Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Arte e corações partidos transformados em moda

07 de setembro de 2015 0
Sebastian Erraruziz (13)

Fotos: Sebastian Erraruziz/Divulgação

Arte para Melissa é muito mais que um canal de inspiração. É paixão. É parte do seu DNA, assim como a moda e o design. Não é atoa que suas três Galerias – SP, NY E LN – revolucionaram o conceito de flagship store, levando não só os produtos para outro patamar, mas investindo também em conteúdo de cultura para suas instalações.

E esse amor só cresce a cada nova coleção. Para o verão 2016, a marca convidou o artista chinelo radico de NY, Sebastian Errazuriz – conhecido por suas obras que instigam os apreciadores a refletirem de uma nova forma sobre as realidades escondidas em frente aos próprios olhos, como sua mais recente obra “A pause in the city that never sleeps”, onde imagens em preto e branco gravadas em looping mostravam o artista bocejando em 50 telas gigantes na Times Square – para transformar arte em moda.

A novidade é inspirada na mostra do artista 12 Shoes for 12 Lover que aconteceu em colaboração com a Melissa, na pop up store da marca em Miami durante a conceituada Art BAsel/2-13-Miami, em 2013. O projeto que trouxe doze sapatos-esculturas inspirados em doze ex-namoradas do designer, desenvolvidos com impressão 3D, usando filamentos de plástico para colorir. Só uma parceria entre Melissa e Sebastian Errazuriz para transformar ex- amores e todos os sentimentos envolvidos nestas reações em esculturas encantadoras e funcionais.

A linha pocket é forma por duas Melissas. A primeira, a The Boss – remete a uma garota extremamente profissional, poderosa e feminista – é um peep com aplicação de soco inglês na parte inferior da sola, trazendo uma pitada rock roll ao clássico shape. Já a segunda, a Gold Digger – uma ex-namorada extremante doce, mas obcecada por dinheiro, gananciosa – que resultou em um peep toe com salto em formato de Atlas – um dos titãs gregos, condenados por Zeus a sustentar os céus para sempre – para dar um toque engraçado ao calçado.

“Um sapato pode ser muito mais que um simples objeto prático do dia-a-dia. Ele pode ter características que até agora só pertenciam ao mundo da arte. Todos nos tivemos vários exs a quem amamos profundamente em algum ponto de nossas vidas. E se pudéssemos trazer de volta todas essas histórias e homenageá-las de forma carinhosa. Cada sapato representa uma determinada ex que tive. Todas essas histórias são reais. Um sapato pode ser uma forma de expressão”, diz Sebastian.

Seja bem-vindo a um mundo que vai além da moda, da arte e da inovação.

Envie seu Comentário