.

11 – Quando o empregado está licenciado pelo INSS tem direito a recebimento do abono salarial?

Se no ano de referência para o cálculo do Abono Salarial, tiver pelo menos 30 dias de trabalho, terá direito ao Abono Salarial, ainda que na situação atual seja licenciado pelo INSS.

12 – Com as novas regras, caso um trabalhador tenha estado licenciado pelo INSS por alguns meses no ano de 2015, esse período de licença é contabilizado no cálculo do abono salarial?

Não, pois o trabalhador não está exercendo atividade remunerada nesse período de licença.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Concurso tem vagas para professor e técnico-administrativo com salário de até R$ 9,1 mil

25 de agosto de 2016 7
Foto: Piero Ragazzi / Agência RBS.

Foto: Piero Ragazzi / Agência RBS.

 

Publicado no Diário Oficial da União edital para concursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense. Confira os detalhes:

 *** O edital está no Diário Oficial. As informações devem entrar no site do instituto até amanhã, quando abrem as incrições.

Professor:

São quatro vagas para professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico.

Três delas ficam em Pelotas. A outra vaga é para Camaquã. As áreas de atuação são Letras, Biologia e Controle e Processos Industriais.

O salário pode chegar a R$ 9.114, para quem tem doutorado. Parte de R$ 4.234.

Haverá prova teórica, prática e avaliação de títulos.

Inscrição: de 26 de agosto até 22 de setembro. Exclusivamente pela Internet: http://concursos.ifsul.edu.br/

 

Técnico-administrativo:

São 14 vagas. O salário chega a R$ 3.868.

Jaguarão:
1 Auxiliar de biblioteca

Lajeado:
1 Auxiliar de biblioteca
1 Técnico de Tecnologia da Informação

Venâncio Aires:
1 Assistente em Administração
1 Técnico em Eletrônica

Gravataí:
1 Auxiliar de Biblioteca

Novo Hamburgo:
1 Auxiliar de Biblioteca
1 Técnico em Eletrônica

Sapiranga:
2 Auxiliar de Biblioteca
1 Bibliotecário-Documentalista
1 Técnico em Eletromecânica

Sapucaia do Sul
1 Auxiliar em Assuntos Educacionais
1 Técnico em Assuntos Educacionais

Inscrição: de 26 de agosto a 22 de setembro. Exclusivamente pela Internet: http://concursos.ifsul.edu.br

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

 

 

Prós e contras da previdência privada

24 de agosto de 2016 5
Foto: Jean Pimentel / Agência RBS.

Foto: Jean Pimentel / Agência RBS.

 

 

O dinheiro para a aposentadoria não precisa, necessariamente, ser guardado em planos tradicionais de previdência privada. Só que, às vezes, é um produto caro. Ou seja, tem taxas de carregamento de entrada e saída, taxa alta de administração e uma tributação que nem sempre compensa. Há alternativas de investimento.

- Nos planos VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livres), a tributação não compensa. No caso de um resgate único do valor investido, o Imposto de Renda será de 27,5% sobre a rentabilidade para aqueles que estão na tabela progressiva de tributação. No caso da tabela regressiva, a cobrança cai para 10%, mas o prazo dos aportes precisa ser superior a 10 anos, e isso raramente acontece. – complementa o assessor da Pense Investimentos e da Monte Bravo, Felipe Assunção.

O consultor lista – de forma bem clara – os prós e contras da previdência privada:

Vantagens:

- Benefício fiscal para quem declara o Imposto de Renda com formulário completo.
- Funciona como um incentivador para que você guarde dinheiro, já que é preciso destinar uma quantia para a aplicação todo mês. Para quem não tem disciplina para poupar e precisa de um investimento, é recomendada.
- Não há necessidade de continuar na mesma instituição que administra sua previdência. Se não apresentar rendimento, há a possibilidade de realizar a portabilidade para uma outra instituição.
- Você pode mudar o valor e a data que faz a contribuição, ou até realizar uma suspensão temporária e o investimento continua rendendo normalmente.
- Chegando ao final do plano, é possível resgatar o valor total ou optar por retiradas mensais, por tempo determinado ou indeterminado. Esse movimento deve ser bem estudado. A melhor alternativa, normalmente, é fazer a retirada total e realizar uma aplicação em renda fixa, assim você pode aproveitar melhor o seu dinheiro, e continuar tendo rendimentos.

 

Desvantagens:

- As taxas de administração, que são cobradas pela instituição, podem corroer a rentabilidade.
- Além desta taxa, ainda há a de carregamento, que vai incidir sobre cada depósito realizado no plano. Na maioria dos casos, essa taxa não é maior do que 5% sobre o valor de cada depósito.
- Na previdência, você na verdade realiza aplicações em um fundo. Por isso, antes de aplicar, é preciso conhecer as características desse produto financeiro e comparar sua rentabilidade com outras opções.
- Os impostos que incidem sobre a previdência privada a tornam pouco vantajosa no curto prazo. Devido à tributação diferenciada Progressiva (de zero a 27,5 por cento) ou Regressiva (de 35 a 10 por cento), não se pode ver a previdência como uma aplicação de curto ou mesmo médio prazo.
- Os valores não são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Cinco passos para programar a aposentadoria e não depender apenas da previdência pública

..

Leia mais sobre investimentos e finanças pessoais:

Básico para boas finanças – Padrão de vida da família tem que ficar abaixo do que a renda permite

Cinco passos para programar a aposentadoria e não depender apenas da previdência pública

Sete coisas que levam as pessoas a gastarem mais do que ganham

Reserva financeira – Se perder o emprego, teria dinheiro para viver quantos meses?

Como juntar dinheiro para o filho estudar no exterior daqui a 10 anos?

Como juntar R$ 1 milhão?

Quanto investir para garantir renda mensal de R$ 2,5 mil?

Leitor pergunta como aplica o dinheiro da poupança no Tesouro Direto

Títulos do Tesouro Direto estão valendo 30% mais e leitor pergunta se deve vender

Leitor pergunta quais tributos são cobrados no Tesouro Direto

Dicas práticas para estimular o empreendedorismo nos filhos dos 6 aos 17 anos 

Crise econômica – Como explicar para as crianças

Sancionada lei que inclui educação financeira nas escolas de Porto Alegre a partir de 2017

Lançados novos quadrinhos da Mônica sobre educação financeira para crianças

Sete erros para evitar ao dar mesada para os filhos

“Faço birra, ajoelho, deito” – Crianças contam como fazem para ganhar o que querem

Mesada deve começar a partir dos sete anos da criança

Finanças é coisa de criança – As primeiras lições para a vida financeira

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

 

 

Preços de alimentos permitem recuo da inflação

24 de agosto de 2016 0
Foto: Ricardo Wolffenbüttel/ Agência RBS.

Foto: Ricardo Wolffenbüttel/ Agência RBS.

 

 

O IPCA-15 ficou em 0,45% agora em agosto. Considerado uma prévia da inflação oficial do País, teve um recuo em relação a julho, que ficou em 0,54%.

Boa notícia principalmente para as famílias de renda mais baixa, os preços dos alimentos que permitem o recuo do indicador do IBGE. Os preços subiram 0,78%, mas é uma desaceleração forte em comparação com a pesquisa anterior.

O feijão carioca, mais consumido no País, chegou a aumentar 58%. Agora, o aumento foi inferior a 5%.

O IBGE destaca ainda que alguns alimentos chegaram a ficar bem mais baratos. Exemplo: cebola (-22,81%), batata-inglesa (-18%) e hortaliças (-9,01%).

Além dos alimentos, outros três grupos de produtos e serviços apresentaram desaceleração na taxa de crescimento em relação ao mês de julho. Foram Vestuário (-0,13%), Habitação (-0,02%) e Transportes (0,10%).

A Região Metropolitana de Porto Alegre, no entanto, teve aumento no IPCA-15. Passou de 0,20% para 0,45%.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Inflação tem forte recuo em Porto Alegre

24 de agosto de 2016 0

A inflação para o consumidor de Porto Alegre teve um forte recuo. O IPC-S passou de 0,71% para 0,47%.

A pesquisa é feita pela Fundação Getúlio Vargas. As variações de preço consideram os últimos 30 dias.

As principais influências de alta (considera o aumento efetivo do preço e o peso do item nos gastos das famílias):

Show musical +20,49%
Leite longa vida +5,95%
Refeições em bares e restaurantes +0,94%

Principais influências de queda:

Carne moída -5,51%
Batata-inglesa -11,40%
Excursão e tour -4,75%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Leitor pergunta - Vale a pena vender o carro com "troco na troca"?

23 de agosto de 2016 1

Leitor pergunta. Acerto de Conta$ responde.

Foto: Flávio Neves / Agencia RBS

Foto: Flávio Neves / Agencia RBS

 

Leitor Carlos pergunta:

Vale a pena essa promoção “troco na troca” que as concessionárias de carros anunciam? Estou precisando pegar um empréstimo.

 

Com a crise e o crédito bem mais restrito, os anúncios de “troco na troca” cresceram. Ou então, a “troca com troco”.

O blog Acerto de Conta$ buscou ajuda da Associação de Consumidores ProTeste para responder à dúvida do leitor.

Funciona assim: o consumidor tem um carro que vale R$ 10 mil. Vai comprar outro de R$ 20 mil. Só que, em vez de entregar o seu carro antigo valendo R$ 10 mil, entrega valendo R$ 5 mil. Recebe, então, os R$ 5 mil restantes em dinheiro.

Só que… O financiamento, que era para ser de R$ 10 mil, vira de R$ 15 mil.

Como não tem dinheiro de graça, o financiamento tem juros e taxas. E estes percentuais incidirão em cima dos R$ 15 mil e não dos R$ 10 mil se o carro antigo fosse dado na íntegra.

É um empréstimo e, como qualquer um, precisa ser avaliado. Realmente é necessário antecipar esse dinheiro? Será para quitar dívidas mais caras? Comparou as taxas para saber disso?

O custo dessa modalidade de financiamento tem sido de 33% ao ano. É mais baixo do que o empréstimo pessoal, de 150% ao ano. Mas ainda assim: compare!!

Para o vendedor, é bom. Ele financia para ti um bem que ele vai revender e, provavelmente, financiar para outro também.

A ProTeste chegou a testar o serviço neste ano. Visitou quatro concessionárias e duas revendedoras.

Chegou propondo vender o carro e refinanciar outro mais barato. Não conseguiu. Só aceitavam por outro mais caro.

As concessionárias também avaliaram o carro de R$ 22 mil a R$ 25 mil. A tabela Fipe apontava valor de R$ 28 mil.

 

Para finalizar, a entidade dá dicas para quem pretende encarar o “troco na troca”:

- Consulte a tabela Fipe antes de negociar. Ela é a melhor referência de preços de automóveis.

- Não feche negócio logo na primeira proposta que receber. Visite várias lojas, faça um levantamento de preços e compare.

- Avalie bem o estado do veículo a ser comprado, testando seus principais itens antes de concluir a transação.

- Tente vender para particular, para não ter seu carro subavaliado em lojas.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

 

 

Site cadastra preços para apontar o bar com a cerveja mais barata

23 de agosto de 2016 2

cerveja

 
O site Preço do Litrão está cadastrando o preço da cerveja em bares e restaurantes de todo o País. Para mostrar para o consumidor, usa a geolocalização mostrando os estabelecimentos perto de onde o consumidor está.

Em Porto Alegre, tem 25 bares com 55 preços cadastrados por enquanto. E antecipa que a cerveja mais popular da cidade é a Polar, com quase 25% dos cadastros realizados.

Mas o litrão mais barato foi para a Kaiser, com um preço médio de R$ 8,50. O litrão mais caro já encontrado foi a Stella Artois, custando R$ 19.

Apesar do nome, o Preço do Litrão também coleta preços de garrafas de 600mL. Neste quesito, a cerveja mais barata encontrada foi a Itaipava, com preço médio de R$ 5. A mais cara, no entanto, é a Original, custando R$ 13.

Em Porto Alegre, as regiões com mais cadastros são o Centro, Cidade Baixa e Partenon. O site é colaborativo: todos cadastram e fazem a validação dos preços. Para fazer o cadastro, tem que fazer login com o Facebook.

- Já está em desenvolvimento o aplicativo de celular para sistemas Android e iOS. – explica o criador, Leandro Navatta.

O site está passando por mudanças. O aumento muito grande do número de acessos deixa, às vezes, o sistema instável. Mas o pessoal diz que vai normalizar a plataforma nos próximos dias.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Site de reclamação contra empresas teve 660 mil acessos só do Rio Grande do Sul em um mês

23 de agosto de 2016 0

inter

 

 

 

O gaúcho é o quinto que mais acessa o site Reclame AQUI. Fica atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná.

Só em julho, foram quase 660 mil visitas realizadas só no Rio Grande do Sul. São acessos ao site para pesquisa e também para registar reclamações contra empresas.

O site vai realizar um evento em Porto Alegre nesta quarta-feira, dia 24. Chamam de RA Day. O objetivo é reunir profissionais especializados em atendimento para compartilhar métodos de processos como preservar a reputação da empresa e atender o consumidor ao mesmo tempo, entender como funcionam os índices do Reclame AQUI e as formas mais adequadas para fazer o atendimento pela plataforma.

Pitaco do Acerto de Conta$: A blogueira aqui já usou o site algumas vezes, depois de tentar pelos canais tradicionais da empresa. Entra lá, se cadastra e registra a reclamação contra a empresa. No meu caso, eram lojas onde comprei itens pela internet. Mas também já usei o site para pesquisar a postura de empresas em relação a clientes com problemas. Isso porque a empresa pode responder à reclamação, resolver o problema e ainda ser bem avaliada. Mas uma vez uma grande rede de varejo chegou ao absurdo de travar atendimentos no call center tradicional porque havia sido registrada queixa no Reclame AQUI. Foi como uma “punição”.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

 

 

 

 

Leitor pergunta: Quero abrir uma franquia. Como começo a pesquisa?

23 de agosto de 2016 1

Leitor pergunta. Acerto de Conta$ responde.

 

Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS.

Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS.

 
Leitor João Eduardo pergunta:

“Onde consigo dicas de franquias? Temos uma sala de 85 metros quadrados na frente de um shopping. Pensei em um compartilhamento de sala.”

 

Diretora para a Região Sul da Associação Brasileira de Franchising, Fabiana Estrela responde:

“São necessárias mais informações para decidir. Mas, pelo tamanho da sala, imagino um investimento no segmento de serviços.

Tem que ver quanto tem para investir. É um passo. Temos microfranquias, que partem de R$ 5 mil até R$ 30 mil. Começa por venda direta e depois se torna um franqueado.

Há investimentos bem maiores. Depende da estrutura que a marca exige. E há várias marcas estão criando modelos diferentes, como quiosque, lojas…

A pesquisa de franquias pode ser feita no site da Associação Brasileira de Franchising. Temos 3 mil marcas hoje no País. Sendo que 1,2 mil são associadas à ABF. Isso traz segurança. A associação tem comissão de ética, que engloba franqueadores (donos da marca), franqueados e fornecedores. Se há franqueados insatisfeitos com a marca, eles entram contra o franqueador na comissão de ética. Há avaliações de excelência para conseguir um selo.

A ABF tem também um Guia Oficial de Franquias. É gigante e atualizado todos os anos.

Perguntas básicas:

- Qual a marca e o segmento que me brilha o olho?
- Destes, em quais eu me identifico mais com o tipo de cliente?
- Então, vou conversar com os franqueadores.

Seleciona dois ou três. Aí, entra a fundo no processo de seleção da marca. Não é uma decisão rápida. São necessários vários encontros. Pessoalmente, inclusive.

Perguntas importantes: É um investidor? Ou vai trabalhar no negócio?

Se vai trabalhar, pretende se realizar não apenas na esfera financeira. Mas também na profissional e pessoal. Vai construir uma carreira em cima disso, buscar um status.

Por exemplo, nosso negócio é de moda. Tem que gostar de gerenciar estoque, olhar relatório, conversar com pessoas de produto, gostar de gerenciar a parte financeira, pessoas, marketing…

Mais perguntas importantes: Vou investir quanto? Quero tirar um pró-labore (salário) de quanto por mês? Quero retorno do meu investimento em quanto tempo?

E mais: Tem que trabalhar muito! E, às vezes, sem tirar dinheiro no primeiro e nem no segundo ano.

A diferença é que o negócio é iniciado dentro de uma rede, com suporte por trás. Uniforme, fornecedores, modelo de loja… Muitas vezes, uma marca muito forte na tua região. Sempre vai ter alguém do teu lado te ajudando para conseguir o resultado mais rápido. Se começa sozinho, tem que pagar caro por consultorias e tem que descobrir tudo sozinho. A franquia não é garantia total, mas reduz o risco porque o negócio já foi testado e há este suporte de gente experiente.”

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.