Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "luz"

Tarifa de energia ficará menor para clientes da AES Sul

12 de abril de 2016 0
Foto: Ricardo Chaves / Agencia RBS.

Foto: Ricardo Chaves / Agencia RBS.

A Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou nesta terça-feira uma queda média de 0,34% nas tarifas da AES Sul.

Médias de reajuste:

Alta tensão (indústrias) -0,33%

Baixa tensão  -0,34%

Para residências, a redução será de 0,35%, informa a agência reguladora.

As novas tarifas vigoram a partir de 19 de abril. A AES Sul atende a 1,3 milhão de unidades consumidoras em 118 municípios no Rio Grande do Sul.

“Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço. O cálculo leva em conta a aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais. Os custos típicos da atividade de distribuição, por sua vez, são atualizados com base no IGP-M.” – explica a Aneel.

Lembrando que abril não terá a cobrança extra na conta de luz. A Aneel autorizou bandeira verde. Em março, estava em amarela. O mecanismo de bandeiras tarifárias é usado para repassar mensalmente aos consumidores o custo de geração de energia. Por mais de um ano, os consumidores pagaram a taxa extra mais alta por estarmos em bandeira vermelha.

Com o recuo nas tarifas, bandeiras e, eventualmente, tributos, a conta de luz tem ficado mais barata. Até mesmo para os gaúchos, que sofreram no início do ano com o aumento das alíquotas de ICMS sobre energia elétrica.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Energia permite forte recuo da inflação oficial do País

08 de abril de 2016 0
Foto: Ricardo Chaves / Agencia RBS.

Foto: Ricardo Chaves / Agencia RBS.

Finalmente, em março, a inflação oficial do País teve um forte recuo. O IPCA passou de 0,90% em fevereiro para 0,43%. Para março, é o índice mais baixo desde 2012.

Segundo a pesquisa do IBGE, itens importantes tiveram queda ou reduziram a taxa de crescimento de preços de um mês para o outro. O principal foi a energia elétrica, com queda média de 3,41% na conta de luz do brasileiro.

Em março, a bandeira tarifária passou de vermelha para amarela. Isso reduziu a cobrança extra na conta de luz. Em abril, passou para verde e não haverá o valor a mais. Além disso, algumas regiões tiveram redução no valor das alíquotas de PIS/COFINS.

Ainda assim, teve alta forte de preços no grupo Alimentação e Bebidas (1,24%). E a maior variação ficou com a Região Metropolitana de Porto Alegre, onde a alta chegou a 2,15%. O principal impacto foi das frutas.

12 meses

A inflação acumulada de 12 meses caiu também. Passou para 9,39%.

A boa notícia é que baixa dos 10%, mas ainda fica bem longe da meta do Governo Federal para a inflação. O centro da meta é 4,5% e o teto é 6,5%.

 

==

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Bandeira tarifária permite novo recuo da inflação

04 de abril de 2016 0
Foto: Ricardo Chaves / Agencia RBS.

Foto: Ricardo Chaves / Agencia RBS.

 

A tarifa de eletricidade residencial segue como principal influência para o recuo da inflação para o consumidor de Porto Alegre. O Índice de Preços ao Consumidor passou de 0,75% para 0,70% na última apuração da Fundação Getúlio Vargas.

A conta de luz foi a vilã da inflação ao longo de 2015. Agora, está pesando menos no bolso do consumidor graças ao recuo das bandeiras tarifárias, que repassam mensalmente para o usuário o custo da energia.

O mecanismo entrou em vigor no início de 2015. Desde lá, estávamos com bandeira vermelha, a mais cara. Em março, passou para amarela. Agora, em abril, a bandeira é verde e, portanto, não haverá cobrança extra para o consumidor.

A segunda principal influência de queda da inflação é a passagem aérea. Acumula queda de quase 14% em 30 dias. É normal a redução de preços quando passa o período de férias.

Leia mais:

Leitores perguntam sobre duas bandeiras tarifárias na conta de luz

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Leitores perguntam sobre duas bandeiras tarifárias na conta de luz

01 de abril de 2016 0

Leitor pergunta. Acerto de Conta$ responde:

 

Foto: Marco Favero / Agência RBS

Foto: Marco Favero / Agência RBS

 

Leitores perguntam: Por que as faturas da conta de luz estão apresentando duas bandeiras?

CEEE explica:

“A bandeira tarifária é vigente durante o mês civil, ou seja, entre os dias 01 e 30 ou 31 de cada mês (ou 29 no caso de fevereiro), enquanto a leitura é feita em datas diferenciadas. Assim, em uma mesma fatura, pode ter havido a incidência da cobrança de valores diferentes de bandeiras tarifárias. Isso não aconteceu nos outros meses, porque a bandeira vinha se mantendo vermelha, desde a implantação do sistema de bandeiras tarifárias, ocorrida em janeiro de 2015, conforme Resolução Normativa nº 547/2013, da ANEEL.

Exemplo: uma fatura cuja leitura ocorreu em 15 de março terá incidência de 14 dias de bandeira vermelha (de  15 a 29 de fevereiro) e 15 dias de bandeira amarela (01 a 15 de março). Nesse caso, apareceram duas linhas de observação: “Adicional Bandeira Amarela (R$ valor)” e “Adicional Bandeira Vermelha (R$ valor)”. Em abril, está vigente a bandeira verde. Aquela leitura que for efetuada no dia 15 de abril, terá 15 dias de bandeira amarela (16 a 31 de março, inclusive) e 15 dias de bandeira verde (01 a 15 de abril). Na fatura de abril aparecerá apenas uma linha de observação “Adicional Bandeira Amarela (R$ valor).”

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Indústria tem a queda mais intensa no consumo de energia

01 de abril de 2016 0

O consumo de energia segue em queda no País e aqui no Rio Grande do Sul. O relatório da Empresa de Pesquisa Energética, no entanto, aponta para uma queda mais intensa na indústria.

Residencial -4% (fev) -4,6% (12 meses)
Industrial -7,4% (fev) -5,4% (12 meses)
Comercial -5,2% (fev) -2,3% (12 meses)

Há os cortes de produção, que provocam queda no consumo de energia como consequência. Mas não é apenas isso que explica o número.

No segmento de Fabricação de Papel e Celulose, o Rio Grande do Sul teve a maior retração entre os Estados. Consumo 54% menor do que em fevereiro do ano passado.

“um grande cliente deixou de demandar energia da rede para consumir por autoprodução, a partir de geração térmica própria.” – explica o relatório da EPE.

O grande cliente é a Celulose Riograndense. A empresa gera energia pela queima do licor negro, resíduo da produção de celulose. Com a expansão da fábrica, aumentou ainda mais essa capacidade de geração. A empresa é hoje auto-suficiente em energia e ainda produz mais do que consome.

- O que sobra colocamos na rede para o consumo. – explica o consultor técnico da Celulose Riograndense, Felipe De Carli.

Foto: Divulgação Celulose Riograndense.

Foto: Divulgação Celulose Riograndense.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Conta de luz não terá cobrança extra em abril

29 de março de 2016 1

foto-blog23-e1412266522387
A conta de luz não terá cobrança extra em abril. A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou nesta terça-feira vigência da bandeira tarifária verde para o mês que vem. Com isso, não haverá custo adicional ao consumidor.

Em março, vigorou a bandeira amarela, o que representa a cobrança adicional de R$ 1,50 a cada 100 kilowatts-hora (kWh) consumidos. Desde que o sistema de bandeiras entrou em funcionamento, no início de 2015, esta é a primeira vez que a bandeira verde foi autorizada.

O mecanismo tem como objetivo repassar mensalmente para o consumidor a variação no custo da energia. Até a criação das bandeiras tarifárias, o repasse era anual.

O custo da energia baixou para abril com o desligamento de usinas termelétricas mais caras. Por sua vez, isso foi possível devido à melhora na situação dos reservatórios das hidrelétricas.

“Três fatores principais contribuíram para a bandeira verde: a evolução positiva do período úmido de 2016, que recompõe os reservatórios das hidrelétricas; o aumento de energia disponível com redução de demanda; e a adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro.” – diz o comunicado da Aneel.

- Os próximos meses também devem ser de bandeira verde. Mas é preciso ver como será o período seco de inverno. – comenta o especialista em energia e sócio-diretor da TR Soluções, Paulo Steele.

Conta de luz mais baixa?

Sim, se o consumidor mantiver o consumo do mês anterior. Ou reduzir consumo, claro.

Mantendo o consumo, a redução será, em média, de 3% em relação à conta de luz com bandeira amarela. A estimativa é de Paulo Steele, da TR Soluções.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Mudança da bandeira na conta de luz faz inflação recuar

23 de março de 2016 0
Foto: Marco Favero / Agência RBS

Foto: Marco Favero / Agência RBS

Em março, a bandeira tarifária passou de vermelha para amarela nas contas de luz. Isso provocou a redução de 2,87% no item energia elétrica no cálculo da inflação oficial do País.

A energia mais barata foi o principal motivo para o recuo do IPCA-15, prévia da inflação de março. Segundo o IBGE, todas as regiões pesquisadas tiveram queda na conta de luz residencial.

O IPCA-15 passou de 1,42% em fevereiro para 0,43% em março. Com o recuo, caiu também o acumulado de 12 meses. Passou para 9,95%. Ainda bem acima do teto da meta de inflação do Governo Federal, no entanto.

Porto Alegre

Apesar do recuo, a inflação da Região Metropolitana de Porto Alegre foi a segunda maior na pesquisa. Foi de 0,66%, atrás apenas de Goiânia.

Aqui, houve pressão forte dos preços dos alimentos. Aumentaram 1,73%, bem acima da média nacional (0,77%).

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Inflação desacelera pela segunda semana em Porto Alegre

24 de fevereiro de 2016 0

A inflação para o consumidor de Porto Alegre desacelerou pela segunda semana consecutiva, após mais de um mês em alta. A pesquisa da Fundação Getúlio Vargas passou de 1,34% para 1,23%.

O recuo foi possível pela pressão menor dos reajustes das mensalidades escolares e do impacto tributário na tarifa de energia elétrica residencial. Como os aumentos se concentraram em janeiro, começam a se dissipar neste mês.

Maiores pressões de alta:
taxa de água e esgoto residencial +7,51% em 30 dias
gasolina +2,97%

Maiores pressões de queda:
tomate -14,31%
bijuterias -5,51%

bancocentral

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Inflação de Porto Alegre tem primeira desaceleração de 2016

17 de fevereiro de 2016 0

bancocentral

A inflação para o consumidor de Porto Alegre desacelerou para 1,34%. Na apuração da semana anterior, o Índice de Preços ao Consumidor estava em 1,67%.

Foi a primeira desaceleração do ano. A pesquisa é feita todas as semanas pela Fundação Getúlio Vargas.

A tarifa de energia elétrica e a gasolina seguem no topo das pressões sobre a inflação, mas perdem força. Não por estarem mais baratas, mas porque as elevações se concentraram no início de janeiro, passando a não aparecer mais no cálculo da inflação.

Dois alimentos lideram o ranking de itens que estão segurando as pontas para a inflação não ser maior. O tomate está 12% mais barato e é importante na mesa do consumidor. Em segundo lugar, aparece a carne moída.

Considerando grupos de despesa, o vestuário é o único com queda média de preços em 30 dias. A blusa feminina é o destaque. Começam as promoções de troca de estação.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Energia e gasolina seguem pressionando inflação de Porto Alegre

11 de fevereiro de 2016 0

bancocentral

A inflação para o consumidor passou para 1,67% em Porto Alegre. Calculado pela Fundação Getúlio Vagas, o IPC-S foi de 0,83% na primeira semana de janeiro.

A maior pressão segue com a tarifa de eletricidade residencial, apesar de estar perdendo força. Isso porque se concentrou em janeiro o aumento de ICMS, Pis/Cofins e taxa de iluminação pública.

Em segundo lugar, a gasolina aparece de novo. O combustível também teve aumento de preço nos postos a partir do dia 1º de janeiro, atribuído à elevação da alíquota do ICMS.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.