Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Sustentabilidade"

Empresa indiana arremata lote de linha de transmissão de energia no Rio Grande do Sul

24 de abril de 2017 1

A Agência Nacional de Energia Elétrica fez hoje um leilão para construção, operação e manutenção de 7,4 mil quilômetros em linhas de transmissão. São projetos em 20 Estados, incluindo dois lotes aqui no Rio Grande do Sul.

Foram arrematados 31 de 35 lotes. Vencia a concessão de cada lote do leilão a empresa que topasse receber a remuneração mais baixa pela construção e operação da linha de transmissão. Os contratos de concessão têm 30 anos de duração.

Um dos lotes gaúchos foi arrematado por uma empresa indiana, conforme a Aneel:

“Linhas de transmissão e subestações localizadas no Rio Grande do Sul foram arrematadas pela STERLITE POWER GRID VENTURES LIMITED durante o Leilão de Transmissão Nº 5/2016.

O valor ofertado pela empresa foi de R$ 34,5 milhões representando um deságio médio de 58,86% em relação à Receita Anual Permitida (RAP) inicial estabelecida pela Agência de R$ 83,9 milhões. A RAP é a receita a que o empreendedor terá direito pela prestação do serviço de transmissão a partir da entrada em operação comercial das instalações.

O lote 10 possui linhas com 112 km de extensão e subestações com 496 MVA de potência. O lote servirá para o atendimento às regiões de Bento Gonçalves, Carlos Barbosa, Farroupilha, Garibaldi e Lajeado, além de aumento da confiabilidade do sistema.”

A mesma empresa arrematou outro lote. Este segundo fica em Pernambuco.

===

O outro lote não teve interessado. Eram 38 quilômetros em Nova Santa Rita.

As instalações terão prazos de até 60 meses para entrar em operação comercial.

 

BNDES aprova financiamento para 12 parques eólicos no Rio Grande do Sul

24 de abril de 2017 1

BNDES aprovou financiamento de R$ 679 milhões para 12 parques eólicos no Rio Grande do Sul. Os empreendimentos são do Grupo Atlantic.

O projeto todo é orçado em R$ 1,2 bilhão. Tem potência instalada de 207 (MW), suficiente para atender 1,2 milhão de pessoas.

A assinatura ocorre nesta tarde em cerimônia no Palácio Piratini.  O repórter da Rádio Gaúcha Mateus Ferraz vai acompanhar o evento.

O dinheiro virá de forma mista. São R$ 449 milhões diretamente pelo BNDES FINEM e R$ 230 milhões repassados pelo BRDE. O projeto também poderá emitir R$ 109 milhões em debêntures de infraestrutura.

A energia do Complexo Eólico Santa Vitória do Palmar foi contratada no 18° Leilão de Energia Proveniente de Novos Empreendimentos de Geração (Leilão A-5 de 2013). Ocorreu em dezembro de 2013.

A Atlantic Energias Renováveis é controlada pelo grupo britânico Actis.

 

Quer fazer um trabalho voluntário? Veja 10 opções:

13 de abril de 2017 0
Divulgação Sesc.

Divulgação Sesc.

 

Quantas pessoas têm vontade de fazer um trabalho voluntário, mas não sabem como ou acham que tomaria muito tempo? Muitas. Mas o trabalho voluntário nem sempre precisa ser presencial, fixo ou exige muitas horas de dedicação.

A nosso pedido, a assistente social do Sesc Comunidade, Luciana Basile, enviou 10 opções de trabalho voluntário:

1 – Ajudar na cozinha de uma creche a preparar alimentos.

2 – Contas histórias para crianças.

3 – Ajudar crianças e adolescentes a fazer o tema de casa.

4 – Manter atualizadas as redes sociais de entidades como creches e asilos.

5 – Conversar e fazer companhia para idosos que não recebem visitas nos asilos.

6 – Ajudar as entidades sociais na elaboração de projetos para editais. 

7 – Mobilizar campanhas nas redes sociais para arrecadação de alimentos e roupas.

8 – Criar ferramentas para ajudar na gestão de entidades sociais.

9 – Ajudar em eventos comemorativos, como Páscoa, Dia das Mães e Natal. 

10 – Ajudar na organização de bibliotecas, arquivos e documentos. 

===

Curso de Preparação para o Voluntariado

O Sesc tem, inclusive, um curso gratuito para ajudar pessoas que querem entrar no mundo do voluntariado. E as inscrições estão abertas para o curso de maio. Ainda há 15 vagas.

Dias 9, 10 e 11 de maio

Sesc Centro (Alberto Bins 665)

As inscrições são pelo site www.sesc-rs.com.br.

O Sesc-RS quer formar 220 voluntários em 2017. Com isso, o Programa Sesc de Voluntariado superaria o ano passado, quando foram 200 pessoas.

Informações:

Porto Alegre – Sesc Comunidade – 51,32241764

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Fundo tem R$ 38 milhões para investir em empresas de tecnologia do Sul

05 de abril de 2017 0
CC0 Public Domain

CC0 Public Domain

 

 

Ainda restam R$ 38 milhões do Criatec 3 para empresas aqui da Região Sul. Esta é a intenção da Inseed, já que R$ 2 milhões estão destinados para a primeira empresa com o projeto aprovado nesta edição do projeto e que será revelada nesta quinta-feira.

É uma iniciativa aqui do Rio Grande do Sul. Outros sete projetos, de 900 recebidos, também já foram avaliados como “dentro dos critérios”.

O recurso é do BNDES, com cotistas como Badesul e BRDE (que somam R$ 22 milhões). No total, são R$ 230 milhões. A Inseed foi contratada para gerir o fundo Criatec, ou seja, seleciona os projetos e atua como empreendedor parceria durante o desenvolvimento.

Tem que ser empresa de alta tecnologia, com propostas que não possam ser facilmente copiadas. A Inseed alerta que não são iniciativas como Uber e Airbnb. Cita exemplos como uma empresa que criou um sistema de mapeamento de mercados regionais, outra que criou uma bactéria que purifica a água ou uma que trabalha o plástico para substituir madeira. Em geral, são empresas criadas dentro das universidades, com tecnologias inovadoras e com potencial alto de crescimento.

Para tentarem os recursos, as empresas devem fazer a inscrição pelo site do Criatec 3. É bom já ir separando demonstrativos financeiros, estrutura de custos e perfil de faturamento.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

 

 

Marca gaúcha faz bolsas com material que sobra nas fábricas de roupas e calçados

07 de fevereiro de 2017 0

Quadro Fique de Olho, no Destaque Econômico.

Por Mariana Ceccon (mariana.ceccon@rdgaucha.com.br)

 

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

 

A designer Miriam Magalhães lançou em dezembro a marca Rurban, que confecciona bolsas sustentáveis. Usa técnicas artesanais e tem a pegada ecológica, já que os produtos são feitos de material que sobra do setor têxtil e calçadista.

A primeira coleção foi chamada de Tradições. Na Linha Tradição, foram produzidos acessórios em crochê e tricot. Na Linha Bolsatap, as bolsas foram produzidas com tapetes de fios de malha e algodão reciclados, como explica Miriam. Já a linha Leather Wood usa crochê, couro excedente do setor calçadista e madeira reciclada.

- Um dos pilares da marca é justamente essa pegada ecológica. A linha Bolsatap, por exemplo, é confeccionada a partir de tapetes de malhas reaproveitadas. Criei um produto a partir de um material que já havia sido reciclado justamente para não precisar multiplicar ainda mais a cadeia de produção. Assim, produzo uma bolsa totalmente diferente e exclusiva.

As bolsas custam em média R$ 300 e podem ser compradas pelo Facebook e pelo Instagram da Rurban. Nos próximos dias, será lançado o e-commerce da marca e as compras poderão ser feitas também pelo site rurban.com.br.

Está nos planos de Miriam expandir a marca e lançar uma linha de calçados ecológicos. A expectativa também é exportar os produtos para os Estados Unidos e países da Europa.

Ouça o Destaque Econômico, na Rádio Gaúcha:

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Ambev instala mais máquinas que recolhem garrafas de cerveja e dão cupons de desconto

08 de dezembro de 2016 1
Foto: Divulgação Ambev.

Foto: Divulgação Ambev.

 

 

O projeto começou com 14 máquinas e vai encerrar o ano com 24 equipamentos no Rio Grande do Sul. A Ambev retirou algumas, mas está instalando mais máquinas para facilitar a troca de garrafas de vidro retornáveis.

A cervejaria colocou o equipamento em dez cidades cidades: Porto Alegre, Viamão, Dois Irmãos, Lajeado, Santa Cruz do Sul, Alvorada, Gramado, Canoas, Esteio e Capão da Canoa. Até hoje, já receberam mais de 2 milhões de garrafas de vidro.

Funciona assim: depois de comprar o primeiro vasilhame, o consumidor leva o casco vazio até máquina e retira um ticket de desconto para a compra de um outro retornável. Os cupons não têm data de validade e devem ser entregues no caixa para que o valor das garrafas devolvidas seja descontado dos novos produtos.

- A economia com as garrafas retornáveis pode chegar até 30%, já que, após a primeira compra, o cliente não paga por uma nova embalagem. – estima Felipe Cerchiari, diretor de marketing regional da Ambev.

O preço varia conforme o ponto de venda e a região. São as lojas que determinam e não a Ambev. Mas a fabricante informa que o desconto costuma ficar em R$ 1. Por exemplo, sem vasilhame, a bebida custaria R$ 2,40. Fazendo a troca, fica R$ 1,40.

Cada ponto de entrega tem capacidade para receber cerca de 130 garrafas de 300 ml. Essas embalagens, conhecidas como miniretornáveis, já estão disponíveis para as marcas Skol, Brahma e Antarctica. Qualquer uma delas pode ser entregue nas máquinas e o desconto gerado é válido para os três rótulos.

Veja os pontos de coleta:

 

endereços

 

 

Além de economia em tempo de crise, há o benefício para o meio ambiente também. As garrafas chegam a ser reutilizadas 20 vezes.

Para encontrar pontos de troca dos cascos, a Ambev também lançou o site Miniretornáveis.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Franquia de Goiás quer abrir 12 lojas de produtos orgânicos e saudáveis no Rio Grande do Sul

22 de novembro de 2016 0

A Terra Madre, de Goiânia (Goiás), entrou há pouco na Associação Brasileira do Franchising e está com vários contratos assinados já. Tem vários locais do Rio Grande do Sul mapeados. A ideia é abrir 12 unidades aqui nos próximos dois anos.

O investimento inicial gira em torno de R$ 200 mil. A previsão de retorno é de 24 meses.

Leia mais no blog Lado Natureba.

Terra Madre - Orgânicos e Saudáveis - loja interno

Avança tratativa para chinesa assumir obras atrasadas na área de energia no Rio Grande do Sul

11 de novembro de 2016 1

Avança tratativa para chinesa assumir obras atrasadas para transmissão de energia no Rio Grande do Sul. Comitê da Eletrosul aprovou a proposta da Shangai Eletro Company.

- Agora, a empresa chinesa analisa mais profundamente a documentação, obtenção de licenças e questões de ajuste. Haveria um processo de transição. – explica Franklin Lago, gerente do Departamento de Engenharia de Geração da Eletrosul.

A previsão do executivo é que a transferência seja formalizada no primeiro trimestre de 2017. Se tudo correr como deve.

- É preciso criar empresas e também serão mantidos contratos que a Eletrosul já tinha firmado.

São 2,2 mil quilômetros de linhas de transmissão e 19 subestações. Alguns projetos já estão iniciados.

Quando a Eletrosul assumiu o investimento, estava previsto em R$ 3,4 bilhões. Se a chinesa tocar o negócio, que está atrasado, deve haver alteração neste valor.

O tema foi pauta de audiência na Assembleia Legislativa nessa quinta-feira. Deputado Frederico Antunes lembra que projetos eólicos foram retirados de leilão por falta de estrutura de transmissão.

 


 

Plástico verde produzido no Rio Grande do Sul é usado por astronautas

07 de novembro de 2016 0
Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

 

 

Chamado de “plástico verde”, a resina feita de cana-de-açúcar no Rio Grande do Sul está sendo usada em estação espacial. É resultado de parceria entre a Braskem e a Made In Space.

A empresa norte-americana desenvolve impressoras 3D para operação em gravidade zero e é fornecedora da Nasa. A tecnologia permite que o plástico verde fabricado em Triunfo seja usado para produzir peças de reposição no espaço.

O projeto é chamado de Imprimindo o Futuro com a Nasa. A ideia é que mais de um terço das peças usadas pela Estação Espacial Internacional possam ser substituídas por produtos impressos em 3D em caso de defeito ou mau funcionamento.

Os astronautas poderão receber por e-mail o design digital dos objetos e imprimi-los no espaço. Se não, teriam que esperar dias até que o produto chegue no espaço. Além disso, o envio de um quilo custa cerca de US$ 10 mil.

O plástico verde é feito a partir do eteno obtido do etanol de cana-de-açúcar. A Braskem tem capacidade de produção de 200 mil toneladas por ano, no Rio Grande do Sul.

 

braskem

 

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Rio Grande do Sul tem 555 consumidores que geram energia solar

30 de setembro de 2016 10
Foto: Divulgação Renova Green 1.

Foto: Divulgação Renova Green 1.

 

 

Rio Grande do Sul é o terceiro estado com o maior número de conexões de micro e minigeração de energia no País. A Agência Nacional de Energia Elétrica considera que houve um rápido crescimento dentro de um ano.

São 564 conexões em agosto. Em setembro de 2015, era 111 ligações registradas na Aneel.

A fonte mais usada pelos “consumidores-geradores” é a solar com 555 adesões. Depois, aparece a solar/eólica, com cinco instalações.

O uso residencial ganha disparado. É seguido por comercial e depois rural.

A geração de energia pelos próprios consumidores tornou-se possível a partir de uma resolução de 2012. A norma estabelece as condições gerais para o acesso de micro e minigeração aos sistemas de distribuição de energia elétrica e cria o sistema de compensação de energia elétrica, que permite ao consumidor instalar pequenos geradores em sua unidade consumidora e trocar energia com a distribuidora local.

Quando a quantidade de energia gerada em determinado mês for superior à energia consumida naquele período, o consumidor fica com créditos que podem ser usados para diminuir a fatura dos meses seguintes. O prazo de validade dos créditos é de 60 meses e eles podem ser usados também para abater o consumo de unidades consumidoras do mesmo titular situadas em outro local, desde que na área de atendimento de uma mesma distribuidora. Esse tipo de utilização dos créditos é chamado de “autoconsumo remoto”.

No caso de condomínios (empreendimentos de múltiplas unidades consumidoras), a energia gerada pode ser repartida entre os condôminos em porcentagens definidas pelos próprios consumidores. Existe ainda a figura da “geração compartilhada”, que possibilita diversos interessados se unirem em um consórcio ou em uma cooperativa, instalarem uma micro ou minigeração distribuída e utilizarem a energia gerada para redução das faturas dos consorciados ou cooperados.

Leia mais: Empresa do Sul oferece assinatura de energia solar por menos de R$ 20 mensais

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.