Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "loja"

Varejo gaúcho fechou trimestre em queda com alta nas confecções e queda nos móveis

11 de maio de 2017 0

As vendas do varejo gaúcho fecharam o primeiro trimestre com queda, mas pequena. Foi um recuo de 0,3% em volume. Já quando considerada a receita, houve aumento e foi de 4,5%.

A queda no Rio Grande do Sul foi bem menor do que na média nacional. No país, o comércio vendeu 3% menos.

Considerando os segmentos:

Maior crescimento: +24,6% em Tecidos, vestuário e calçados

Maior queda: -22,6% em Móveis

Na comparação de março sobre fevereiro, o varejo do Rio Grande do Sul teve queda de 1,7% nas vendas em volume. Vem depois de uma queda de 3,8% e de um avanço de 14,3%, conforme a pesquisa do IBGE com ajuste sazonal.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Justiça nega redução da conta de energia de rede de lojas de Porto Alegre

08 de maio de 2017 0
Foto: Marco Favero / Agência RBS

Foto: Marco Favero / Agência RBS

 

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou pedido de liminar de uma rede de lojas do Rio Grande do Sul para suspender a cobrança na conta de luz da chamada Conta de Desenvolvimento Energético. A CDE é um dos encargos que compõem a fatura.

A rede que fez o pedido judicial é a lojista gaúcha de artigos esportivos Ughini. Terá, então, que seguir pagando a totalidade das faturas de energia elétrica das quatro lojas que tem em Porto Alegre.

A empresa ajuizou ação na 5ª Vara Federal de Porto Alegre com pedido de tutela antecipada em novembro do ano passado. A liminar foi indeferida e a autora recorreu ao Tribunal.

O TRF lembra que a CDE é um encargo setorial cobrado pelas concessionárias de distribuição de energia elétrica:

“com o objetivo de promover a universalização do serviço em todo o território nacional, conceder descontos a usuários de baixa renda e custear sistemas elétricos isolados, entre outros.”

Os advogados alegam que as novas finalidades para a CDE, estipulada por decreto, são inconstitucionais. Acrescentam que a empresa é usuária intensiva de energia elétrica nas suas operações e a elevação do custo provoca perda de competitividade. Argumentam que este alto custo impede o sucesso do plano de recuperação e pagamento dos credores.

Relator no Tribunal, desembargador federal Luís Alberto Aurvalle disse que há os requisitos para a concessão de uma liminar como o perigo da demora. Para o desembargador, é um pedido estritamente econômico e não há elementos concretos que apontem para a possibilidade de quebra da empresa ou de inviabilização das atividades econômicas por pagar os valores enquanto tramita o processo.

Apesar da liminar negada, a ação segue tramitando na 5ª Vara Federal de Porto Alegre.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Lojistas ajuízam ação contra três shoppings de Porto Alegre

27 de abril de 2017 2
Foto: Tadeu Vilani / Agência RBS.

Foto: Tadeu Vilani / Agência RBS.

 

A discussão é antiga e agora os lojistas de Porto Alegre ingressaram com uma ação na Justiça contra três shoppings da Capital. Querem mais informações sobre os custos de condomínio para avaliar os aluguéis cobrados, já que os comerciantes consideram muito alto.

A mobilização é organizada pelo grupo CDL POA Shopping.  Neste momento, é contra Iguatemi, BarraShoppingSul e Praia de Belas. Segundo a entidade, foram os shoppings que os lojistas autorizaram incluir no processo judicial.

Entre os dados solicitados no processo, estão a composição das receitas e despesas do “fundo de promoção” e do condomínio de acordo com o plano de contas usado pelo shopping para suas contabilizações. Querem as informações de 2015 e de 2016, junto com documentos que comprovem a realização das despesas. Fundo de promoção contempla, por exemplo, ações de marketing.

- São diversas as questões que ainda estão obscuras nesta relação entre lojistas e administradores de shoppings. Outro tópico levantado, que incluímos no pedido judicial, é o custo de energia, ar condicionado e segurança. – conta a presidente do Comitê CDL POA Shopping, Nilva Bellenzier.

- Também solicitamos que cada shopping informe os coeficientes de rateio de despesas de condomínio, incluindo a participação dos estacionamentos e dos quiosques. – complementa o vice-presidente de Micro e Pequenas Empresas da entidade, Carlos Frederico Schmaedecke.

É uma ação judicial já que a discussão de anos não progrediu. Mas, ainda assim, o presidente da CDL POA, Alcides Debus, diz que o objetivo conseguir diálogo com os shoppings.

- Os lojistas querem transparência sobre os valores pagos e a sua destinação. Será possível ter uma relação de maior confiança.

Procuramos os shoppings e abrimos espaço para posicionamento. Por enquanto, estão dizendo para pedir um posicionamento da Abrasce (Associação Brasileira de Shoppings Centers), que enviou no início da noite a seguinte nota:

“A Abrasce informa que os empreendimentos, até o momento, desconhecem qualquer medida judicial. Esclarece que todos os shopping centers mantêm a disposição os comprovantes dos gastos mensais aos lojistas na forma da lei e dos contratos. A associação reitera que o setor mantém um diálogo aberto e transparente com todos os lojistas”.

Relembre um pouco a discussão que gerou a ação judicial:

Lojistas apontam fechamento de operações em shoppings de Porto Alegre e brigam para não pagar 13º aluguel

Preço do aluguel faz Colombo fechar loja em shopping de Porto Alegre

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Internet e shoppings ganham espaço para compra do presente de Dia das Mães

26 de abril de 2017 0
Foto:  Rafaela Martins / Agencia RBS.

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS.

 

A intenção do pessoal de Porto Alegre de comprar o presente de Dia das Mães no shopping aumentou bastante em relação ao ano passado. A opção era citada por 25% dos entrevistados em 2016 e passou para 37% agora em 2017.

O resultado apareceu na pesquisa encomendada por CDL e Sindilojas Porto Alegre. Mas os dados exclusivos enviados para o blog Acerto de Conta$ têm outra informação que chama mais atenção ainda:

Aumentou – e muito! – a intenção de comprar presentes pela internet. Era opção de 1,3% dos entrevistados no ano passado. E pulou para 8% em 2017. Ainda é um percentual baixo, mas aumentou um bocado.

E fica a dica: a pesquisa mostra ainda que desconto e preço lideram disparados a lista do que define o local de compra.

Estadual

A pesquisa estadual muda de resultado. É feita pela Fecomércio-RS e mostra que as lojas de centro das cidades mais uma vez despontam como as preferidas para as compras de Dia das Mães. Foram citadas por 53% dos entrevistados. Os shopping centers aparecem como segunda opção, apontados por 17,9%.

O frio chegando anima o comércio. Era o ingrediente principal para vendas melhores para o Dia das Mães, avisa o presidente Vilson Noer, da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo.

 

 

 

Tradicional loja de roupa de Caxias do Sul vira feira de chocolate

11 de abril de 2017 0

Quadro Serra de Negócios, no Destaque Econômico.

Por Babiana Mugnol (babiana.mugnol@rdgaucha.com.br)

 

Foto: Babiana Mugnol / Gaúcha Serra.

Foto: Babiana Mugnol / Gaúcha Serra.

 

Uma das mais tradicionais lojas de Caxias do Sul, na Avenida Júlio de Castilhos esquina com a Rua Garibaldi, virou uma feira de Páscoa. Não é a primeira vez que a loja de roupas Fedrizzi ficou meses fechada, mas depois acabou sendo reaberta. Desta vez, não há previsão que ela volte a funcionar e o dono da marca, Gilberto Fedrizzi, não quis comentar o futuro do empreendimento, já que o aluguel para a feira de chocolates é só de um mês. Com histórico recente de dificuldades financeiras e baixa nas vendas, a loja Fedrizzi chegou a ser palco de um protesto de ex-funcionários no final de 2015.

João Ricardo da Silva Melo, que alugou o espaço, promove feira de páscoa há 15 anos em Caxias e disse que o preço maior cobrado pelo aluguel temporário compensa justamente pelo ponto tradicional na cidade. Nos outros anos, ele já alugava espaços centrais, inclusive na Avenida Júlio de Castilhos, mas reconhece a força do Edifício Estrela, que tem mais de 45 anos, como referência na cidade.

A movimentação maior de Páscoa é esperada para agora, mas desde a metade da semana o comerciante tem percebido aumento de procura. As feiras são opções para quem busca chocolates mais artesanais e com preços diferentes de mercado. Outro gerente de feiras na cidade de Caxias, Luiz Flavio Bastos, está vendendo chocolates em quatro pontos diferentes da cidade e percebe uma melhora do mercado neste ano, mas principalmente para chocolates menores ou grandes, os médios ainda estão tendo menos saída.

 

Saques do FGTS podem alavancar em até 6% faturamento do varejo gaúcho em 2017

07 de abril de 2017 0
Foto: Jonas Ramos / Agencia RBS.

Foto: Jonas Ramos / Agencia RBS.

 

O dinheiro das contas inativas do FGTS pode alavancar em até 2,4% o faturamento do varejo brasileiro em 2017. A projeção está em estudo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). A estimativa considera a injeção total dos R$ 45 bilhões do FGTS no varejo brasileiro.

Ao avaliar a participação de cada Estado no total de rendimentos e remunerações pagas no Brasil, o Rio Grande do Sul fica em quarto lugar na concentração de recursos. Atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Foi considerada a premissa de que a distribuição dos recursos das contas inativas do FGTS siga o padrão.

Dos R$ 45 bilhões disponibilizados para saque, estima-se que R$ 2,7 bilhões serão injetados na economia gaúcha. Com isso, as vendas podem crescer 6%.

Segundo a FecomercioSP, ainda que nem todo o dinheiro seja destinado para o consumo, o varejo pode se beneficiar no médio e longo prazo já que, se o consumidor optar por quitar dívidas ou aplicar, os recursos entrarão no mercado financeiro elevando a capacidade bancária de conceder empréstimos. Além disso, os consumidores endividados ou inadimplentes poderão reequilibrar seu orçamento doméstico, limpar o nome e se tornar novamente elegível a novos crediários, em condições mais vantajosas.

“Em suma, a Federação pondera que o volume de dinheiro a ser sacado das contas inativas do FGTS vai ajudar no processo de retomada da economia.” – diz a entidade.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Walmart vai fechar supermercado Nacional em zona nobre de Porto Alegre

02 de abril de 2017 0
Foto: Diego Vara / Agencia RBS (Arquivo)

Foto: Diego Vara / Agencia RBS (Arquivo)

 

 

Mais um supermercado Nacional será fechado. Desta vez, será a loja da Rua Lucas de Oliveira, em Porto Alegre.

O supermercado já está com liquidação. Funcionários estão informando os clientes que a loja fecha na terça-feira.

Procuramos o Walmart, mas ainda não recebemos um posicionamento da empresa sobre mais esta operação que será encerrada no Rio Grande do Sul.

Em fevereiro, o Walmart fechou o Nacional do Rua da Praia Shopping: Walmart fecha mais um supermercado em shopping de Porto Alegre

Mas antes, ainda em 2017, tinha fechado o supermercado do shopping Iguatemi: Walmart fecha mais um supermercado Nacional em Porto Alegre

E não deve parar por aí… Mas a expectativa do setor gaúcho é que, ao menos, o Walmart não encerre todas as atividades no Estado. No ano passado, anunciou a mudança das lojas BIG para bandeira e conceito Walmart.

Fora o fechamento do Nacional da Lucas de Oliveira, que a empresa ainda não explicou o motivo, as decisões sobre as demais lojas têm a mesma justificativa apresentada pela empresa de origem norta-americana. O fechamento está dentro da estratégia de encerrar operações que não estão dando o retorno financeiro esperado. Isso se encaixa muito em lojas de shoppings, que têm aluguel alto. Lembrando que, há um ano, o Walmart fechou 14 lojas:

Walmart vai fechar supermercados em Porto Alegre

Walmart encerra o fechamento de lojas no Rio Grande do Sul

Leia também:

Supermercados BIG mudam para Walmart e seguirão conceito das lojas nos Estados Unidos

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

"Vamos manter empregos, a marca Tumelero e abrir mais lojas." - diz diretor da Saint-Gobain

02 de março de 2017 5

1426177509_Tumelero

 

Saiu a aprovação e foi confirmada a compra da rede Tumelero pela Saint-Gobain. A empresa entra, com isso, no varejo de construção no Rio Grande do Sul.

O acordo para aquisição já tinha sido anunciado. A operação foi agora aprovada pela autoridade da concorrência brasileira, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A rede Tumelero atua há 50 anos no Rio Grande do Sul. Tem 29 lojas.

Com a aquisição, o grupo francês se torna a maior rede de pontos de vendas desse mercado no País. Com 70 lojas operando com as bandeiras Telhanorte, Telhanorte Conceito, Pro Telhanorte e Tumelero, em 46 cidades em São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul.

Em entrevista ao blog Acerto de Conta$, o diretor-Geral da Saint-Gobain Distribuição, Manuel Corrêa, garantiu:

- Manter os empregos e pretendem aumentar investimentos. São 1 mil trabalhadores na Tumelero atualmente, sem contar empregos indiretos.

- Abrir mais lojas. Principalmente, em Porto Alegre e Caxias do Sul.

- Manter a marca Tumelero. Considera o gaúcho um dos consumidores mais exigentes do Brasil.

Corrêa está em Porto Alegre, passando um “calorão” e iniciando o processo de integração das atividades:

- Está sendo um dia muito intenso. Já tivemos reuniões com líderes da empresa e estamos nos surpreendendo para o bem.

 

manoel

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Loja Linna do Centro é arrombada, bagunçada e ladrão leva tesouras

23 de fevereiro de 2017 0

ed56fdde-47b9-4096-8d59-16ec8430dec6

 

Conhecida por vender artigos de festa e decoração, a Lojas Linna foi arrombada nas duas últimas madrugadas. É a unidade que fica na Rua Marechal Floriano Peixoto, no Centro de Porto Alegre.

Gerente da Linna, Paulo Cezar de Oliveira chegou às 4h nas duas lojas para ver o estrago. Suspeita que seja a mesma pessoa que quebra telhas, estraga o forro, derruba prateleiras, revira armários e defeca na loja. E o ladrão leva tesouras! E alguns trocados.

Ou seja, o que mais pesa é o transtorno aos funcionários e o gasto com as reformas do que foi estragado.

- O receio é que comece a estragar equipamentos mais caros.

Segundo Oliveira, outras lojas da quadra também foram arrombadas nos últimos dias. Reclama que a região está muito complicada. Funcionários não querem ir embora após as 18h com medo de assaltos. Pelo mesmo motivo, perderam clientes.

- No mínimo, 10% de queda nas vendas em relação ao ano passado se deve ao consumidor com medo que abandonou o Cento da Capital.

Presidente do Sindicato dos Lojistas de Porto Alegre, Paulo Kruse estima queda de 30% nas vendas nas lojas do Centro nos últimos meses, conforme pior a sensação de insegurança do consumidor. E diz que todas as noites tem lojista relatando arrombamento.

- Os comerciantes não sabem se não limparão suas lojas no Carnaval. Ainda tem o aumento dos camelôs. Comerciantes vão encerrar atividades.

 

 

bfe9cd4f-7897-4b14-b729-7456da25fb9d bc7c0300-c7ec-489a-b8d9-6cec9a2cc869 562ace77-5b26-48d5-b726-31e22a5b704d 68dcff0e-90ed-4deb-b753-d24d84ad67e7

 

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Lojistas de Porto Alegre ameaçam processar shoppings que não informarem despesas de condomínio

22 de fevereiro de 2017 0

Lojistas de Porto Alegre vão notificar os shoppings da Capital para que informem os detalhes das despesas de condomínio. É um valor cobrado mensalmente que abrange, principalmente, água, luz e gastos com marketing. A informação é da presidente do Comitê CDL POA Shopping, Nilva Bellenzier.

Foi uma das propostas apresentadas na assembleia à tarde passada que reuniu cerca de 80 lojistas. A notificação deve ocorrer até amanhã. Caso as informações não sejam repassadas aos lojistas, que consideram os valores de condomínio muito elevados, serão ajuizadas ações pedindo o detalhamento.

- Usaremos o argumento da necessidade de transparência. – explica a empresária.

Além disso, os lojistas também vão enviar pedido para que parlamentares aprovem projeto que tramita no Congresso Nacional para proibir a cobrança do 13º aluguel. Alegam que há dificuldade de retirar a cobrança nas renegociações de contrato. E ainda enviar para outras entidades

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.