Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "varejo"

Varejo de alimentos já fechou quase 1,4 mil lojas no Rio Grande do Sul em 2016

28 de junho de 2016 1
Foto: Ricardo Wolffenbüttel/ Agência RBS.

Foto: Ricardo Wolffenbüttel/ Agência RBS.

 

A queda nas vendas do varejo atingiu o segmento de alimentos. Por consequência, temos um movimento forte de fechamento de lojas.

Só no Rio Grande do Sul, foram encerradas 1.370 operações de janeiro a abril. O levantamento é da Confederação Nacional do Comércio, considerando estabelecimentos com empregados com carteira assinada.

O Estado foi o quarto com maior número de fechamentos no segmento de varejo de alimentos. No País todo, foram 14,3 mil lojas que encerraram as atividades. São Paulo, Paraná e Minas Gerais lideram o ranking negativo.

O varejo de alimentos, bebidas e fumo – o que inclui os supermercados – até tem registrado quedas menos intensas do que os demais setores. No entanto, o recuo de vendas atingiu 3,2%, que é o maior desde 2003 (-6,2%).

A CNC avalia que houve uma forte pressão dos preços administrados no ano passado e do aumento dos preços no atacado. A conta de energia elétrica costuma ser a principal reclamação. Com o consumo caindo, ficou difícil o repasse para os clientes.

Acompanhando o fechamento de lojas, foram extintos 29,7 mil empregos com carteira assinada no período.

Leia mais: Supermercados gaúchos têm primeira queda de vendas em dez anos

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

 

 

Cade tem voto contra cláusula de raio em shoppings de Porto Alegre

28 de junho de 2016 0
Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS.

Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS.

 

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica começou o julgamento da imposição de cláusula de raio em um shopping de Porto Alegre. É uma restrição por exclusividade em contratos de locação de espaços para lojas.

A cláusula de raio obriga o lojista que aluga o ponto comercial no shopping a não exercer as mesmas atividades em estabelecimentos que estejam situados a um raio de distância pré-determinado. O dispositivo não é ilegal. Só que tem potencial de prejudicar a competitividade dependendo das condições.

O Cade analisou dois casos. Um deles apurou a prática de adoção de cláusula de raio em contratos de locação de espaços comerciais por shopping centers e suas administradoras em Porto Alegre.

Segundo o conselheiro relator, Márcio de Oliveira Júnior, as cláusulas de raio impostas nos contratos analisados têm o potencial de fechar o mercado, unilateralmente e por tempo indeterminado, em uma área equivalente à quase toda a cidade. Outro ponto apontado: o acordo de locação com os lojistas, principalmente os de menor porte, teve como base contrato modelo oferecido pelo shopping com previsão de sanções em caso de descumprimento, sem uma negociação efetiva das cláusulas entre as partes.

- Essas restrições foram estipuladas pelos shoppings a lojistas de forma arbitrária, sem qualquer fundamentação em lógicas concretas de mercado que demonstrassem algum tipo de racionalidade econômica. Logo, sem qualquer justificativa e com escopo tão amplo, as cláusulas de raio apresentadas nos autos são manifestamente anticompetitivas e devem ser punidas. – afirmou Oliveira Júnior.

O relator votou pela condenação dos administradores responsáveis pelos shoppings Iguatemi, Rua da Praia, Praia de Belas, Moinhos Shopping, Shopping Bourbon Country, Shopping Bourbon Assis Brasil e Shopping Bourbon Ipiranga. Além do pagamento de multas, que somam mais de R$ 15 milhões, Oliveira Júnior determinou a exclusão dessa cláusula de todos os contratos dos shoppings.

Só que o julgamento do processo administrativo foi suspenso em razão de pedido de vista do conselheiro João Paulo de Resende.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Confiança dos comerciantes gaúchos volta a subir

27 de junho de 2016 0
Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS.

Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS.

 

Sem aumentar desde março, a confiança dos comerciantes do Rio Grande do Sul voltou a subir em junho. Passou para 85,7 pontos. Fica até acima do patamar de junho do ano passado.

No entanto, segue no campo pessimista. A pesquisa é feita todos os meses pela Fecomércio-RS.

Foram determinantes para esse avanço a melhoria nas expectativas quanto ao futuro e no indicador de investimentos. Já em relação às condições atuais da economia, houve uma queda de 9,6% na comparação com junho de 2015.

Alguns indicadores começam a apontar dados melhores. Este foi o assunto de entrevista com o economista Lucas Schifino, da Fecomércio-RS, no programa Destaque Econômico:

Frio - Lojas de roupas vendem mais do que no Natal

27 de junho de 2016 0
Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS.

Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS.

 

“Vendi 1 mil casacos em poucas semanas. Nunca vi isso.”

“Vendi meu estoque de três anos sem inverno.”

“Pedi reposição de estoque quatro vezes. Só não pedi mais porque a indústria não tinha mais roupa de inverno.”

São alguns dos relatos que o blog Acerto de Conta$ ouviu de lojistas na convenção da CDL Lajeado. O frio salvou o comércio neste inverno, que estava descapitalizado. A crise econômico atingiu o mercado de trabalho, afetando a renda e a segurança dos consumidores.

Segundo o presidente da Associação Gaúcha para o Desenvolvimento do Varejo, é o segmento de roupas e calçados que foi mais beneficiado. Vilson Noer diz que, certamente, estas lojas venderão mais do que no Natal, que é a principal data do ano para o varejo.

 

 

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

 

Cota para compras em free shops pode cair para US$ 150 em julho

27 de junho de 2016 4
Foto: Duda Pinto.

Foto: Duda Pinto.

 

Pode cair para US$ 150 a cota para compras em free shops em cidades que fazem fronteira com o Rio Grande do Sul a partir de primeiro de julho. É o limite de isenção de impostos para consumidores que entram no Brasil por terra.

Isso vai ocorrer se não for prorrogada portaria do Ministério da Fazenda que está mantendo a cota em US$ 300. O limite havia sido reduzido para estimular a compra nos free shops brasileiros.

Só que ainda não existem free shops nas cidades brasileiras. A lei que permitiu a criação foi aprovada em 2012, saiu a regulamentação e agora falta ainda o software que precisa ser usado pelas lojas para controlar a cota mensal dos turistas.

- Tem empresário que já construiu até prédio para colocar o free shop brasileiro. – diz o presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Implantação de Free Shops em Cidades Gêmeas de Fronteira, deputado Frederico Antunes.

Quando tudo estiver certo, o comprador terá US$ 300 dólares para comprar nos free shops brasileiros. Mais US$ 150 poderão ser gastos nas lojas do outro lado da fronteira.

Mas o software deve estar pronto em outubro apenas. Enquanto isso, os gastos dos turistas no setor de serviços são importantes para as cidades gaúchas de fronteira. Por isso, pedem prorrogação da portaria que sustenta a cota em US$ 300.

Então, tem reunião nesta segunda-feira em Brasília para pedir a ampliação do prazo. Frederico Antunes tem audiência sobre o assunto com o ministro Chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e representantes do Ministério da Fazenda. O deputado recebeu empresários durante o fim de semana.

A lei, aprovada em 2012, permite a criação de free shops nas cidades gaúchas de Chuí, Santana do Livramento, Uruguaiana, Aceguá, São Borja, Itaqui, Jaguarão, Porto Xavier e Barra do Quaraí.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Loja virtual do Mercado Público completa um ano com produtos naturais como carro-chefe

15 de junho de 2016 0

sacola

 

 

A loja virtual do Mercado Público está completando um ano nesta quarta-feira. E os produtos naturais se tornaram o carro-chefe. Respondem por 80% das vendas.

O preço é o grande atrativo, diz o coordenador da loja virtual do Mercado Público, Rafael Zatti.

Confira a matéria completa no blog Lado Natureba: Loja virtual do Mercado Público completa um ano com produtos naturais como carro-chefe

Lá tem cupom de frete grátis para os leitores da Região Metropolitana nesta quarta-feira.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Venda do varejo cresce no País, mas cai no Rio Grande do Sul

14 de junho de 2016 0
Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS.

Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS.

 

O varejo brasileiro vendeu 0,5% mais em volume em abril, na comparação com março. Só que, na mesma comparação, houve queda de 1,1% nas vendas no Rio Grande do Sul. O quinto pior resultado do País.

Na média nacional, a principal influência positiva veio das vendas em Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo. Passou de -1,4% em março para +1% em abril.

Abril de 2015

Na comparação com abril do ano passado, o varejo brasileiro vendeu 6,7% menos. No Rio Grande do Sul, queda de 8,3% nas vendas.

Os piores resultados nesta comparação no RS:

Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação -23,6%
Combustíveis e lubrificantes -22,1%

Resultado positivo só na venda de móveis: +3,8%

12 meses

RS: -6,9%

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Feriado lota free shops mesmo com dólar alto

28 de maio de 2016 3
Foto: Duda Pinto.

Foto: Duda Pinto.

 

O feriado – prolongado por alguns – lotou free shops. Lojistas de Rivera, por exemplo, relatam o melhor movimento do ano.

O setor vem enfrentando o dólar alto há mais de um ano. Mas os clientes parecem ter superado o câmbio dessa vez. Essa foto foi tirada nessa sexta-feira em um free shop de Rivera.

O dólar está alto e deve continuar. Muito mais do que o cenário nacional, pesa a situação internacional. A possibilidade de alta nos juros dos Estados Unidos pressiona o câmbio no mundo todo. Inclusive, no Brasil.

Nas lojas, os clientes buscam principalmente bebidas. Vinhos, uísques, vodkas… Mas também chocolates, condimentos, especiarias, maquiagens…

Ontem, dólar em espécie, já com IOF, era vendido a quase R$ 3,80. O dólar comercial fechou em alta, vendido a R$ 3,609.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

 

Porto Alegre: 8% dizem que namorados são rabugentos e possessivos

26 de maio de 2016 0

A pergunta foi:

As três formas mais comuns de caracterizar as pessoas presenteadas:

Uma das opções:

Rabugento, possessivo e ciumento

E ela foi apontada por 8% (!!!) dos entrevistados na pesquisa da CDL Porto Alegre e do Sindilojas.

 

Foto: InMagine Free images / Reprodução.

Foto: InMagine Free images / Reprodução.

 

Mas – ainda bem – não foi a mais citada. Ficaram na frente, as opções:

Carinhoso, atencioso e amoroso – 16%
Alegre, engraçado e brincalhão – 15%

Outros dados curiosos:

Jovens vão receber mais presentes: 69% dos presenteados têm de 18 a 35 anos.

Pouco mais da metade vai comprar em lojas de rua. Como esperado, a opção é a preferida entre famílias com renda inferior a cinco salários mínimos. O principal motivo: preços mais baixos.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Lojistas de Canela enviarão imagens de câmeras em tempo real para delegacia

25 de maio de 2016 0
Foto: Cristine Rochol/PMPA/Divulgação.

Foto: Cristine Rochol/PMPA/Divulgação.

 

Lojistas de Canela, na Serra Gaúcha, estão agindo para conter o aumento dos crimes, mal que atinge todo o Rio Grande do Sul. A Associação Comercial e Industrial está organizando a compra de um sistema que será instalado no município e que enviará em tempo real para a delegacia de polícia as imagens das câmeras de segurança dos estabelecimentos comerciais.

De uma empresa de Santa Catarina e já usado em alguns condomínios fechados, o sistema custa R$ 4 mil e tem capacidade para captar 200 câmeras. A delegacia já tem o equipamento para receber as imagens. As câmeras custam R$ 400 cada.

- A ideia é colocar câmeras principalmente no Centro, em pontos turísticos como a catedral de Canela, entradas de bairros e onde mais for possível. – conta o presidene da ACIC, Alexandre Raymundo.

O delegado Vladimir Medeiros buscou inspiração para o projeto em algumas cidades da Europa. Conta que desde que chegou a Canela, em 2014, já registrou 900 arrombamentos. Número relativamente baixo, mas alto para uma cidade turística e que sempre foi segura.

A ideia é que o sistema comece a funcionar ainda em junho, antes da alta temporada de inverno na Serra Gaúcha.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.