Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "mercado"

Mercado reage bem ao corte agressivo da taxa de juros pelo Banco Central

12 de janeiro de 2017 2

O mercado está reagindo bem ao corte mais agressivo da taxa de juros. O Comitê de Política Monetária, do Banco Central, reduziu a Selic em 0,75 ponto percentual para 13% ao ano.

As negociações futura abriram assim:

Índice Bovespa Futuro (INDG17) = +1,95% aos 64.350 pontos

Dólar Comercial Futuro (DOLG17) = -0,78% aos 3.194 pontos

Taxa de Juro Futura, para 2021 (DI1F21) = – 2,70% aos 10,81 pontos

- Com a redução da Taxa Selic, os investimentos em Renda Fixa começam a diminuir a rentabilidade, fazendo com que os investidores financeiros procurem outros ativos com possibilidade de maiores lucros. Entre eles, ações na Bolsa de Valores e investimentos Pré-Fixados. – analisa Bruno Madruga, da Monte Bravo Investimentos.

O pregão da Bolsa de Valores de São Paulo abre às 10h. Algumas empresas devem ser imediatamente beneficiadas. É o caso do varejo, já que o juro mais baixo estimula o consumo. E também empresas que estão muito endividadas, pois taxas menores reduzem o custo da dívida. Portanto, ações destas companhias tendem a sentir valorização no mercado.

Mercado já aposta em novos cortes agressivos no juro. Copom reúne-se novamente em 22 de fevereiro. Analistas sugerem até redução de 1 ponto percentual, passando a Selic para 12% ao ano.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Mercado imobiliário "deixou de piorar", diz sindicato da construção

21 de dezembro de 2016 0

“O mercado deixou de piorar.”

A análise é do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio Grande do Sul. Um sinal disso é o número de lançamentos. Foram 2.198 imóveis novos colocados no mercado de janeiro a outubro. É um pouco a mais do que no mesmo período do ano passado.

O setor imobiliário foi um dos primeiros a sentir a crise econômica no País. É um grande empregador, movimentando de construtoras a imobiliárias, além de toda a cadeia econômica envolvida.

“Isso não significa uma melhora expressiva do mercado, mas mostra ao menos que o mercado deixou de piorar.”

As vendas, no entanto, ainda estão bem abaixo. São 2.957 unidades. De janeiro a outubro do ano passado, foram 3.428.

O atual estoque de imóveis novos à venda é de 3,7 mil unidades. Corresponde a um prazo de comercialização de cerca de 12 meses se considerada a média de vendas dos últimos 12 meses.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Mercado aumenta previsão para o dólar

28 de novembro de 2016 0

O mercado aumentou para R$ 3,35 a previsão para o dólar no fechamento de 2016. Está no relatório Focus, do Banco Central. Há quatro semanas, a previsão era R$ 3,20.

Na semana passada, o Federal Reserve divulgou documento sinalizando com força alta na taxa de juros em dezembro. Este sinal do banco central norte-americano provocou elevação no câmbio.

Outras previsões no Focus:

Inflação pelo IPCA: 6,72%
Taxa de juros Selic: 13,75% ao ano
PIB: -3,49%
Produção industrial: -6,23%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Com Trump, mercado aumenta previsão para o dólar e para o juro no Brasil

14 de novembro de 2016 0

O Banco Central divulgou o primeiro relatório Focus após a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos. Já traz algum efeito do resultado nas opiniões dos analistas financeiros e das instituições para o andamento dos principais indicadores da economia brasileira.

Por exemplo, depois de vários meses, o mercado elevou a projeção para o dólar. A alta foi pequena e a previsão passou para R$ 3,22. Quando há incerteza, investidores levam seu dinheiro para moedas consideradas mais seguras.

Também houve alta na previsão para a Taxa de Juros Selic. Mercado acha agora que feche o ano em 13,75%.

Mas caiu a aposta na inflação. IPCA previsto em 6,84%. Ainda acima do teto da meta do Governo Federal.

Outras previsões:

Produção industrial -6,06%

PIB -3,37%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

Preços caem nos mercados de vizinhança e sobem nos hipermercados

08 de novembro de 2016 0
Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS.

Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS.

 

Pela primeira vez, os preços nos chamados mercados de vizinhança ficaram mais baixos do que nas grandes redes de supermercados e hipermercados. A pesquisa está sendo divulgada em evento da Associação Brasileira de Supermercados.

O levantamento mostra preço médio de uma cesta básica com 35 produtos de alimentação, higiene e limpeza em 2016:

Hiper/Supermercados R$ 233,81

Mercado de Vizinhança R$ 232,49

No ano passado, a diferença era de quase R$ 6. Mais caro nos supermercados de grandes redes.

O movimento neste ano foi de aumento de 11% nos preços nos mercadinhos. Já nas grandes lojas, aumento de 15%. Ambos, no entanto, acima da inflação geral.

Na Região Sul, foi assim:

Hiper/Supermercados +14,2%

Mercado de Vizinhança +12,1%

Uma das explicações foi o pequeno empresário buscar o consumidor de volta. Os clientes teriam migrado nos últimos anos para as grandes redes, exatamente em busca de preços menores. As margens de lucro foram reduzidas para o preço ficar competitivo.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Preços dos imóveis para alugar seguem em queda

14 de outubro de 2016 0

A variação nominal dos preços dos imóveis para alugar ficou em 0,01% em Porto Alegre em setembro. Sobre agosto.

Mas, se for descontada a inflação, segue a queda real nos valores. O IPCA do mês foi de 0,08%.

No acumulado de 12 meses, queda nominal de 2,55%. O recuo real supera 11%, conforme o Índice FipeZap de imóveis para locação.

A rentabilidade média do aluguel está em 4,5% em Porto Alegre. A taxa de juros real ainda fica acima, 6,9%. Este indicador é calculado para projetar o retorno de colocar um imóvel para alugar.

O preço médio do metro quadrado está em R$ 21,75 em Porto Alegre.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

Mercado reduz previsão para inflação pela terceira semana e corta aposta no dólar

03 de outubro de 2016 0

Pela terceira semana consecutiva, o mercado reduziu a projeção para a inflação. Aposta que o IPCA fique em 7,23% em 2016.

O relatório Focus foi divulgado pelo Banco Central. Traz previsões dos analistas para indicadores econômicos. A inflação dos alimentos tem dado uma trégua e permitido o recuo do indicador oficial.

Outras previsões:

PIB -3,14%
Dólar R$ 3,25
Produção industrial -5,96%
Preços administrados +6,2%
Taxa de juros Selic 13,75% ao ano

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Mercado melhora apostas para inflação e PIB

19 de setembro de 2016 0

O mercado melhorou as previsões para a inflação e o PIB. Estão no relatório Focus, divulgado para o Banco Central.

As principais projeções:

Inflação pelo IPCA: +7,34%
PIB: -3,15%

Taxa de câmbio: R$ 3,30

Taxa de juros Selic: 13,75% ao ano

Produção industrial: -5,93%

Preços administrados: +6,3%

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Juro do cartão de crédito ultrapassa 450% ao ano

12 de setembro de 2016 0
Foto: Cleber Gomes / Agencia RBS.

Foto: Cleber Gomes / Agencia RBS.

 

Caiu no rotativo? Se não pagar dívida do cartão de crédito, vai ter que encarar um juro de 451,44% ao ano. Por mês, 15,29%.

O juro do cartão de crédito é tradicionalmente o mais alto entre as taxas pesquisadas pela Associação Nacional de Executivos de Finanças. O cheque especial vem em seguida, com juro anual de 296,33%.

A pesquisa da Anefac de agostou ainda que o juro no crediário das lojas do Rio Grande do Sul voltou a subir. Em julho, tinha caído após 22 meses em alta.

Em agosto, a média das taxas de juros das operações de crédito voltou a ter elevação, o que já ocorre há 23 meses consecutivos. São pesquisadas linhas para pessoa física e jurídica.

Diretor executivo da Anefac, Miguel Oliveira atribui as elevações à inadimplência:

- Isso se dá por causa dos índices de inflação que estão mais elevados, o aumento de impostos e o de juros maiores, que reduzem a renda das famílias em todo o Brasil. Além disso, com certeza, a recessão econômica, que deve aumentar ainda mais o crescimento dos índices de desemprego. Tudo isto somado e o fato de que as expectativas para 2016 serem igualmente negativas, quanto a todas estes fatores leva as instituições financeiras a aumentarem suas taxas de juros para compensar prováveis perdas com a elevação da inadimplência.

Tendência, portanto, de novas altas nos próximos meses. O que pode mudar esta expectativa é o Banco Central reduzir a taxa Selic, usada como referência para os juros do mercado.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Empresa que coloca deficientes no mercado de trabalho é premiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento

05 de setembro de 2016 0

Quadro Na Contramão da Crise

Programa Destaque Econômico

Uma empresa de Porto Alegre foi selecionada em programa de incentivo do Banco Interamericano de Desenvolvimento. O projeto do BID apoia empreendedores afro-brasileiros.

- O Inova Capital – Programa de Apoio a Empreendedores Afro-Brasileiros identifica negócios inovadores e com alto potencial de crescimento, capacita, dá visibilidade e conecta com investidores, além de estimular a diversidade nos investimentos. – explica Luana Marques Garcia, especialista em Desenvolvimento Social da Divisão de Gênero e Diversidade do BID.

Aliás, criaram uma nova categoria para premiar o projeto de Porto Alegre. A empresária é Alyne Jobim, que criou a Integrare Acessibilidade, empresa que coloca no mercado de trabalho pessoas com deficiência.

Alyne tem 32 anos, formada em Administração de Empresas e pós-graduanda em Gestão Social. Trabalhou por 13 anos em uma multinacional. Há um ano, criou a Integrare, consultoria em inclusão e acessibilidade, com a sócia Caroline Garcet. Apaixonada pela área social e, aproveitando sua experiência em Recursos Humanos, fundou a empresa ao perceber a dificuldade em incluir pessoas com deficiências no mercado de trabalho.

 

Ouça entrevista ao programa Destaque Econômico deste domingo: