Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "veículo"

Venda de caminhões despenca no Rio Grande do Sul

06 de janeiro de 2017 0

Termômetro da economia, a venda de caminhões caiu 29,56% em 2016. O pior é que em 2015 já tinha caído quase 50%.

O dado apareceu no balanço do Sindicato das Concessionárias do Rio Grande do Sul. Também apontou que o segundo pior resultado foi no segmento de implementos rodoviários, que também sinaliza o desempenho da economia.

Todos os veículos tiveram recuo nas vendas. Na média geral, o recuo foi de 21%. Semelhante à média nacional.

Para 2017, tudo vai depender da economia brasileira. Como diz o presidente do Sincodiv-RS, Fernando Esbróglio:

- Sem PIB, não tem venda de veículo.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Corretor orienta como deixar o seguro do carro mais barato

10 de novembro de 2016 0

rodapé2

 

 

É possível sim reduzir o preço de um seguro. Para isso, o corretor Jorge Kath sugere, por exemplo, que o dono do veículo avalie a real necessidade de contratar na apólice carro reserva e guincho por quilômetro ilimitado.

E sabia que as mulheres não pagam mais o seguro mais barato sempre? Estas e outras dúvidas são respondidas no Live do Acerto de Conta$, no Facebook da Rádio Gaúcha. Confira:

 

 

 

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

 

 

rodapé2

Jipe militar produzido em Caxias do Sul será vendido nos Estados Unidos

29 de setembro de 2016 7

Quadro Serra de Negócios

Por Babiana Mugnol (babiana.mugnol@rdgaucha.com.br)

 

 

Foto: Alesi Ditadi / Divulgação Agrale.

Foto: Alesi Ditadi / Divulgação Agrale..

 

 

Já está chegando nos Estados Unidos o jipe militar Marruá. É produzido pela Agrale em Caxias do Sul.

Lá, está sendo usado o nome Dominator. O veículo 4X4 está sendo oferecido no site da montadora norte-americana Alkane, com sede na Carolina do Sul.

 

 

Reprodução site.

Reprodução site.

 

 

Tem nas versões: gasolina, diesel e gás. Inclusive, nas imagens de divulgação, aparecem os veículos da própria Agrale em atuação em Caxias do Sul, como um do Samae, serviço responsável pelas barragens do município.

O Dominator é indicado para as mesmas operações do Marruá brasileiro. Foi desenvolvido para atender ao Exército, mas com aplicação militar e também civil. Diretor de vendas de veículos da Agrale, Edson Martins confirma que o Marruá está sendo adaptado, como o desenvolvimento do modelo a gás. Hoje, o veículo é vendido na versão diesel, mas um modelo elétrico foi produzido em parceria com a usina hidrelétrica Itaipu Binacional. Mas Martins não diz o tamanho da fatia de mercado que a Agrale vai abocanhar em solo norte-americano.

A Agrale participa também nesta quinta-feira de evento no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, realizado pela Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança.

Aqui no Brasil, o preço do Marruá parte de valores em torno de R$ 190 mil. Mas não foi informado qual preço será cobrado nos Estados Unidos.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

E também curta a página Giane Guerra, no Facebook.

Venda de todos os veículos cresceu em junho e concessionárias buscam os motivos

11 de julho de 2016 0
Foto: Diego Vara / Agencia RBS.

Foto: Diego Vara / Agencia RBS.

 

Bons sinais no balanço das vendas de veículos no Rio Grande do Sul em junho. Uma coluna toda azul, ou seja, crescimento em todos os segmentos, apontou o balanço das concessionárias baseado nos emplacamentos. A média do setor foi de avanço de 7,94%.

Sobre maio, a venda de automóveis de passeio e comerciais leves cresceu mais de 8%. Até mesmo a venda de motos cresceu mais de 3%, sendo que tem um público comprador muito dependente da liberação de financiamentos.

Termômetro da economia, a venda de caminhões cresceu quase 13% em junho sobre maio. Implementos rodoviários tiveram avanço de quase 3%.

Porém, as comparações com o ano passado ainda apresentam desempenho negativo. O Sindicato das Concessioárias do Rio Grande do Sul acompanha os resultados e busca entender os motivos para os números positivos. Veja algumas percepções:

- Para o vice-presidente Ambrósio Pesce Neto, a capacidade ociosa na indústria abriu espaço para uma singela recuperação no mês de junho e que já foi sentida no aumento dos níveis de confiança do consumidor.
- Já o vice-presidente Tarso Zanatta, os números apontam para uma possível queda menor nas vendas acumuladas, caso o segundo semestre se concretize com vendas maiores, como normalmente acontece.
- O ex-presidente e conselheiro Renato Bellotti não acredita em recuperação a curto prazo. Principalmente, do setor de novos. Vê o mês de junho como um efeito represado de uma recuperação de maio que foi muito ruim, em função da paralisação do País.
- Presidente, Fernando Esbroglio enfatiza o desempenho positivo da safra. Destaque para arroz, soja e milho, que movimentaram a economia gaúcha.

 

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Financiamento de veículos teve forte queda no Rio Grande do Sul

18 de janeiro de 2016 0
Foto: Emerson Souza / Agencia RBS.

Foto: Emerson Souza / Agencia RBS.

Assim como os números de emplacamentos, caíram também os financiamentos de veículos novos e usados no Rio Grande do Sul em 2015. Foram quase 326 mil unidades financeiras, mas é um número 21% menor do que em 2014.

Os veículos pesados foram os mais impactados pelo freio na economia. Os financiamentos despencaram 35%.

Automóveis leves caíram 20%. As motos, 18%.

O levantamento é da Unidade de Financiamentos da Cetip, que opera o maior banco de dados privado de informações sobre financiamentos de veículos do País. Ainda conforme a pesquisa, o Sul manteve-se como a segunda região que mais financiou veículos.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Venda de veículos despenca e concessionárias demitem no Rio Grande do Sul

11 de janeiro de 2016 16
Emerson Souza / Agencia RBS.

Emerson Souza / Agencia RBS.

A venda de veículos caiu 29,63% no Rio Grande do Sul em 2015. Já esperado, o tombo foi mais forte do que a média nacional.

O ano fechou com 201.533 emplacamentos. Em 2014, foram 286.400.

As quedas mais intensas ocorreram nos segmentos de caminhões e de implementos rodoviários. Recuos de 47% e 42%, respectivamente. Estes são, exatamente, dois veículos, cujas vendas funcionam como termômetro da economia.

Em seguida, destaca-se também a queda no segmento de comerciais leves. As vendas caíram quase 39%.

- O setor da distribuição de veículos acompanha o crescimento ou a retração da economia. Em especial, o setor foi prejudicado com alguns movimentos governamentais como o aumento recente do ICMS – contrariamente à lógica que seria baixar para atrair vendas. E o acúmulo de taxas de transferência que foram cobradas em dobro desde 2012 no Estado – diz Fernando Esbroglio, presidente do Sincodiv/Fenabrave-RS, entidades que representam as concessionárias de veículos.

Segundo Esbroglio, o mau resultado ao longo do ano provocou fechamento de concessionárias e corte de investimentos. O setor reduziu em 10% os postos de trabalho.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Empresa gaúcha negocia fornecer biodiesel para frota de ônibus do Rio de Janeiro

20 de abril de 2015 0
Foto: Divulgação BSBios.

Foto: Divulgação BSBios.

A BSBios negocia com a prefeitura do Rio de Janeiro um contrato para fornecer biodiesel para abastecer os ônibus da cidade durante as Olimpíadas. A frota tem cerca de 23 mil veículos.

Se o contrato for fechado, a ideia é produzir o biodiesel na fábrica de Passo Fundo. A negociação foi antecipada pelo presidente da BSBios, Erasmo Batistella, em entrevista ao programa Destaque Econômico, da Rádio Gaúcha.

A empresa já fornece o biocombustível para mais de 100 ônibus em Curitiba, em dois projetos: a Linha Verde (B20) e o Hibribus (B100 e energia elétrica). A emissão de gás carbônico é reduzida em 60%.

Ouça a entrevista completa com detalhes sobre outros projetos da empresa:

===

Ouça o programa Destaque Econômico, na Rádio Gaúcha. Domingos, às 9h.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Leitor pergunta quanto cobrar para usar carro próprio no trabalho

14 de abril de 2015 1

Leitor Alessandro Rocha pergunta:

A empresa quer que eu trabalhe com meu carro, porém não querem alugá-lo pagando o valor fixo em dinheiro. A proposta é reembolso com cartão de vale combustível e outros tipos de manutenção, além de um valor simbólico de R$ 0,52 o quilômetro rodado. Rodo no máximo 60 quilômetros por dia. Será que vale expor meu veículo por esse valor?

Presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (Sindseg-RS), Julio Cesar Rosa informa que o mercado tem trabalhado, em média, com o valor acima do oferecido pela empresa do leitor. Fica entre R$ 0,75 a R$ 0,85 por quilômetro rodado.

- Importante ressaltar que o limite não costuma passar de R$ 1,2 mil por mês. Isto normalmente inclui combustível, manutenção e lavagem do automóvel.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Venda de veículos cresce em março

13 de abril de 2015 0
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS.

Foto: Porthus Junior / Agencia RBS.

A venda de veículos cresceu 29% em março sobre fevereiro no Rio Grande do Sul. O mês anterior havia sido muito fraco.

Apesar do percentual forte das vendas, ainda não atinge nem o patamar de janeiro. E, além disso, a comparação com março do ano passado aponta queda de 10%.

Ainda na relação março com fevereiro, aumentou a venda de automóveis e comerciais leves. Cresceu bastante a venda de motos e implementos rodoviários. Mas mesmo sendo sobre um fevereiro fraco, a comercialização de ônibus ainda cai quase 5%.

Os dados são do Sindicato das Concessionárias do Rio Grande do Sul. Segundo o presidente do Sincodiv-RS, Fernando Esbroglio, março tem mais dias úteis que fevereiro, além de os dois primeiros meses do ano serem tradicionalmente mais fracos.

- Entretanto, a alta conquistada em março foi bastante importante em todos os segmentos, o que pode significar um sinal de recuperação da categoria da distribuição no Estado.

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.

Indústrias brasileiras voltam a cortar produção

01 de abril de 2015 0
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

A produção industrial voltou a cair em fevereiro. Recuo de 0,9% sobre janeiro na pesquisa já com ajuste sazonal feita pelo IBGE.

Em janeiro, havia aumentado um pouco: +0,3%. O resultado positivo vinha depois de dois meses de queda.

Com a retração de fevereiro, acentua-se o resultado negativo no setor. Em 12 meses, a queda na produção das indústrias brasileiras já chega a 4,5%. É o dobro do que o mercado está prevendo para o fechamento do ano e bem mais intensa do que a queda que já foi registrada em 2014.

Chama a atenção o recuo de 4,1% na produção de bens de capital em fevereiro. São itens como máquinas, que as empresas compram – ou deixam de comprar – para investir no negócio, aumentando produção.

Observando por segmentos, fevereiro teve desempenho negativo em onze dos 24 ramos pesquisados. As principais influências negativas vieram de veículos automotores, reboques e carrocerias (-1,7%), produtos do fumo (-24,0%) e equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-4,2%).

===

Siga @GianeGuerra no Twitter.