Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "alimento"

Inflação dos alimentos para o consumidor é 30 vezes superior ao aumento para o produtor

25 de janeiro de 2017 0
Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

 

2016

0,28% Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores Rurais do Rio Grande do Sul
8,61% Inflação dos alimentos para o consumidor pelo IPCA

O IIPR é calculado pela Farsul e a entidade faz a comparação com a variação de preços ao consumidor para mostrar o descompasso nos preços.

- Preços no campo e prateleiras estão distantes. Se os preços nos supermercados estivessem diretamente relacionados aos praticados no campo, eles fechariam 2016 praticamente com os mesmos valores do final de 2015, bem distante da realidade das prateleiras. – comenta o economista-chefe da Farsul, Antônio da Luz.

No segundo semestre, houve retração nos preços pagos ao produtor em todos os meses. Fechou dezembro em -0,23%.

- Não são os preços agropecuários que causam inflação, mas é a própria inflação que causa o aumento nos alimentos.

Luz lembra que na composição dos preços entram diversos fatores, como aluguel, energia elétrica, combustível e funcionários. O custo do alimento mesmo teria o menor impacto no fim das contas.

- Não é o trigo que encarece o pão ou o tomate que faz uma pizza congelada custar mais. Tem muitos outros fatores por trás.

Custos

O ano que passou também apresentou pequena alta nos custos de produção. O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) fechou com 0,33% no acumulado. Depois de ter registrado, em 2015, a maior alta desde o início do Plano Real, 2016 foi marcado por deflação ao longo do período. Com as altas nos dois últimos meses, o indicador virou, mas se manteve próximo de zero. Com a queda do dólar, os fertilizantes foram os grandes responsáveis por puxar o indicador para baixo.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Porto Alegre fechou 2016 com a cesta básica mais cara do País

04 de janeiro de 2017 0
Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agência RBS.

Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agência RBS.

 

A cesta básica de Porto Alegre era a mais cara do País no fechamento de 2016. Custou R$ 469,04 em dezembro. Houve aumento de preços em todas as 27 capitais pesquisadas.

O ano acumulou aumento de 8,16% em Porto Alegre, que é acima da inflação do período. Em 2015, fechou custando R$ 424,39.

A composição da cesta básica muda conforme a capital. A metodologia do Dieese considera o comportamento de consumo dos moradores, como os institutos de pesquisa fazem para calcular a inflação.

No acumulado de 2016, onze produtos ficaram mais caros: o feijão (79,88%), a banana (45,71%), a manteiga (36,67%), o açúcar (30,71%), o leite (28,44%), o café (19,44%), o arroz (18,88%), o óleo de soja (14,56%), a carne (4,62%), a farinha de trigo (4,13%) e o pão (3,82%). Por outro lado, dois itens registraram retração: a batata (-32,56%) e o tomate (-32,13%).

Em dezembro, o valor da cesta básica representou 56,70% do salário mínimo líquido. A comparação sempre é feita pelo Dieese.

Apesar disso, dezembro teve queda de preço. A cesta básica ficou R$ 10 mais barata.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Madero abrirá restaurante em um container em Canoas. Veja fotos.

17 de novembro de 2016 2

Foto Gerson Lima 8628

 

 

O Madero abrirá um restaurante em um container em Canoas. A inauguração está marcada para a semana que vem. Será na Avenida Getúlio Vargas, 4663, junto à BR 116.

Já é a terceira unidade do Madero feita em um container. Tem duas operações em Porto Alegre.

O restaurante de Canoas terá 350 metros quadrados e capacidade para 108 pessoas. Começa a funcionar no dia 22.

Aliás, haverá uma pré-inauguração no dia 21, com jantar beneficente para o Projeto Aprendiz do Ar, do V Comar. O convite custa R$ 50 e dá direito a bebidas, entradas, prato principal e sobremesa. Podem ser comprados na sede do projeto Aprendiz do Ar, na Avenida Guilherme Schell, 3950, em Canoas. Telefone: 51.34621188.

 

Foto Gerson Lima 8684 Foto Gerson Lima 8696-2

 

 

Container

A rede Madero já decidiu. A expansão será feita principalmente com lojas em container. Em 2016, o investimento já supera R$ 4,5 milhões.

- Como investimento, também é mais atrativo para o empreendedor porque o Madero Container tem uma obra limpa, rápida e custa um terço de um restaurante Steak House. – explica o chef Júnior Durski.

O projeto é da arquiteta Kethlen Durski. Faz separação do lixo, reaproveitamento da água e captação de energia natural.

Cardápio - O cardápio é mais enxuto que o tradicional dos Steak Houses. Oferece entradas, sanduíches e sobremesas. O carro-chefe é o Cheeseburger Madero. Também estão no cardápio o Chopp na Caneca Congelada e o Petit Gâteau de Doce de Leite.

Atendimento - Cliente faz pedido direto no caixa nos containers. Não há garçons. O horário também é ampliado.

Funcionários - Enquanto em um container, o número médio de funcionários é 12. Nos Steak Houses há, em média, 50 pessoas trabalhando.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Prévia aponta nova queda da inflação no País

21 de outubro de 2016 0
Imagem:  CC0 Public Domain.

Imagem: CC0 Public Domain.

 

 

Considerado uma prévia da inflação no mês, o IPCA-15 desacelerou em outubro. Passou de 0,23% em setembro para 0,19%.

No acumulado de 12 meses, também houve recuo da inflação. Passou para 8,27%. Lembrando que o teto da meta do Governo Federal é 6,5%.

Segundo o IBGE, a queda nos preços dos alimentos segue como a principal influência:

“Entre os alimentos que mais pesam na despesa das famílias, a principal contribuição para baixo foi a do leite longa vida (-0,11 p.p.), que ficou 8,49% mais barato. Os preços desse produto só não recuaram em Salvador (0,34%), enquanto a queda mais intensa foi em Curitiba (-18,82%). Outros itens alimentícios ficaram bem mais baratos de setembro para outubro, a exemplo da batata-inglesa (-13,03%), das hortaliças (-6,18%) e do feijão-carioca (-6,17%).”

Já as carnes, por outro lado, seguem com aumento de preço. A redução prometida pela indústria não chegou ao consumidor.

A Região Metropolitana de Porto Alegre teve a terceira maior queda do País nos preços dos alimentos. O recuo médio foi de 1,53%.

Aqui, o IPCA-15 ficou em 0,02%. Foi uma forte desaceleração, que estava em 0,46% no mês passado.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Porto Alegre volta a ter a cesta básica mais cara do País

06 de outubro de 2016 0
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS.

Foto: Charles Guerra / Agencia RBS.

 

 

 

Quase R$ 3 mais cara, a cesta básica de Porto alegre retomou a liderança no ranking nacional. Fechou setembro custando R$ 477,69, o valor mais alto encontrado pelo Dieese no País. Em seguida, vem São Paulo.

O aumento do conjunto de produtos foi de 0,71% sobre agosto. Nove dos 13 produtos pesquisados tiveram alta de preço: a banana (13,46%), o tomate (9,36%), o feijão (1,83%), o café (1,46%), o açúcar (1,34%), o arroz (0,68%), o pão (0,36%) e o óleo (0,25%).

Em sentido inverso, quatro itens ficaram mais baratos. Foram a batata (-17,54%), o leite (-11,40%), a carne (-0,75%) e a manteiga (-0,70%). A farinha de trigo foi o único item que ficou estável em setembro.

No ano, a cesta está 12,56% mais cara. Um aumento bem superior à inflação. O feijão (72,78%) e o leite (60,12%) seguem como os produtos que mais subiram de preço.

Segundo o Dieese, a partir do preço da cesta básica, o salário mínimo necessário deveria ser de R$ 4.013,08. Ou seja, 4,56 vezes o mínimo vigente de R$ 880.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Alimentos permitem recuo forte da inflação em Porto Alegre

26 de setembro de 2016 0

A inflação para o consumidor de Porto Alegre caiu para 0,10%. É quase um terço da pesquisa feita na semana anterior pela Fundação Getúlio Vargas. E, há um mês, estava em 0,47%.

O forte recuo foi permitido pela queda nos preços de alimentos importantes no cálculo do Índice de Preços ao Consumidor.

Variações em 30 dias:

Leite longa vida -9,87%
Batata-inglesa -21,56%
Queijo muçarela -7,02%
Cebola -20,31%

Mas…

Com o fim de safra chegando, a bergamota começa a ficar bem mais cara. Aumento de 23% e foi a principal pressão de alta no cálculo.

 

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Alimentos permitem queda forte na prévia da inflação

22 de setembro de 2016 0
Imagem:  CC0 Public Domain.

Imagem: CC0 Public Domain.

 

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 teve variação de 0,23% em setembro. Em agosto, estava em 0,45%.

O IPCA-15 é uma prévia da inflação oficial. Foi o menor IPCA-15 para os meses de setembro desde 2009 (0,19%).

O acumulado dos últimos 12 meses ficou em 8,78%. Que é abaixo dos 8,95% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Segundo o IBGE, o grupo Alimentação e Bebidas foi o principal responsável pela desaceleração do IPCA-15. Entre os alimentos que se apresentaram em queda e contribuíram para conter a taxa, destacam-se: batata-inglesa (-14,49%), cebola (-12,30%), feijão-carioca (-6,05%), hortaliças (-6,03%) e leite longa vida (-4,14%).

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

DiPaolo abrirá segunda galeteria em Porto Alegre

13 de setembro de 2016 0

Galeteria famosa da Serra Gaúcha – muito pelo queijo frito :-)  - está abrindo o segundo restaurante em Porto Alege. A Casa DiPaolo terá uma unidade no Bourbon Shopping Wallig. Ficará no primeiro piso, no espaço onde atualmente fica o Belgaleto. A DiPaolo abrirá em novembro e poderá receber até 150 pessoas.

Vai funcionar como rodízio (diariamente, exceto domingo à noite). A comida é servida à mesa e à vontade: sopa de capeletti, salada verde, radicci com bacon, maionese, pão caseiro, queijo à dorê, polenta frita e brustolada, massas e molhos, galeto al primo canto e sobremesa. E também na modalidade à la carte, de segunda a sexta-feira, no almoço e jantar.

A outra DiPaolo de Porto Alegre fica no Shopping Boulevard Laçador (ao lado do aeroporto). No Estado, serão onze restaurantes. Veja imagens enviadas ao blog Acerto de Conta$:

 

BELGALETO3_09-26_VISTA01 BELGALETO3_09-26_VISTA04 download (3)

 

 

O grupo DiPaolo também é dono do Belgaleto, que vai atuar exclusivamente em praças de alimentação e tele entrega. A ideia é abrir mais franquias da marca, inclusive. Em breve, terá uma unidade na praça de alimentação do Aeroporto Internacional Salgado Filho.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Preço da cesta básica sobe o dobro da inflação

09 de setembro de 2016 0
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS.

Foto: Charles Guerra / Agencia RBS.

 

O preço da cesta básica tem subido praticamente o dobro da inflação em Porto Alegre. Ou mais.

Em agosto, ficou 1,19% mais cara na Capital. Já a inflação foi de 0,37%.

No acumulado do ano, alta de 11,77% no custo da cesa básica. Enquanto isso, o IPCA é de 6,13% na Região Metropolitana de Porto Alegre. Os alimentos têm sido, inclusive, o motivo de maior alta da inflação neste ano.

A cesta básica passou a custar R$ 474,34 em agosto. R$ 5,60 a mais do que em julho.

O Dieese pesquisa 13 produtos. Oito subiram de preço em agosto: a banana (8,60%), o tomate (7,07%), a manteiga (4,01%), o arroz (2,44%), o açúcar (2,40%), o feijão (1,54%), o café (1,11%) e a farinha (0,55%). Já cinco itens ficaram mais baratos: a batata (-5,70%), o leite (-4,15%), o óleo de soja (-3,15%), o pão (-0,59%) e a carne (-0,40%).

No ano, O leite (88,73%) e o feijão (69,67%) foram os produtos que mais subiram. O único item mais barato foi o tomate (-17,80%).

 

Salário mínimo

Segundo o Dieese, o salário mínimo necessário deveria ser de R$ 3.991,40. É 4,54 vezes o mínimo vigente de R$ 880.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Alimentos provocam alta da inflação oficial no País

10 de agosto de 2016 1
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS.

Foto: Charles Guerra / Agencia RBS.

 

 

A inflação oficial avançou em julho. Calculado pelo IBGE, o IPCA passou para 0,52%. Em junho, estava em 0,35%.

O aumento dos preços dos alimentos foi o responsável pela alta da inflação. O leite teve a maior contribuição, ficando quase 18% mais caro em média no País. O feijão vem em segundo, com alta de preço ainda maior: mais de 32%.

12 meses

Considerando o acumulado, o IPCA ficou em 8,74%. O centro da meta do Governo Federal é 4,5%.

Porto Alegre

A inflação teve aumento também na Região Metropolitana de Porto Alegre. Passou para 0,57%. Na pesquisa anterior, tinha até registrado deflação de 0,02%. O IBGE destacou o aumento da taxa de água e esgoto aqui no mês passado.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.