Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "loja"

"Vamos manter empregos, a marca Tumelero e abrir mais lojas." - diz diretor da Saint-Gobain

02 de março de 2017 5

1426177509_Tumelero

 

Saiu a aprovação e foi confirmada a compra da rede Tumelero pela Saint-Gobain. A empresa entra, com isso, no varejo de construção no Rio Grande do Sul.

O acordo para aquisição já tinha sido anunciado. A operação foi agora aprovada pela autoridade da concorrência brasileira, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A rede Tumelero atua há 50 anos no Rio Grande do Sul. Tem 29 lojas.

Com a aquisição, o grupo francês se torna a maior rede de pontos de vendas desse mercado no País. Com 70 lojas operando com as bandeiras Telhanorte, Telhanorte Conceito, Pro Telhanorte e Tumelero, em 46 cidades em São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul.

Em entrevista ao blog Acerto de Conta$, o diretor-Geral da Saint-Gobain Distribuição, Manuel Corrêa, garantiu:

- Manter os empregos e pretendem aumentar investimentos. São 1 mil trabalhadores na Tumelero atualmente, sem contar empregos indiretos.

- Abrir mais lojas. Principalmente, em Porto Alegre e Caxias do Sul.

- Manter a marca Tumelero. Considera o gaúcho um dos consumidores mais exigentes do Brasil.

Corrêa está em Porto Alegre, passando um “calorão” e iniciando o processo de integração das atividades:

- Está sendo um dia muito intenso. Já tivemos reuniões com líderes da empresa e estamos nos surpreendendo para o bem.

 

manoel

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Loja Linna do Centro é arrombada, bagunçada e ladrão leva tesouras

23 de fevereiro de 2017 0

ed56fdde-47b9-4096-8d59-16ec8430dec6

 

Conhecida por vender artigos de festa e decoração, a Lojas Linna foi arrombada nas duas últimas madrugadas. É a unidade que fica na Rua Marechal Floriano Peixoto, no Centro de Porto Alegre.

Gerente da Linna, Paulo Cezar de Oliveira chegou às 4h nas duas lojas para ver o estrago. Suspeita que seja a mesma pessoa que quebra telhas, estraga o forro, derruba prateleiras, revira armários e defeca na loja. E o ladrão leva tesouras! E alguns trocados.

Ou seja, o que mais pesa é o transtorno aos funcionários e o gasto com as reformas do que foi estragado.

- O receio é que comece a estragar equipamentos mais caros.

Segundo Oliveira, outras lojas da quadra também foram arrombadas nos últimos dias. Reclama que a região está muito complicada. Funcionários não querem ir embora após as 18h com medo de assaltos. Pelo mesmo motivo, perderam clientes.

- No mínimo, 10% de queda nas vendas em relação ao ano passado se deve ao consumidor com medo que abandonou o Cento da Capital.

Presidente do Sindicato dos Lojistas de Porto Alegre, Paulo Kruse estima queda de 30% nas vendas nas lojas do Centro nos últimos meses, conforme pior a sensação de insegurança do consumidor. E diz que todas as noites tem lojista relatando arrombamento.

- Os comerciantes não sabem se não limparão suas lojas no Carnaval. Ainda tem o aumento dos camelôs. Comerciantes vão encerrar atividades.

 

 

bfe9cd4f-7897-4b14-b729-7456da25fb9d bc7c0300-c7ec-489a-b8d9-6cec9a2cc869 562ace77-5b26-48d5-b726-31e22a5b704d 68dcff0e-90ed-4deb-b753-d24d84ad67e7

 

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Lojistas de Porto Alegre ameaçam processar shoppings que não informarem despesas de condomínio

22 de fevereiro de 2017 0

Lojistas de Porto Alegre vão notificar os shoppings da Capital para que informem os detalhes das despesas de condomínio. É um valor cobrado mensalmente que abrange, principalmente, água, luz e gastos com marketing. A informação é da presidente do Comitê CDL POA Shopping, Nilva Bellenzier.

Foi uma das propostas apresentadas na assembleia à tarde passada que reuniu cerca de 80 lojistas. A notificação deve ocorrer até amanhã. Caso as informações não sejam repassadas aos lojistas, que consideram os valores de condomínio muito elevados, serão ajuizadas ações pedindo o detalhamento.

- Usaremos o argumento da necessidade de transparência. – explica a empresária.

Além disso, os lojistas também vão enviar pedido para que parlamentares aprovem projeto que tramita no Congresso Nacional para proibir a cobrança do 13º aluguel. Alegam que há dificuldade de retirar a cobrança nas renegociações de contrato. E ainda enviar para outras entidades

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Shopping Gravataí ameaça divulgar lojistas que estão inadimplentes e quanto devem

21 de fevereiro de 2017 2

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Depois do post publicado mais cedo Lojistas negociam retorno da energia cortada no shopping de Gravataí, o M.Grupo procurou a Rádio Gaúcha e blog Acerto de Conta$ e disse que está organizando os documentos para divulgar os lojistas que estão inadimplentes e quanto cada um deve.

“Diante de algumas matérias que saíram no dia de hoje na imprensa (21/02/2017), a direção do M.Grupo comunica que está tomando medidas judiciais em relação à RGE e estará divulgando publicamente a relação e valores dos lojistas inadimplentes. O Grupo tem informações que muitos que estão inadimplentes estão nestas reuniões. Também serão divulgadas todas as ações judiciais que estão movendo contra estes inadimplentes . Está sendo aguardada uma definição interna para divulgar todos estes documentos.”

Houve hoje reunião no Sindilojas de Gravataí em busca alternativas para o retorno da energia elétrica no Shopping Gravataí. O fornecimento foi cortado pela RGE no dia dez de fevereiro por inadimplência e agora os lojistas tentam uma negociação direta com a concessionária, sem passar pela gestão do shopping.

Veja aqui: Shopping de Gravataí não paga conta e lojas ficam sem luz

A RGE só vai religar a energia quando houver o pagamento. Gestor do shopping, o M.Grupo disse que a inadimplência dos lojistas é alta e por isso contas não estão sendo pagas. Representante de alguns comerciantes, o Fontoura Escritório de Advocacia rebate, dizendo que a informação não é verdadeira.

Segundo a advogada Eliane Fontoura Soster, o débito total informado pela concessionária é de R$ 1,79 milhão. Conta que o grupo que esteve na reunião pede que a Justiça determine um administrador judicial para o shopping.

- Afastando o M.Grupo, poderia continuar a negociação com a RGE.

Único shopping de Gravataí, o estabelecimento está funcionando, mas com geradores. Algumas lojas reforçam com ventiladores. Clientes reclamam que o ar condicionado está fraco.

Há ações judiciais solicitando troca da gestão do shopping. Um lojista que não quis se identificar manifestou preocupação por não haver garantia de que outra empresa cumpriria o que foi contratado com a atual administração.

Na semana passada, foi decretada falência de uma empresa do M.Grupo: Decretada falência de empresa do M.Grupo no Rio Grande do Sul

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Lojistas negociam retorno da energia cortada no shopping de Gravataí

21 de fevereiro de 2017 0
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Reunião no Sindilojas de Gravataí busca alternativas para o retorno da energia elétrica no Shopping Gravataí. O fornecimento foi cortado pela RGE no dia dez de fevereiro por inadimplência e agora os lojistas tentam uma negociação direta com a concessionária, sem passar pela gestão do shopping.

Veja aqui: Shopping de Gravataí não paga conta e lojas ficam sem luz

A RGE só vai religar a energia quando houver o pagamento. Gestor do shopping, o M.Grupo disse que a inadimplência dos lojistas é alta e por isso contas não estão sendo pagas. Representante de alguns comerciantes, o Fontoura Escritório de Advocacia rebate, dizendo que a informação não é verdadeira.

Segundo a advogada Eliane Fontoura Soster, o débito total informado pela concessionária é de R$ 1,79 milhão.

- Os lojistas do shopping estão unidos para resolver o problema com a maior brevidade possível visando a quitação do débito e a regularização do fornecimento de energia, independentemente da intervenção do M.Grupo.

Segundo a advogada, o grupo que esteve na reunião pede que a Justiça determine um administrador judicial para o shopping.

- Afastando o M.Grupo, poderia continuar a negociação com a RGE.

Único shopping de Gravataí, o estabelecimento está funcionando, mas com geradores. Algumas lojas reforçam com ventiladores. Clientes reclamam que o ar condicionado está fraco.

Há ações judiciais solicitando troca da gestão do shopping. Um lojista que não quis se identificar manifestou preocupação por não haver garantia de que outra empresa cumpriria o que foi contratado com a atual administração.

Posicionamento enviado pelo M.Grupo:

“Diante de algumas matérias que saíram no dia de hoje na imprensa (21/02/2017), a direção do MGrupo comunica que está tomando medidas judiciais em relação à RGE e estará divulgando publicamente a relação e valores dos lojistas inadimplentes. O Grupo tem informações que muitos que estão inadimplentes estão nestas reuniões. Também será divulgada todas as ações Judiciais que estão movendo contra estes inadimplentes . Está sendo aguardada uma definição interna para ser divulgados todos estes documentos.”

Na semana passada, foi decretada falência de uma empresa do M.Grupo: Decretada falência de empresa do M.Grupo no Rio Grande do Sul

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Dono de lojas vira garoto-propaganda da liquidação e eleva vendas em 50%

17 de fevereiro de 2017 1

sibrama foto

 

Dono de lojas em Santa Maria, o empresário Jacques Eskenazi Neto inovou neste ano e virou garoto-propaganda. Todo ano, a sua empresa anuncia a liquidação de fevereiro na televisão.

-  Estávamos sem agência de publicidade e conversando com a minha sócia, resolvemos tentar algo diferente. Foi no risco. O ator não é profissional. – ri o empresário – Mas se não ficasse legal, a produtora faria outro vídeo.

O resultado foi muito melhor que o esperado. As vendas aumentaram 54,04% na comparação com fevereiro do ano passado. Número que anima ainda mais depois de um janeiro vendendo 11% menos.

- Passou mais confiança para o cliente. Pessoal vem na loja e pede para falar comigo e dar parabéns. – diz Eskenazi Neto.

A empresa é a Sibrama. Existe há 60 anos e tem três lojas. Todas as unidades aumentaram as vendas. Que tal?

 

Veja o vídeo:

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Varejo gaúcho fechou 2016 com queda nas vendas e Natal muito ruim

14 de fevereiro de 2017 0

O varejo do Rio Grande do Sul teve queda de 5,4% no volume de vendas em 2016. O levantamento é do IBGE. A média nacional teve uma queda mais intensa, de 6,2%.

Desempenhos por setor no Rio Grande do Sul:

As maiores quedas

-22,1% Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação
-14,3% Eletrodomésticos

Os únicos segmentos com resultado positivo

+11,3% Móveis
+1,2% Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos

Natal

Os dados confirmam como o Natal foi ruim. Dezembro sobre novembro teve queda de 2% no volume de vendas no País. No Rio Grande do Sul, queda de 3,4% sobre novembro.

Quando comparadas com dezembro de 2015, quedas ainda mais intensas. No Rio Grande do Sul, volume de vendas 6,3% menor.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Loja na Serra aluga vestidos de festa de clientes e repassa 35% do valor

07 de fevereiro de 2017 0

Quadro Serra de Negócios, no programa Destaque Econômico.

Por Babiana Mugnol

 

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

 

Uma loja de Farroupilha está alugando vestidos e acessórios de festa disponibilizados pelos próprios clientes. A Repito Sim foi inaugurada agora pelas empreendedoras Aline Heineck e Cíntia Franken.

Segue a tendência da economia compartilhada. A loja já tem 150 peças para aluguel.

O aluguel dos vestidos custa em média dois terços do que no mercado comum. Os itens alugados continuam sendo das donas. Há apenas um contrato de cedência.

- Quem tiver interesse em dar uma nova vida para os vestidos e ganhar 35% do aluguel pode solicitar uma avaliação.

 

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Digimer pede recuperação judicial com dívidas de R$ 15 milhões

26 de janeiro de 2017 36
Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

 

A Digimer pediu recuperação judicial. A empresa enviou um comunicado aos fornecedores.

Atua no setor de informática na Região Metropolitana de Porto Alegre. Existe há 35 anos.

A ação foi ajuizada na Vara de Recuperação de Empresas e Falências do Foro da Comarca de Porto Alegre.

“adotamos a única estratégia viável para darmos continuidade às nossas operações, em um contexto macroeconômico desafiador e de projeções incertas.” - diz o texto enviado a fornecedores.

Ainda conforme a Digimer, o objetivo é readequar o passivo financeiro e enfrentar as quedas constantes no faturamento, que atribui ao cenário econômico nacional.

“A baixa demanda do mercado pelos produtos ofertados pela Digimer, bem como do varejo no geral, aliado à manutenção de um custo fixo necessário para a continuidade das lojas da empresa, ocasionaram o desencaixe financeiro que agora se pretende estancar.”

Seguiu dizendo que as dívidas se acumularam e consumiram o caixa. Isso impossibilitou reinvestir em capital de giro e ampliação dos negócios.

Prometeu publicar o plano de recuperação judicial 60 dias após a publicação da homologação. Vai abranger dívidas assumidas até 18 de janeiro. Garantiu que os débitos posteriores serão pagos em dia. E finaliza o comunicado dizendo que a operação da empresa prossegue.

Conforme despacho judicial sobre o pedido de recolhimento de custas ao final, que foi indeferido, as dívidas superam R$ 15 milhões.

Ligamos para a empresa, mas ainda não começaram o expediente.

Lembrando que a recuperação judicial foi criada para substituir a antiga concordata. A ideia é dar um fôlego para a empresa organizar as finanças e evitar a falência.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Rede de lojas da Rússia encaminha compra de 55 mil calçados brasileiros

23 de janeiro de 2017 1
Divulgação Econika.

Divulgação Econika.

 

Rede de lojas da Rússia, a Econika negociou a compra de 55 mil pares de calçados brasileiros. Somam US$ 1,2 milhão.

A empresa estava na Couromoda, em São Paulo. Participou do Projeto Comprador Vip, promovido pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados, em parceria com a Apex-Brasil.

A Econika tem 150 lojas só em Moscou, segundo a Abicalçados. Sendo, portanto, um dos maiores grupos de varejo de calçados.

Os empresários russos gostaram da qualidade e do design do calçado brasileiro. Acharam os preços um pouco altos, mas disseram que entendem o posicionamento.

Rádio Gaúcha e blog Acerto de Conta$ estiveram a convite na Couromoda.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.