Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de janeiro 2015

O Urubu-rei e Outros Contos do Brasil

30 de janeiro de 2015 0
Divulgação, Volta e Meia

Divulgação, Volta e Meia

O cordelista e pesquisador da cultura popular brasileira Marco Haurélio, na tentativa bem-sucedida de reunir contos populares recolhidos diretamente da memória coletiva do brasileiro, deu origem ao livro “O Urubu-rei e Outros Contos do Brasil”, que chega agora pela Volta e Meia – selo infantil da Editora Nova Alexandria. São 22 histórias apuradas entre 2005 e 2010, em um trabalho minucioso, que procura manter não só a essência como também a oralidade de tais narrativas.

A maior parte dos envolvidos no projeto é do interior da Bahia, onde a caatinga abraça o cerrado. As primeiras narrações se situam nos domínios da fábula, pois pertencem ao tempo em que os bichos falavam. Outras histórias têm base no conhecimento religioso, como em Adão e Eva, versão paralela ao relato bíblico do Gênesis. Neste, explica como surgiu o pomo de Adão, o gorgomilo, a origem da agricultura e do extrativismo vegetal.

Os contos de fadas também se fazem presentes, a exemplo de “O Cavalo Encantado” e de “Maria Borralheira”, uma versão muito bem “abrasileirada”, se assim podemos dizer, do clássico Cinderela, dos irmãos Grimm. O autor considera que, “dentre tantas pedras preciosas do nosso garimpo”, “O Urubu-Rei”, a versão baiana do Rei Lear, é a mais valiosa delas.

“O nosso conto, no entanto, ameniza o lado trágico da peça de Shakespeare, pois traz um príncipe enfeitiçado numa ave de rapina das regiões tropicais, o urubu-rei (Sarcoramphus papa), que vem a ser o salvador da heroína, expulsa e condenada à morte pelo pai por sua sinceridade no relato de um sonho”, diz ele.

Para dar um “empurrãozinho”, o Vocabulário tira a dúvida no caso de expressões como “de bucho”, que significa grávida; “tirar tirão”, que na verdade nada mais é que divertir-se à custa do outro. E sinônimos como “Cão”, referência ao diabo; “Manga”, que, em vez da fruta, refere-se ao pasto, entre outros.

Se essa obra, que une tantas outras em um projeto único – em número e qualidade –, é importante e essencial para o público infantil, deve também ser tratada como obrigatória para todos aqueles que desejam conhecer mais da cultura brasileira. São 87 páginas de uma leitura curiosa e instigante, que por muitas vezes permite ouvir a voz e sentir a velocidade no discurso de cada narrador, já que Haurélio preocupou-se muito com essas características.

“O Urubu-rei e Outros Contos do Brasil”, de Marco Haurélio. Editora Volta e Meia, 96 páginas, R$ 25,00.

Sonho Estrelado

29 de janeiro de 2015 0
Divulgação, Jardim dos Livros

Divulgação, Jardim dos Livros

O livro “Sonho Estrelado”, de José Ubaldo Baiano, é um hino à vida, ao trabalho, à luta para se superar e vencer os obstáculos da batalha diária para o autoconhecimento e o sucesso profissional.

José Ubaldo Tuca Baiano, um dos maiores homens de vendas do Brasil, narra sua infância pobre no interior da Bahia, a ajuda que teve de um parente melhor de vida, as lições que aprendeu, suas aventuras no Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, e o valor da amizade e da honestidade para seguir em frente e tornar-se um vitorioso.

Mesmo sem nunca ter tido qualquer paixão especial pelas letras – coisa que confessa, quando fala da sua mais tenra infância, em Uruçuca e, mais adiante, da sua juventude em Salvador, Baiano surpreende, reafirma uma das suas maiores virtudes, tão evidente ao longo do texto: a imensa capacidade de superação, produzindo um belo trabalho.

O livro, porém, não surpreende apenas por isso. Àqueles que alimentam certa rejeição a peregrinações ou coisas parecidas, a obra enseja a possibilidade de uma revisão de conceitos ou de preconceitos. O autor não sugere, explicitamente, mas a caminhada a Santiago propicia, quando nada, uma oportunidade única para os que, apressados pelas demandas do cotidiano da vida moderna, não se dão tempo a uma profunda reflexão e a uma ampla revisão de vida. A um encontro consigo mesmo. Afinal, como ele mesmo ressalta, as respostas às nossas inquietações podem estar dentro de nós mesmos.

Seu relato, simples e acessível a qualquer um, mostra como venceu na vida e como – com a criação de um círculo de grandes amizades que sempre o respeitaram – chegou a ajudar uns rapazes simples e diretos que há 20 anos o procuraram para vender sabão e carne e se transformaram em proprietários da maior empresa privada brasileira, o Grupo JBS, dono da Friboi. A apresentação do livro fica por conta do grande amigo e parceiro Joesley Batista, presidente da holding J&F, que controla o Grupo JBS.

“Sonho Estrelado”, de José Ubaldo Baiano. Editora Jardim dos Livros, 148 páginas, R$ 29,90.

O mistério de minha família

28 de janeiro de 2015 0
Divulgação, Caramelo

Divulgação, Caramelo

A irmã do meu pai é minha tia? E os primos deles, são meus o quê? Todas essas dúvidas soam tão familiares! Mas, ao mesmo tempo, parecem fazer parte de algum mistério…

Graças a pistas espalhadas pela casa, trechos soltos de conversas e fontes muito especiais, uma garotinha esperta, protagonista do livro “O Mistério de Minha Família”, de Anna Manso, se mune de sua lupa para investigar um caso para lá de intrigante: quais os tipos de ligações que existem entre seus parentes.

A cada página, uma aba se desdobra para esclarecer esses elos com a ajuda de uma árvore genealógica. E, no final do livro, o pequeno leitor encontrará uma segunda árvore, para que ele também possa desvendar os laços que unem os integrantes de sua própria família.

“O Mistério de Minha Família”, de Anna Manso, com ilustrações de Susana del Baño. Editora Caramelo, 24 páginas (capa dura), R$ 42,00.

O Portal de Magmund

27 de janeiro de 2015 0
Divulgação, Gutenberg

Divulgação, Gutenberg

Magia, fantasmas, bruxas, gnomos e muita aventura permeiam o romance juvenil “O Portal de Magmund”, de Marcos Baccarini. Com uma narrativa ágil e pontuada por elementos fantásticos, a obra promete conquistar os leitores pré-adolescentes, fãs de histórias como “Percy Jackson” e “As Crônicas de Nárnia”.

A obra já começa com um mistério: o desaparecimento do totem sagrado da cidade de ValaMares. Para complicar, o sumiço é acompanhado por uma preocupante lenda, que prenuncia a chegada do Duocáptero, um temível dragão de duas cabeças que virá de um mundo chamado Magmund, deixando pânico e destruição em seu rastro de fogo.

A missão de evitar o desastre iminente e fechar o portal entre os dois mundos ficará a cargo de quatro garotos, um cão, uma coruja e mais alguns convidados inesperados, que se juntarão à tarefa por vontade própria – ou não. Enquanto os adultos e investigadores buscam descobrir se as lendas e os mitos sobre portais e ladrões de relíquias são verdadeiros, Krigo, Petronius, Rita e Valentina aceitam o desafio de desvendar os antigos mistérios entre ValaMares e Magmund por conta própria – ou, de repente, com a ajuda de alguns dons inesperados que por acaso possam se revelar neles.

Marcos Baccarini tem um jeito clássico de contar histórias, ressaltando as virtudes dos personagens, que precisarão a todo instante se unir para enfrentar os perigos. O Portal de Magmund é o livro de estreia do autor e promete encantar meninos e meninas que gostam de uma boa aventura.

“O Portal de Magmund”, de Marcos Baccarini, com ilustrações de Mirella Spinelli. Editora Gutenberg, 384 páginas, R$ 34,90.

Joana no Trem

26 de janeiro de 2015 0
Divulgação, Brinque-Book

Divulgação, Brinque-Book

A sugestão desta segunda-feira, “Joana no Trem”, de Kathrin Schärer, conta que uma porquinha vai viajar. Enquanto isso, a ilustradora trabalha em sua mesa…

Um trem viaja pelo país. Um trem comprido, com muitos vagões, muitas cabines e rodas trepidantes. Assim começa a história de Joana, uma divertida porquinha que interage com a ilustradora enquanto a artista ainda cria a história. Com este diálogo divertido entre autora e personagem, o leitor vai sentir como se estivesse fazendo parte do processo de criação do livro.

Esta surpreendente história permite trabalhar temas como criatividade e aventura.Nesta instigante aventura, a autora cria um engenhoso enredo no qual ilustrador e personagem discutem, argumentam e, juntas, modificam o desenrolar da história. Será que a ilustradora vai ceder o controle da sua criação à teimosa porquinha Joana? O que pode acontecer quando essa personagem ganha vida própria?

“Joana no Trem”, texto e ilustrações de Kathrin Schärer, com tradução de José Feres Sabino. Editora Brinque-Book, 42 páginas, R$ 32,30.

A loucura do suricato

23 de janeiro de 2015 0
Divulgação, WMF Martins Fontes

Divulgação, WMF Martins Fontes

A sugestão de hoje traz um bichinho que não é muito comum nas histórias contadas para as crianças, mas que vem ganhando espaço. Nos últimos tempos, os suricatos chegaram com tudo ao conhecimento e às histórias das crianças brasileiras.

Mimi, Squima e Sonhinho adoram ouvir histórias dos tempos gloriosos do seu Tio. Só não sabem muito bem se acreditam nele. Mas então encontram um objeto misterioso enterrado na areia e, por sua vez, acabam se envolvendo numa aventura arriscada!

O livro “A Loucura do Suricato”, de Yan Whybrow, conta a história de um grupo de suricatos que entra em contato pela primeira vez com seres humanos. Com muito humor, o autor mostra a visão que esses animais têm dos homens, e vice-versa.

“A Loucura do Suricato”, de Yan Whybrow, com ilustrações de Sam Hearn e tradução de Monica Staehl. Editora WMF Martins Fontes, 184 páginas, R$ 29,90.

A Chave do Tamanho

22 de janeiro de 2015 0
Divulgação

Divulgação

O livro “A Chave do Tamanho”, de Monteiro Lobato, narra a ousada aventura de Emília à Casa das Chaves, local onde se regulam as coisas do mundo. Preocupada em acabar com a guerra, que havia destruído muitas vidas, Emília decide interferir e desligar a chave que a comandava, mas acaba mexendo na chave do tamanho e diminuindo a altura de toda a humanidade.

Com poucos centímetros, a boneca aprende a relacionar-se de outra forma com a natureza. Em seu caminho de volta para o Sítio, Emília observa atentamente a vida dos pequenos animais, sempre demonstrando seus conhecimentos científicos, muitos dos quais adquiridos em companhia do sábio Visconde de Sabugosa.

Apesar dos novos perigos a que fica exposta, consegue ver vantagens no novo tamanho e pensa que a civilização poderia se beneficiar das novas proporções.

“A Chave do Tamanho”, de Monteiro Lobato, com ilustrações Paulo Borges. Editora Globo, 128 páginas, R$ 26,00.

A Raposinha, O Urso e a Gatinha

21 de janeiro de 2015 0
Divulgação, Caramelo

Divulgação, Caramelo

É difícil quem não goste de ouvir uma bela fábula. Todo mundo está acostumado com mula sem cabeça, boitatá, bicho-papão… A sugestão de hoje, “A Raposinha, O Urso e a Gatinha”, de Luciana Garcia, traz bichos mais “familiares”. Tá, tudo bem, urso não é o que se pode dizer de um animal que se vê todo dia, mas pelo menos não tem cabeça de fogo ou vive correndo atrás de criancinhas que não querem dormir.

O livro faz parte da coleção “Novas Fábulas” e traz o encantamento das mais tradicionais desse gênero, mas agora com imagem e conteúdo renovados. Luciana Garcia – autora da trilogia “O Mais Legal do Folclore”, “O Mais Misterioso do Folclore” e “O Mais Assustador do Folclore” – criou novas histórias vividas pelos animais da floresta.

Assim como as fábulas de antigamente, essas também trazem uma mensagem ao final da história. E tudo é contado em versos, para envolver ainda mais a criança.

“A Raposinha, O Urso e a Gatinha”, de Luciana Garcia, com ilustrações de Aline Abreu. Editora Caramelo, 32 páginas, R$ 31,00.

Antes que o sonho acabe

20 de janeiro de 2015 0
Divulgação, Geração

Divulgação, Geração

Baseado em fatos reais, “Antes que o Sonho Acabe”, de Hermes Leal, é uma aula sobre o episódio de caça aos comunistas na selva amazônica, mas, sobretudo, a história de um adolescente sonhador, que vira herói sem querer. Os acontecimentos se desenrolam nos anos 60 e 70 do século 20. O personagem Daniel relata a sua visão sobre aspectos da guerrilha e da ditadura militar brasileira (1964-1971), período em que passou a infância e a adolescência em lugares remotos do Norte do Brasil, às margens do rio Tocantins, não muito distante do rio Araguaia. Para lá se embrenharam parte dos guerrilheiros brasileiros que sonhavam com uma sociedade igualitária, influenciados pelos ideais socialistas e comunistas soprados pela ex-União Soviética e Cuba. Eram estudantes de São Paulo e Rio de Janeiro, em sua maioria. Chamados de terroristas, eles se instalaram inicialmente às margens do Tocantins e depois migraram para áreas de combate na selva, próximo às cidades de Marabá (PA) e Xambioá (TO).

Se o povo das grandes cidades apenas ouvia falar “dos tais comunistas que comiam criancinhas”, o personagem Daniel viveu bem pertinho deles e percebeu que a história está mal contada. Os absurdos que presenciou logo o levaram a ajudar um casal de guerrilheiros (Diana e Osvaldo) a fugir pela floresta amazônica, escapando, os três, sob o fogo cruzado do Exército. O envolvimento deu-se por acaso, mas, de qualquer modo, Daniel acabou tomando partido, colocando a própria vida em risco. E percebeu que a ditadura espalhava boatos mentirosos acerca dos “terroristas”, para que eles fossem caçados como bichos pelos mateiros e pistoleiros da região, os quais recebiam pelo “serviço”. A ordem era prender, torturar, arrancar o máximo de informações e matar. Antes de se envolver com a guerrilha acidentalmente, o maior sonho de Daniel, um rapaz até então ingênuo, sem nenhuma formação política, era, simplesmente, fugir daquele fim de mundo e procurar uma vida melhor. Ele tentou fazer isso várias vezes, mas as circunstâncias começaram a enredá-lo como uma caça presa na armadilha. Embora criado de maneira selvagem, nadando em rios caudalosos ao lado de filhotes de sucuris, o seu maior desejo era, mesmo, ir morar no Rio de Janeiro ou em outra cidade de que tanto o rádio falava.

A televisão ainda estava chegando aos lares brasileiros das grandes cidades e o mundo vivia as ameaças da Guerra Fria, de um possível confronto entre russos e norte-americanos. O País estava sob o Ato Institucional nº 5, instrumento que a ditadura usava para censurar músicas, filmes, livros e até mesmo o ato de pensar. Também transcorria a Guerra do Vietnã. Os Beatles e o rock conquistavam o mundo. O pai de Daniel, um ferreiro matuto que batia no filho para “educá-lo”, construía obsessivamente um abrigo antiaéreo para proteger a família, composta por outras três filhas (a mulher havia morrido com malária). Russos e americanos prometiam destruir o mundo caso entrassem em guerra. A Terceira Guerra Mundial poderia eclodir a qualquer momento. É neste clima que Daniel, apaixonado por Heloísa, uma garota da região, ficou dividido após conhecer a guerrilheira Diana, que ajudara a fugir pela selva. Daniel jamais seria o mesmo, saindo ou não daquele sertão profundo. A história foi ao encontro dele e o abraçou bem forte.

“Antes que o Sonho Acabe”, de Hermes Leal. Geração Editorial, 280 páginas, R$ 29,90.

Conte uma História, Estela

19 de janeiro de 2015 0
Divulgação, Brinque-Book

Divulgação, Brinque-Book

No adorável livro “Conte uma História, Estela”, de Marie-Louise Gay, Marcos está mais ocupado do que nunca, e Estela está, como quase sempre, com o nariz em meio a livros. Ainda assim, a menina encontra tempo para ajudar o irmão em seu projeto, além de compartilhar com ele os prazeres da leitura com um entusiasmo único e contagiante.

Estela lê para Marcos balançando-se numa rede, caminhando perto da lagoa ou pendurada de ponta-cabeça num galho, como um morcego. Os dois examinam libélulas, ensinam o cachorro Fred a empinar pipa e espiam nuvens em formato de coelho no céu.

As cativantes ilustrações em aquarela e o texto engraçado de Marie-Louise criam um mundo em que a leitura enriquece a beleza e a fantasia de um dia perfeito.

“Conte uma História, Estela”, de Marie-Louise Gay, com tradução de Gilda de Aquino. Coleção “Brinque-Book na Mochila”, Editora Brinque-Book, 36 páginas, R$ 29,90.