Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "Seu Bolso"

Leitor tirou empréstimo para comprar carro e pergunta se faz Imposto de Renda

03 de março de 2017 0

Leitor pergunta. Acerto de Conta$ responde.

 

Pixabay.

Pixabay.

 

Leitor Diego pergunta:

Minha renda é inferior a R$ 28 mil. Ficaria isento da declaração de Imposto de Renda. Porém, tenho uma dívida de empréstimo no valor de R$ 10 mil, que usei para comprar um carro. Mesmo com a isenção, devo declarar tanto o empréstimo como o automóvel?

Diretor Operacional da Fortus, Evanir Aguiar dos Santos responde:

Respondendo objetivamente sua questão, considerando apenas os dados acima, informo que não, não está obrigado a declarar. O fato de possuir empréstimo, bem como bens com valor inferior a R$ 300.000, não obriga a pessoa à entrega da Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda, mas, caso deseje, poderá entregar a declaração.

Em tempo, informo abaixo quem está obrigado à entrega da Declaração, em 2017 referente a 2016:
Rendimentos
- recebeu rendimentos tributáveis , sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma anual foi superior a R$ 28.559,70;
- recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00.
Ganho de capital e operações em bolsa de valores
- obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
- optou pela isenção do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja destinado à aplicação na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da celebração do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005.
Atividade rural
- relativamente à atividade rural:
a) obteve receita bruta anual em valor superior a R$ 142.798,50;
b) pretenda compensar, no ano-calendário de 2016 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2015.
Bens e direitos
- teve a posse ou a propriedade, em 31 de dezembro de 2015, de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00.
Condição de residente no Brasil
- passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nessa condição se encontrava em 31 de dezembro de 2015.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Lojistas de Porto Alegre contam com FGTS de um terço dos trabalhadores

03 de março de 2017 0

fgts

 

Sindilojas Porto Alegre fez uma pesquisa para projetar intenção de compras com o saque das contas inativas do FGTS. Segundo 31,3% dos entrevistados, o dinheiro resgatado será usado para compras no comércio da Capital. As compras devem priorizar roupas e produtos para casa.

Segundo o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, a aposta é no consumidor que quite dívidas e aproveite para fazer alguma compra que não teve condições até o momento.

- Acreditamos que o valor poderá dar um respiro ao varejo, que foi tão impactado pela crise dos últimos anos. Com os dados de retomada de crescimento econômico para 2017, os saques servirão também para que a população possa comprar, o que gerará mais lucro e estímulo à criação de novos postos de trabalho.

A Medida Provisória permite que todo trabalhador que pediu demissão ou teve seu contrato de trabalho finalizado por justa causa até 31 de dezembro de 2015 tenha direito ao saque das contas inativas de FGTS. O calendário de saque começa em dez de março. Veja mais informações:

Com juro em queda, três dicas para investir o FGTS

Gaúchos poderão sacar R$ 2,6 bilhões do FGTS, avisa Ministério do Trabalho

O que fazer com o dinheiro do FGTS?

Quem deve aproveitar para sacar o FGTS? Veja como consultar seu saldo:

 

Quase 9 mil gaúchos enviaram o Imposto de Renda nas primeiras horas do prazo

02 de março de 2017 0

O prazo começou às 8h e até as 11h, 8.667 contribuintes do Rio Grande do Sul já enviaram a declaração do Imposto de Renda. O balanço foi divulgado pela Receita Federal.

A previsão é receber 2 milhões de declarações. O prazo começou hoje e vai até 28 de abril.

As restituições começam a ser liberadas em junho. São lotes mensais que vão até dezembro.

Temporada do Leão – O que você precisa saber para o Imposto de Renda 2017

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Temporada do Leão - O que você precisa saber para o Imposto de Renda 2017

02 de março de 2017 0
Pixabay.

Pixabay.

 

Abriu a temporada de acerto com o Leão. O contribuinte já pode enviar a declaração do Imposto de Renda. O prazo termina em 28 de abril. A liberação das restituições começa em junho, como tradicionalmente ocorre, e vai até dezembro.

Diretor-executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos elencou informações importantes para organizar o Imposto de Renda:

Principais novidades para a DIRPF 2017

1. Para relacionar dependentes ou alimentando acima de 12 anos completados até 31/12/2016, esses deverão possuir CPF.
2. Não há necessidade de baixar programa ReceitaNet para entregar a DIRPF.
3. O sistema usará nome ou razão social informado para CPF ou CNPJ automaticamente após o primeiro preenchimento, mas não validará a informação.
4. A Ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis foi remodelada para o contribuinte relacionar apenas os rendimentos obtidos, mudando a sistemática dos anos anteriores que aparecia todos os tipos de rendimento na tela e o contribuinte informava o rendimento na linha correspondente.
5. A Ficha de Rendimentos Tributados Exclusivamente na Fonte fora remodelada para o contribuinte relacionar apenas os rendimentos obtidos, mudando a sistemática dos anos anteriores que aparecia todos os tipos de rendimento na tela e o contribuinte informava o rendimento na linha correspondente.

Quem é obrigado a entregar

1. Quem recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R$ 28.559,70.
2. Quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000.
3. Quem obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.
4. Quem possui atividade rural e obteve receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50.
5. pretenda compensar, no ano-calendário de 2016 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2016.
6. Quem teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens e direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000.
7. Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro.
8. Quem optou pela isenção do impostos sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da celebração do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005.

Desconto simplificado

Poderá optar pelo desconto simplificado de 20% do valor dos rendimentos tributáveis na Declaração de Ajuste Anual, limitado a R$ 16.754,34 em substituição de todas as deduções admitidas na legislação tributária.

Penalidade pela não entrega

1. Multa de 1% ao mês de atraso, calculado sobre o valor do imposto devido na declaração, sendo essa multa limitada a 20%.
2. Multa mínima de R$ 165,74 (apenas para quem estava “obrigado a declarar”, mesmo sem imposto a pagar).

Como elaborar

1. Computador, mediante a utilização do Programa Gerador da Declaração (PGD) relativo ao Exercício de 2017, disponível no site da Receita Federal do Brasil (www.receita.fazenda.gov.br).
2. Computador, mediante acesso ao serviço “Declaração IRPF 2017 On-line”, disponível no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) no site da Receita Federal do Brasil (www.receita.fazenda.gov.br), com uso obrigatório de Certificado Digital (do contribuinte ou representante/procurador).
3. Dispositivos móveis, como tablets e smartphones, mediante a utilização do serviço “Fazer Declaração Declaração pré-preenchida que poderá ser baixada do site da Receita Federal do Brasil (www.receita.fazenda.gov.br), por meio de certificado digital (do contribuinte ou representante/procurador).
Despesas Dedutíveis

1. Contribuições para a Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
2. Despesas médicas ou de hospitalização os pagamentos efetuados a médicos de qualquer especialidade, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, hospitais, e as despesas provenientes de exames laboratoriais, serviços radiológicos, aparelhos ortopédicos e próteses ortopédicas e dentárias.
3. Previdência Privada [PGBL] cujo limite será de 12% do total dos rendimentos tributáveis no ano.
4. Importâncias pagas em dinheiro a título de Pensão Alimentícia em face das normas do Direito de Família, quando em cumprimento de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente ou por escritura pública, inclusive a prestação de alimentos provisionais.
5. Despesas escrituradas em Livro Caixa, quando permitidas.
6. Valor anual por dependente: R$ 2.275,08.
7. Soma das parcelas isentas vigentes entre janeiro a dezembro de 2015 de R$ 1,903,98 no ano-calendário de 2016, relativas à Aposentadoria, Pensão, Transferência para a reserva remunerada ou reforma, pagas pela previdência oficial, ou privada, a partir do mês em que o contribuinte completar 65 anos, totalizando R$ 24.751,74.
8. Despesas pagas com instrução (educação) do contribuinte, de alimentandos em virtude de decisão judicial e de seus dependentes, até o limite anual individual de R$ 3.561,50.
9. Despesas com aparelhos ortopédicos e próteses ortopédicas pernas e braços mecânicos, cadeiras de rodas, andadores ortopédicos, palmilhas e calçados ortopédicos, e qualquer outro aparelho ortopédico destinado à correção de desvio de coluna ou defeitos dos membros ou das articulações.
10. Seguro saúde e planos de assistências médicas, odontológicas.

Quem pode ser dependente

1. Companheiro(a) com quem o contribuinte tenha filho ou viva há mais de 5 anos, ou cônjuge;
2. Filho(a) ou enteado(a), até 21 anos de idade, ou, em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;
3. Filho(a) ou enteado(a), se ainda estiverem cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, até 24 anos de idade;
4. Irmão(â), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, com idade até 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;
5. Irmão(â), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, com idade até 24 anos, se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau;
6. Pais, avós e bisavós que, em 2016, tenham recebido rendimentos, tributáveis ou não, até R$ 22.847,76;
7. Menor pobre até 21 anos que o contribuinte crie e eduque e de quem detenha a guarda judicial;
8. Pessoa absolutamente incapaz, da qual o contribuinte seja tutor ou curador.

E para fechar: Motivos que levaram à malha fina em 2016

Omissão de Rendimentos de Titular e Dependentes 53%
Dedução Indevida de Prev Privada, Social, Pensão Alimentícias 36%
Valores incompatíveis de Despesas Médicas 21%
Informações declaradas divergentes da fonte pagadora 38%

 

Limitação de cobrança de encargos por inadimplência começa a valer em setembro para bancos

01 de março de 2017 0

O Ministério da Fazenda publicou resolução que disciplina cobrança de encargos por instituições financeiras em caso de atraso de pagamentos por clientes.
A íntegra:

encargos

 

 

Tinha sido aprovada pelo Conselho Monetário Nacional na semana passada. Disciplinou a cobrança de encargos no caso de atraso em pagamentos para bancos. Regra entra em vigor em setembro e só para contratos novos.

Com a nova regra, quem atrasar uma conta poderá arcar com juro remuneratório, juro de mora e multa. Atualmente, pode-se cobrar “comissão de permanência”, taxa que pode ser calculada pelo banco usando as taxas estabelecidas no contrato ou a taxa de mercado do dia do pagamento. A mudança valerá a partir de setembro.

Ex-diretor do Procon e especialista em direitos do consumidor, Cauê Vieira considera a medida positiva porque deixa a cobrança mais transparente. Mas exigirá atenção do consumidor na hora de assinar o contrato e de órgãos de defesa do consumidor e do judiciário quanto a cláusulas abusivas.

Mudança deixa cobrança de juros por bancos mais transparente, mas exige atenção do cliente

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Leitor - Como declaro R$ 5 mil que ganhei da sogra para reformar a garagem?

01 de março de 2017 1

Leitor pergunta. Acerto de Conta$ responde.

 

Pixabay.

Pixabay.

 

Leitor pergunta:

“Como lançar no Imposto de Renda R$ 5 mil que ganhei da minha sogra para reformar a garagem da minha casa?”

Contador Célio Levandovski responde:

“Primeiro, agradeça a Deus pela sogra que tem. Mas, em relação à dúvida, é bem simples: só lançar os R$ 5 mil como rendimentos isentos, item 14, transferências patrimoniais – doações e heranças. Além disso, não esqueça de acrescentar os valores gastos na reforma no imóvel relacionado nos bens.”

Analista de mercado, Débora Morsch acrescenta:

“A doação, apesar de isenta de IR, tem que pagar Imposto ITCD, que é imposto estadual. A alíquota varia de 3% a 4%. A Receita Estadual tem convênio com a Receita Federal. Se o contribuinte não pagar, ele receberá uma notificação.”

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Preço do leite sobe e pode aumentar mais

28 de fevereiro de 2017 0

19140872

 

 

A alta no preço do leite ocorreu no campo em fevereiro após uma sequência de quatro quedas e uma estabilidade em janeiro. O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP, pesquisa as principais bacias leiteiras do País.

Na média nacional, a alta foi de 2,2% em relação a janeiro e de 17% na comparação com fevereiro do ano passado. O preço recebido pelo produtor foi de R$ 1,22 por litro.

Segundo pesquisadores do Cepea, o motivo é a oferta menor com queda na captação de leite.

“Além do clima adverso, especialmente excesso de chuvas, em algumas bacias produtoras, que vem refletindo em queda na produção desde janeiro, os menores investimento na atividade leiteira – reforma e manutenção das pastagens, compra de animais, medicamentos – reforçam a diminuição na disponibilidade do produto. O típico aquecimento do consumo com o retorno das aulas contribuiu para as valorizações do leite, embora a demanda continue abaixo do esperado por agentes.”

A pesquisa da Associação Gaúcha de Supermercados aponta que o preço do leite já vem aumentando para o consumidor gaúcho. O litro do longa vida está custando em média R$ 2,58. Alta de 8% em dois meses.

Para março, a expectativa é que os preços do leite sigam em alta no campo, diz o Cepea. A entressafra começa em março ou abril. Ainda assim, não é esperada uma elevação tão forte de preços como ocorreu no ano passado. Por meses, o preço do leite foi a principal pressão sobre a inflação do consumidor.

“Isso porque os menores custos, influenciados principalmente pela desvalorização dos concentrados, podem estimular produtores de leite a aumentar a quantidade de ração fornecida aos animais, elevando o volume de leite produzido.”

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

"Vai financiar um imóvel? Espere." - aconselha consultor financeiro

28 de fevereiro de 2017 0

Coluna Acerto de Conta$, no Diário Gaúcho. Todas as terças.

 

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Espere por um juro menor na casa própria

- Vai financiar um imóvel? Espere o segundo semestre.

A dica é do consultor financeiro Mauro Calil. A explicação é que a Selic está em queda. O Banco Central deve cortar mais esta taxa de juro, que é referência para a economia no geral.

É esperado, portanto, que as instituições financeiras reduzam mais os juros nos financiamentos imobiliários. Mas demora um pouquinho para chegar ao consumidor.

A dica é para quem vai parcelar. Quem tem dinheiro para comprar o imóvel à vista consegue negociar bons descontos.

- Não precisa se preocupar com os juros ou o Custo Efetivo Total. – diz Calil.

Coluna Acerto de Conta$ - Quando sabemos que a instituição está cobrando um Custo Efetivo Total bom para quem vai comprar imóvel?

Calil - O Custo Efetivo Total bom é o que fica abaixo ou igual aos juros que você recebe em uma aplicação financeira que te renderia 100% do CDI.

Coluna - Onde está isso no contrato?

Calil - No cabeçalho do contrato do financiamento do imóvel, tem que estar o Custo Efetivo Total. Há lei que obriga a instituição financeira a informar o chamado CET. E também aparece nos contratos de cartão de crédito e outros financiamentos.

Coluna - Onde o CET costuma ser menor?

Calil - Nas cooperativas de crédito. Os bancos comerciais costumam ter um custo maior.

Pitaco da coluna – Resumindo, pessoal: CET menor é sinônimo de financiamento mais barato. CET maior indica financiamento mais caro. O juro faz parte do CET, que engloba também outras taxas.

Ouça entrevista recente com Mauro Calil no programa Destaque Econômico, da Rádio Gaúcha:

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Com juro em queda, três dicas para investir o FGTS

27 de fevereiro de 2017 1
Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS.

Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS.

 

O calendário de saque do FGTS já foi anunciado e a liberação do dinheiro começa em março:

 Gaúchos poderão sacar R$ 2,6 bilhões do FGTS, avisa Ministério do Trabalho

O que fazer com o dinheiro do FGTS?

Quem deve aproveitar para sacar o FGTS? Veja como consultar seu saldo:

No programa Destaque Econômico, perguntamos para o consultor financeiro Mauro Calil, da Academia do Dinheiro:

Com cenário de juros em queda no País, quais são as opções de investimento para quem vai sacar um dinheirinho do FGTS e não tem dívidas?

Mauro Calil sugeriu três aplicações financeiras:

- Tesouro Selic (renda fixa). São títulos do Tesouro Direito, pós-fixados, com rentabilidade que segue a variação da taxa de juros Selic. É a antiga LFT. Segundo Calil, o retorno ainda é alto.

- Fundos DI (renda fixa), mas que paguem no mínimo 90% do CDI. E que cobrem taxa de administração de no máximo 1%.

- Para quem gosta de renda variável, sugere fundos imobiliários com lastro em recebíveis imobiliários. São papéis de renda fixa e trazem rentabilidade interessante.

Já quem tem dívidas atrasadas tem que pegar o dinheiro e pagar. Sem choro.

- O juro que você paga (em uma conta atrasada) é sempre maior do que o juro que você recebe (de um investimento).

Ouça a entrevista completa com Mauro Calil:

 


===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Leitora: Não declarei imóvel no Imposto de Renda por dez anos. Como corrijo?

27 de fevereiro de 2017 0

Leitor pergunta. Acerto de Conta$ responde.

 

Foto: CC0 Public Domain

Foto: CC0 Public Domain

 

Leitora Michelle conta:

Adquiri um imóvel há mais ou menos dez anos. Quando comprei, recebia um salário de R$ 900 e declarava como isenta. Porém, os anos foram passando, mudei de emprego e, há mais ou menos uns sete anos, ganho cinco vezes o valor. Porém, nunca coloquei o imóvel no Imposto de Renda.

Então, enviou as seguintes dúvidas, que foram respondidas pelo contador Célio Levandovski:

Leitora: Devo declarar o imóvel, que vale hoje R$ 140 mil?

Levandoviski: Sim. Deves declarar o imóvel, mas pelo valor efetivamente pago, incluindo juros, correção, impostos de transferência e custas de cartório. Não esqueça de colocar a data da compra.

Leitora: Como faço?

Levandovski: Podes incluir o bem na próxima declaração nos bens e direitos, colocando o valor efetivamente pago no ano calendário anterior e atual.

Leitora: Isso é considerado sonegação?

Levandovski: Se tu tinhas renda para fazer os pagamentos, não é sonegação. Somente é uma omissão de um bem, que pode e deve ser corrigida.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.