Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Seu Bolso"

Cesta básica ficou quase R$ 30 mais cara em Porto Alegre com a maior alta do país

08 de maio de 2017 0
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS.

Foto: Charles Guerra / Agencia RBS.

 

Passou só um mês e foi o suficiente para a cesta básica de Porto Alegre ficar R$ 26,97 mais cara aqui. O conjunto de 13 produtos pesquisados todos os meses pelo Dieese passou a custar R$ 464,19.

A alta foi de 6,17% na passagem de março para abril. A maior do país, fazendo com que a cesta de Porto Alegre também ficasse a mais cara.

Alguns alimentos dispararam de preço, como o tomate e a batata. Mas, no total, foram oito produtos com aumento: o tomate (64,69%), a batata (26,64%), o café (2,90%), a farinha (2,80%), a banana (2,62%), a carne (2,22%), o leite (2,03%) e a manteiga (1,45%).

===

Motivos:

Batata – As chuvas reduziram a oferta e houve maior demanda pelo produto na Semana Santa.

Tomate – O fim da colheita da safra de verão e o clima mais ameno, que diminuiu o tempo de maturação do tomate da safra de inverno, reduziram a quantidade do alimento à venda.

===

Em sentido inverso, cinco itens ficaram mais baratos: o feijão (-8,26%), o óleo de soja (-6,30%), o açúcar (-4,32%) e o pão (-0,47%).

No ano, a variação ficou em 1,13%. Em 12 meses, em 8,73%.

É o dobro da inflação. Tomate, manteiga e banana puxam o aumento nesta comparação.

O salário mínimo necessário deveria ser de R$ 3.899,66, ou seja 4,16 vezes o mínimo de R$ 937. O Dieese sempre faz este cálculo considerando o estabelecido na Constituição de que o mínimo deveria ser suficiente para sustentar uma família.

“O trabalhador com rendimento de um salário mínimo necessitou, em abril, cumprir uma jornada de 108 horas e 59min para adquirir os bens alimentícios básicos. Essa jornada foi maior do que a registrada em março (102h 40 min) e maior do que em abril de 2016 (106h 44 min).” – calcula o Dieese.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Fábrica de Panambi abre 100 vagas de emprego

05 de maio de 2017 0
Foto: Reprodução.

Foto: Reprodução.

 

Indústria do setor metalmecânico, a Bruning Tecnometal abriu 100 vagas de emprego. Fica em Panambi, no Noroeste do Rio Grande do Sul. A função é auxiliar de produção.

Inicialmente, são vagas de trabalho temporário por alguns meses e com contratação imediata. Mas possibilidade forte de efetivação e continuidade na empresa, segundo Ticiana Teixeira, da AST Facilities, que está encaminhando a seleção.

Os candidatos precisam ter ensino fundamental completo. Não precisa experiência em indústria.

A empresa dá preferência para moradores de Panambi e Condor. Exigência que poderá ser flexibilizada e são recebidos currículos mesmo de moradores de fora destas cidades.

Salário inicial em torno de R$ 1,2 mil. Alimentação no local e vale transporte já para as vagas temporárias.

Os interessados devem entrar em contrato com a empresa de recrutamento e seleção AST Facilities, de Porto Alegre. Pelo telefone 51.32548400, com Ticiana Teixeira, ou e-mail ticiana.teixeira@astfacilities.com.br. 

A Bruning foi fundada em 1947. Produz equipamentos e peças para empresas dos segmentos agrícola, rodoviário, automotivo e de construção.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Noivos ficam sem comer e serão indenizados por falta de comida no casamento

04 de maio de 2017 4

casorio

 

A situação foi a seguinte: o casal contratou o serviço de buffet. Tudo direitinho: salada, duas massas, carne com guarnição, tudo custando R$ 3,2 mil. Na degustação, os pratos eram fartos e bem elaborados. E, segundo os noivos, a empresa garantiu que os convidados poderiam repetir os pratos.

O serviço foi pago até mesmo antes do casamento. Só que, na festa, os pratos eram metade do tamanho da degustação, segundo o casal. Com porção pequena de comida. Disseram ainda que o molho era diferente do combinado, tinha pouca carne e um dos pratos não foi servido. Um dos noivos foi até a cozinha falar com o réu e contou que foi insultado e tratado com grosseria.

Ajuizaram ação na Justiça pedindo reparação. O casal disse que passou vexame e vergonha em uma ocasião tão esperada e planejada, além do mero dissabor.

Teve contestação do réu. A empresa alegou que foi contratada para servir buffet na modalidade “finger food”, ou seja, mini porções. E que não estava prevista repetição. Acrescentou que o número de convidados era de 78, mas foram mais de 90.

Lá no Juizado Especial Cível da Comarca de São Marcos, mandou-se pagar R$ 5 mil de indenização aos noivos. Os autores recorreram, pedindo indenização maior.

Na Turma Recursal, a decisão destacou falha no serviço. Em depoimento do próprio réu, o normal é servir entre 600 e 800 gramas por pessoa. No dia do evento, foram servidos em média 551 gramas.

A justiça ainda destacou que a má prestação do serviço causou tristeza, indignação e nervosismo ao casal. Os noivos não jantaram por falta de comida.

- Examinando as fotografias não é difícil a constatação de que a comida era pouca. Basta uma comparação com o tamanho do guardanapo e do prato. Aliás, sequer pratos suficientes havia, e sendo o jantar à francesa, estava obrigado o demandado a prover não apenas a comida, mas a louça e talheres suficientes a atender o número de convidados. – destacou a juíza Gisele Azambuja.

Mas a Justiça não mandou ressarcir todo o valor do buffet porque, bem ou mal, o serviço foi prestado. Mandou restituir 30% do valor gasto com o buffet e dano moral de R$ 8 mil.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Rio Grande do Sul mantém quarto maior potencial de consumo do país. Cidades gaúchas em destaque:

04 de maio de 2017 1

 

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

 

O potencial de consumo no Rio Grande do Sul para 2017 é de R$ 285,560 bilhões. Representa 6,8% do montante do país, um pouco maior do que no ano anterior.

Ficamos em quarto lugar no ranking de Estados. É a mesma posição de 2016 no IPC Maps, feito pela empresa especializada em informações de mercado IPC Marketing Editora.

A lista é, obviamente, liderada por São Paulo, que responde por mais de 27% do potencial de consumo brasileiro. Depois, aparecem Minas Gerais e Rio de Janeiro.

E quais municípios gaúchos aparecem no ranking dos 50 primeiros colocados no país?

1 – Porto Alegre ainda lidera no Estado. Mas caiu da 7ª para a 8ª posição no país. Foi ultrapassada por Fortaleza. Tem um potencial de consumo para 2017 de R$ 48,134 bilhões. É 1,14% do país.

2 – Caxias do Sul seguiu em segundo e manteve a 30ª posição no país. Potencial de consumo de R$ 16,73 bilhões.

E deu. Não tem mais gaúchos no topo do ranking.

Uma análise nacional

O estudo IPC Maps mostra que o consumo nacional tem fôlego para atingir R$ 4,2 trilhões. Serão gastos R$ 300 bilhões a mais que em 2016, indicando crescimento real estimado em 0,42%.

O desembolso permanece maior no interior dos Estados sobre as capitais.

- Enquanto os 50 maiores municípios concentram mais de 40% de tudo que é consumido no país, a mobilidade nos extratos sociais está praticamente estagnada, com reflexos de queda no topo da pirâmide social, que é formada pelas Classes A e B, e estreitamento ainda mais acentuado nas classes menos favorecidas.

Vem do interior 70,15% do consumo. Pouco mais de R$ 2,9 trilhões. E este fenômeno não é novo. Vem desde 2015, quando a movimentação do consumo fora das Capitais bateu os 70%.

- Atualmente, resta às capitais estaduais R$ 1,3 trilhão, menos de 30%, uma participação que por longos anos espelhava mais da metade do consumo nacional.

Hábitos de consumo

Os itens básicos lideram o consumo. Veja o quadro:

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Vítimas do golpe do cartão de crédito não são ressarcidas. Está correto?

03 de maio de 2017 0

 

Foto: Cid Martins / Rádio Gaúcha.

Foto: Cid Martins / Rádio Gaúcha.

 

O colega Cid Martins, do blog Caso de Polícia, trouxe nesta manhã a seguinte notícia: Desarticulada em SP e no RS quadrilha que aplicava golpes em clientes que usam cartões de crédito

As vítimas deste golpe não estão sendo ressarcidas. As operadoras de cartão afirmam que no contrato assinado estava a orientação de não fornecer a senha.

Mas, afinal, o cliente tem que ser ressarcido?

Especialista em direitos do consumidor e ex-diretor do Procon Porto Alegre, Cauê Vieira lembra que a responsabilidade da prestadora de serviços é objetiva, o que significa que não depende de culpa da empresa.

- Dizer que “A senha é pessoal e intransferível. Não a forneça a ninguém.” não necessariamente se enquadra em uma comunicação de segurança adequada… Se há um padrão de consumo discrepante do usual, a operadora pode ser responsabilizada porque deveria ter tomado medidas de segurança.

Então, a regra é: ocorrendo a entrega da senha não haveria responsabilidade do banco. Mas, quando há qualquer falha nos mecanismos de segurança dos bancos pela não identificação de fuga de padrão no uso do cartão, há a quebra da relação de confiança na segurança. Esta quebra é o que gera o dever de ressarcir, segundo Vieira.

E o advogado dá um exemplo:

- Só faço compras em supermercados de no máximo R$ 200 por vez. Caio no golpe, entrego meu cartão e senha e, de uma hora para a outra, começa a aparecer compra de passagem aérea, TV, computador, celular, tudo em valores que não são os normais. A operadora deveria bloquear essas compras.

Vieira compara com as discussões sobre a responsabilidade de bancos e operadoras de cartão em caso de sequestro relâmpago. Lembra que há decisões judiciais para os dois lados, sustentadas nas provas para verificar se houve falha na segurança ao cliente.

- Mas a maior inclinação do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul é por considerar falha de segurança como dever de indenizar…

E o que fazer quando a pessoa recebe uma ligação assim?

Inverter a situação. Desconfiou? Desliga o telefone e liga para a central de atendimento para confirmar a história com um atendente, através do número de sempre, informado pelo banco. Nunca em um número passado na ligação recebida. Segunda dica de segurança: cadastrar o telefone celular nos serviços para receber mensagem para cada compra realizada.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Quatro cidades gaúchas estão entre as 10 que mais criaram empregos em 2017

02 de maio de 2017 1
 Adriana Franciosi/Agencia RBS

Adriana Franciosi/Agencia RBS

 

Quatro cidades gaúchas estão entre as dez que mais criaram empregos em 2017 no país. São elas: Santa Cruz do Sul, Vacaria, Venâncio Aires e Caxias do Sul.

Município e vagas geradas:

SP-Franca 4.685

RS-Santa Cruz do Sul 4.654

RS-Vacaria 3.685

MG-Nova Serrana 3.307

RS-Venâncio Aires 2.819

SC-Joinville 2.559

RS-Caxias do Sul 2.127

SP-Birigui 2.120

SC-Blumenau 2.043

GO-Cristalina 1.746

O resultado foi destacado na análise da Confederação Nacional do Comércio sobre o desempenho do mercado de trabalho no primeiro trimestre. Já tínhamos noticiado aqui  o resultado do Rio Grande do Sul no cadastro do Ministério do Trabalho: Rio Grande do Sul cria emprego com carteira assinada pelo terceiro mês consecutivo.

No acumulado do trimestre, o desempenho do Rio Grande do Sul foi o melhor do país. Ainda longe de recuperar os empregos perdidos na crise, o Estado criou 24.643 postos de trabalho com carteira assinada. O Rio de Janeiro foi o pior, com menos 52 mil empregos.

Nove das dez profissões com maior geração de postos de trabalho o salário médio de admissão observado em março de 2017 fica abaixo da média global, de R$ 1.445,33. Mas todas essas remunerações tiveram ganhos reais nos 12 meses encerrados em março de 2017, observa a CNC.

- A reação de alguns segmentos do mercado de trabalho demonstra o início de uma retomada parcial da empregabilidade, que é o principal entrave para o crescimento do consumo no país. – aponta Fabio Bentes, economista da CNC.

O desempenho mais favorável da agropecuária e da indústria em detrimento do setor terciário está associado ao maior aquecimento da exportação. Isso explica o desempenho das cidades gaúchas.

 

Mocinha da vez: Energia elétrica faz inflação cair

02 de maio de 2017 0

16391387-e1470145768558

 

A Fundação Getúlio Vargas divulgou nesta segunda-feira o fechamento de abril da inflação para o consumidor. Mais uma vez, o Índice de Preços ao Consumidor recuou, para 0,12%.

E, assim como outros indicadores vêm mostrando, a conta de luz pesou menos em abril. A tarifa de eletricidade residencial passou de principal pressão de alta para ou outro lado: maior influência de queda na inflação.

E isso apesar da bandeira vermelha, mecanismo de repasse mensal ao consumidor do custo da energia. Estamos pagando a cobrança extra mais alta.

Mas, então, o que está fazendo a conta de luz ficar mais barata a ponto de influenciar na inflação?

Coordenador da pesquisa da FGV, André Braz confirma que é o ajuste nas tarifas e a devolução de valores cobrados equivocadamente do consumidor. A Agência Nacional de Energia Elétrica definiu isso no fim de março.

Valor pago a mais será abatido na conta de luz de abril. Veja simulações para os gaúchos:

O motivo da cobrança errada envolve a Usina de Angra 3, no Rio de Janeiro. Deveria ter começado a entrar em operação em janeiro de 2016, mas as obras estão atrasadas. Mesmo sem previsão de quando a usina começará a fornecer energia elétrica, custos de encargos operacionais de Angra 3 foram cobrados dos consumidores.

A devolução atinge R$ 900 milhões. Depende de cada distribuidora.

Falando em inflação, o Banco Central divulgou também nesta terça-feira o relatório Focus. Para o IPCA, o mercado cortou a previsão pela oitava semana consecutiva. Reduziu para 4,03% a aposta para 2017.

Para o PIB, melhorou. Previsão de crescimento passou para 0,46%.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

 

Sine tem mutirão de entrevistas para vagas de trabalho no RS

02 de maio de 2017 0
Foto: Tadeu Vilani / Agência RBS.

Foto: Tadeu Vilani / Agência RBS.

 

Um dia depois do Dia do Trabalho, é hora de buscar emprego. A Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social promove o evento Trabalhador em Foco.

Será nas Agências FGTAS/SINE e reunirá entrevistas de emprego para várias vagas. Interessados devem ir até a unidade mais próxima com a Carteira de Trabalho em mãos.

Porto Alegre

Será na Agência FGTAS/SINE Centro (Rua José Montaury, 31). Serão mais de 200 vagas de emprego para operador de telemarketing receptivo, porteiro, operador de telemarketing ativo, auxiliar de depósito, operador de empilhadeira elétrica, consultor de vendas, técnico gráfico e contínuo. Também haverá vagas exclusivas para Pessoas com Deficiência e reabilitados do INSS.
Apenas as vagas de contínuo, atendente e operador de telemarketing receptivo não exigem experiência comprovada em Carteira de Trabalho. Para se candidatar às vagas de consultor de vendas, técnico gráfico, contínuo, atendente e operador de telemarketing, no entanto, é necessário ter Ensino Médio. As demais funções exigem Ensino Fundamental completo.
Os salários variam de R$ 937 a R$ 2.000. As entrevistas de emprego ocorrerão das 9h às 12h e das 13h às 16h. Exceto para as vagas de porteiro e de consultor de vendas, que serão das 9h às 11h30 e de técnico gráfico e de contínuo, das 14h às 16h.

Charqueadas

Palestras e orientações sobre currículo, qualificação e acerca dos serviços de intermediação de mão de obra e de encaminhamento de seguro-desemprego na Agência FGTAS/SINE de Charqueadas (Av. Getúlio Vargas, 435).

Montenegro

Entrevistas para vagas de emprego na Agência FGTAS/SINE de Montenegro (Rua Ramiro Barcelos, 1640), além de orientações sobre cursos, estágios e temas relativos ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

No turno da manhã, às 8h, haverá seleção para 2 vagas de auxiliar de limpeza, com salário de R$ 1.145, e 2, de assistente de logística de transporte, com salário de R$ 1.400. As funções exigem, respectivamente, Ensino Fundamental incompleto e Ensino Médio completo. Também é necessário ter experiência comprovada em Carteira de Trabalho.

No turno da tarde, às 13h, serão realizadas entrevistas para 2 vagas de auxiliar de linha de produção, com salário de R$ 1.200; bem como 1 vaga de motorista, com salário de R$ 1.500, e 1 vaga de vendedor externo, com salário de R$ 1.400. As funções de auxiliar e de motorista exigem Ensino Fundamental completo e a de vendedor externo, Ensino Médio incompleto. Para as vagas de auxiliar, não é necessário ter experiência. Já para as vagas de motorista, exige-se experiência comprovada em Carteira de Trabalho.

Passo Fundo

A formatação de currículos e o comportamento na entrevista de emprego serão os temas abordados em palestra na Agência FGTAS/Sine de Passo Fundo (Av. Brasil Leste, 631), às 10h.

Santa Cruz do Sul

Haverá palestra sobre qualificação profissional do Senai, na Agência FGTAS/SINE de Santa Cruz do Sul (Rua Marechal Floriano Peixoto, 907).

Santiago

Também haverá seleção de emprego na Agência FGTAS/SINE de Santiago (Rua Bento Gonçalves, 2165).

Tramandaí

Na Agência FGTAS/SINE de Tramandaí (Av. Emancipação, 1405), serão realizadas entrevistas, às 13h30, para 25 vagas de operador de caixa; 25, de auxiliar de cozinha e 25, de garçom para rede de restaurantes. As funções exigem experiência com atendimento ao público. As vagas de auxiliar e garçom exigem Ensino Fundamental e operador, Ensino Médio em andamento. Os salários variam de 1.150. O Senac Tramandaí também prestará os serviços de barba e corte, às 13h30, no local.

Esteio

O Sine Móvel estará em Esteio, na Rua Garibaldi (Rua Coberta), das 9h às 16h. Os servidores prestarão os serviços de intermediação de mão de obra e de encaminhamento de Carteira de Trabalho.

Haverá seleção para 100 vagas de operador de máquina CNC e de montadores para trabalhar em Porto Alegre. As funções exigem Ensino Médio completo. É desejável ter conhecimento na área. Para se candidatar à vaga de operador, é necessário ter experiência comprovada em Carteira de Trabalho. O empregador oferece salário de R$ 1.758, além de adicional de 20% de insalubridade, vale transporte e refeição no local.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Porto Alegre fica em 10º em ranking de melhores capitais para viver no Brasil

01 de maio de 2017 3

 

Foto: Marcelo Oliveira / Agência RBS.

Foto: Marcelo Oliveira / Agência RBS.

 

A partir de um levantamento, a consultoria Macroplan atualizou o ranking do Índice Desafios da Gestão Municipal. Pelo IDGM de 2017, pode-se identificar as melhores e piores capitais para se viver no país, segundo a empresa.

Porto Alegre (RS) ficou em 10º lugar, com índice de 0,622. Quanto mais próximo de 1, melhor.

A capital considerada a melhor foi Curitiba (PR), com 0,696. Na outra ponta, como a pior, ficou Macapá (AP), com 0,434.

O estudo da empresa analisou os municípios a partir de 16 indicadores. As informações foram divididas em saúde, educação e cultura, segurança e saneamento e sustentabilidade.

Porto Alegre nas áreas:

Educação e Cultura 15º lugar

Saúde 10º lugar

Segurança 10º lugar

Saneamento e Sustentabilidade 6º lugar

===

No ranking dos 100 maiores municípios, Porto Alegre fica em 44º lugar. Antes, aparece Caxias do Sul, em 31º e Santa Maria, em 42º.  

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Pesquisa mostra como classes C, D e E lidam com o dinheiro. Veja dados do Sul:

01 de maio de 2017 2

 

Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS.

Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS.

Estudo buscou entender o comportamento financeiro de 113 milhões de brasileiros das classes C, D e E, que têm renda mensal de até R$ 750. Foi realizado pelo Plano CDE e pela Fundação Getúlio Vargas.

Alguns pontos chamaram a atenção dos pesquisadores. Um deles é que o comportamento é muito heterogêneo.

- Rompe a crença de que o comportamento financeiro destas pessoas grupo seria homogêneo e desordenado. – afirma Maurício de Almeida Prado, diretor da Plano CDE.

E ainda: aspectos como renda e idade não são suficientes para entender essa diversidade. Foram, então, traçados perfis. Houve a identificação de três perfis puros, a partir das características predominantes.

Mas há perfis mistos. Um indivíduo pode ter características de um perfil puro ou de perfis intermediários, com diferentes graus de intensidade.

Conforme os dados da Região Sul, enviados para blog Acerto de Conta$ e Rádio Gaúcha, a divisão aqui fica assim:

 

planoscde
Alguns destaques da Região Sul:

Suponhamos que você pegasse emprestado R$ 100 de um amigo e após uma semana pagasse de volta R$ 100. Quanto de juros você está pagando?
70,9% acertou. Acima da média nacional. Mas 13% não sabia responder.

Agora suponhamos que você coloque R$ 100 em uma poupança que rende 2% ao ano. Você não faz nenhum outro depósito nem retira nenhum dinheiro desta conta. Quanto você teria nesta conta ao final do primeiro ano, contando com os juros?
Apenas 22,3% acertou na Região Sul: R$ 102. Outros 34,3% erraram, dizendo R$ 120. E mais 27,1% não sabiam!

Eu gostaria de saber se você considera as frases as seguir verdadeiras ou falsas: Em um país onde a inflação é alta os preços não se alteram tanto com o tempo.
60,6% acertou que é falsa. Mas 5,5% disse que não sabia.

Agora imagine que um dos amigos tenha recebido o dinheiro e guardado em casa. Considerando que a inflação é de 10% ao ano, após um ano ele será capaz de comprar:
56,1% acertou: menos do que compraria hoje. Só que 9,9% não sabia responder. E outros 13,4% disseram que compraria mais.

Eu gostaria de saber se você considera as frases as seguir verdadeiras ou falsas: É provável que um investimento de maior retorno tenha maior risco.
58,6% acertou. Só que 10% não sabia responder.

===

Ouça entrevista de Maurício de Almeida Prado, diretor da Plano CDE, ao programa Destaque Econômico:

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.