Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "varejo"

Confiança do comerciante gaúcho volta a cair

14 de janeiro de 2015 0

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio do Rio Grande do Sul caiu em dezembro. Em relação a novembro, o recuo foi de 2,6%.

A Fecomércio-RS que faz o cálculo. Ressalta que, na comparação com dezembro de 2013, foi a maior queda da série histórica: -18%. A pesquisa começou em 2011.

A retração foi verificada em todos os três componentes avaliados: percepção do empresário quanto ao momento presente da economia, ao setor e à própria empresa; expectativas sobre o futuro de curto prazo; e perspectivas de contratação de funcionários, investimentos e níveis de estoques.

- Os resultados de dezembro de 2014 mostram um aprofundamento na tendência de redução da confiança dos empresários do comércio observada há muitos meses. Pela segunda vez desde que foi iniciado, o indicador atinge um patamar muito próximo da neutralidade. – comenta o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Bohn ressalta que o outro momento em que isso havia ocorrido foi em julho de 2013. Na época, houve o impacto pontual das manifestações populares.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Venda do varejo gaúcho avançou em novembro

14 de janeiro de 2015 0
Foto: Alan Pedro / Agencia RBS.

Foto: Alan Pedro / Agencia RBS.

O volume de vendas do varejo do Rio Grande do Sul cresceu 1,5% em novembro na comparação com outubro. Foi o segundo mês de alta consecutivo.

Foi um desempenho superior à média nacional. A pesquisa do IBGE apontou avanço de 0,9% no comércio do País.

12 meses

Em 12 meses, as vendas do varejo gaúcho cresceram 3%. Melhor e pior desempenho:

Maior crescimento: +6,6% Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos.
Maior queda: -18,1% Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

 

Tesoura nos gastos escolares

13 de janeiro de 2015 1

Coluna Acerto de Conta$, no Diário Gaúcho. Todas as terças.

Os preços dos materiais escolares estão em média 15% mais altos. O vilão foi o dólar já que muita coisa é importada, mostrou a pesquisa da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo.

Leia mais: Dólar faz preço do material escolar subir o dobro da inflação no Rio Grande do Sul

Para aproveitar a oportunidade, a educadora financeira de crianças Ana Pregardier enviou um jogo para a coluna. Pais e filhos leem a lista de material escolar juntos e depois:

1) Pesquisam preços para descobrir qual a ser pago em cada item.

2) Depois, buscam materiais que já têm guardados e que podem ser reaproveitados.

3) Pais e filhos juntos fazem a conta de quanto será economizado com os materiais escolares que os filhos acharam e que poderão ser reutilizados.

4) Depois de calculado o total, os pais dividem essa economia por dois. Metade será dos filhos e a outra parte será dos pais. Exemplo – Total de economia: R$ 82. R$ 41 para cada.

Importante!

- Não dê toda a economia para seus filhos. A divisão em duas partes é fundamental para que a criança ou jovem entenda que os pais também merecem participar dessa economia, uma vez que foram eles que compraram o material no ano passado. Como esse material foi fruto do trabalho e esforço dos pais, é justo que eles participem da divisão. – explica a educadora financeira.

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS.

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter

Regional da Associação Brasileira de Franchising tem nova diretora

12 de janeiro de 2015 0

Diretora da Estrela Franquias, Fabiana Estrela é a nova diretora para a Região Sul da Associação Brasileira de Franchising. Sua empresa tem 14 anos e representa as marcas Caverna do Dino e Barriga Verde, ambas do mercado gaúcho.

A Região Sul é responsável por 17% de redes de franquias no Brasil. A maioria fica no Paraná.

Entra no lugar de Marco Pozza, empresário e marido de Fabiana. O primeiro diretor regional da ABF foi Gustavo Schinfino, da rede de lojas Trópico.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter

Dica da Semana - Livro: O Praça Rio Grande Shopping Center e o Jockey Club

12 de janeiro de 2015 0

Dica da Semana no Destaque Econômico

Livro: Praça Rio Grande Shopping Center e o Jockey Club

Organizadora: Rita Chang

“Existia uma lacuna nessa história, até porque a prefeitura, que normalmente tem esse material, teve um incêndio há alguns anos e não se conseguia praticamente nada sobre o Jockey Club. Então, eu consegui resgatar fotos antigas, imagens interessantíssimas. Conversando com o pessoal, eu consegui construir e recuperar a história dessa lacuna, que foi de 1922, quando foi construído as arquibancadas do Jockey Club, até os anos 90, quando tiveram as últimas corridas.

Ele é bastante interessante no sentindo de ser fácil e agradável de olhar, mostra bem a importância do turfe para a economia rio-grandina e economia do Rio Grande do Sul também. Então justamente gostaria de recomendar porque vai mostrar para as pessoas importância do cavalo e toda a consequência disso para a economia do Rio Grande do Sul.”

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter

Intenção de consumo das famílias despencou em dezembro

12 de janeiro de 2015 1

A intenção de consumo das famílias gaúchas teve queda forte em dezembro. Em relação ao mesmo mês de 2013, o recuo foi de 10,6%. Mas houve redução também na comparação com novembro.

Embora ainda fique no patamar considerado otimista pela Fecomércio-RS, todos os sete componentes que formam o indicador apresentaram redução.

- O indicador fechou o ano com uma média 8% inferior ao ano anterior. Reflete o abatimento na confiança das famílias. É observado, inclusive, em todo o País. – comenta o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Segundo a entidade, o motivo principal é a inflação em patamares elevados. O indicador que mede a segurança com relação ao emprego teve recuo de 9,6% em dezembro.

- Os dados referentes à situação de renda voltaram a apresentar queda após alguns meses de estabilidade.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter

Economista do varejo projeta mais alta de preços em 2015

09 de janeiro de 2015 2

Economista da CDL Porto Alegre, Gabriel Torres projeta para 2015 a continuidade da pressão de alta nos preços. Pondera que as causas, no entanto, devem ser diferentes.

Em vez da demanda e mercado de trabalho aquecidos, o impacto virá do aumento do dólar e da recomposição de preços monitorados pelo governo.

- A pressão sobre o câmbio merece destaque especial pela mudança nas taxas de juros na economia americana, que cria pressão para a saída de dólares na economia doméstica. Conjugadas com a baixa confiança em nossa economia, o cenário base é de elevação do dólar.

E o efeito se espalha. A situação obrigará o Banco Central a manter a elevação da taxa de juros Selic até aproximadamente 12,75% em 2015.

Varejo

Para o economista Gabriel Torres, o impacto no varejo deve ser negativo. Os preços das mercadorias vão subir. Junto com isso, estará o crédito mais caro. O consumidor terá um aumento de despesas.

- O mercado de trabalho apresenta sinais claros de esfriamento, com crescimento da taxa de desemprego em relação ao mesmo período do ano anterior. Apesar de se manter em patamar historicamente baixo, o número de pessoas ocupadas caiu. – acrescenta o economista da CDL.

Inadimplência

- Em ambientes de baixo crescimento, inflação e juros altos, as famílias têm mais dificuldades em honrar dívidas na data de vencimento.

Com isso, Torres projeta que as inclusões de nomes no cadastro de inadimplentes devem crescer 5,53% no Rio Grande do Sul. Ao mesmo tempo, as exclusões devem avançar apenas 1,6%.

Algumas projeções para 2015:

PIB Brasil +0,54%
PIB RS +1,09%
Inflação pelo IPCA +6,66%
Dólar R$ 2,89
Taxa de Juros Selic 12,75% ao ano
Varejo ampliado no Brasil +0,77%
Varejo gaúcho +0,34%

Ouça entrevista ao Destaque Econômico, quando o economista conta sobre o indicador que criou para acompanhar o desempenho do varejo no Rio Grande do Sul:

===

Siga @GianeGuerra no Twitter

Justiça mantém liminar que suspende mínimo regional

09 de janeiro de 2015 17

A Justiça mantém valendo a liminar que suspende o salário mínimo regional. A decisão é do desembargador Túlio de Oliveira Martins, negando pedido de revogação feito pela CUT/RS, a Central Única de Trabalhadores do Rio Grande do Sul.

A liminar suspende efeitos de lei estadual até o julgamento do processo. A norma concedeu os 16% de reajuste do piso regional, propostos pelo ex-governador Tarso Genro.

O desembargador, no entanto, permitiu que a CUT seja amicus curiae na Ação Direta de Inconstitucionalidade movida pela Fecomércio/RS. A atuação da CUT ficará limitada à juntada de documentos, pareceres e memoriais, na forma legal.

A expressão Amicus Curiae significa “amigo da corte”. Não é parte do processo, mas pela representatividade a entidade passa a poder se manifestar pelo interesse na causa.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter

Movimento de clientes nas lojas tem crescimento mais baixo em onze anos

07 de janeiro de 2015 6
Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS.

Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS.

O movimento de consumidores nas lojas em 2014 teve o crescimento mais baixo em onze anos. O Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio apontou avanço de 3,7%. O ritmo de crescimento vem desacelerando desde 2011.

Segundo os economistas da Serasa, o fraco desempenho foi motivado pela escalada das taxas de juros no mercado doméstico, alta da inflação – especialmente durante o primeiro semestre do ano – e menor grau de confiança dos consumidores. Os clientes estão com alto endividamento e, por isto, mais preocupados em sair da inadimplência do que assumir novos financiamentos.

Ainda assim, o crescimento de 2014 foi liderado pelo setor de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas; e pelo de tecidos, vestuário, calçados e acessórios. Por outro lado, as lojas de material de construção viram o movimento dos consumidores cair 6,5%.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter

Lojas online atrasam entregas de Natal e ainda do Black Friday

05 de janeiro de 2015 21

foto blog

Empresas de médio e grande porte não conseguiram dar conta de entregar no prazo parte das vendas feitas para o Natal. Em alguns casos, até mercadorias comercializadas no Black Friday, promoção realizada ainda em novembro.

Call centers consultados pela reportagem dão várias justificativas: sistema sinalizou entrega equivocadamente, mercadoria parada nas transportadoras, atraso dos correios ou, em vários casos, prometem posicionamento em alguns dias e nem entram em contato com o consumidor. Outra forma de verificar a dimensão do problema é acessar os perfis do Facebook de grandes redes de varejo. As postagens de publicidade estão cheias de comentários de clientes descontentes com atrasos superiores a 30 dias.

O que fazer?

Guarde documentos e e-mails que apontem o prazo de entrega prometido no site e emitido na nota fiscal da compra. Vão ajudar a comprovar falhas da empresa.

A advogada do Instituto de Defesa do Consumidor, Mariana Alves, explica que o consumidor deve entrar em contato o mais breve possível como o fornecedor, questionando o paradeiro do produto, e verificar se o atraso é justificado ou se é por negligência da empresa.

- O atraso na entrega de um produto caracteriza descumprimento de oferta, e o consumidor pode exigir, à sua escolha, desde o cumprimento forçado da entrega, ou mesmo desistir da compra, com direito à restituição da quantia antecipada, incluindo o valor pago pelo frete, até eventuais perdas e danos.

Caso não esteja satisfeito com o serviço, é recomendável enviar para a loja uma carta com aviso de recebimento, chamada de AR, exigindo a entrega, o ressarcimento do dinheiro pago ou a substituição do produto. Em todas essas opções, deve ser fixado um prazo para que o fornecedor resolva a questão.

- Geralmente, cinco dias.

Caso a questão não possa ser solucionada amigavelmente, entrar em contato com o Procon da cidade ou, se não houver, o Procon Estadual. E ainda recorrer ao Judiciário. Até 40 salários mínimos, pode ser no Juizado Especial Cível.

A alternativa de sites de reclamação, como o ReclameAqui, não tem sido eficaz para todas as empresas. Algumas estão negando atendimento e colocando de lado consumidores que deixam queixas nestes canais de reclamação.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.