Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "varejo"

Varejo adianta que Natal não compensará o ano ruim

19 de dezembro de 2014 0
Foto: Juan Barbosa / Agencia RBS.

Foto: Juan Barbosa / Agencia RBS.

O Natal até melhorou as vendas em dezembro, comparadas ao que o varejo gaúcho vinha registrando até novembro. Mas não será suficiente para reverter o cenário ruim de 2014.

- As vendas de Natal têm ficado parecidas com o ano passado. Devemos fechar no zero de crescimento. – a afirmação é do presidente da CDL Porto Alegre, Gustavo Schifino.

Segundo a Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo, o valor médio gasto por consumidor será menor do que o previsto. A projeção era R$ 100, que já era mais baixo do que no ano passado, e caiu para R$ 80. Presidente da AGV, Vilson Noer lembra que, como sempre, metade das compras se concentra depois do pagamento do 13º salário, que ocorre nesta sexta-feira.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Começam a ser vendidas lojas no Passo Fundo Shopping

19 de dezembro de 2014 0
Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

O Passo Fundo Shopping começou a comercializar os espaços. A previsão de inauguração é para final de 2016. Obras começam no primeiro trimestre de 2015.

O investimento aproximado é de R$ 120 milhões. O projeto prevê 4 lojas âncoras e 14 megalojas, um hipermercado e cerca de 190 lojas satélites. Na praça de alimentação, serão 22 operações e mais dois restaurantes. Para o lazer, seis salas de cinemas com alta definição.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Gaúchos estão mais cautelosos com os gastos para as férias

17 de dezembro de 2014 0
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS.

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS.

As famílias gaúchas estão mais cautelosas com a previsão de gastos para as férias. A Fecomércio-RS divulgou nesta quarta-feira a pesquisa anual para a temporada. Em relação ao verão passado, aumentou bastante a parcela de consumidores que pretendem gastar menos de R$ 1 mil. Confira:

Verão 2015

53,9% pretendem gastar até R$ 1 mil
18,9% vão desembolsar entre R$ 1 mil e R$ 3 mil
11,7% gastarão mais de R$ 3 mil
15,6% ainda não decidiram

Verão 2014

32,6% pretendem gastar até R$ 1 mil
21,9% vão desembolsar entre R$ 1 mil e R$ 3 mil
7,5% gastarão mais de R$ 3 mil
38% ainda não tinham decidido

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Copa do Mundo gerou o efeito inverso ao esperado pelo comércio em 2014

16 de dezembro de 2014 4

De uma projeção de 5,5% para a economia gaúcha em 2014, a Federação das CDLs acha que o ano fecha com um avanço de apenas 0,29%. O ano decepcionou por inflação, juros, mas principalmente pela Copa do Mundo.

- Esperávamos que a Copa do Mundo elevasse vendas, mas o que aconteceu foi o inverso. Em junho, o volume de vendas do comércio caiu 6,59% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. – pondera o presidente Vitor Koch, da FCDL-RS, conhecida pelas projeções mais otimistas do setor.

A federação encerra a temporada de balanços das entidades empresariais.

Para 2015, Koch admite:

- Não tenho dúvida que a carga tributária será elevada. Mas não há espaço para aumento de tributos. Esperamos

Projeções da FCDL-RS:

2014
PIB RS +0,29%
PIB Brasil +0,20%

2015
PIB RS +3%
PIB Brasil +1,3%

Morador do Sul come mais de 2,5 quilos de chocolate por ano

12 de dezembro de 2014 1

Divulgação
O morador da Região Sul é o que mais come chocolate no Brasil. A média é 2,5 quilos, segundo a Kantar Worldpanel.

Em segundo lugar, está o Norte e o Nordeste. Lá, a média é 2,3 quilos.

Ao contrário da média nacional, os chamados macrosnacks têm menos crescimento de venda no varejo no Sul. São produtos como salgadinhos e bolachas.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Varejo gaúcho vendeu mais em outubro

12 de dezembro de 2014 0
Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

A venda do varejo gaúcho cresceu em outubro. Na comparação com setembro, as lojas do Rio Grande do Sul comercializaram 0,8% mais em volume. A pesquisa é do IBGE e traz ajuste sazonal.

O resultado vem depois de um mês de queda de 0,9%. Quase retoma o patamar de vendas de agosto.

12 meses

No acumulado de 12 meses, o varejo gaúcho vendeu 3,4% mais em volume.

Maior crescimento: Artigos de uso pessoal e doméstico (+8%)
Maior queda: Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-17,3%)

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Leis do interior do Estado começam a questionar abertura de supermercados aos domingos

11 de dezembro de 2014 3
Foto: Patricia Damaceno / Divulgação Walmart Brasil.

Foto: Patricia Damaceno / Divulgação Walmart Brasil.

Começam a surgir no interior do Rio Grande do Sul movimentos para fechar supermercados aos domingos. São leis municipais ou acordos sindicais.

Em Uruguaiana, uma lei proíbe supermercados de abrir em, pelo menos, dois domingos por mês. Foi contestada e uma liminar do Tribunal de Justiça mantém suspensa a norma.

Leia mais: Liminar suspende lei que proibia abertura de supermercados no domingo em Uruguaiana

Em Santa Maria, o acordo sindical já prevê o fechamento aos domingos. O movimento, inclusive, é encabeçado por donos de pequenos e médios supermercados.

A discussão sobre a abertura de supermercados em domingos e também feriados pode chegar em breve à Capital. Questionado pela Rádio Gaúcha, o presidente da Associação Gaúcha de Supermercados disse que a entidade defende a liberdade de mercado.

- A liberdade de trabalhar aos domingos e feriados foi uma grande conquista de longas décadas e, antes de tomarmos novas posições, precisamos debater muito, para não nos arrependermos mais tarde desta liberdade que conquistamos. Se fecharmos domingos e feriados, estaremos com as nossas lojas fechadas cerca de dois meses ao ano. Cada empresa deve analisar quanto custa trabalhar no domingo ou feriado. – explica Antônio Cesa Longo.

Ouça entrevista do presidente da AGAS:


 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Comércio e serviços respondem por mais da metade dos empregos formais no Rio Grande do Sul

10 de dezembro de 2014 0

O comércio de bens e serviços é responsável por 52,2% dos empregos com carteira assinada no Rio Grande do Sul. Engloba prestação de serviços, atacado e varejo. O dado aparece na atualização no Mapa do Emprego divulgada nesta quarta-feira pela Fecomércio-RS.

O Setor Terciário Privado registrou no ano passado 1,6 milhão de empregos formais. A distribuição das vagas é equilibrada entre homens e mulheres.

As mulheres têm maior participação no setor de atenção à saúde (79,7%). Já os homens estão em maior número nas atividades ligadas ao transporte terrestre (87,4%).

A média de idade dos trabalhadores do comércio é de 35,12 anos. O tempo médio de emprego é de 45,3 meses. Quase metade dos empregos é ocupada por pessoas com Ensino Médio Completo.

A remuneração média mensal de R$ 1.777,48. O setor de serviços paga mais do que atacado e varejo.

Foto: Genaro Joner / Agencia RBS.

Foto: Genaro Joner / Agencia RBS.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Sindilojas orienta empresários a refinanciarem Imposto de Fronteira atrasado

05 de dezembro de 2014 0
Foto: Agencia RBS.

Foto: Agencia RBS.

O Sindicato dos Lojistas de Porto Alegre decidiu orientar seus associados a refinanciarem as dívidas atrasadas do Imposto de Fronteira, como é chamado o Diferencial de Alíquota de ICMS. É sugerida a adesão ao programa de refinanciamento da Secretaria Estadual da Fazenda até o dia 22 de dezembro. Permitirá o parcelamento em até 48 meses e desconto nas multas e juros.

Para esta adesão ser possível, o Sindilojas Porto Alegre vai retirar em janeiro a ação judicial que questiona a cobrança. O processo teve liminares concedidas e derrubadas.

Foi uma decisão difícil, segundo o presidente do Sindilojas Porto Alegre. A preocupação de Paulo Kruse é com o passivo de dívidas grande demais que pequenos varejistas estão acumulando. Deu um exemplo concreto ao blog Acerto de Conta$:

- Uma empresa pequena que fatura R$ 60 mil por mês, compra R$ 30 mil de produtos. Destes, cerca de R$ 20 mil são de fora do Rio Grande do Sul. Paga R$ 1 mil ao mês de Imposto de Fronteira. Em 48 meses sem pagar, são R$ 48 mil de dívida. Junta-se a este valor uma multa de até 75%, mais juros e correção monetária. Facilmente, a dívida sobe para R$ 150 mil, quase três meses de faturamento. Inviabiliza a operação da empresa. E são as pequenas empresas que são prejudicadas pelo Imposto de Fronteira.

Paulo Kruse enfatiza que o Sindilojas Porto Alegre não vai deixar de discutir o Imposto de Fronteira na esfera política. Seja extinguir o tributo, reduzir a alíquota ou ter uma lista de produtos isentos porque não são produzidos no Rio Grande do Sul.

Um dos riscos das dívidas atrasadas do Imposto de Fronteira é provocar a exclusão das empresas do Simples Nacional.

Leia mais:

Novo secretário da Fazenda não garante fim do Imposto de Fronteira

“Imposto de Fronteira será eliminado”, diz vice-governador eleito

Lojistas gaúchos dizem que Imposto de Fronteira leva empregos para Santa Catarina

Justiça renova liminar que desobrigava lojistas de pagarem Imposto de Fronteira

Fazenda vai colocar na dívida ativa quem não pagar Imposto de Fronteira

Promulgada lei que proíbe cobrança do Imposto de Fronteira

Governo gaúcho vai discutir Imposto de Fronteira no Judiciário

Lojistas dizem que governo gaúcho age com soberba

Tarso não vai vetar projeto de lei contra o Imposto de Fronteira

Governo não deve sancionar lei que acaba com o Imposto de Fronteira

Aprovado projeto de lei que proíbe cobrança do Imposto de Fronteira de pequenas empresas

Federações não entram em acordo sobre lista para isenção do Imposto de Fronteira

Renegociação de dívidas de ICMS é prorrogada

Pequenos lojistas gaúchos pagam quase o dobro em tributo do que os paranaenses

Projeto contra retorno do Imposto de Fronteira deve ser votado em dezembro no Plenário da Assembleia

Advogado recomenda que lojistas façam depósito judicial do Imposto de Fronteira

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Voltam a tramitar processos sobre sistema que pontua consumidor para liberar crédito

05 de dezembro de 2014 0
Foto: Diego Vara / Agencia RBS.

Foto: Diego Vara / Agencia RBS.

O Tribunal de Justiça publicou ato orientando para a retomada da tramitação de processos sobre o chamado score ou scoring, sistema que usa uma pontuação para o consumidor. O mecanismo é usado para liberação de crédito pelas empresas, como empréstimos ou parcelamentos em compras. Mostra a probabilidade de a pessoa pagar ou não as contas.

O assunto era polêmico e gerou, só no Rio Grande do Sul, quase 90 mil ações. A maioria pede dano moral.

Os processos estavam suspensos aguardando julgamento do Superior Tribunal de Justiça. A corte entendeu que o sistema não é ilegal, mas estabeleceu limitações para o uso. Caso estes limites sejam descumpridos, cabe indenização por dano moral.

A decisão passa a orientar os julgadores e os tribunais em processos e recursos que discutem a mesma questão. Foi usado o chamado o sistema chamado de Recurso Repetitivo no STJ.

Saiba mais: STJ autoriza uso de pontuação para liberar crédito ao consumidor

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.