Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "inflação"

Casa sem vidros, mas com quatro TVs

02 de setembro de 2014 1

Coluna Acerto de Conta$, no Diário Gaúcho. Todas as terças.

Foto: Porthus Junior / Agencia RBS.

Foto: Porthus Junior / Agencia RBS.

Mauro foi jantar na casa de um antigo amigo que não via desde a infância. Quando chegou, o casal foi orgulhoso mostrar a casa, com churrasqueira, piscina, lareira, cozinha com eletrodomésticos e quatro TVs de tela plana. Uma por pessoa.

No meio da conversa, Mauro perguntou, intrigado, ao amigo: por que não havia vidros nas janelas?

A resposta foi:

- Tá louco, Mauro? Você viu a quantidade de vidros que tenho que colocar nesta casa? O vidraceiro divide em no máximo três vezes. Assim que terminar de pagar algumas contas, vou juntar para isso.

Mauro Calil é educador financeiro e contou a situação real à coluna para mostrar onde acha que começou esta alta da inadimplência. A escolha do que é mais importante para a família passa agora pelo crediário, ou melhor, por quantas parcelas é possível dividir o pagamento.

- A recente cultura do brasileiro se baseia na frase “cabe no bolso”.

Ao dizer isso, Calil se refere à preocupação superficial se a parcela cabe no salário do mês mesmo que o financiamento tome meses e até anos do orçamento. Mas e se a economia piorar? E se ficar desempregado? A inflação disparar? As dívidas continuam…

Colocando em números

Imagine uma família:

- com renda de R$ 5 mil.
- com parcelas de dívidas que somam R$ 1.750
- demais despesas (de luz à comida) R$ 3 mil

Sobram: R$ 250

Com inflação de 6,5%, as despesas passarão para R$ 3.195 em um ano. Se a renda não subir, a família terá como extra apenas R$ 55 para respirar.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

PIB caiu 0,6% no segundo trimestre. Brasil entra em recessão técnica.

29 de agosto de 2014 13
Imagem: Divulgação.

Imagem: Divulgação.

 

O PIB caiu 0,6% no segundo trimestre, chegando a R$ 1,27 trilhão. A comparação do IBGE é com o desempenho da economia brasileira no primeiro trimestre do ano. O recuo é ainda maior do que previam analisas de mercado.

Nesta comparação, apenas agropecuária e consumo das famílias teve crescimento. Novamente, os investimentos – medidos pela Formação Bruta de Capital Fixo – tiveram forte queda. Veja tabela do IBGE:

foto blog

Na Indústria, apenas a Extrativa mineral registrou expansão: 3,2%. Indústria de Transformação (-2,4%), Construção civil (-2,9%) e Eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (-1,0%) apresentaram queda em relação ao trimestre anterior. Nos Serviços, o recuo foi puxado pelo desempenho negativo observado no Comércio (-2,2%).

Recessão

Com o resultado negativo do segundo trimestre, o Brasil entra em recessão técnica. Foram revisados os dados do primeiro trimestre. De um avanço de 0,2% no PIB, o IBGE revisou o dado para queda de 0,2%. Dois trimestres consecutivos de queda significa recessão técnica. A última vez que isso ocorreu foi no período que contemplou o fim de 2008 e o início de 2009, auge da crise econômica mundial.

Acumulado 12 meses

O PIB acumulado nos quatro trimestres terminados em junho de 2014 apresentou crescimento de 1,4% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. A previsão do mercado para o fechamento de 2014 é de um avanço de apenas 0,7% na economia brasileira.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Porto Alegre segue com inflação mais alta do País

26 de agosto de 2014 0

A inflação para o consumidor de Porto Alegre avançou de 0,33% para 0,36% na última apuração da Fundação Getúlio Vargas. Novamente, foi a maior entre as sete capitais pesquisadas. O cálculo considera a variação de preços dos últimos 30 dias.

Maiores pressões de alta sobre o IPC-S:

Show musical +9,3%
Bergamota +29,82%
Refeições em bares e restaurantes +1,14%
Automóvel usado +2,95%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Previsão para o PIB cai de novo. Pela 13ª vez.

25 de agosto de 2014 0

Já são 13 semanas de corte na previsão do mercado para o PIB. A projeção agora é de um crescimento de apenas 0,70% na economia brasileira em 2014.

O relatório Focus, do Banco Central, aponta ainda que os analistas acreditam em retração de 1,76% na produção industrial. Aumentou para 6,27% a previsão para a inflação pelo IPCA no fechamento do ano.

Câmbio R$ 2,35

Taxa de juros Selic 11% ao ano

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Prévia da inflação tem pequeno recuo no País

20 de agosto de 2014 0

Prévia da inflação oficial do País, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 teve um pequeno recuo em agosto. Ficou em 0,14%, frente a 0,17% de julho. O IPCA-15 é calculado pelo IBGE.

O principal impacto do mês ficou com a energia elétrica, com reajustes das regiões metropolitanas de Curitiba, São Paulo e Belém. Em habitação, houve pressão ainda das despesas com artigos de limpeza, taxa de água e esgoto, condomínio, aluguel residencial e mão de obra para pequenos reparos.

12 meses

No acumulado de 12 meses, no entanto, a inflação ainda bate na trave do teto da meta da inflação. Está em 6,49%. O Governo Federal estabeleceu 6,5% como teto.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Porto Alegre registra a maior inflação do País

19 de agosto de 2014 0

Porto Alegre registra a maior inflação do País nos últimos 30 dias. O Índice de Preços ao Consumidor passou de 0,18% para 0,33%. É o maior entre as sete capitais pesquisadas pela Fundação Getúlio Vargas.

Maiores influências de alta:

Show musical +14,38%
Refeições em bares e restaurantes +1,14%
Bergamota +17,96%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Mercado mais pessimista com PIB e com produção da indústria

18 de agosto de 2014 0

O mercado está mais pessimista com o desempenho do PIB e com a produção da indústria brasileira em 2014. Para a economia brasileira, piora há doze semanas a aposta de crescimento. Acredita agora que o PIB fechar o ano com avanço de apenas 0,79%.

Para a produção industrial, depois de alguma estabilidade os analistas voltaram a pior a previsão. A previsão é que as fábricas produzam 1,76% menos do que no ano passado.

Para a inflação, no entanto, previsão de alta menor: 6,25%.

Câmbio: R$ 2,35.

Taxa de juros Selic: 11% ao ano.

O relatório Focus é divulgado às segundas, pelo Banco Central.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Alimentos fazem Porto Alegre retomar inflação

11 de agosto de 2014 0
Foto: Artur Moser / Agencia RBS.

Foto: Artur Moser / Agencia RBS.

Depois de três semanas com deflação, Porto Alegre voltou a registrar alta de preços. A inflação dos últimos 30 dias ficou em 0,18%. O Índice de Preços ao Consumidor é calculado pela Fundação Getúlio Vargas.

A principal pressão veio dos gastos com alimentos. Após uma trégua de mais de um mês, os preços voltaram a pesar mais no bolso do consumidor.

Devido ao peso no orçamento das famílias, comer fora de casa foi a maior influência de alta na inflação.

Refeições em bares e restaurantes: +2%

Seguida por:

Carne moída +3,28%
Congelados de ave +1,81%

Outra influência é que começa a perder peso o recuo nos preços das passagens aéreas, que passam por uma acomodação após a alta registrada na Copa do Mundo.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Inflação oficial desacelerou em julho

08 de agosto de 2014 0
Foto: Genaro Joner/Agencia RBS.

Foto: Genaro Joner/Agencia RBS.

O IPCA fechou julho em 0,01%. Foi uma forte desaceleração na comparação com junho, quando o indicador apontou inflação de 0,40%.

O índice calculado pelo IBGE é considerado a inflação oficial do País. O recuo de julho foi influenciado principalmente pela queda de quase 27% nos preços das passagens aéreas, que tinham subido bastante na época da Copa do Mundo.

Apesar do recuo em julho, o acumulado de 12 meses atinge o teto da meta do Governo Federal para a inflação em 2014. Está em 6,5%.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Porto Alegre tem nova deflação

04 de agosto de 2014 0
Foto: Fabrício Barreto/Divulgação Walmart.

Foto: Fabrício Barreto/Divulgação Walmart.

Porto Alegre voltou a registrar deflação. O Índice de Preços ao Consumidor acumula variação de -0,09% nos últimos 30 dias.

No entanto, o cálculo da FGV apontou uma queda menor nos preços. Na última apuração, o indicador foi de -0,20%.

Maiores influências de alta:

Refeições em bares e restaurantes +1,77%
Show musical +6,24%
Mão de obra para reparos em residências +3,77%

Maiores influências de queda:

Congelados de ave -7,59%
Passagem aérea -22,71%
Tomate -21,65%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.