Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

A cor da infância de Cora Coralina

10 de outubro de 2011 1

A obra “O Prato Azul-Pombinho”, de Cora Coralina, surgiu a partir de uma poesia publicada no livro “Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais”, sob o título de “Estória do Aparelho Azul-pombinho”. A história fala do último prato de porcelana chinesa de um antigo jogo de jantar, com 92 peças, que pertencera à bisavó de Cora Coralina.

No texto, a autora rememora a infância, quando ouvia, com base nas figuras existentes na porcelana, a história da princesinha Lui e seu namorado plebeu, cujo romance era rejeitado por todos. O contar e recontar da história deu-lhe novos componentes, e também foram acrescidos os devaneios de Aninha – apelido pelo qual Cora Coralina era conhecida.

Certo dia, sem saberem como nem por que, o prato se quebrou, e a menina, principal suspeita, é condenada a andar com um caco de porcelana pendurado ao pescoço, conforme costume daqueles tempos. No livro, a graça do texto se reflete perfeitamente nas ilustrações, aproximando – ainda mais – Cora Coralina do universo infantil.

Na última página do livro, a ilustradora Lúcia Hiratsuka confessa que, ao receber o poema de Cora Coralina para ilustrar, decidiu conhecer a casa e o lugar onde viveu a doce poeta de Goiás para, assim desenvolver melhor seu trabalho.

“O Prato Azul-Pombinho”, de Cora Coralina, com ilustrações de Lúcia Hiratsuka. Global Editora, 40 páginas, R$ 29,00.

Comentários (1)

  • ana paula diz: 24 de setembro de 2013

    Acho esse livro maravilhoso, mas quando vc se refere à “doce poeta de Goiás”, lembrei de uma palestra que o escritor Flávio Carneiro fez em Londrina recentemente, na Semana Literária do Sesc, em que contou que ela não era “tão doce” como imaginávamos. Ele a encontrou em duas ocasiões e contou que era uma velhinha bem carrancuda e meio brava (e muito direta). Essa imagem dela me surpreendeu, pq tinha uma visão de pessoa mais fragilizada e cheia de doçura, embora isso não diminua em nada o encanto dos seus textos. É só para compartilhar mesmo. Um abraço e parabéns pelo blog!

Envie seu Comentário