Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de abril 2012

Machado de Assis em quadrinhos

30 de abril de 2012 0

Olá, galerinha. Que tal aproveitar o feriado deste 1º de maio e ler um clássico do Machado de Assis? Ah, já leu todos? Não faz mal, porque a dica de hoje, a obra-prima “Dom Casmurro”, foi adaptada para os quadrinhos por Ivan Jaf e Rodrigo Rosa. Para quem não conhece a história, eu falo um pouquinho dela.

Bentinho conhece a vizinha Capitu desde criança, porém só se dá conta de que ambos se amam de verdade quando essa “amizade” é denunciada a sua mãe – uma senhora rica e religiosa que havia prometido torná-lo padre. Diante do obstáculo, os jovens se unem ainda mais e juram se casar.

A paixão deles tem todos os ingredientes de um grande romance… Mas nada é o que parece quando se trata de uma história de Machado de Assis. Uma terrível dúvida – uma dupla traição – pode abalar toda a promessa de felicidade que aparenta aguardar o casal.

Nesta HQ, da coleção “Clássicos Brasileiros em HQ”, o leitor é convocado a encontrar respostas em meio às memórias imprecisas e fantásticas de um narrador amargurado. A adaptação brilha ao lançar um olhar original e ousado sobre uma de nossas obras mais geniais, sem abrir mão de sua poesia e seu mistério. Um presente também para os leitores que já conhecem o clássico.

“Dom Casmurro”, de Machado de Assis, com roteiro de Ivan Jaf e arte de Rodrigo Rosa. Coleção “Clássicos Brasileiros em HQ”. Editora Ática, 88 páginas, R$ 28,50.

Três super-heróis superfofos

27 de abril de 2012 0

Vocês conhecem super-heróis, né? Eles são sempre muito altos, musculosos, fortes e aguentam qualquer parada. Tem uns até que usam a cueca por cima da calça, mas tudo bem. Bom, vou apresentar um trio de pequenos heróis superfofos: o porquinho-da-índia Linny, a patinha Ming-Ming e a tartaruga Tuck, personagens de “É com Vocês, Super Fofos!”.

Para a galerinha ligada em TV, eles são personagens do canal Nickelodeon e formam os Super Fofos. Eles enfrentam qualquer situação para salvar o dia e qualquer animalzinho em risco ou que se meteu em uma enrascada e não sabe sair, como o gambazinho que entrou em uma roseira cheia de espinhos.

O mais legal, agora, é que não precisa ficar esperando o desenho começar na TV, porque essa galerinha do bem ganhou livros editados pela Caramelo. Com uma capa superfofa e páginas internas super-resistente, a obra tem tudo para agradar e alegrar outra galerinha do bem: os pimpolhos e seus papais e mamães superfofas.

“É com Vocês, Super Fofos!”, de Josh Selig, com tradução de Vanessa Nicolav. Editora Caramelo, 22 páginas, R$ 22,90.

É preciso olhar as coisas simples do dia a dia

26 de abril de 2012 0

Quantas vezes os pais ficam refletindo: “Sou eu que estou ensinando meu filho ou estou aprendendo com ele?”. A sugestão de hoje, “Quem Foi que Fez?”, Ana Maria Machado e a filha Luisa Baeta propõem uma introspecção maior sobre este assunto.

Neste livro, integrante da coleção “Abre o Olho”, Ana Maria Machado e a filha, que é fotógrafa e designer, mais uma vez juntas, em textos e fotos, convidam o leitor para explorar o olhar com sensibilidade. Olhar para as coisas simples do dia a dia — o vento, as casas, as ruas, as praças, o pão, as frutas, a chuva, a terra, entre outras — e sentir toda sua riqueza, mistério e complexidade. Quem fez meu pai, minha mãe? Quem me fez foram meus pais. E eles? Os meus avôs. E quem ficou lá para trás? Quem fez o primeiro de nós?

Perceber o mundo a sua volta, pensar sobre ele, levantar questões, criar perguntas e sugerir respostas pode proporcionar descobertas incríveis e um sentimento prazeroso de pertencimento.

“Quem Foi que Fez?”, de Ana Maria Machado e projeto gráfico e imagens de Luisa Baeta. Coleção “Abre o Olho”, Global Editora, 32 páginas, R$ 27,00.

Ei, pode me dar um abraço?

25 de abril de 2012 0

Sabe aqueles dias em que o mais queremos é um abraço? Esse gesto conforta, anima e até serve para dar mais cor a um dia que estava todo nublado. E olha que ele não custa um centavo, mas vale muito. Você também sabia que até os bichos precisam e gostam de receber carinho? É o que mostra a sugestão de hoje, que tem o singelo título de “Abraço”, escrito pelo inglês Jez Alborough.

Na história, indicada para crianças até sete anos, todos os animais da selva têm alguém para abraçar. Menos um pobre macaquinho, o Zezé. Ele vê a toda hora os filhotes e seus pais se abraçando carinhosamente. Será que ele vai conseguir ganhar um abraço?

Será que você também pode me dar um abraço?

“Abraço”, de Jez Alborough, com tradução de Gabriela Degen Marothy. Editora Brinque-Book, 36 páginas, preço não divulgado.

Ela não é do País das Maravilhas

24 de abril de 2012 0

O nome dela é “Alice”, mas ela não vive no País das Maravilhas. Mas isso não tem importância porque o que ela mais quer é encantar, divertir e seduzir as crianças.
Com rimas, lengalengas, trava-línguas e ilustrações alegres e coloridas, a autora Lenice Gomes lança neste mês de abril o livro “Alice” pelo selo Planeta Infantil.

Para a galerinha não esquecer, essa Alice não é aquela do País das Maravilhas. É “Alice de Doralice, filha de Candice, irmã de Berenice”, que, ao levar um recado para a prima Priscila, se envolve em aventuras com um gato de rabo ruivo, “três tigres tristes”, uma “vaca malhada que foi molhada por outra vaca malhada e molhada”, uma “aranha medonha, num arranha-arranha-aranha” e um galo que canta “o pato pintou a pata da pata e a pata, de pata pintada, pintou a pata do pato”. Mas depois de tanta tagarelice, lengalenga e leva e traz, Alice desperta e faz uma importante descoberta.

As palavras dedilhadas, rimadas e lapidadas por Lenice Gomes e as ilustrações de Nina Anderson ganham vida e movimento em cada uma das páginas do livro. Por elas, a personagem central passeia, sempre pedalando a sua bicicleta, que, de tão presente, virou a assinatura do livro. “Alice foi indo, indo, indo. Berenice ficou rindo, rindo, rindo.”

Alice é construtivismo puro. Encantaria o suíço Jean Piaget, um estudioso da inteligência, que demostrou que as crianças raciocinam segundo estruturas lógicas próprias, muito diferentes da lógica do adulto. Sua teoria acabou por moldar modelos de ensino que preconizam a descoberta e a associação ao invés da repetição e da memorização. Em maior ou menor grau, são práticas adotadas hoje em diversos países do mundo e em muitas escolas brasileiras, em especial na pré-escola e na alfabetização.

O livro seduz e encanta os leitores, mesmo alguns educadores mais críticos às metodologias construtivistas, já que, com humor e inteligência, estimula a imaginação e a criatividade das crianças, seja na forma, no som ou no ritmo.

“Alice”, de Lenice Gomes, com ilustrações de Nina Anderson. Editora Planeta Infantil, 36 páginas, R$ 27,90.

Que cheirinho é esse? Não fui eu!

23 de abril de 2012 0

Sabe aqueles assuntos sobre os quais ninguém ou quase ninguém quer falar ou escrever? Pois a sugestão de hoje é bem divertida porque fala sobre… o cocô!

“Que Cheiro É Esse? O Livro do Cocô”, de Gaby Goldsack, trata de algo comum na vida de todos. É umm livro magnífico, com ilustrações engraçadas, que traz uma interessante perspectiva sobre um tema natural, mas cheio de preconceitos.

De forma simpática e sem rodeios, as crianças aprenderão sobre esta importante necessidade de todos os animais. Para chamar ainda mais a atenção da meninada, as páginas são pop-up, que criam vida quando folheadas, deixando a leitura ainda mais divertida.

“Que Cheiro É Esse? O Livro do Cocô”, de Gaby Goldsack, com ilustrações de Ian Dicks e tradução de Sara Grünhagen. Editora Vale das Letras, 10 páginas, R$ 39,90.

Resenhas afro-brasileiras

20 de abril de 2012 0

O que é bom merece bis. E foi isso que ocorreu com o “Livro dos Livros”, escrito por Cleber Fabiano da Silva, Sonia Regina Reis Pegoretti e Sueli de Souza Cagnetti. A obra integra o catálogo do Programa Institucional de Literatura Infantil e Juvenil (Prolij) da Univille e ganha o volume nº2, agora dedicada à literatura africana e afro-brasileira.

O livro será lançado neste dia 21 de abril, durante a 9ª Feira do Livro de Joinville. O tema da obra foi discutido nesta semana durante a realização pelo Prolij do 7º Abril Mundo, no campus de Joinville da universidade. O livro traz resenhas dos livros infantis e juvenis com a temática, a linguagem e a autoria africana e afro-brasileira.

Segundo os autores, a obra não busca o aprofundamento legal da temática, mas seus pressupostos e desdobramentos podem influenciar diretamente a movimentação editorial no Brasil. Para que não se perca o olhar sobre a arte literária e tendo em vista a indicação para constituir um acervo de qualidade, as resenhas foram selecionadas pela análise dos processos estético-discursivos presentes nos livros de literatura infantil e juvenil ligados à produção africana e afro-brasileira.

SERVIÇO

O QUÊ: lançamento do “Livro dos Livros – Resenhas do Prolij v.2 – A Literatura Africana e Afro-brasileira”. QUANDO: neste dia 21 de abril. ONDE: no palco principal da 9ª Feira do Livro de Joinville. QUANTO: o acesso à Feira do Livro e grátis. O livro custa R$ 25,00.

Diversão e conhecimento com Ronca e Cocada

20 de abril de 2012 0

Respeitar os animais é dever de todo cidadão. Porém, inúmeros deles sofrem com as ameaças do homem por causa da caça predatória ou pelas mudanças ocorridas em seu habitat natural. A onça-pintada, maior felino do continente americano, é um exemplo.

Conscientizar as crianças a respeito da situação atual deste bicho incrível utilizando lindos versos e ilustrações é a proposta de “Ronca e Cocada, as Onças-pintadas”, de Shirley Souza, editado pela Paulus (www.paulus.com.br) e integrante da coleção “Bicho de Todo Canto”. Por meio de temas sérios e complexos, como o perigo da extinção e o tráfico de animais, a autora permitiu que os filhotes Ronca e Cocada contassem a sua própria história.

“Por que dois filhotes? Porque dificilmente a onça-pintada tem um filhote por vez. E deixá-los falar é uma maneira de aproximar o livro do leitor. Imaginá-los conversando com as crianças me ajudou a fazer um texto leve, com ritmo de travessura”, explica.

O Ronca é irmão da Cocada, uma onça bastante palpiteira. De forma divertida, eles contam aos pequenos sobre suas brincadeiras, desafios e dificuldades. Uma delas é ficar sempre atento ao “bicho-homem”, que, segundo Ronca, mata mais do que come.

Além dos versos divertidos, o leitor encontrará algumas informações e curiosidades relacionadas à espécie, como as suas pintas, as quais assemelham-se às nossas digitais, diferenciando uma onça da outra, seu peso (ela pode chegar a 100 quilos quando adulta), seus territórios, seus hábitos, entre outras.

“Ronca e Cocada, as Onças-pintadas”, de Shirley Souza, com ilustrações de Edu Cardoso. Coleção “Bicho de Todo Canto”, Editora Paulus, 32 páginas R$ 24,00.

Morrendo de vergonha

19 de abril de 2012 0

Todo mundo conhece alguém que paga para não falar, que morre de medo de se expressar em público, enfim, tem a timidez do tamanho de um trem. O livro “Ui! Que Vergonha!”, de Graciela Repún, tem um menino assim: o Júlio.

Na obra, a autora apresenta uma história comovente e às vezes até engraçada envolvendo o menino. O garotinho é um menino igual a tantos outros. Mas, às vezes, ele se sente muito diferente e sofre por isso. Quando está em casa, tudo bem… mas quando aparece alguém ou alguma situação diferente, ele se retrai, fica quieto, tímido e, às vezes, até se esconde… Por que será que Júlio se sente assim? Seria insegurança, medo, falta de confiança?

Muito pai e muita mãe devem ter se identificado com o enredo do livro, seja porque tem um filho (ou uma filha) assim ou mesmo porque eles são assim. O importante é saber até que grau essa timidez, essa vergonha atrapalham no dia a dia. Se for o caso, buscar ajuda, que significa buscar um meio de ser um pouquinho mais feliz.

“Ui! Que Vergonha!”, de Graciela Repún, com ilustrações de Viviana Garófoli e tradução de Clene Salles. Editora Planeta Infantil, 24 páginas, R$ 24,90.


Oscar Wilde para os jovens

18 de abril de 2012 0

A sugestão de hoje é uma clássico da literatura mundial, adaptado por Douglas Tufano e Renata Tufano Ho, com edição da Paulus. “O Retrato de Dorian Gray” é tido como a obra-prima do escritor irlandês Oscar Wilde (1854-1900). A obra conta a história de um jovem inglês, Dorian Gray, que é extremamente bonito e inocente.

O rapaz é o modelo preferido do pintor Basil Hallward, e é no estúdio do artista que Dorian conhece lorde Henry Wotton, uma pessoa extremamente irônica, que vai influenciá-lo de modo decisivo. Quando Basil completa um retrato de Dorian, o moço fica tão fascinado com o que vê que deseja permanecer jovem para sempre.

O livro faz parte da coleção “Encontro com os Clássicos”, cujo objetivo principal é favorecer um primeiro contato com clássicos por meio de linguagem acessível às novas gerações, preservando o enredo e as principais características de cada obra, motivando o gosto pela boa leitura e pelo aprofundamento no conhecimento dessas obras-primas e de seus autores.

“O Retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde, com adaptação de Douglas Tufano e Renata Tufano Ho. Coleção Encontro com os Clássicos, Editora Paulus, 184 páginas, R$ 16,00.