Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "sindicato"

Leitor pergunta como denunciar irregularidades na empresa onde trabalha

18 de agosto de 2014 0

Um leitor, que pede para não ser identificado, pergunta como denunciar irregularidades na empresa onde trabalha. Entre elas, a falta de intervalo inclusive para alimentação. Quer, no entanto, manter o sigilo da identidade porque precisa manter o emprego, buscando apenas a regularização da situação.

O leitor pode procurar o sindicato da categoria, para que a entidade dê andamento ao problema. Se o sindicato, no entanto, não for eficiente, é possível procurar órgãos de defesa dos direitos dos trabalhadores e que mantém a denúncia sob sigilo. São eles:

Superintendência Regional do Trabalho (antiga DRT) = 51.32132800

Ministério Público do Trabalho:

PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO (SEDE/PORTO ALEGRE)

Tel.: (51) 3284-3000

PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL
Tel.: (54) 3213-6000

PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE NOVO HAMBURGO
Tel.: (51) 3910-5200

PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO
Tel.: (54) 3317-5850

PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE PELOTAS
Tel.: (53) 3260-2950

PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL
Tel.: (51) 3740-0600

PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA
Tel.: (55) 3220-0600

PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO
Tel.: (55) 3312-0300

PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE URUGUAIANA
Tel.: (55) 3911-3400

Proservi pede recuperação judicial no Rio Grande do Sul

26 de março de 2014 3

Empresa de serviços de vigilância, a Proservi pediu recuperação judicial. Aguarda agora a autorização da Justiça, que, se permitir, determinará a apresentação do plano de recuperação judicial.

O motivo são dificuldades financeiras. Segundo o diretor comercial, Diogo Hamilton, a empresa enfrenta a inadimplência de clientes que são órgãos públicos e bloqueios por parte da Justiça do Trabalho que somam R$ 3 milhões.

A Proservi tem cerca de 3,5 mil funcionários. Há pagamentos atrasados. O diretor comercial afirma que os bloqueios que foram conseguidos pelo Sindicato dos Vigilantes do Rio Grande do Sul é que deverão ser usados para pagar os trabalhadores.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Lojistas cadastram trabalhadores no Largo Glênio Peres

25 de novembro de 2013 0

foto blog

Com meta de cadastrar 2 mil candidatos a vagas no comércio, começa a funcionar às 14h uma barraca do Sindilojas no Largo Glênio Peres, no Centro de Porto Alegre. É um serviço gratuito para o trabalhador.

A iniciativa está sendo chamada de Blitz Geração Varejo. Os candidatos também poderão participar de um curso gratuito de noções básicas de varejo no início de dezembro.

Só o sistema do sindicato tem hoje quase 100 vagas nas lojas da Capital. São oportunidades para caixa, fiscal de loja, gerente, estoquista e até para o setor administrativo.

Só de trabalho temporário de fim de ano, o Sindilojas projeta 3 mil vagas em Porto Alegre. Muitas com possibilidade de efetivação.

- Força de vontade para aprender é o que diferencia o candidato. – comenta o presidente, Ronaldo Sielichow.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Reeleito presidente do Sinmetal

12 de junho de 2013 0

Foto: Agencia RBS.

Foi reeleito o atual presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico e Eletrônico do Rio Grande do Sul. Gilberto Petry também é diretor-presidente da Weco S.A. Indústria de Equipamento Termo Mecânico, de Porto Alegre.

A reeleição ocorreu por unanimidade. Vale para o triênio 2013/2016.

O SINMETAL atua em 412 municípios do Estado, onde estão instaladas cerca de 5,2 mil indústrias que geram aproximadamente 150 mil postos de trabalho.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Restaurantes não podem dividir gorjeta de garçons

25 de novembro de 2012 0


Foto: Microsoft Clipart.

O Tribunal Superior do Trabalho decidiu que negociação coletiva que autoriza retenção ou divisão de gorjetas dos garçons viola direitos do trabalhador. O caso era de um empregado do Convento do Carmo, hotel na Bahia, que tinha os 10% pagos pelos clientes rateados entre o sindicato da categoria e a própria empresa.

O autor da ação alegou que foi contratado para receber o piso salarial e mais 10% de serviço cobrado dos clientes. Só que a empresa dividia com o sindicato profissional e ficava com 37%. Restava 40% da gorjeta para o garçom.

A empresa alegou que agiu amparada por acordo coletivo de trabalho. O ministro do TST Aloysio Corrêa da Veiga esclareceu, no entanto, que estes acordos encontram limites nas garantias, direitos e princípios da Constituição Federal.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Metalúrgicos de Gravataí querem 15% de reajuste

21 de agosto de 2012 0

O Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí apresentou às empresas proposta de reajuste de 15% no piso salarial da categoria. Sobre o salário dos trabalhadores, pede 10%, além de abono salarial.

A entidade representa 14 mil metalúrgicos do município. Alegam aumento no custo de vida. As negociações são conduzidas com o Sinmetal, o sindicato patronal.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Software eleva em 20% arrecadação de entidade

20 de agosto de 2012 0

Um sistema de buscas na internet elevou em 20% a arrecadação do Sindilojas Porto Alegre. Desenvolvido pela S2P Mineração de Dados, o programa encontra informações de empresas disponíveis na internet.

- Com os dados, a entidade encontrou novas empresas que não estavam no cadastro e que tinham contribuições atrasadas. – explica o criador do software, Sérgio Galbinski, que também é vice-presidente do Sindilojas Porto Alegre.

Foram 5 mil novas lojas encontradas. Além disso, o sistema levou à exclusão de outras 2 mil empresas, que estavam desativadas.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Ferramenta online terá ofertas de produtos para fabricantes de máquinas

15 de julho de 2012 0

Empresas associadas ao Sindicato de Indústria de Máquinas e Implementos Industriais e Agrícolas de Novo Hamburgo (SinmaqSinos) terão um canal para comprar matéria prima e até material de expediente. A busca é pelo preço mais baixo. Será a Central de Ofertas, que vai ser  inaugurada e apresentada a fornecedores na terça-feira.

Funciona assim: quem tiver uma oferta deverá submetê-la a uma Comissão de Avaliação, que levará em conta o preço e o volume propostos. As ofertas aprovadas por mais da metade da comissão serão publicadas no site do sindicato. Já as aprovadas por toda a comissão terão posição de destaque.

- Cada percentual de redução que a gente conquista através de uma oferta faz com que o nosso produto na outra ponta tenha um preço mais vantajoso, acessando outros mercados ou até mesmo fazendo com que a empresa sobreviva no mercado atual. – analisa o vice-presidente do sindicato e coordenador da Central de Negócios, Marlos Schmidt.

Desde 2007, já existe a Central de Negócios, que promove mesas de negociação para ajudar a empresa a achar o melhor fornecedor. Só que agora a Central de Ofertas, além de ser online, permite que não seja um produto específico a ser negociado e o fornecedor determina condições.

A expectativa é que, inicialmente, cerca de 30 empresas das 130 associadas ao sindicato usem a ferramenta. As ofertas devem ser enviadas para cris@sinmaqsinos.com.br.

O quadro Fique de Olho, do Destaque Econômico, é feito pela Joyce Copstein (joyce.copstein@rdgaucha.com.br).

Ouça o Destaque Econômico, na Rádio Gaúcha. Domingos, às 9h.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Novo salário mínimo vai injetar R$ 2,56 bilhões na economia gaúcha

05 de janeiro de 2012 0

O Dieese estima que o reajuste do salário mínimo nacional vai incrementar a renda em R$ 2,56 bilhões no Rio Grande do Sul. Este dinheiro vai, essencialmente, para consumo.

O cálculo considera 2,6 milhões de pessoas que recebem o mínimo nacional. Ainda é preciso ser aprovada a proposta do governo gaúcho para o salário mínimo regional.

Quase metade do valor que será injetado na economia, R$ 1,25 bilhões, corresponde ao aumento da arrecadação tributária sobre o consumo, estima o Dieese.

Confira o cálculo da instituição:

Clique na imagem para ampliá-la.

Em 1º de março de 2011, foi aprovada uma política de reajuste para o salário mínimo. A nova lei prevê regras de reajuste que valem até janeiro de 2015: aplicação do índice da inflação mais o crescimento do PIB de dois anos anteriores. Agora em janeiro, passou a vigorar o salário mínimo nacional de R$ 622, um reajuste de 14,13%. Tirando a inflação, é um aumento real de 9,2%.

Certamente, este índice vai influenciar as negociações salariais ao longo de 2012. Além disso, também deve influenciar os reajustes individuais de trabalhadores dados pelas empresas. Isso porque a manutenção de índices altos para o mínimo poderá reduzir significativamente a distância de salários entre subordinados e chefes, por exemplo.