Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "consumo"

Consumidor do Sul compra menos e reduz idas às lojas

12 de junho de 2015 0
Foto: Julio Cavalheiro / Agencia RBS.

Foto: Julio Cavalheiro / Agencia RBS.

O consumidor da Região Sul reduziu em 8,2% o volume de compras no comércio no primeiro trimestre do ano. O dado está na atualização da pesquisa Consumer Insight, da Kantar Worldpanel. O levantamento mostra ainda que o morador do Sul reduziu em uma vez a média de idas ao ponto de venda.

“A Região Sul mostra perfil mais racional” – analisa a Kantar.

A pesquisa mostra que todas as classes sociais tiveram mudança no comportamento. Mas a maior queda foi na Classe C, principalmente na redução de 12% no consumo.

A Classe DE teve a menor queda. Consumiu 3% menos no primeiro trimestre, apesar de ter reduzido também as idas ao mercado. A Classe AB não cortou as visitas ao ponto de venda, mas também diminui o consumo.

Entre os canais de venda, o atacarejo foi o que registrou o ticket médio mais elevado, R$ 74,12, e um crescimento de 22% no volume comercializado. Já o mais impactado pela mudança geral no comportamento foi o hipermercado, que vendeu 15% menos em volume.

Destaques de aumento no consumo: cream cheese, molho para salada, alvejante sem cloro, batata congelada e linguiças.

Destaques de queda no consumo: complemento alimentar, cloro, leite fermentado, pasteurizados e bebida à base de soja.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Juro no crediário subiu 38% no Rio Grande do Sul desde o início do aperto monetário

10 de junho de 2015 0

Desde março de 2013, o juro no crediário das lojas gaúchas aumentou 38%. Desde lá, o Banco Central iniciou o ciclo de aperto monetário, deixando de reduzir a taxa básica de juros Selic.

Atualmente, o juro médio do crédito no varejo do Rio Grande do Sul atinge 84,36% ao ano. A taxa mensal média fica em 5,23%.

A pesquisa é da Associação Nacional dos Executivos de Finanças. Entre os sete Estados pesquisados, o maior juro é cobrado em Minas Gerais.

Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Calor fora de época afeta vendas do comércio gaúcho

08 de junho de 2015 0
Foto: Miro de Souza / Agencia RBS.

Foto: Miro de Souza / Agencia RBS.

O calor fora de época está preocupando os lojistas do Rio Grande do Sul até mais do que o aumento da inadimplência. Segundo o presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo, Vilson Noer, o frio é tradicionalmente o motor de vendas em maio e junho.

O atraso do frio traz prejuízos que o comércio não consegue recuperar. A maior parte das vendas não fica represada. Ela deixa de ocorrer.

- As pessoas só comprar em julho se for promoção. Então, se vai a margem de lucro do lojista.

Ainda conforme Noer, o comércio do interior sente mais ainda do que na Capital.

- Lá, vende-se muito fogão a lenha, aquecedores, alimentos de inverno como vinho, etc.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Endividamento mantém-se baixo entre os gaúchos

02 de junho de 2015 0

O percentual de famílias gaúchas endividadas encerrou maio em 50,6%. É um pouco maior do que abril, mas mais baixo do que maio do ano passado, quando estava em 53%.

O menor endividamento vem contribuindo para manter a inadimplência sob controle até o momento. A análise é da Fecomércio-RS, que faz a pesquisa todos os meses.

- A desaceleração do consumo e do crédito nos últimos meses, associados a fatores como inflação elevada, aumento de juros, queda da confiança e maior precaução do lado da oferta estão ajudando na redução do endividamento. – analisa o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Queda nas vendas do comércio atinge todo o Estado

01 de junho de 2015 0
Foto: Genaro Joner / Agencia RBS.

Foto: Genaro Joner / Agencia RBS.

A queda nas vendas do comércio atinge sete regiões gaúchas do levantamento da Fecomércio. É mais intensa no Noroeste e menor na chamada região Centro Ocidental.

No acumulado de janeiro a abril, o comércio gaúcho apresenta queda real de 5,8% nas vendas. No atacado, é -5,3%. No varejo, recuo  mais intenso: -6,3%.

Atacado

Queda em sete das oito atividades pesquisadas. Destaque para Produtos Intermediários Industriais (-21%) e Material de Construção, Madeira, Ferragens e Ferramentas (-12,1%).

Varejo

Entre as nove atividades pesquisadas, sete caem. Destaque para Veículos, Motocicletas, Partes, Peças e Acessórios (-15%), Outros Artigos de Uso Pessoal e Doméstico (-14,5%) e Móveis e Eletrodomésticos (-10%). Já o melhor desempenho é do comércio varejista de Artigos Farmacêuticos, Médico, Ortopédicos, Perfumaria e Cosméticos (2%).

“Nota-se que, nesse momento de redução da renda real e aumento de juros, atividades que comercializam itens de maior valor e mais dependentes de crédito têm sofrido mais.” - ressalta análise do resultado pela Fecomércio-RS.

Cidades pesquisadas com maior queda nas vendas do comércio:

Carazinho -18,4%
Cruz Alta -17%
Santa Rosa -11,6%
Vacaria -11,1%

Únicos locais com aumento de venda:

Canoas +3,5%
Canela +1,2%

Capital – Porto Alegre -8%

===

Depoimento enviado ao blog Acerto de Conta$ pelo lojista Sergio Axelrud Galbinski, da Casa Louro:

“A crise ainda não começou.

As despesas de moradia, transporte e alimentação não são elegíveis. O consumidor não tem poder de escolher não fazer.

Se ele ganha R$ 3 mil e gastava R$ 2,5 mil com não elegíveis, sobravam R$ 500 para as despesas elegíveis: vestuário, maquiagem e lazer. Como ocorreu inflação, os juros subiram e houve aumento de impostos, as depesas com não elegíveis aumentaram e não sobram mais aqueles R$ 500.

Só que o nosso varejo, o de lojas, é totalmente voltado aos elegíveis. É claro que não está mais sobrando dinheiro para nossas lojas.

O consumidor está gastando todo o salário no que é necessário e não tem como fugir. Já estão sacando da poupança para poder fazer frente ao orçamento fixo doméstico. Daqui a pouco, vai terminar até o saldo da poupança, o seguro desemprego e o dinheiro que foi sacado do FGTS.

Neste momento, a crise vai começar.”

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Endividamento dos gaúchos volta a cair

06 de maio de 2015 0
Foto: Porthus Junior/Agencia RBS.

Foto: Porthus Junior/Agencia RBS.

O nível de endividamento dos gaúchos voltou a cair, após duas altas. Em abril, o índice ficou em 49,8% frente a 51,9% em março.

A pesquisa é feita pela Fecomércio-RS. A entidade atribui a redução ao crédito mais difícil e à redução do consumo.

Apareceu também um leve recuo na parcela da renda comprometida com dívidas. Caiu para 30%.

O cartão de crédito continua sendo o principal meio de dívida dos gaúchos, apontado por 84% dos endividados. Em seguida, estão o cheque especial (20,3%) e o financiamento de veículos (17,9%).

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Intenção de consumo das famílias gaúchas bate recorde de pessimismo

04 de maio de 2015 0
Foto: Genaro Joner / Agencia RBS.

Foto: Genaro Joner / Agencia RBS.

A intenção de consumo das famílias gaúchas em abril bateu recorde de pessimismo na série histórica da pesquisa da Fecomércio-RS. Encerrou abril com recuo de 19,5% em relação ao mesmo mês de 2014 e de 5% na comparação com março deste ano.

É a primeira vez, desde o início da série histórica em janeiro de 2010, que o indicador atinge o patamar pessimista. Os motivos são: mercado de trabalho mostrando deterioração, juros altos, inflação elevada, câmbio depreciado e incerteza política, enumera a entidade.

- Essa situação somente irá mudar quando o ajuste fiscal começar a colher os seus frutos. Porém antes, vamos vivenciar ainda um período em que a situação piora para depois melhorar. Precisamos, todavia, tirar de lição dessa situação que toda  política econômica traz consequências para a sociedade: a irresponsabilidade do passado cobra seu preço no nosso presente. – pondera o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Consumo dos gaúchos vai ultrapassar R$ 250 bilhões em 2015

01 de maio de 2015 0
Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS.

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS.

O consumo dos gaúchos deve alcançar R$ 251,77 bilhões em 2015. A estimativa aparece na atualização do IPC Maps, calculado todos os anos pela IPC Marketing Editora, especializada em cálculos de potencial de consumo.

Além disso, o Rio Grande do Sul ganhou um pouco da participação no potencial de consumo do País. Subiu de 6,54% para 6,75%.

Mesmo assim, o Estado manteve a quarta posição no ranking nacional. Fica atrás apenas de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Municípios

No ranking de municípios, Porto Alegre permaneceu na sétima posição. O potencial de consumo dos moradores da Capital alcança R$ 44,762 bilhões em 2015.

Mas Porto Alegre perdeu participação. Caiu de 1,3% para 1,2%.

A próxima cidade gaúcha que aparece no ranking nacional é Caxias do Sul. Subiu da posição 35 para a 31. Os caxienses devem gastar R$ 14,36 bilhões neste ano.

No ranking dos 50 municípios com maior potencial de consumo, não há mais cidades gaúchas. No topo, estão as capitais São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Salvador e Curitiba.

Nacional

Nacionalmente, o IPC Maps mostra maior concentração do volume de gastos nos domicílios na classe média e de baixa renda (C e D/E). Além disso, também houve redução nas Classes A e B.

Também prossegue o fenômeno da interiorização do consumo, superando a participação das Capitais no bolo da economia. O consumo da população da área rural chegará a R$ 263,4 bilhões, participando em 7% da economia nacional. Os 50 maiores municípios brasileiros responderão por 40,3% do consumo em 2015, contra 42,6% no ano passado.

“Itens básicos lideram o consumo, como manutenção do lar 26,7%  (incorporam despesas com aluguéis, impostos, luz-água-gás);  alimentação 17,1% sendo 11,9% no domicílio e 5,2% fora dele e 1,2% com bebidas; transportes 7,5%, sendo 4,7% com veículo próprio e transporte urbano 2,8%; saúde, medicamentos, higiene pessoal e limpeza 7,1%; vestuário e calçados 4,6%;  materiais de construção 4,4%;, seguidos de recreação  e viagens 3,2%; eletrônicos-equipamentos  2,3%; educação 2,2%;  móveis e artigos do lar 1,9% e fumo 0,6%.” – detalha o estudo.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Gaúchos consomem mais energia mesmo com aumento das tarifas

28 de abril de 2015 4
Foto: Marco Favero / Agência RBS

Foto: Marco Favero / Agência RBS

O Rio Grande do Sul teve aumento no consumo de luz por clientes residenciais em março mesmo com o aumento das tarifas. Ao contrário da queda registrada em Santa Catarina e no Paraná, os gaúchos elevaram a demanda por energia em 1,5% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Em março, entraram em vigor dois aumentos, com forte impacto no bolso dos consumidores. Houve a revisão extraordinária e também o aumento da bandeira tarifária, mecanismo que repassa mensalmente o custo para geração da energia.

Segundo a Empresa de Pesquisa Energética, o consumidor perceberá o aumento quando chegar a fatura agora no mês de abril. Então, isso pode provocar uma redução no consumo nos próximos meses, mas aliado, principalmente, às temperaturas mais amenas, que reduzem a necessidade de ar condicionado.

Uma contribuição também pode vir da piora da economia brasileira, com alta da inflação. O crédito mais caro e restrito também pode reduzir a compra de novos equipamentos.

Indústria

No setor industrial, as fábricas automobilísticas seguem cortando o consumo de energia. No Rio Grande do Sul, redução de 15% pelas montadoras, que estão cortando produção com a queda de vendas.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Comércio gaúcho projeta crescimento zero nas vendas de Dia das Mães

16 de abril de 2015 0
Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS.

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS.

As vendas para o Dia das Mães devem ter crescimento zero em relação ao ano passado. A projeção é da Fecomércio-RS. Segundo a entidade, o aumento será apenas nominal, ou seja, repondo a inflação.

Os consumidores até devem gastar um pouco mais. No entanto, isso é motivado pelo aumento nos preços dos presentes e não por uma decisão das pessoas de comprar presentes melhores ou em maior quantidade.

“Diante do quadro atual da economia brasileira de inflação alta, crédito restrito e caro e baixa confiança do consumidor, a expectativa é que o comércio varejista repita as vendas do ano passado.” – complementa a análise da Fecomércio.

A entidade observa que os gaúchos também estão evitando o endividamento. O pagamento à vista deve ser o mais usado, apontado por 80,5% dos entrevistados na pesquisa.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.