Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "banco"

Limitação de cobrança de encargos por inadimplência começa a valer em setembro para bancos

01 de março de 2017 0

O Ministério da Fazenda publicou resolução que disciplina cobrança de encargos por instituições financeiras em caso de atraso de pagamentos por clientes.
A íntegra:

encargos

 

 

Tinha sido aprovada pelo Conselho Monetário Nacional na semana passada. Disciplinou a cobrança de encargos no caso de atraso em pagamentos para bancos. Regra entra em vigor em setembro e só para contratos novos.

Com a nova regra, quem atrasar uma conta poderá arcar com juro remuneratório, juro de mora e multa. Atualmente, pode-se cobrar “comissão de permanência”, taxa que pode ser calculada pelo banco usando as taxas estabelecidas no contrato ou a taxa de mercado do dia do pagamento. A mudança valerá a partir de setembro.

Ex-diretor do Procon e especialista em direitos do consumidor, Cauê Vieira considera a medida positiva porque deixa a cobrança mais transparente. Mas exigirá atenção do consumidor na hora de assinar o contrato e de órgãos de defesa do consumidor e do judiciário quanto a cláusulas abusivas.

Mudança deixa cobrança de juros por bancos mais transparente, mas exige atenção do cliente

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Aprovados em concurso processam Banrisul por contratação de estagiários

16 de fevereiro de 2017 81
Foto: Ricardo Chaves / Agencia RBS.

Foto: Ricardo Chaves / Agencia RBS.

 

A Associação dos Aprovados em Concursos do Banrisul ajuizou ação contra o banco por contratação de estagiários. A reclamação é antiga e frequente entre quem participou do último processo seletivo, realizado no fim de 2015.

“Banrisul não será privatizado. Assunto encerrado.” – garante presidente do banco.

Banrisul: “Não há previsão de chamar mais concursados”

Banrisul lança plano de aposentadoria voluntária para até 700 empregados

Os autores da ação na Justiça do Trabalho alegam que os estudantes estão exercendo função de escriturários. A entidade representa 276 aprovados no concurso.

- Na época, a seleção contou com 118 mil inscritos. Foram 3.965 aprovados no concurso, mas apenas 300 convocados em um ano. O número representa menos de um terço dos estagiários contratados no mesmo período, 1.094 estudantes que desempenham irregularmente as mesmas funções dos aprovados no concurso. E a demanda por mão de obra continua crescente no Banrisul. Em novembro, foram abertas 500 novas vagas para estágio em todo Estado e, em 2015, já haviam sido oferecidas outras mil vagas. – argumenta o advogado Cristiano de Souza.

Segundo Souza, ação tem provas de desvio de função.

- Revelam uma prática generalizada de utilização de estagiários para abertura de contas, venda de produtos, com pagamento de comissões para escriturários que depois eram repassadas aos estagiários, e também de acesso dos estudantes a dados sigilosos dos clientes, o que é proibido pelo Banco Central.

Pedem suspensão liminar do contrato entre Banrisul e todos os estagiários, além da convocação dos aprovados da associação.

Posicionamento enviado pelo Banrisul:

“O Banrisul desconhece a ação, por não ter sido notificado. A se confirmar a notícia, tomará as providências jurídicas cabíveis.”

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Bovespa pede informações sobre valorização superior a 20% nas ações do Banrisul

27 de janeiro de 2017 1

 

 

A Bolsa de Valores de São Paulo pediu informações para o Banrisul sobre a valorização forte das ações do banco. Em comunicado, a instituição financeira disse que já atendeu ao pedido.

 
banri

 

 

 

Ontem, o jornal Valor Econômico publicou que a privatização do Banrisul era condição para a União ajudar o Rio Grande do Sul. Apesar de o governo gaúcho negar, no fim do dia, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que entraria na mesa de negociação.

No dia 24, a ação do Banrisul estava sendo vendida a R$ 13,02. Hoje, a R$ 15,80. Ou seja, uma valorização superior a 20%.

Analista da Monte Bravo Investimentos, Bruno Madruga explica que o pedido de informações por parte da Bovespa é de praxe quando há movimentação atípica nas ações de alguma empresa. O objetivo principal é identificar se há suspeita de que a própria companhia tenha provocado a situação que eleva o preço das ações.

 

 

Banco é condenado a indenizar idoso que perdeu bombacha e ficou de cueca na porta giratória

25 de janeiro de 2017 0
Divulgação TJRS.

Divulgação TJRS.

 

Um banco foi condenado a indenizar um cliente que teve que tirar a bombacha na porta giratória da agência. O Banrisul terá que pagar R$ 3 mil por danos morais, conforme decisão da Turma Recursal da Comarca de Porto Alegre.

O cliente que estava “pilchado” ficou trancado na porta. Começou a discutir com o segurança até que foi identificado que a porta estava trancando por causa da fivela metálica que segurava a bombacha.

Teve, então, que tirar o cinto, a bombacha caiu e o cliente ficou de cuecas para entrar no banco. O cliente, que também é idoso, alegou que o segurança o chamou de “velho bobalhão” enquanto discutiam pela entrada no Banrisul.

Em primeira instância, o caso foi julgado improcedente. O autor recorreu da decisão.

Foi então que o relator do recurso, juiz Lucas Kachny, defendeu que houve o dano moral pela situação vexatória aplicada ao cliente e que fica claro, nas filmagens do momento do acontecimento, que há referências de que o autor foi ofendido moralmente por vigilante. E a ofensa moral, aliada ao fator de o autor ser levado a ficar de cuecas para poder ingressar na agência, configura o dano moral.

 

Badesul promete para os próximos dias relatório da sindicância sobre rombo nas contas

11 de janeiro de 2017 0

A presidente do Badesul, Susana Kakuta, informa que será entregue nos próximos dias o Relatório Conclusivo da Comissão de Sindicância, que apura o rombo nas contas. A investigação foi iniciada ainda em setembro do ano passado, há quatro meses.

A investigação é coordenada pela Procuradoria-Geral do Estado. Apura responsabilidades na assinatura dos empréstimos às empresas Wind Power Energia, Iesa Óleo e Gás e D’Itália Móveis. O calote superaria R$ 140 milhões.

Quando começou a crise no Polo Naval do Rio Grande do Sul, a Rádio Gaúcha alertou para os empréstimos que o Badesul tinha feito para empresas do setor. Principalmente, o financiamento para a Iesa Óleo e Gás, que fechou a fábrica de Charqueadas. Quando pediu recuperação judicial, informou uma dívida de R$ 44 milhões com o Badesul.

O presidente do banco na época, Marcelo Lopes, disse que negociava o pagamento dos valores, inclusive por novas empresas que assumiriam o negócio. Em entrevista à Rádio Gaúcha em 2015, Lopes disse que a perspectiva para os negócios da Petrobras fez instituições como o Badesul apoiarem os projetos.

- O que aconteceu na Petrobras (corrupção) não poderia ter acontecido. Está custando muito caro. – disse na época.

Além disso, o Tribunal de Contas do Estado também pediu, em 2014 e por mais de uma vez, informações do banco para auditoria a partir de denúncias de falta de garantia em empréstimos concedidos. O Badesul alegava sigilo bancário.

Em entrevista ao programa Timeline em 2014, o governador Tarso Genro rebateu a colocação de que o governo deveria ter sido mais firme desde que começaram os problemas na Iesa Óleo e Gás, de Charqueadas. Disse que a crise no Polo Naval do Jacuí não é culpa do governo.

No ano passado, o Badesul chegou a ser descredenciado pelo BNDES. Dias depois, conseguiu reverter a decisão.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Banco gaúcho vai investir R$ 100 milhões e contratar 500 trabalhadores em 2017

19 de dezembro de 2016 7

Quadro Na Contramão da Crise

Programa Destaque Econômico, na Rádio Gaúcha

 

agiplan

 

 

Com sede em Porto Alegre, o Banco Agiplan já tem planos definidos para 2017. E os destaques são: investir R$ 100 milhões e contratar 500 trabalhadores. A informação é do presidente, Marciano Testa, em entrevista ao programa Destaque Econômico, da Rádio Gaúcha.

A Agiplan lançará em janeiro um novo ambiente para o desenvolvimento de projetos digitais e inovadores. Entre eles, a estrutura e equipe do aplicativo Agipag, a criação de um banco digital e uma incubadora de startups.

Ainda em 2017, a empresa abrirá o processo seletivo para escolher projetos em inovação e tecnologia. Receberão orientação e aporte financeiro para iniciar as operações.

E os empregos?

As 500 contratações ocorrerão ao longo de 2017. São vagas em áreas como administrativo, comercial e operacional. No Rio Grande do Sul e fora também. Não divulgam faixa salarial. Currículos podem ser enviados pelo link Vagas Agiplan.

 

agiplan2

 

Entrevista completa com o empresário Marciano Testa:

 

Ouça também o programa Destaque Econômico, que vai ao ar nos domingos, às 9h:

 

 

Mais sobre vagas de emprego: Empresa gaúcha de tecnologia tem 71 vagas de emprego com salário de até R$ 7 mil

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Cinco tarifas bancárias que só paga quem gosta de rasgar dinheiro

11 de outubro de 2016 21
Foto: Maicon Damasceno / Agência RBS.

Foto: Maicon Damasceno / Agência RBS.

 

 

Espante a preguiça e analise seu extrato bancário. Pode estar pagando tarifas sem necessidade.

“Ah, mas são só R$ 20 por mês. Pouca coisa… Dá trabalho ir até a agência.”

São R$ 240 por ano. E se forem R$ 40 por mês? São R$ 480 por ano. E por aí vai…

Os bancos têm aumentado bastante as tarifas. É uma forma de compensar o aumento da inadimplência e fazer todo mundo arcar com o prejuízo.

O IBGE mostra aumento de 11,5% das tarifas no último ano. É maior do que a inflação do período.

Então, informe-se com o gerente para eliminar ao máximo estes custos. Peça, por exemplo, limites isentos de TED ou DOC por mês.

Também pergunte quais os critérios para eliminar tarifas geral de conta. Em alguns casos, concentrar aplicações em uma instituição pode melhorar a relação com o banco e permitir estes “agrados”.

Pois o planejador financeiro e editor-chefe do Infomoney, João Sandrini, fez uma lista muito bacana das cinco tarifas bancárias que só paga quem gosta de rasgar dinheiro. Nos autorizou a compartilhar aqui alguns tópicos. Confira:

 

1 – Tarifas de conta corrente

No primeiro semestre, as mensalidades dos pacotes de serviços foram reajustadas, em média, em 12%. O dado é do Banco Central. Entre os maiores bancos, Bradesco elevou 6% e o Banco do Brasil, 24%!

- A verdade é que só paga tarifas bancárias quem quer. – alerta o planejador financeiro.

Dá como exemplo o Itaú e Bradesco. Ambos têm conta digital, que é totalmente isenta para pessoas físicas se não usar serviço na agência nem emitir cheque.

Veja mais sobre o assunto aqui: Oito serviços bancários que são gratuitos para o cliente

 

2 – Anuidade do cartão de crédito

Tem cartão de crédito por aí cobrando anuidades de R$ 1,2 mil. Será que os benefícios são tão bons assim? Qual a relevância para você do acesso a salas VIP em aeroportos?

Negocie e barganhe com o banco. Simule o cartão de crédito com outras instituições financeiras.

- O Nubank é um cartão sem anuidade e que atende quem não tem renda muito alta. É um Mastercard Gold. – cita João Sandrini.

Não tem os benefícios, como programa de milhas, por exemplo. Também é preciso ficar atento aos juros do rotativa.

 

3 – Taxa de administração de fundos

Como é mais cômodo, a maioria dos investidores aplica em fundos pelos bancos tradicionais. Tanto que os três maiores bancos brasileiros (Banco do Brasil, Itaú e Bradesco) controlam 55% do dinheiro investido em fundos. Só que cobram bem nas taxas de administração e de performance.

- Não há fundos de renda fixa sem taxa de administração, mas gestoras que não estão atreladas a grandes bancos costumam cobrar bem menos. É possível achar percentuais bem baixos, a partir de 0,15% ou 0,30% ao ano. – alerta Sandrini.

Ao escolher um fundo de investimento, o principal é comparar as taxas de administração. Elas podem corroer a rentabilidade da aplicação financeira.

 

4 – Taxa de custódia para Tesouro Direto

Investimento em títulos públicos, que tem dado boa rentabilidade. Tem a taxa cobrada pela Bovespa, que é de 0,3% e não tem como fugir. Mas é possível investir por corretoras que não cobra a taxa de custódia. Confira a tabela retirada hoje do site do Tesouro Direto:

 

taxas

 

Os maiores bancos brasileiros cobram de 0,4% a 0,5%.

- Como no primeiro ano a taxa é cobrada no momento da compra do título, ao invés de aplicar R$ 100.000, vai comprar R$ 99.502. Ou seja, já perde R$ 500 logo de cara. – exemplifica Sandrini.

No decorrer dos anos, são milhares de reais pagando taxas desnecessárias para investir no Tesouro Direto.

 

5 – Taxa de custódia da Bovespa

Quem investe em ações e opções pelo banco e pela maioria das corretoras paga taxa de custódia mensal. Os grandes bancos cobram de R$ 7,59 a R$ 30.  Só que há corretoras que isentam da cobrança de taxa de custódia. É o caso da XP Investimentos e a Clear Corretora, informa João Sandrini. O Banco do Brasil também isenta para investimentos de até R$ 300 mil. Fugindo desta taxa, sobra a taxa de corretagem e emolumentos para a Bovespa.

===

Leia mais:

É possível viver de renda com R$ 1 milhão?

Como juntar R$ 1 milhão?

Cobranças abusivas de dívidas crescem com a crise. Até onde as empresas podem ir?

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

 

Bancos oferecem crédito caro de até oito vezes a renda mensal do cliente

10 de outubro de 2016 0
Foto: Porthus Junior/Agencia RBS.

Foto: Porthus Junior/Agencia RBS.

 

 

A restrição de crédito na crise não atingiu as operações mais caras para o consumidor. Os bancos estão oferecendo crédito pré-aprovado de até oito vezes a renda do cliente.

São linhas como o cartão de crédito e o cheque especial. Não precisam de aprovação e já estão à disposição do consumidor. Só que isso significa também que são as mais caras, com juros altos. No caso do cartão de crédito, a taxa média chega a 450% ao ano no rotativo.

A pesquisa é da Proteste Associação de Consumidores. Foram considerados três perfis reais de consumidores: com rendimentos entre R$ 3 mil e R$ 10 mil.

Em um dos casos, o consumidor tem renda de cerca de R$ 10 mil e conta em sete bancos. O crédito total aprovado é superior a R$ 213 mil. Desse valor, R$ 76 mil podem ser usados em um único mês. Basta gastar o limite de todos os cartões de crédito e usar o cheque especial de todos os bancos.

- Isso significa que esse valor precisa ser pago integralmente no mês seguinte para não incorrer juros de atraso e rotativo, por exemplo. Sendo a dívida quase oito vezes o seu salário, é praticamente impossível pagá-la. É aí que a dívida vai se tornar impagável, principalmente diante do aumento do desemprego, queda da renda e persistência da inflação. – afirma Renata Pedro, técnica da Proteste.

Em outro caso, o consumidor tem renda entre R$ 3 mil e R$ 5 mil. Só um banco já disponibiliza R$ 32 mil, entre cartão de crédito, cheque especial e crédito pré-aprovado. Também oito vezes a renda mensal.

- O crédito pré-aprovado já está na conta, não precisa de autorização, e o consumidor acaba sendo fisgado pela facilidade e se enrola facilmente. – afirma a técnica Renata Pedro.

O ideal é jamais ultrapassar 30% da renda mensal com dívidas.

 

Consignado – Atenção!

O consignado não é pré-aprovado e tem juros mais baixos, mas precisa de cuidados. O desconto é na folha de pagamento. Apesar de a lei determinar um limite de 35%, há casos de pessoas com 80% da renda comprometida com empréstimos consignados.

Vai tirar um empréstimo consignado? O que considerar:

 

Ouça entrevista com a técnica da Proteste no programa Destaque Econômico, da Rádio Gaúcha:

 

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

 

 

Greve dos bancos ainda atrapalha, mas impacto é menor.

06 de outubro de 2016 0
Foto: Maicon Damasceno / Agência RBS.

Foto: Maicon Damasceno / Agência RBS.

 

 

O Procon de Porto Alegre registrou 11 reclamações que se referem a problemas gerados pela greve dos bancários. É 10% do total de queixas contra o sistema financeiro. A maioria denuncia falta de envelope em caixas eletrônicos.

- O aumento de reclamações de serviços financeiros se deve ao crescimento das dívidas e suas renegociações, não necessariamente sobre problemas de prestação de serviços. – comenta o diretor Cauê Vieira.

Isso porque os transtornos da greve nos bancos atualmente é menor, identifica o diretor. Há diversas ferramentas para contornar o problema, além de a paralisação ser esperada todos os anos.

Mas há situações mais complicadas, avisa o contador Célio Levandovski. Por exemplo: operações que envolvem valores maiores e que não podem ser feitas pelo home baking, operações que dependem de comprovações – como o saque do FGTS – ou que precisam de confirmação de meios magnéticos – como validar o cartão de crédito.

Pela duração da greve deste ano, o varejo também sentiu bastante. O presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo, Vilson Noer, explica que quase não estão ocorrendo vendas com dinheiro e clientes estão sem cheque. As vendas com cartão ainda representam 60% do total apenas. Há atraso também no pagamento de faturas.

- Haverá queda nos indicadores de vendas de setembro.

Ao mesmo tempo, isso está forçando as pessoas a aprenderem a lidar com terminais de bancos. Ou então a perderem o medo de usar a internet para as operações.

Caixa Federal deixa de financiar Minha Casa, Minha Vida com recursos do FGTS

26 de setembro de 2016 10
Foto: Edu Cavalcanti / Agencia RBS.

Foto: Edu Cavalcanti / Agencia RBS.

 

 

O Ministério das Cidades tirou autorização da Caixa Econômica Federal para realizar financiamentos com recursos do FGTS para o Minha Casa, Minha Vida. A instrução normativa foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira.

Conforme o texto, a decisão é para cumprir determinação do Tribunal de Contas da União do fim de dezembro, que ordenou uma melhor administração das rubricas orçamentárias de responsabilidade do ministério. Enquanto o orçamento não mudar, os recursos não poderão ser usados.

No final do ano passado, o TCU decidiu que quando o Ministério das Cidades elaborasse suas propostas orçamentárias, deveria registrar o “montante correspondente aos adiantamentos concedidos pelo FGTS à pasta, de modo a evidenciar que se trata de operações de crédito”.

O Minha Casa, Minha Vida é um programa em que o Governo Federal oferece subsídio para as pessoas comprarem imóveis. Varia conforme a renda da família. A questão é que o financiamento é feito principalmente com recursos do FGTS, 90%. O dinheiro que as empresas recolhem por trabalhador.

Publicação do Diário Oficial da União:

 

 

in diário oficial

 

A decisão pegou o setor da construção civil de surpresa. O Sinduscon-RS avalia o impacto da medida.

Aguardamos também um posicionamento da Caixa Econômica Federal.

 

Posicionamento enviado pelo Ministério das Cidades no início da tarde desta segunda-feira:

“O Ministério das Cidades informa que:

1) Não existe qualquer tipo de alteração no planejamento e no ritmo de contratação do Programa Minha Casa Minha Vida. Todas as linhas de contratações, incluindo o FGTS, permanecem inalteradas;

2) A Instrução Normativa n.º 24, publicada no Diário Oficial da União de hoje (26), refere-se apenas à orientação dada à Caixa Econômica Federal para que, em não havendo repasse da União para contratação de novos empreendimentos do Programa Minha Casa Minha Vida, fica vedada a utilização de recursos do FGTS para suprir a cota de responsabilidade da mesma, evitando-se uma contratação de operação de crédito;

3) Esta pasta trabalha de forma preventiva para que o acórdão (3297/2015) do Tribunal de Contas da União, que caracterizou este tipo de operação como empréstimo, seja cumprido e não gere custo extraorçamentário;

4) Por fim, solicitamos aos veículos de comunicação que informem a realidade do que vem sendo cumprido pelo Ministério das Cidades. Reforçamos ainda a disponibilidade em atender demandas de imprensa, pois não fomos consultados sobre este tema.”

* Acompanhe esta postagem para atualizações.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.