Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Agenda Econômica 12.05

12 de maio de 2017 0

IBGE divulga os resultados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) referentes a março de 2017.


Banco Central promove o XIX Seminário de Metas para a Inflação, no auditório do BC no Rio de Janeiro. Pode rolar revisão das metas.

Caixa Econômica Federal começa o pagamento das contas inativas do FGTS para trabalhadores nascidos nos meses de junho, julho e agosto. Mais de 7,6 milhões de brasileiros têm direito ao saque a partir de junho.

No Rio Grande do Sul, 123 agências estarão abertas neste sábado, das 9h às 15h, para atendimento exclusivo aos trabalhadores com direito ao saque das contas inativas do FGTS. O objetivo é realizar o pagamento das contas, regularização de cadastro dos trabalhadores e cadastramento de cartões e senhas do Cartão do Cidadão

Fecomércio-RS Debate recebe, no Plaza São Rafael, o relator da reforma tributária no Congresso Nacional, deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB).

Feevale recebe o diretor executivo do Medical Valley, da Alemanha, Tobias Zobel. A visita integra as ações do Programa Cluster de Tecnologias para a Saúde RS.

Edifício garagem do estádio Beira-Rio recebe a Feira de Ibitinga.

Decisões judiciais abrem caminho para leilão de dois shoppings do RS

11 de maio de 2017 0
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Duas sentenças desta semana abrem caminho para o leilão do Shopping Gravataí. O empreendimento foi construído pelo M.Grupo, que perdeu a gestão do shopping recentemente.

As ações eram contra a Ápice, que reúne diversos investidores do shopping. As decisões que derrubaram as ações foram da juíza Keila Tortelli, de Gravataí. Advogado dos investidores, Ricardo Jobim afirma que isso destrava o procedimento para o Shopping Gravataí ir a leilão, o que deve ocorrer em até 90 dias.

Uma das ações era revisional, pedindo que fosse refeito o cálculo de valores e prazo de pagamentos da dívida com a Ápice. Alegou o impacto da crise econômica do país. A Justiça negou, argumentando que a atual situação da empresa sinaliza mais problemas de gestão do que de conjuntura econômica, usando os termos “má administração e desorganização financeira.” Aliás, isso dificulta a Justiça vir a aceitar um possível pedido de recuperação judicial.

A Ápice alega que o M.Grupo tem uma dívida superior a R$ 200 milhões com os investidores. No leilão, o shopping teria um valor dentro disso. Se não houver interessados, a propriedade deve passar para a Ápice.

O advogado da Ápice afirma que o mesmo deve ocorrer com 30% do shopping de Lajeado, que foi comprado pelo M.Grupo.

É possível recurso judicial ainda contra o leilão. Foi aberto espaço para manifestação do M.Grupo. Recebemos o seguinte posicionamento um dia depois da publicação deste post:

“Considerando que as ações correm em segredo de justiça, as empresas Gravataí Shop e Globalmalls, envolvidas como autoras nesses processos, esclarecem que não farão qualquer comentário a respeito do teor pormenorizado das decisões, mas deixam claro que apresentarão o recurso próprio para combate-las, dentro do prazo legal. Salienta, ainda, que nenhum ato poderá ser levado a efeito até o transito em julgado das decisões.”

Lembramos o M.Grupo que o segredo de justiça foi retirado pela juíza nas sentenças citadas nesta matéria. A resposta foi a seguinte:

“Embora a juíza tenha levantado na sentença o sigilo, ele ainda prevalece porque a sentença não transitou em julgado e vamos recorrer. Nada na sentença tem efeito enquanto não transitar em julgado.” 

Entenda a situação:

Após intervenção judicial, Shopping Gravataí tem nova superintendente

“Faremos novos investimentos e precisaremos de mais gente ainda” – garante nova administradora do Shopping Gravataí

M.Grupo perde comando do shopping de Gravataí

Decretada falência de empresa do M.Grupo no Rio Grande do Sul

Shopping Gravataí ameaça divulgar lojistas que estão inadimplentes e quanto devem

Shopping de Gravataí não paga conta e lojas ficam sem luz

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Economia gaúcha encolheu 6,6% em três anos, mas sinais apontam trégua na recessão

11 de maio de 2017 0
Imagem:  CC0 Public Domain.

Imagem: CC0 Public Domain.

 

A atual recessão começou no segundo trimestre de 2014. No Brasil e também no Rio Grande do Sul.

Segundo o economista da FEE, Fernando Cruz, acumulamos desde lá uma queda de 6,6% na economia gaúcha. Já o PIB brasileiro encolheu 6,8% nestes mesmos três anos.

- Recessões são fenômenos cíclicos que se repetem com frequência irregular em todas as economias de mercado. Tais períodos são caracterizados por uma queda simultânea em diversas atividades econômicas e, em geral, envolvem um alto custo social, com aumento do desemprego e queda na produção, nas vendas e na renda.

A parte boa, segundo o pesquisador, é que estes períodos são exceções e não a regra na história econômica. Ou seja, também acaba uma hora ou outra.

- No Brasil, entre 1980 e 2009, houve oito períodos recessivos, com duração média de 15,8 meses. Em 2014, o Brasil entrou em sua mais recente — e longa — recessão desde a década de 80, sendo esta, talvez, a mais longa de sua história.

Aqui no Rio Grande do Sul, a pesquisa da Fundação de Economia e Estatística mostra que a indústria foi um dos setores que mais sofreu. O Valor Adicionado Bruto sofreu queda de aproximadamente 18% em três anos. A maior parte do tombo veio da indústria de transformação.

- Contudo é justamente nessa atividade onde começam a aparecer os primeiros sinais de arrefecimento na contração do setor, talvez na própria recessão no Rio Grande do Sul. Sinais de “trégua”.

O menor nível de produção da série histórica foi atingido em abril de 2016. Desse ponto até fevereiro de 2017, o indicador já acumula quase 8% de crescimento.

E também o que noticiamos nesta semana aqui: No positivo: Indústria gaúcha fechou primeiro trimestre com crescimento

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Juro para o consumidor é o menor em um ano

11 de maio de 2017 0
Pixabay.

Pixabay.

 

Até que enfim. O juro médio cobrado do consumidor atingiu o menor patamar desde março do ano passado. A pesquisa mensal foi divulgada no início da tarde pela Associação Nacional de Executivos de Finanças.

São consideradas seis linhas de crédito. Em abril, a taxa média de juros mensal ficou em 7,87%. No acumulado do ano, foi de 148,20%. Não baixava de 150% de março de 2016.

O cartão de crédito segue com o juro mais caro, mas baixou de 15%, ficando em 14,31% ao mês. Ao ano, ainda está nos estratosféricos 397,75%.

É reflexo da redução da taxa de juros Selic, afirma a Anefac. O Banco Central começou a flexibilizar a política monetária em outubro do ano passado. No fim de maio agora, tem nova reunião do Comitê de Política Monetária.

Juros crediário RS

Depois de bater nos 100%, os juros nas lojas caíam também. No Rio Grande do Sul, ficou em 5,8% em abril. A taxa anual passou para 96,71%. A Anefac pesquisa seis estados e mais o Distrito Federal.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

 

Varejo gaúcho fechou trimestre em queda com alta nas confecções e queda nos móveis

11 de maio de 2017 0

As vendas do varejo gaúcho fecharam o primeiro trimestre com queda, mas pequena. Foi um recuo de 0,3% em volume. Já quando considerada a receita, houve aumento e foi de 4,5%.

A queda no Rio Grande do Sul foi bem menor do que na média nacional. No país, o comércio vendeu 3% menos.

Considerando os segmentos:

Maior crescimento: +24,6% em Tecidos, vestuário e calçados

Maior queda: -22,6% em Móveis

Na comparação de março sobre fevereiro, o varejo do Rio Grande do Sul teve queda de 1,7% nas vendas em volume. Vem depois de uma queda de 3,8% e de um avanço de 14,3%, conforme a pesquisa do IBGE com ajuste sazonal.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Um terço das sogras de gaúchos ganhará presente de Dia das Mães

11 de maio de 2017 0
Foto: Pixabay.

Foto: Pixabay.

 

Foram 31% dos gaúchos entrevistados que disseram que vão comprar presente de Dia das Mães também para a sogra. A pesquisa é da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo.

O resultado chamou a atenção do blog porque as sogras apareceram depois das mães (86%) e antes das avós (10%). Perguntamos para o presidente da entidade, Vilson Noer: o que faz a sogra virar a queridinha número dois na pesquisa?

- Ah, o motivo é comportamental! Sogras estão sendo fundamentais para casais que trabalham. Cuidam dos filhos e é melhor do que terceirizar isso. Há uma desmistificação do papel de ser sogra.

Sobre as vendas

Comparação feita pela AGV para o blog mostra que as vendas de Dia das Mães devem ter o primeiro crescimento real desde 2013 no Rio Grande do Sul. Ou seja, aumento no faturamento acima da inflação.

- Depois de anos patinando em números negativos, podemos alcançar vendas de 3% a 4% maiores. Em 2013, foi crescimento de 0,9%.

Importante, já que o Dia das Mães é a segunda melhor data de vendas para o varejo. Fica atrás apenas do Natal.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Confiança do setor imobiliário no RS surpreende e atinge maior nível

11 de maio de 2017 0

18369933

 

O Índice de Confiança do Empresário do Setor Imobiliário atingiu 119,9 pontos em abril. É a sétima edição do indicador e este foi o maior patamar alcançado. É calculado pelo Sindicato da Habitação do Rio Grande do Sul (SecoviRS) e foi criado em 2015.

- Fomos surpreendidos com o resultado. – avalia Lucineli Martins, do departamento de economia e estatística do SecoviRS.

A última divulgação tinha ocorrido em janeiro. Naquele mês, o indicador ainda ficava em patamar pessimista, aos 93,9 pontos.

É composto por três índices: o Índice de Condições Atuais, o Índice de Expectativas e o Índice de Investimentos. Em abril, o número sobre expectativas atingiu a maior pontuação, com 145,6 pontos. Já o que avalia as condições atuais ainda fica pessimista, com 96,6 pontos.

Para entender: acima de 100 pontos é otimismo. Abaixo, é pessimismo.

E para entender a importância: setor imobiliário é um grande gerador de empregos na economia e foi o primeiro a sentir com força a crise.

"Já saímos do fundo do poço e vamos entrar 2018 crescendo 3% ao ano". - diz ministro da Fazenda

11 de maio de 2017 0
Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (Reprodução).

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (Reprodução).

 

- Já saímos do fundo do poço e estamos começando a crescer.

Disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em entrevista para rádios no programa Agora Brasil. Na manhã desta quinta-feira. Argumentou que a inflação caiu, a confiança aumentou, o poder de compra cresceu, estão sendo encaminhadas as reformas.

- Importante é que a recessão ficou para trás. O Brasil cresceu no primeiro trimestre. E vamos entrar em 2018 crescendo 3% ao ano.

Meirelles enfatizou muito a queda da inflação e a necessidade de cortar gastos públicos para manter o indicador controlado.

- Inflação está totalmente controlada. Mas não vamos relaxar. Com inflação, não se brinca.

A Rádio Gaúcha perguntou se achava que tinha espaço para a taxa de juros Selic cair mais e fechar abaixo da expectativa do mercado. Analistas projetam juro de 8,5% ao ano no fechamento de 2017. O ministro não deu números e sinalizou confiança na atuação do Banco Central.

- O Banco Central vai baixar até o possível. Onde chegar é onde o Brasil tem condições de chegar com a economia atual.

Reforma da Previdência

Meirelles reafirmou que a Previdência tem um déficit de R$ 150 bilhões ao ano.

- Estamos tomando dinheiro emprestado para pagar aposentadorias. É insustentável. Temos que resolver este problema para não quebrar.

Fizemos a pergunta da colega Kelly Matos “Com as mudanças no texto da Reforma da Previência, o governo acredita que já tem votos suficientes para aprová-la no Plenário?” Resposta do ministro:

- Os parlamentares estão conscientes de que brasileiros têm que ter emprego, renda e inflação baixa. Acho que teremos apoio maior.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Agenda Econômica e Vagas de Emprego 11.05

11 de maio de 2017 0

IBGE divulga, às 9h, os resultados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) referentes a março de 2017.

Também serão divulgados os resultados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) referentes à previsão da safra de 2017 atualizada em abril.

Fundação de Economia e Estatística divulga a Carta de Conjuntura FEE. Na capa: Recessão e indústria no Rio Grande do Sul, economista Fernando Cruz.

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa do programa Agora Brasil e apresenta balanço de um ano do governo.

Ipea divulga o indicador de consumo aparente de bens industriais.

FGV divulga IGP-M e Sondagem da América Latina.

Senac RS promove o painel “Você está preparado? Cenário econômico e tendências da NRF.” Às 8h30, no Shopping Total.

Jantar hoje marca os 22 anos da ASBRAV.

Lide – Grupo de Líderes Empresariais do Rio Grande do Sul promove almoço com o secretário Estadual de Planejamento, Carlos Búrigo.

Lançamento da Campanha pela Redução da Desigualdade Social no Brasil, iniciativa liderada pelo Conselho Federal de Economia.

Lançamento nesta semana do Compra Premiada, programa da Prefeitura de Esteio para incentivar o consumo no município. Distribui prêmios mensais de até R$ 1 mil para três compradores.

Reunião-almoço da ABIH RS sobre concorrência e energia.

===

Vagas de Emprego

Agência FGTAS/SINE Centro de Porto Alegre (Rua José Montaury, 31) seleciona trabalhadores para 10 vagas de porteiro e 10 vagas de vigilante. Interessados devem comparecer à unidade com Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS). As funções exigem Ensino Fundamental completo e seis meses de experiência comprovada em Carteira de Trabalho. Para concorrer às vagas de vigilante, é necessário ainda ter curso de vigilante e reciclagem em dia. O salário para porteiro é de R$ 1.197,72 e para vigilante, R$ 1.331. O empregador oferece ainda vales transporte e refeição.

Seleção para vagas de emprego no SINE/FGTAS de Sapucaia do Sul, das 14h às 16h. As vagas são para eletricista, auxiliar de elétrica e técnico em segurança do trabalho. É uma empresa de Curitiba com obra em Sapucaia do Sul. Exige ensino médio completo e experiência comprovada de um ano. A sede do SINE fica na Av. Assis Brasil, nº 47.

Os 20 municípios do RS com maior potencial de consumo para 2017

10 de maio de 2017 0

 

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

 

O IPC Marketing atualizou o ranking de potencial de consumo, o IPC Maps, para 2017. Já falamos sobre a posição do Rio Grande do Sul aqui: Rio Grande do Sul mantém quarto maior potencial de consumo do país.

E agora o diretor Marcos Pazzini nos encaminhou o ranking dos municípios gaúchos com maior potencial de consumo para 2017. Abaixo os 20 primeiros colocados, sendo que os três líderes no ranking mantiveram a posição de 2016.

1 – Porto Alegre R$ 48,134 bilhões

2 – Caxias do Sul R$ 16,730 bilhões

3 – Canoas R$ 9,143 bilhões

4 – Pelotas (estava em 5º)

5 – Santa Maria (estava em 4º)

6 – Gravataí

7 – Novo Hamburgo

8 – Viamão (estava em 10º)

9 – São Leopoldo (estava em 8º)

10 – Passo Fundo (estava em 9º)

11 – Rio Grande

12 – Alvorada

13 – Bento Gonçalves

14 – Santa Cruz do Sul

15 – Sapucaia do Sul

16 – Erechim

17 – Cachoeirinha

18 – Guaíba

19 – Lajeado

20 – Bagé

===

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.