Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de março 2015

Fico, o Gato do Rabo Emplumado

31 de março de 2015 0
Divulgação, Global

Divulgação, Global

“Fico, o Gato do Rabo Emplumado”, escrito por Darcy Ribeiro e ilustrado por Luciano Tasso, conta a história de um gato danado de exibido. Na verdade, um tanto complexado.

A doidice é tanta que ele olha o rabinho à toa dele e vê, e mostra, e quer que todo mundo veja e admire naquele toquinho de rabo a tal cauda colorida. Convivendo com outros felinos no Largo da Gataria, sente no pelo os apuros de ser um bichano que se diz diferente dos demais.

Gatos gostam de brincar e fazer estripulias. São animais sempre lembrados por sua graça e beleza. Uma história divertida, sobre as peripécias desse gato vaidoso e maluco, convicto de que tem um rabo de galo índio, causador de muitas intrigas e confusão.

O autor Darcy Ribeiro nasceu em Montes Claros, Minas Gerais, em 26 de outubro de 1922. Formado em Ciências Sociais na Escola de Sociologia e Política de São Paulo, em 1946, Darcy construiu uma brilhante carreira intelectual de projeção internacional, notadamente nos campos da antropologia e da etnologia. Destacou-se como escritor, educador e político, além de ter sido figura presente nos momentos centrais da história brasileira da segunda metade do século 20. Foi senador entre 1991 e 1997 e membro da Academia Brasileira de Letras. Faleceu em Brasília em 17 de fevereiro de 1997.

“Fico, o Gato do Rabo Emplumado”, de Darcy Ribeiro, com ilustrações de Luciano Tasso. Global Editora, 88 páginas, R$ 42.

A importância de se aprender Lógica

30 de março de 2015 0
Divulgação, Ensinart

Divulgação, Ensinart

Qual a importância de se aprender Lógica? Matemática, Filosofia, Geografia, História, Química, Física, o que todas essas matérias têm em comum é que cada uma depende de certos padrões de racionalidade para que se aceitem as coisas como verdadeiras ou falsas; para compreensão e aprendizagem. E todos esses princípios de racionalidade estão firmados nas leis da Lógica.

Hoje, a Lógica se faz necessária no dia a dia de qualquer pessoa. É essencial que se tenha um raciocínio lógico não só para questões mais complexas, mas também as mais simples. E a importância do ensino da Lógica fica evidente com a decisão da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que, a partir de 2014, inseriu questões de Lógica no teste do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa).

Visando a abraçar esse público que não tem muitos materiais específicos de estudo à disposição, a Editora Ensinart investe no ensino da Lógica. Em dezembro de 2014, a editora promoveu o lançamento de “Linguagem, Prova e Lógica (LPL)” no Brasil. Livro que foi traduzido com exclusividade por ela para os brasileiros. No evento, o público ainda teve o privilégio de poder conversar pessoalmente com um dos idealizadores da obra e professor da Universidade de Stanford, Dave Barker-Plummer.

O livro traduzido para o português é uma parceria entre a Ensinart e a Universidade de Stanford, responsável pelo projeto. “LPL” é um pacote completo de texto e software que fornece uma introdução autocontida aos conceitos básicos da Lógica, sendo elas: linguagem, verdade, argumento, consequência, prova e contraexemplo.

O texto que compõe a obra não assume qualquer estudo prévio de Lógica e é apropriado para cursos introdutórios e avançados desse segmento. Instrutores em Filosofia, Ciência da Computação e Matemática encontrarão um amplo material para permitir a cobertura de temas específicos as suas disciplinas.

Este pacote da Editora Ensinart é composto pelo livro “Linguagem, Prova e Lógica”, uma versão atualizada e melhorada do premiado programa Mundo de Tarski – que ensina o básico da lógica de primeira ordem –, o manuscrito completo do texto em formato Adobe PDF e o software que contém programas que são multiplataforma e podem ser usados em Macintosh e Windows.

Com esse material exclusivo e indispensável, o público brasileiro terá acesso a um ensino de alto nível sobre Lógica.

“Linguagem, Prova e Lógica”, de Dave Barker-Plummer, Jon Barwise e John Etchemendy. Editora Ensinart, 652 páginas, R$ 189,00.

O Mundo de Aisha

26 de março de 2015 0
Divulgação, Nemo

Divulgação, Nemo

Obrigadas a se casar ainda na puberdade e reconhecidas apenas pelos seus olhos, as iemenitas vivem subjugadas pela crueldade de uma cultura de extrema tradição religiosa. A fotojornalista Agnes Montanari decidiu investigar essa triste realidade e, após passar três meses vivendo no país, produziu um material que revela a dinâmica de uma nação paupérrima e fundamentalista – onde as mulheres estão sujeitas à vontade dos pais, irmãos e maridos, sendo tratadas como propriedades e desprovidas de humanidade.

O emocionante retrato da luta pelo direito à liberdade é o principal tema de “O Mundo de Aisha – a Revolução Silenciosa das Mulheres do Iêmen”. A obra originalmente italiana foi lançada em 2013 e chega ao Brasil com tradução de Fernando Scheibe diretamente do original com o apoio da publicação francesa.

Desenhadas em preto e branco e em curtos capítulos, as histórias de Aisha, Sabiha, Hamedda, Houssen, Ghada, Ouda e Fatinsão reunidas e contadas por meio das ilustrações e do roteiro de Ugo Bertotti.  Os fortes reflexos do islamismo, a tradição dos casamentos arranjados, a submissão das mulheres aos seus maridos, o uso do véu por meninas que anseiam por exercer direitos que lhe são sistematicamente negados, a coragem e a determinação dessas mulheres são apenas alguns dos temas que estimulam o leitor a um mergulho no Iêmen até então desconhecido.

Com base em entrevistas com mais de 30 mulheres, “O Mundo de Aisha” revela, ao longo das 144 páginas, fotos verídicas que dão vida às personagens ali retratadas. A graphic novel consegue documentar o silêncio, a tortura e a esperança das mulheres iemenitas que aspiram à liberdade e que tanto têm a dizer atrás de seu niqab, o véu negro que cobre o rosto das mulheres, deixando apenas os olhos descobertos.

“O Mundo de Aisha: a Revolução Silenciosa das Mulheres no Iêmen”, de Ugo Bertotti, com tradução de Fernando Scheibe. Editora Nemo, 144 páginas, R$ 39,90.

Um Bandeira apaixonado

25 de março de 2015 0
Divulgação, Global Editora

Divulgação, Global Editora

Pernas trêmulas, calafrios na barriga… Quem é que nunca sentiu o coração arder e perdeu uma noite de sono sonhando acordado, sorrindo ou chorando comovido? Em Teadorar, Manuel Bandeira, o poeta de Pasárgada, nos presenteia com 20 poemas sobre o amor. Acompanhados pelos traços certeiros de Orlando Pedroso, os textos apresentam os impulsos da paixão que surgem para dizer que estamos vivos.

Em um de seus poemas, Bandeira celebrou ter inventado um novo verbo: teadorar. Nesta obra apaixonada, graças à sua ousadia e simplicidade, vemos Bandeira preenchendo tudo aquilo que parece comum em nosso dia a dia com tons de fantasia, elemento essencial para que todos desenvolvam sua capacidade criativa e o gosto pela leitura.

Apaixone-se!

“Mandaste a sombra de um beijo
Na brancura de um papel:
Tremi de susto e desejo,
Beijei chorando o papel.”

“Teadorar”, de Manuel Bandeira, com ilustrações de Orlando Pedroso. Global Editora, 56 páginas, R$ 31,00.

A Casa do meu Avô

24 de março de 2015 0
Divulgação

Divulgação

Quem não gosta de ir à casa dos avós? Nesta deliciosa, terna e bem-humorada narrativa, por meio dos poemas, o leitor vai sendo levado por um alguém que faz qualquer coisa para chegar à casa do avô. E não é difícil entender o porquê!

A cada página virada do livro “A Casa do meu Avô”, a cada poema lido vai se descobrindo um pouquinho dos diferentes personagens que habitam a casa: um tio biruta, uma cozinheira que parece feiticeira, um cachorro furioso, um jardineiro português, uma vizinha que desperta sentimentos.

O leitor é conduzido (vai sendo levado pela mão) pelo narrador e convidado a conhecer os espaços, os mistérios, as dores, as loucuras, os amores, os quitutes, as façanhas, os segredos e as brincadeiras desse lugar tão especial.

O texto e as ilustrações são de Ricardo Azevedo, renomado escritor, com livros publicados na Alemanha, Portugal, México, França e Holanda, além de e textos em coletâneas publicadaos na Costa Rica e no Kuwait.

“A Casa do meu Avô”, texto e ilustrações de Ricardo Azevedo. Editora Ática, 32 páginas, R$ 37,50.

Minha Bíblia de Pijama

23 de março de 2015 0
Divulgação, SBB

Divulgação, SBB

Sabe aquela hora de o seu pimpolho (ou a sua “pimpolha” dormir? É comum que as crianças peçam para contar uma história antes de cair no sono. Que tal aproveitar esse momento e narrar passagens bíblicas?

O livro “Minha Bíblia de Pijama” (“My Pajama Bible”), de Andy Holmes, vai tornar a hora de ir para cama das crianças um momento especial. Antes de dormir, os pequenos vão adorar ouvir histórias da Bíblia, enquanto se aconchegam em seus pijamas.

O livro traz ilustrações divertidas que despertam a atenção da criança para o amor de Deus e seus ensinamentos. Com linguagem simples, de fácil compreensão, tem texto em dois idiomas: português e inglês. São 30 narrativas do Antigo e do Novo Testamentos, com vocabulário destacado em negrito, para facilitar o aprendizado dos dois idiomas.

“Minha Bíblia de Pijama” (“My Pajama Bible”), de Andy Holmes, com ilustrações de Tim O’Connor. Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), 64 páginas, R$ 9,90.

Não façam isso com a Carlota!

20 de março de 2015 0
Divulgação, FTD

Divulgação, FTD

A sugestão desta sexta-feira traz um tema muito atual, já enfocado pelo blog, mas nunca é demais se o objetivo for pelo menos diminuir bastante essa praga chamada bullying.

Pode ser uma brincadeira para quem o pratica, mas não tem graça nenhuma para a vítima, que geralmente tem sua autoestima jogada lá no porão. Isso quando as consequências não são ainda mais desastrosas.

No livro “Carlota Bolota”, de Cristina Porto, a personagem narra sua vida desde o nascimento, marcada pelos episódios de bullying devido à obesidade. A discriminação começa na própria casa, pelo apelido colocado pelo irmão. A história chega ao seu apogeu quando Carlota torna-se craque de um time de futebol.

Só para lembrar: 7 de abril é o Dia Nacional de Combate ao Bullying e à Violência na Escola. Essa data foi escolhida porque foi em 7 de abril de 2011 que ocorreu um dos mais marcantes atentados dentro de uma escola brasileira. O ex-aluno Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, invadiu a Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro do Realengo, Rio de Janeiro. Armado, começou a disparar contra os alunos dentro de uma das salas de aula. No ataque, matou doze estudantes com idade entre 12 e 15 anos, além de ter deixado outros 20 feridos. O atirador, que havia sido vítima de bullying quando era aluno daquela escola em sua adolescência, cometeu suicídio logo após a ação, em episódio que ficou conhecido no País como o Massacre do Realengo.

“Carlota Bolota”, de Cristina Porto com ilustrações de Bruna Assis Brasil. Editora FTD, 40 páginas, R$ 36,90.

O importante estímulo à literatura infantojuvenil

19 de março de 2015 0
Antonio Luiz Rios. Foto: Divulgação

Antonio Luiz Rios. Foto: Divulgação

Antonio Luiz Rios,
diretor-superintendente da Editora FTD

O Brasil tem mais de 50 milhões de alunos matriculados na educação básica. São cerca de 7,5 milhões na educação infantil, 29,06 milhões no ensino fundamental, 8,3 milhões no ensino médio e cerca de cinco milhões em cursos de suplementação e profissionalizantes. Dentre os requisitos para a excelência de sua escolaridade, uma prioridade nacional, incluiu-se o acesso ao livro, ferramenta imprescindível para a apropriação de cultura e conhecimento geral e didático.

Uma informação positiva é que o mercado editorial de nosso país produz obras de qualidade para todos os segmentos de alunos da educação básica. Há livros apropriados para as crianças que frequentam as creches, até os alunos do último ano do ensino médio, passando pelos matriculados no fundamental. Daí a importância dos programas governamentais de aquisição e distribuição de livros aos estudantes das escolas públicas, oferecendo-lhes um instrumento decisivo para a sua formação.

Por outro lado, precisamos avançar muito no tocante ao hábito de leitura, estimulando-o cada vez mais — e além das salas de aula —, de modo que se constitua, como em várias nações, num fator decisivo para a transformação positiva da sociedade e do País. Nesse sentido, é prioritário estimular a leitura desde a infância, pois ao perceber o encanto do universo do livro e descobrir todas as portas que ele abre, o indivíduo dificilmente deixará de ser um leitor ao longo de toda a sua vida.

Portanto, para conquistarmos a meta tão almejada de que o Brasil seja um país de leitores, não há outro caminho senão despertar nas crianças e adolescentes o gosto pela leitura. Significativa contribuição para isso foi o fato de o livro do ano na categoria ficção do Prêmio Jabuti 2014, o mais importante do mercado editorial brasileiro, ter sido Breve História de um Pequeno Amor, de Marina Colasanti. Tal conquista para uma obra infantojuvenil chama a atenção de todos para esse segmento da literatura.

Ao fazermos uma reflexão sobre a relevância da leitura para o público infantojuvenil, é pertinente lembrarmos o 25º aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança, celebrado dia 20 de novembro, em Nova York, pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Na ocasião, o comitê responsável pelo monitoramento desse programa ressaltou a importância da participação ativa das crianças nas discussões que afetem suas vidas.

“As crianças podem ser agentes ativos da mudança em suas famílias, escolas, comunidades e países, uma vez que suas percepções são diferenciadas em relação às visões dos adultos”, diz um dos trechos da declaração oficial comemorativa ao jubileu de prata. Por isso, a participação das camadas mais jovens deve ser efetiva e interpretada como um direito, que avançou bastante desde a adoção da convenção, que conta com a assinatura de 194 países.

Pois bem, para que as crianças e jovens participem de modo efetivo como agentes das transformações que os beneficiem, precisam apoderar-se, cada vez mais, do conhecimento que os livros lhes proporcionam. Este é um caminho eficaz para a solução dos problemas que ainda afetam a infância no mundo todo, a melhoria da qualidade da vida e o avanço da sociedade global.

Solidariedade e superação em "Kamazu"

18 de março de 2015 0
Divulgação, Mundo Mirim

Divulgação, Mundo Mirim

Em reconto de uma tradicional lenda angolana (“O Rapaz e o Rio”), a escritora e ilustradora Carla Caruso apresenta em sua obra intitulada “Kamazu” valores éticos e morais para crianças. Baseando-se na história original e acrescentando elementos característicos da cultura angolana, a autora conta a história de um jovem escravo chamado Kamazu, que vê a sua vida mudar após receber conselhos de uma velha escrava e os seres da floresta.

O enredo apresenta a vida difícil que o personagem central se encontrava, até o dia em que, por meio de um sonho, o rio o presenteou com uma caixa de ervas medicinais e uma pedra mágica, retirada dos olhos de um peixe. O simples presente e a solidariedade de Kamazu foram suficientes para a grande mudança que aconteceria em sua vida.

Com ilustrações feitas à base de uma técnica de pintura e colagem, as cores e formas peculiares que compõem o livro contribuem para formar uma narrativa envolvente, resultado de uma grande pesquisa feita pela autora sobre a cultura angolana.

“O que você fizer, faça-o bem-feito: um homem deve ter aspirações, deve subir até onde puder chegar.”

Os valores morais e éticos que se escondem na história de Kamazu proporcionam a discussão de diversos contextos que contribuem para a formação das crianças. Publicação da Editora Mundo Mirim, esta obra aborda assuntos importantes, como respeito aos mais velhos, reconhecimento, relação do homem com a natureza e até mesmo a busca de sua identidade. Tudo isso mesclado a uma narrativa linear e um enredo cativante.

“Kamazu”, texto e ilustrações de Carla Caruso. Editora Mirim, 32 páginas, R$ 34,90.

O Domingo Trocado

16 de março de 2015 0
Divulgação, Brinque-Book

Divulgação, Brinque-Book

Jonas, personagem do livro “O Domingo Trocado”, de Ruth Löbner, é filho de pais separados. De segunda a sexta, o garoto mora com Ana, sua mãe. Nos fins de semana, troca de casa para morar com Pedro, seu pai, que é um grande atrapalhado!

Nos dias em que passam juntos, tudo dá errado. Depois de mais um sábado cheio de trapalhadas, Jonas tem uma ótima ideia: trocar de papel com seu pai. “Eu faço as coisas que você faz normalmente e você, as minhas. Hoje eu sou o pai e você é o filho! O que acha? Eu dou conta, pode ter certeza!”, diz. Pedro topa o desafio, e tudo funciona perfeitamente até irem ao parque para tomar sorvete e viverem algo inesperado.

A narrativa do livro permite trabalhar temas como relacionamento familiar e cotidiano. É possível explorar a obra demonstrando que existem diferentes tipos de famílias e que a diversidade é perfeitamente normal, sendo o afeto, o amor, o cuidado, o carinho e o respeito os sentimentos mais importantes em todos os lares.

“O Domingo Trocado”, de Ruth Löbner, com ilustrações de SaBine Büchner e tradução de Hedi Gnädinger. Editora Brinque-Book, 64 páginas, R$ 24,20.