Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de agosto 2015

O menino do dedo fino

31 de agosto de 2015 0
o menino do dedo fino

Divulgação

A jornalista e escritora Dani Garcia acaba de lançar seu novo livro, “O Menino do Dedo Fino”. O livro foi financiado pela Fundação Municipal de Cultura, por meio de projeto aprovado na segunda edição do Edital Ivone Pires de Incentivo à Cultura 2015.

A Escola Felicidade Pinto Figueredo foi a primeira unidade escolar a receber o lançamento da obra, no dia 25 de agosto. Cerca de 150 crianças da escola receberam gratuitamente o novo livro da escritora infantil, que já tem outros três livros infantis publicados. Outros alunos da unidade escolar também realizaram homenagem à escritora durante a Semana Literária na Escola.

No dia 26, a escritora também esteve na Escola Especial Deus Menino, Apae de Balneário Piçarras, para fazer a doação de dez exemplares do livro, além de um exemplar do livro no tamanho ampliado, produzido para alunos de baixa visão. No mesmo dia, Dani Garcia também entregou ao diretor da Fundação Municipal de Cultura, Vanderlei Lazzarotti, cem exemplares (10% do produzido), além de um livro ampliado, em contrapartida ao financiamento do projeto, para distribuição às bibliotecas das escola, creches e à Biblioteca Municipal.

Segundo a escritora, outros lançamentos nas escolas já estão programados. No dia 1º de setembro, a Escola Monteiro Lobato deve receber a escritora, com distribuição de livros para alunos de 3º e 4º anos. No dia 3 de setembro será a vez da Escola de São Brás receber o lançamento da obra, assim como o Cief, no dia 10 de setembro. A intenção da escritora ainda é fazer o lançamento na Escola Francisca Borba, ainda em setembro, além de distribuição de livros para bibliotecas das escolas Alexandre Guilherme Figueredo, Adolfo Cabral, Prisma e Crandon. Escolas de Barra Velha e Penha também já se interessaram em receber a escritora para conhecer a obra.

Contatos para palestras e visitas nas escolas podem ser feitos pelo e-mail da escritora: danig30@gmail.com.

O livro

O livro infantil “O Menino do Dedo Fino” tem 16 páginas, coloridas com ilustrações do jovem Guilherme Roemers, de 16 anos, edição da Oficina Birô de Criação, do jornalista Luiz Garcia, e impressão da Nova Letra. O enredo traz, em forma de prosa poética, a história do menino Crispino, que nasceu numa cidade pequena do interior do País. Ele é educado, estudioso e adora jogar bola. Mas todo mundo só o conhece por causa de sua característica especial: ele tem o dedo indicador grande e fino. Por causa desse detalhe de nascença, Crispino sempre foi motivo de piada.

Até que um dia, Crispino descobre um talento especial e aí passa a chamar mais atenção e viver muitos dilemas. Nessa história, Crispino descobre a importância de se amar do jeito que é e valorizar suas habilidades especiais.

“O Menino do Dedo Fino”, de Dani Garcia, com ilustrações de Guilherme Roemers. Oficina Birô de Criação, 16 páginas. O livro será distribuído em escolas.

Aventuras com as Guerreiras de Gaia

28 de agosto de 2015 0
Divulgação, Gaia

Divulgação, Gaia

Após encontrar um misterioso amuleto acompanhado de um cartão com seu nome, a jovem Kitara se enche de perguntas. Na busca por explicações, encontra outras quatro mulheres que tiveram suas vidas cruzadas por amuletos iguais.

Juntas, são levadas a abandonar suas vidas normais e se transportar para Gaiatmã, uma dimensão fantástica que está ameaçada pelos terríveis e sombrios Metazeus. Escolhidas por suas habilidades especiais, Laia, Demétria, Liluá, Felícia e Kitara são as “Guerreiras de Gaia” destinadas a salvar mundo.

Combinando mitologia, filosofia oriental, esoterismo e física quântica, “Guerreiras de Gaia”, de Gisele Mirabai, é um convite para o leitor conhecer uma terra onde humanos convivem com fadas e duendes e, ao mesmo tempo, acompanhar uma aventura criativa e emocionante. De forma envolvente, a autora transporta qualquer pessoa para um universo místico e fantástico por meio de uma narrativa rica em detalhes.

“Guerreiras de Gaia”, de Gisele Mirabai. Editora Gaia, 264 páginas, R$ 39.

15 Vidas Passadas

27 de agosto de 2015 0
Divulgação, Boa Nova

Divulgação, Boa Nova

Deficiências, miséria, atos de crueldade, situações de abandono. Como explicar a causa de grandes sofrimentos que atravessam a história da humanidade?

O livro “15 Vidas Passadas” esclarece, sob a perspectiva espírita, as histórias por trás de situações de padecimento ocorridas em diferentes épocas. Selecionados a partir da psicografia de Amália Domingo Soler – a mais conhecida médium espanhola –, os casos revelam a lei de causa e efeito a partir de 15 casos de reencarnação.

A maioria dos capítulos é dividida em quatro partes: relato do acontecimento, que expõe uma história de sofrimento e dor do passado; comentário da médium diante daquele caso (não está em todos os capítulos); psicografia do espírito guia, que explica por que todo aquele sofrimento ocorreu; e reflexão sobre o acontecido.

A obra narra casos como o de um menino maltratado por ciganos, que o mostravam como um garoto selvagem, sem membros inferiores e de língua estranha. Na verdade, o garoto falava a língua das regiões da Galícia, de onde foi levado, e ficava em uma posição prejudicial que lhe custou uma singular forma de paraplegia.

A pungente realidade daquela criança durou dez anos e é explicada pelo espírito guia, que afirma que, em uma vida passada, o menino era um senhor que fazia estudos cruéis, a fim de saber se a inteligência humana teria melhor desenvolvimento em um corpo saudável ou em um corpo prejudicado pela paralisia de seus membros inferiores.

A partir dos relatos, psicografias e reflexões distribuídos em 192 páginas, o livro pretende mostrar a necessidade de conhecer as leis divinas para compreender acontecimentos do passado e tornar o futuro melhor.

“15 Vidas Passadas”, de Amália Domingo Soler, com tradução de Luis Hu Rivas. Editora Boa Nova, 192 páginas, R$ 23,00.

Ora bolas! Vamos colorir o mundo animal

26 de agosto de 2015 0
Divulgação, Butterfly

Divulgação, Butterfly

BolliDraws® (bolli = bola e draws = desenho) é um nome fantasia registrado e criado pela experiente arquiteta, artista, designer, ilustradora e especialista em design gráfico Vanessa Peretti. A arte inventada pela paulistana consiste em desenhos construídos a partir de círculos, sem nenhuma linha reta. Depois de trabalhar durante anos com círculos e muitas cores, Vanessa decidiu inovar: “Chegou um momento que pensei em criar algo em que houvesse uma aplicação mais ampla e padronizada e que pudesse ter um diferencial no mercado. Algo que pudesse transcender qualquer suporte bidimensional, como uma tela ou uma folha de papel. Comecei então a criar e testar padrões de construção com os círculos e as cores”.

Agora, em parceria com a Butterfly Editora, ela lança “Ora Bolas! Colorindo o Mundo Animal”, um projeto composto por 30 lâminas (papéis) com desenhos de animais para colorir. Vanessa Peretti não usou nenhuma linha reta para a produção das ilustrações, que apresentam desde pássaros e mamíferos a peixes e roedores. Tem bicho para todos os gostos, como arara, flamingo, tucano, pinguim, leão, tamanduá, rinoceronte, tubarão e esquilo. Mas a escolha pelo tema para compor a obra foi proposital: chamar atenção para espécies que vivem em constante ameaça de extinção.

Quem gosta de colorir não vai precisar se esforçar para destacar a sua arte ou ficar com medo de a tinta vazar na folha seguinte. As 30 pranchas de “Ora Bolas!” ficam soltas dentro de uma caixa, prontas para servirem de diversão à família inteira.

“Ora Bolas! Colorindo o Mundo Animal”, de Vanessa Franco Peretti. Butterfly Editora, 30 páginas, R$ 29,90.

Era uma vez...

25 de agosto de 2015 0
Divulgação, Positivo

Divulgação, Positivo

A Editora Positivo lança neste segundo semestre de 2015, para o Brasil, o encantador “Era uma Vez…”, de Benjamin Lacombe. Com ilustrações que de fato saltam aos olhos dos leitores, o livro de pop-up apresenta oito contos clássicos em belíssimas imagens.

Entre as histórias estão “Alice no País das Maravilhas”, “Pinóquio”, “Peter Pan” e “Chapeuzinho Vermelho”, que ganham vida por meio desta técnica que requer um cuidadoso trabalho de arquitetura em papel. Por entre as páginas é possível sentir o ambiente de medo em boca de lobo ou em sinistros esconderijos de barbas azuis, além do jogo da vida e poder nas cartas do baralho de Alice. Ainda percebe-se a fragilidade de mulheres à mercê de fadas, madrastas e bruxas e a doce viagem de Peter Pan e Wendy rumo à infância.

Crianças e adultos são chamados a contar e recontar essas histórias nessa obra que é originalmente francesa, mas já teve traduções em italiano e espanhol. Assista ao booktrailer  da obra.

“Era uma Vez…”, de Benjamin Lacombe. Editora Positivo, 20 páginas, R$ 65,00.

Mais 365 atividades da Bíblia

24 de agosto de 2015 0
Divulgação, SBB

Divulgação, SBB

A dica de hoje é superlegal. Além de falar da palavra de Deus, traz várias atividades para a criançada.

Em formato de calendário de mesa, “Mais 365 Atividades da Bíblia” oferece à criança uma leitura bíblica acompanhada de uma atividade para cada dia do ano. Com narrativas do Antigo e do Novo Testamentos, a publicação pode ser comprada e iniciada em qualquer época do ano.

Quebra-cabeças, labirinto, ligue os pontos, jogo dos erros e desenhos para pintar são algumas das atividades propostas, que possibilitam à criança aprender, diariamente, um pouquinho sobre a Palavra de Deus.

“Mais 365 Atividades da Bíblia”, da Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), 366 páginas (capa brochura em formato de calendário espiral), R$ 32,00.

22 de agosto, dia do "Nosso Folclore"

21 de agosto de 2015 0
Nosso Folclore

Divulgação, Mundo Mirim

Você sabia que o Dia do Folclore é comemorado em 22 de agosto? O Congresso Nacional oficializou a data em 1965. Foi uma forma de valorizar as histórias e personagens do folclore. Dessa forma, a cultura popular ganhou mais importância no universo cultural brasileiro e mais uma forma de ser preservada. Essa data é marcada por várias comemorações em todo o território nacional. Os jovens fazem pesquisas, trabalhos e apresentações, destacando os contos folclóricos e seus principais personagens. É o momento de contarmos e ouvirmos as histórias do Saci-Pererê, Mula-sem-cabeça, Curupira, Boto, Boitatá etc.

O folclore significa, basicamente, sabedoria popular. Fatos folclóricos são as maneiras de pensar, agir e sentir de um povo. Quase sempre são transmitidas oralmente e por imitação. Como existe, no Brasil, a mistura de vários povos desde o início de sua colonização (africanos, indígenas, europeus e, mais tarde, asiáticos, árabes etc.), os usos e costumes de todos eles se entrelaçaram.

No livro “Nosso Folclore”, de Zuleika de Almeida Prado e Maria Regina Pereira, o público vai descobrir que o folclore está presente na dança, na culinária, nas brincadeiras, nas crenças e nas tradições do dia a dia. Revisado e atualizado, a obra traz uma abordagem ampla de tudo o que faz parte do folclore: culinária, artesanato, mitos etc. Com isso, o leitor irá conhecer a riqueza da cultura brasileira e entender que o folclore está presente no cotidiano o tempo todo.

Publicado pela Editora Mundo Mirim, o livro tem capítulos dedicados a assuntos específicos, como mitos, lendas, adivinhas, promessas, quadrinhas, trava-línguas, parlendas, fórmulas de escolha, ditos populares, superstições e simpatias, frases de para-choques de caminhão, brinquedos e brincadeiras, cantigas populares (cifradas), artesanato e culinária (com receitas).

Este livro é um incentivo para conhecermos profundamente a cultura brasileira e nos apaixonarmos ainda mais por ela.

“Nosso Folclore”, de Zuleika de Almeida Prado e Maria Regina Pereira, com ilustrações de Mozart Couto. Editora Mundo Mirim, 64 páginas, R$ 39,90.

Graça e sabor em "A Festa das Letras"

20 de agosto de 2015 0
Divulgação, Global

Divulgação, Global

No final dos anos 1930, o governo de Getúlio Vargas concentrou suas forças para aperfeiçoar a qualidade da nutrição do povo brasileiro, tomando medidas não só para aumentar a produção de gêneros alimentícios no Brasil como também para instruir a população sobre os benefícios de cada um deles. É nesse contexto histórico que o livro “A Festa das Letras”, escrito por Cecília Meireles e Josué de Castro, está inserido. Esta 4ª edição foi primorosamente ilustrada por Claudia Scatamacchia.

Na época, pensando em um livro que aproximasse as crianças do universo de frutas, legumes, verduras e demais alimentos do cotidiano e, além disso, lhes ensinasse noções básicas de higiene alimentar, a Livraria do Globo convidou dois autores de relevo: Cecília Meireles e Josué de Castro. Poeta, cronista e educadora, Cecília tinha um dom raro para conceber textos envolventes para crianças e jovens, capacidade que mais tarde se comprovaria em seu consagrado “Ou Isto ou Aquilo” (1946). Josué de Castro, por sua vez, geógrafo e médico, uma das maiores autoridades brasileiras em alimentação, destacou-se com seu “Geopolítica da Fome” (1951).

Com poesias de A a Z, os autores não economizaram seus conhecimentos para o preparo desta obra. Aqui, eles temperam com muita graça e sabor as palavras, receitando como se pode alimentar bem o corpo e a alma.

“A Festa das Letras”, de Cecília Meireles e Josué de Castro, com ilustrações de Claudia Scatamacchia. Global Editora, 64 páginas, R$ 42,00.

Meu pai não é bandido, né?

19 de agosto de 2015 0
Divulgação, Pólen

Divulgação, Pólen

“Mãe, cadeia não é pra bandido? Meu pai não é bandido, né? Meu pai não está preso, não, né? Mãe? Mãe? Hein, mãe? Por que ele tá preso, hein, mãe? Mãe…” É assim, com uma narrativa forte e impactante, que começa a história do livro “Pai Francisco”, escrito por Marina Miyazaki Araujo e editado pela Pólen Livros.

De maneira sensível, a autora dá voz às crianças e adolescentes que passam pela mesma situação. A obra fala sobre um menino que não vê a hora de voltar a ter o pai, afastado do convívio social, ao seu lado. Em 16 páginas, Marina, que já trabalhou com egressos do sistema penal e suas famílias, aborda a importância do vínculo familiar mesmo em situações adversas. E discute o preconceito enfrentado pelas famílias de apenados perante a sociedade.

A história de “Pai Francisco” choca e emociona o leitor. Como explicar ao filho a ausência do pai (ou da mãe)? A leitura deste livro é de suma importância na escola, para discutir o tema e o respeito pelo próximo, e em casa, para conversar sobre a importância da família. As ilustrações de Marcus Vinícius Vasconcelos, diretor de animações premiadas como “Realejo” e “Pintas”, dão vida aos personagens, ajudando a mostrar que a criança não tem responsabilidade pelos atos cometidos pelos pais.

A principal inspiração da autora para escrever o livro foi a cantiga de roda “Pai Francisco”. “Desde criança, eu ouvia a música e ficava pensando: ‘Mas por que o Pai Francisco foi preso? Só porque estava tocando violão?”, questiona a autora. Ela também se inspirou na música “Velho Francisco”, de Chico Buarque, que trata da realidade da vida dele quando jovem, já que, mais velho, ele vivia de suas fantasias de grandeza.

“Pai Francisco”, de Marina Miyazaki Araujo, com ilustrações de Marcus Vinícius Vasconcelos. Pólen Livros, 16 páginas, R$ 25,90.

A lenda do violeiro invejoso

18 de agosto de 2015 0
Divulgação, Escarlate

Divulgação, Escarlate

Sexta-feira. Noite de lua cheia. Algo de muito sinistro está se passando debaixo daquela velha figueira. O garoto Balbino exibe, orgulhoso, a viola mágica que acabou de receber das mãos de um misterioso homenzinho de faces rosadas.

Expulso de casa, o jovem decide sair pelo mundo, não sem antes roubar a luz dos olhos de Marcolino, seu irmão gêmeo. Anos mais tarde, a disputa entre os dois violeiros irá movimentar um reino misterioso escondido no meio do sertão brasileiro.

A história de “A Lenda do Violeiro Invejoso”, de Fábio Sombra, permite trabalhar temas como aventura, cordel, folclore e superação. Misturando elementos brasileiros, como os desafios de viola e os folhetos de cordel, com elementos típicos dos romances de cavalaria medieval, o autor cria uma história cativante que prende a atenção dos leitores, ao mesmo tempo em que trata, de forma leve, de um tema relevante na atualidade: a capacidade de superação das pessoas portadoras de deficiências.

“A Lenda do Violeiro Invejoso”, texto e ilustrações de Fábio Sombra. Editora Escarlate, 192 páginas, R$ 27,80.