Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "inflação"

Inflação de Porto Alegre desacelera um pouco

24 de abril de 2014 0

A inflação para o consumidor de Porto Alegre teve uma pequena desaceleração. Passou de 1,15% para 1,11%. Ainda assim é a maior entre as capitais pesquisadas pela FGV.

Alimentos e vestuário ainda seguem pressionando com alta de preços. No entanto, o reajuste das mensalidades já deixa de ser uma influência de elevação do Índice de Preços ao Consumidor.

Principais pressões de alta:

Refeições em bares e restaurantes +3,32%
Leite tipo longa vida +12,49%
Alimentos preparados e congelados de ave +4,64%

Principais pressões de baixa:

Passagem aérea -18,57%
Show musical -1,87%
Tarifa de eletricidade residencial -0,50%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Custos para manter um carro

23 de abril de 2014 0

Confira a coluna Acerto de Conta$, no Diário Gaúcho. Todas as terças.

Prateleira de preços

Tem carro? Confira o que subiu abaixo e acima da inflação nos últimos 12 meses em Porto Alegre:

Oficina +12,01%
Pecas e acessórios +4,54%
Pneu +4,36%
Estacionamento e garagem +10,22%
Seguro +15,46%

Inflação para o consumidor (IPC-S/FGV): +7,16%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Mercado projeta inflação acima da meta do governo

22 de abril de 2014 0

Pela sétima semana seguida, o mercado eleva a aposta para a inflação de 2014. Os analistas ouvidos pelo Banco Central projetam agora que o IPCA feche o ano em 6,51%. Fica acima do teto da meta do Governo Federal, que é de 6,51%.

Há um mês, a projeção era de 6,28%. O relatório Focus é divulgado toda segunda-feira e traz a mediana das previsões de mercado.

A projeção para o PIB está menor. Prevê crescimento de 1,63% da economia brasileira.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Por que a inflação preocupa?

22 de abril de 2014 0

Confira a coluna Acerto de Conta$, no Diário Gaúcho. Todas as terças.

A inflação não sai do noticiário. Mas por quê?

O aumento desenfreado de preços provoca a corrosão do poder de compra do dinheiro. O que você tem na carteira vai comprando menos coisas com o passar dos dias.

Em épocas de hiperinflação, a população apenas sobrevive. Não consegue planejar gastos porque não sabe o que poderá comprar daqui a um mês.

Quem mais sofre são as famílias de baixa renda. Isso porque são estas pessoas que têm menos acesso à mecanismos de proteção contra a inflação, como aplicações financeiras.

Nos últimos 12 meses, a inflação está acumulada em 6,15%. Fica bem perto do teto da meta do Governo Federal, que é de 6,5%.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Passagens aéreas 40% mais caras em Porto Alegre

21 de abril de 2014 0
Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Os preços das passagens aéreas subiram, em média, 40% nos últimos 12 meses em Porto Alegre. É mais de cinco vezes a inflação do período.

O cálculo é feito pela Fundação Getúlio Vargas. Considera voos nacionais com origem na Capital Gaúcha.

Em março, as passagens aéreas impactaram bastante na inflação também no País. A justificativa da Associação Brasileira das Empresas Aéreas foi a procura maior e não a mudança nos valores dos bilhetes. Complementa que as passagens mais baratas para o período da Copa do Mundo já acabaram e as que sobraram são as de tarifas mais altas.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Prévia da inflação oficial avança no País

17 de abril de 2014 0

Prévia da inflação oficial, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 avançou para 0,78% em abril. Em março, o IPCA-15 foi de 0,73%.

Segundo o IBGE, é a maior variação desde janeiro de 2013, quando ficou em 0,88%. No acumulado de 12 meses, o índice ficou em 6,19%.

A alta nos preços dos alimentos e bebidas respondeu por mais da metade da inflação nos últimos 30 dias. Carnes, batata e leite foram as maiores pressões. Ainda haverá o impacto forte do reajuste das contas de luz.

Porto Alegre

A Região Metropolitana de Porto Alegre também teve avanço no IPCA-15. Passou de 0,66% para 1,08%. O acumulado de 12 meses fica em 6,41%.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Porto Alegre teve maior alta nos preços dos ovos de Páscoa

15 de abril de 2014 1

Os preços dos ovos de Páscoa subiram, em média, 7,7% em Porto Alegre. Foi o maior aumento na pesquisa da Fundação Getúlio Vargas em sete capitais.

A média nacional foi de alta de 6,78%. A comparação é feita com a Páscoa do ano passado.

O maior aumento na Capital Gaúcha foi verificado nos ovos de chocolate de 500g. Subiram 9,14%.

Clique na imagem para ampliá-la.

Clique na imagem para ampliá-la.

- Para os adultos, a barra de chocolate e a caixa de bombom são opções mais econômicas. – sugere André Braz, economista da FGV/IBRE.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

AES Sul pede reajuste de 30,47% na conta de luz

15 de abril de 2014 16
Foto: Agencia RBS.

Foto: Agencia RBS.

A AES Sul está pedindo reajuste de 30,47% nas contas de luz. A distribuidora atende 72 municípios no Rio Grande do Sul e terá a solicitação avaliada nesta terça-feira pela Agencia Nacional de Energia Elétrica.

É o percentual mais alto entre as seis distribuidoras que estão na pauta da reunião da Aneel. As empresas têm alegado custo alto para comprar eletricidade. No caso da AES Sul, o dólar deixou mais cara a energia comprada de Itaipu.

Os reajustes ficam bem acima da inflação. O IGPM acumulado está em 6,67%.

A data de reajuste da AES Sul é 19 de abril. RGE é em junho e CEEE, em outubro.

Aneel transferiu para a reunião desta quarta-feira a análise sobre o pedido da AES Sul. A mudança foi definida no fim da manhã desta terça-feira.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Inflação: projeção mostra mais que números

15 de abril de 2014 0
Foto: Genaro Joner/Agencia RBS.

Foto: Genaro Joner/Agencia RBS.

Há seis semanas seguidas que o mercado aumenta a previsão para a inflação em 2014. Nessa segunda-feira, foi um salto de 6,35% para 6,47% na aposta para o IPCA.

O percentual apareceu na pesquisa Focus, feita todas as semanas pelo Banco Central com instituições financeiras. Significa que, para os analistas, a alta de preços dos alimentos, os reajustes nos transportes e a conta de luz mais pesada terão impacto maior no indicador do que as elevações de juros que o Comitê de Política Monetária têm feito para conter a inflação.

Batendo na meta

A previsão fica cada vez mais perto do teto da meta do Governo Federal para a inflação, que é de 6,5%. O sistema de metas existe para orientar políticas monetárias e mostrar que há controle. É para ser cumprido, sob o risco, também, de danos à imagem da economia do País.

Mas são previsões

Sim, o Focus traz apenas previsões. No entanto, é bastante usado por investidores para escolher onde aplicar o dinheiro. Também serve para empresas montarem planejamentos. Ao fazer o orçamento do ano seguinte, empresas “travam” o último relatório Focus e se organizam em cima dos números apresentados.

Inflação para empresas

A inflação acaba com o planejamento financeiro das empresas. Com isso, reduz investimentos porque provoca receio do empresário em relação ao andamento da economia. Pesquisa da Fecomércio-RS aponta recuo de 5,6% na confiança dos comerciantes em março, na comparação com o mesmo período do ano passado. O principal motivo? A inflação.

Inflação para famílias

O aumento desenfreado de preços corrói o poder de compra do dinheiro. O que está na carteira vai comprando menos com o passar dos dias. Quanto mais de baixa renda, menos a família consegue proteger o patrimônio.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Páscoa - Chocolate pelo triplo do preço

14 de abril de 2014 2

 

Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS.

Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS.

Quem for comprar chocolate em formato de ovo de Páscoa tem que estar disposto a gastar mais do que o triplo do preço que é cobrado pela mesma quantidade se o consumidor optar por barras ou bombons. O colega da Rádio Gaúcha Emanuel Soares fez uma pesquisa nesta manhã em lojas do Centro de Porto Alegre. A partir dos valores, o Acerto de Conta$ fez os cálculos e veja o que concluiu:

Por exemplo, um ovo de chocolate custa R$ 19,90. Se fosse comprar a mesma quantidade de chocolate em formato de barra, o consumidor gastaria R$ 5,75.

Outro exemplo, um ovo de R$ 22,99. A mesma quantidade, mas em formato bombom, custa R$ 7,41.

Os motivos apontados para a diferença de preço são embalagens especiais e linhas de produção adaptadas para produtos de Páscoa. É claro que há, no entanto, também uma disposição do consumidor em pagar mais pelo produto.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.