Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "consumo"

Os 20 municípios do RS com maior potencial de consumo para 2017

10 de maio de 2017 0

 

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

 

O IPC Marketing atualizou o ranking de potencial de consumo, o IPC Maps, para 2017. Já falamos sobre a posição do Rio Grande do Sul aqui: Rio Grande do Sul mantém quarto maior potencial de consumo do país.

E agora o diretor Marcos Pazzini nos encaminhou o ranking dos municípios gaúchos com maior potencial de consumo para 2017. Abaixo os 20 primeiros colocados, sendo que os três líderes no ranking mantiveram a posição de 2016.

1 – Porto Alegre R$ 48,134 bilhões

2 – Caxias do Sul R$ 16,730 bilhões

3 – Canoas R$ 9,143 bilhões

4 – Pelotas (estava em 5º)

5 – Santa Maria (estava em 4º)

6 – Gravataí

7 – Novo Hamburgo

8 – Viamão (estava em 10º)

9 – São Leopoldo (estava em 8º)

10 – Passo Fundo (estava em 9º)

11 – Rio Grande

12 – Alvorada

13 – Bento Gonçalves

14 – Santa Cruz do Sul

15 – Sapucaia do Sul

16 – Erechim

17 – Cachoeirinha

18 – Guaíba

19 – Lajeado

20 – Bagé

===

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Rio Grande do Sul mantém quarto maior potencial de consumo do país. Cidades gaúchas em destaque:

04 de maio de 2017 1

 

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS.

 

O potencial de consumo no Rio Grande do Sul para 2017 é de R$ 285,560 bilhões. Representa 6,8% do montante do país, um pouco maior do que no ano anterior.

Ficamos em quarto lugar no ranking de Estados. É a mesma posição de 2016 no IPC Maps, feito pela empresa especializada em informações de mercado IPC Marketing Editora.

A lista é, obviamente, liderada por São Paulo, que responde por mais de 27% do potencial de consumo brasileiro. Depois, aparecem Minas Gerais e Rio de Janeiro.

E quais municípios gaúchos aparecem no ranking dos 50 primeiros colocados no país?

1 – Porto Alegre ainda lidera no Estado. Mas caiu da 7ª para a 8ª posição no país. Foi ultrapassada por Fortaleza. Tem um potencial de consumo para 2017 de R$ 48,134 bilhões. É 1,14% do país.

2 – Caxias do Sul seguiu em segundo e manteve a 30ª posição no país. Potencial de consumo de R$ 16,73 bilhões.

E deu. Não tem mais gaúchos no topo do ranking.

Uma análise nacional

O estudo IPC Maps mostra que o consumo nacional tem fôlego para atingir R$ 4,2 trilhões. Serão gastos R$ 300 bilhões a mais que em 2016, indicando crescimento real estimado em 0,42%.

O desembolso permanece maior no interior dos Estados sobre as capitais.

- Enquanto os 50 maiores municípios concentram mais de 40% de tudo que é consumido no país, a mobilidade nos extratos sociais está praticamente estagnada, com reflexos de queda no topo da pirâmide social, que é formada pelas Classes A e B, e estreitamento ainda mais acentuado nas classes menos favorecidas.

Vem do interior 70,15% do consumo. Pouco mais de R$ 2,9 trilhões. E este fenômeno não é novo. Vem desde 2015, quando a movimentação do consumo fora das Capitais bateu os 70%.

- Atualmente, resta às capitais estaduais R$ 1,3 trilhão, menos de 30%, uma participação que por longos anos espelhava mais da metade do consumo nacional.

Hábitos de consumo

Os itens básicos lideram o consumo. Veja o quadro:

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Internet e shoppings ganham espaço para compra do presente de Dia das Mães

26 de abril de 2017 0
Foto:  Rafaela Martins / Agencia RBS.

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS.

 

A intenção do pessoal de Porto Alegre de comprar o presente de Dia das Mães no shopping aumentou bastante em relação ao ano passado. A opção era citada por 25% dos entrevistados em 2016 e passou para 37% agora em 2017.

O resultado apareceu na pesquisa encomendada por CDL e Sindilojas Porto Alegre. Mas os dados exclusivos enviados para o blog Acerto de Conta$ têm outra informação que chama mais atenção ainda:

Aumentou – e muito! – a intenção de comprar presentes pela internet. Era opção de 1,3% dos entrevistados no ano passado. E pulou para 8% em 2017. Ainda é um percentual baixo, mas aumentou um bocado.

E fica a dica: a pesquisa mostra ainda que desconto e preço lideram disparados a lista do que define o local de compra.

Estadual

A pesquisa estadual muda de resultado. É feita pela Fecomércio-RS e mostra que as lojas de centro das cidades mais uma vez despontam como as preferidas para as compras de Dia das Mães. Foram citadas por 53% dos entrevistados. Os shopping centers aparecem como segunda opção, apontados por 17,9%.

O frio chegando anima o comércio. Era o ingrediente principal para vendas melhores para o Dia das Mães, avisa o presidente Vilson Noer, da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo.

 

 

 

Intenção de consumo das famílias atinge maior nível em 15 meses

24 de abril de 2017 0
Foto: Jean Schwarz / Agencia RBS.

Foto: Jean Schwarz / Agencia RBS.

 

Um certo alívio no horizonte para o varejo e o setor de serviços. A Intenção de Consumo das Famílias no Rio Grande do Sul atingiu o maior nível em 15 meses.

O indicador da Fecomércio-RS ficou em 69,7 pontos. Maior que isso, ocorreu só em janeiro de 2016.

Na comparação com um ano atrás, é um crescimento de 9,5%. É visto pela entidade como uma recuperação lenta e gradual.

- Houve uma melhora em vários de seus componentes, com exceção da avaliação quanto à renda atual e das perspectivas profissionais. Mas a confiança das famílias ainda é baixa. A conjuntura impõe limitações à expansão da confiança. – destaca o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Chama a atenção o indicador de perspectiva de consumo, que atingiu 91,2 pontos. É 88,2% acima do mesmo mês do ano passado.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Saindo do fundo do poço: Supermercados gaúchos voltam a vender mais

19 de abril de 2017 1

foto-blog29-e1419590601509

 

 

Os supermercados gaúchos voltaram a vender mais. O setor teve crescimento real de 3,4% nas vendas em 2016, ou seja, acima da inflação.

Em 2015, tinha registrado queda real de vendas depois de uma década. Isso assustou pela sinalização de que a crise estava mesmo complicada já que o consumidor tinha reduzido a compra de comida.

Conforme o balanço divulgado pela Associação Gaúcha de Supermercados, o faturamento do setor atingiu R$ 28,7 bilhões. São 4,4 mil empresas e quase 96 mil empregos.

- Passou o fundo do poço. Devemos ter crescimento também em 2017. – analisa o presidente da AGAS, Antônio Cesa Longo.

Dólar em queda aumentou a importação. Conforme os dados do ranking, a participação média dos produtos importados nos supermercados gaúchos também subiu, de 1,45% em 2015 para 2,35% em 2016.

- Mais da metade dos supermercados afirmaram dispor de itens oriundos de outros países, como azeitonas, azeites, salmão, bacalhau, brinquedos, vinhos e frutas secas. – explica Longo.

Pelo sétimo ano consecutivo, as empresas de porte médio foram as que mais cresceram. Conseguem reduzir custos sem prejudicar os serviços, avalia a AGAS.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Após intervenção judicial, Shopping Gravataí tem nova superintendente

30 de março de 2017 0
Foto: Arquivo pessoal.

Foto: Arquivo pessoal.

 

O Shopping Gravataí, único do município, tem nova superintendente. É Silvia Rachewsky, que foi gerente do Shopping Total, em Porto Alegre, e estava como diretora do Sindicato dos Lojistas da Capital.

Foi colocada no cargo pela Pró Overseas. A empresa assumiu a administração do shopping após decisão judicial que tirou o comando da Global Malls, do M.Grupo.

A executiva conversou com o blog Acerto de Conta$ nesta manhã. Contou que o desafio é revitalizar o shopping. Ainda há restrições de ação durante a transição judicial, como questões relacionadas à marca.

Atualmente, há 65 lojas no Shopping Gravataí. Mas Silvia fala que há espaço e potencial para alcançar 160 operações.

Quer trazer marcas de volta, que fecharam as lojas no shopping durante a crise no empreendimento, como Rabusch e Tevah. Mas também já está em contato com outras empresas, como Titãs, Maria da Praia, Youcom, Marisa e Patchwork.

Ouça a entrevista completa:

Entenda o caso nas matérias já publicadas aqui no Acerto de Conta$:

“Faremos novos investimentos e precisaremos de mais gente ainda” – garante nova administradora do Shopping Gravataí

M.Grupo perde comando do shopping de Gravataí

Decretada falência de empresa do M.Grupo no Rio Grande do Sul

Shopping Gravataí ameaça divulgar lojistas que estão inadimplentes e quanto devem

Shopping de Gravataí não paga conta e lojas ficam sem luz

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Famílias do Sul têm o maior endividamento do País

24 de janeiro de 2017 0

A Região Sul fechou 2016 com o maior endividamento das famílias. O resultado está na pesquisa da Confederação Nacional do Comércio.

Aqui, o endividamento das famílias estava em 80,3% em dezembro. A média nacional é de 56,6%.

A Região Sul fechou 2016 com média de 77,3%. Média nacional de 58,7%.

O Sul também liderou em dezembro no índice de famílias que dizem não ter condições de pagar as dívidas: 12,3%. Média nacional de 8,7%.

Principais tipos de dívida no Sul:
Cartão de crédito 74,1%
Financiamento do carro 13,1%
Financiamento da casa 9,8%
Carnê 9,2%

Cai endividamento e aumenta inadimplência no País

O número de famílias brasileiras endividadas recuou 3,9% ano passado. O balanço é da Confederação Nacional do Comércio.

Apesar da queda no endividamento, as famílias com contas ou dívidas atrasadas avançaram 18,4%. E as que não tiveram condições de pagar suas contas em atraso e permaneceram inadimplentes alcançou 8,9%, um aumento de 25,2% na comparação com 2015.

- A queda do nível de endividamento e o aumento da inadimplência foram reflexos da retração da economia doméstica em 2016. A desaceleração do consumo proveniente da piora do mercado de trabalho e das altas taxas de juros ocasionou maior dificuldade às famílias para honrar os seus compromissos no período. – explica a economista da CNC, Marianne Hanson.

O cartão de crédito segue como o principal responsável pelo endividamento. Citada por 77,1% das famílias. O carnê vem em segundo lugar, apontado por 15,4% do público.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Ano começa com queda na intenção de consumo dos gaúchos

23 de janeiro de 2017 0

A primeira pesquisa do ano revela que a intenção de consumo das famílias gaúchas caiu 15,4% na comparação com o mesmo período do ano passado. Queda também no confronto com dezembro, com recuo de 4,4%.

Os dados são da pesquisa Intenção de Consumo das Famílias, da Fecomércio-RS. Foi para 62 pontos em janeiro. Recuou tanto entre as famílias que ganham mais quanto as que ganham menos do que dez salários mínimos.

- Ainda que se espere que 2017 seja melhor do que 2016, o mercado de trabalho, principal elemento a determinar a intenção de consumo das famílias, não apresentou sinais de retomada. Por isso, a intenção de consumo está caindo. – destaca o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

A baixa confiança das pessoas no mercado de trabalho é confirmada pelo resultado do indicador que mede a situação do emprego. Aos 99,3 pontos em janeiro, teve uma redução de 12,1% em relação a janeiro de 2016. O dado referente à situação de renda atual ficou em 49,7 pontos, com diminuição de 33,6%.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Intenção de consumo dos gaúchos tem pequena alta mas segue abaixo do Natal passado

20 de dezembro de 2016 0

A intenção de consumo dos gaúchos teve uma leve alta. Foi o quinto aumento consecutivo. Ainda assim, é considerada baixa pela Fecomércio-RS, que faz a pesquisa todos os meses.

Ficou em 64,8 pontos. Abaixo de 100 é considerado patamar pessimista.

As famílias com renda superior a dez salários mínimos estão menos pessimistas (75,4 pontos), mas tiveram recuo na intenção de consumo em dezembro. As que ganham menos aumentaram o indicador (62,3 pontos).

Outra questão observada pela entidade: é véspera de Natal e a intenção de consumo fica abaixo de dezembro de 2015, quando as vendas já caíram.

- Os indicadores de dezembro que medem o otimismo das famílias gaúchas com a economia registraram queda de 15,5% (aos 61,0 pontos) na comparação com o mesmo período do ano passado e 4,8% no confronto com o mês anterior. – informa o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Segundo ele, alguns fatores são determinantes para o recuo do ICF. Entre eles, o enfraquecimento do mercado de trabalho, queda da renda real das famílias e permanência da taxa de juros em patamares elevados. A baixa confiança das pessoas na manutenção de vagas no mercado de trabalho também impactou o indicador.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Intenção de consumo dos gaúchos tem quarto mês de alta, mas segue em nível pessimista

24 de novembro de 2016 0

A intenção de consumo das famílias gaúchas subiu novamente em novembro. É o quarto mês consecutivo de alta. E até acelerou um pouco. Aumentou tanto entre quem ganha mais quanto entre quem ganha menos de dez salários mínimos.

No entanto, segue no chamado patamar pessimista. Está em 64,1 pontos. Otimismo é considerado só a partir de 100 pontos.

A pesquisa é feita pela Fecomércio-RS.

- Como o mercado de trabalho continua enfraquecido, é razoável esperar que a intenção de consumo das famílias permaneça bastante deprimida. – salientou o presidente, Luiz Carlos Bohn.

Lembra que a queda da renda real e os dos juros elevados formam um cenário ruim para o consumo.

- Essa melhora tênue registrada pelo ICF em novembro pode ser interpretada mais como um sinal de interrupção de queda do que uma recuperação mais robusta.

Mas a avaliação quanto à situação do emprego alcançou 105,7 pontos. Com isso, entrou no patamar otimista depois de oito meses em nível pessimista.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.