Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Biografias"

Ex-jogador Reinaldo lança livro em Joinville

16 de março de 2017 0
Divulgação, Letramento

Divulgação, Letramento

Os fãs de futebol têm encontro marcado nesta sexta-feira, dia 17, na Livrarias Curitiba do Shopping Mueller, em Joinville. O rei e eterno ídolo do Galo Mineiro, José Reinaldo de Lima, estará na cidade para lançar o livro “Punho Cerrado, a História do Rei”, escrito pelo filho dele, Philipe Van R. Lima, com prefácio do jornalista Chico Pinheiro. A sessão de autógrafos começa às 19h30. A torcida do Atlético Mineiro na cidade, a Galoville, irá fazer a recepção do ídolo em Joinville.

Além de relatar e emocionar — tanto a quem viveu o que é narrado quanto aos que ouviram contar sobre o craque —, o livro, da Editora Letramento, é uma deliciosa viagem a um dos momentos mais extraordinários do Galo. Um time que tinha, além de Reinaldo, Cerezo, Marcelo Oliveira, Paulo Isidoro, Éder Aleixo, Luizinho e João Leite, entre tantos outros.

SERVIÇO

  • O QUÊ: lançamento do livro “Punho Cerrado, a História do Rei”, de Philipe Van R. Lima.
  • QUANDO: sexta-feira, dia 17, às 19h30.
  • ONDE: Livrarias Curitiba do Shopping Mueller (rua Senador Felipe Schmidt, esquina com a rua Pedro Lobo — Centro).
  • QUANTO: o acesso ao evento é de graça. O livro, que tem 308 páginas, custa R$ 49,90.

"O Diário de Anne Frank" para pequenos leitores

11 de outubro de 2016 0
Divulgação

Divulgação

A dica de hoje do Blog do Aldo é superlegal. A obra editada pela Todolivro traz a história de uma menina que viveu os horrores da guerra e da perseguição a sua família.

O conhecido livro “O Diário de Anne Frank” conta que, no dia do seu aniversário, a menina Anne Frank ganhou um diário de presente do seu pai. Anne é judia e passa por um período muito difícil durante a Segunda Guerra Mundial.

A Holanda, onde Anne e sua família moram, é atacada pelos alemães, que querem matar os judeus em nome de um homem chamado Hitler. Anne e sua família conseguem morar, por algum tempo, em um esconderijo, o “anexo”, e é durante esse período que ela descreve tudo o que viu, sentiu e viveu.

Além da bela história, o livro traz sugestões de atividades para serem desenvolvidas pelos professores em sala de aula.

“O Diário de Anne Frank”, com texto adaptado por Suelen Katerine Andrade Santos. Editora Todolivro, 28 páginas, R$ 19,90.

George Lucas tem biografia lançada

17 de dezembro de 2015 0
Divulgação

Divulgação

Luke Skywalker, Hans Solo, Princesa Leia, Mestre Yoda, Darth Vader, Cavaleiros Jedi, R2D2, C3PO, Chewbacca… Quem viveu no planeta de 1977 para cá ouviu falar nesses nomes. São personagens ícones da cultura pop mundial e, depois deles, o cinema nunca mais foi o mesmo!

Por trás da saga “Star Wars” e do megassucesso “Indiana Jones”, que viraram franquias e referências, existe uma figura emblemática, que foge de holofotes, tem horror a entrevistas e tudo que sempre sonhou era fazer cinema. Desde seus primeiros filmes, revelou uma forma inovadora de realizar suas criações. “George Lucas – Skywalking: a Vida e a Obra do Criador de Star Wars”, de Dale Pollock, é leitura obrigatória para os fãs e para quem aprecia uma grande história de como chegar ao sucesso com uma câmera na mão.

A biografia faz revelações sobre as origens e o início da carreira de Lucas, desde os primeiros curtas, o sucesso “American Graffiti” (“Loucuras de Verão”) e as franquias “Star Wars” e “Indiana Jones”. Além disso, o universo expandido, com os brinquedos e produtos patenteados e agora a nova série de filmes, do qual o jornalista Hamilton Rosa Júnior fala com exclusividade no posfácio, além de ter executado um cuidadoso trabalho de revisão técnica e atualização de todo o texto.

O livro mostra o cineasta visionário que virou referência para qualquer profissional e que, com Coppola e Spielberg, criou o cinema como o conhecemos hoje. A dificuldade em levantar o dinheiro que precisava para filmar, a gênese dos personagens de “Star Wars”, curiosidades sobre a seleção do elenco, nada passou em branco no brilhante e minucioso trabalho de pesquisa de Pollock.

Lucas é também reconhecido como o cineasta que alavancou a indústria de tecnologia digital e efeitos especiais. As câmaras digitais usadas pelo cinema independente hoje não estariam tão evoluídas se Lucas não as tivesse usado e mostrado seu potencial comercial para a indústria.

Depois de ler “George Lucas – Skywalking: a Vida e a Obra do Criador de Star Wars”, as pessoas vão querer rever todos os filmes e certamente perceberão que cada um conta um trecho da história do diretor, produtor e roteirista mais bem-sucedido de Hollywood.

“George Lucas – Skywalking: a Vida e a Obra do Criador de Star Wars”, de Dale Pollock. Editora Évora (selo Generale), 438 páginas, R$ 49,90.

Mestres da arte em quadrinhos

13 de outubro de 2014 0
Divulgação, Nemo

Divulgação, Nemo

Em 15 de abril de 1452 numa aldeia de Vinci, na Toscana, nascia um dos artistas mais célebres da história da arte. Foram 67 anos dedicados não só às artes, mas também à investigação científica, à engenharia, à arquitetura e às invenções. Sua história agora ganha os quadrinhos no álbum biográfico “Leonardo da Vinci”, com roteiro de Mirella Spinelli e desenhos de Andréa Vilela e Mirella Spinelli. Este título nacional da Editora Nemo inaugura a coleção “Mestres da Arte em Quadrinhos”, que apresenta a obra e a vida de personagens de destaque na história da arte.

A obra, narrada na primeira pessoa, perpassa toda a trajetória de vida do artista, desde seu nascimento, seus primeiros anos de vida, sua trajetória nas artes, até sua morte em 1519. Leonardo sempre foi um homem observador, que descobriu com seu tio Francesco o amor pelos grandes espaços abertos e a curiosidade pelos mistérios da natureza. Com um grande mestre italiano, Verrocchio, aprendeu o ofício que alavancou sua carreira artística, num dos maiores ateliês de Florença.

O grande pintor vivia uma vida tranquila, sem muitas preocupações, porém assumiu muito cedo a responsabilidade de se tornar mestre e participar da realização da grande obra de Verrocchio, o “Batismo de Cristo”. Quando completou 24 anos, ao ser injustamente acusado por um crime, mudou-se para Milão. Lá, realizou trabalhos magníficos e dedicou-se aos escritos de suas ideias e pesquisas. Leonardo possuía costumes incomuns, como uma técnica de escrita invertida, que dificultava a leitura de seus textos por outras pessoas, e inusitadas técnicas de pintura, utilizadas para a produção de obras célebres, como sua versão de “A Santa Ceia”.

Após retornar a Florença, trabalhou ao lado de Michelangelo Buonarrotti, com quem tinha sérias diferenças artísticas e pessoais. Foi na tão querida Florença que Leonardo pintou Lisa Gherardini, a Mona Lisa, sua obra mais conhecida e o quadro mais reproduzido da história. Já enfermo e velho, o homem que sempre procurou ser generoso e amável com as pessoas termina sua jornada na França, ficando sob os cuidados do rei Francisco 1º.

Mergulhada no mundo das artes, esta HQ faz uma viagem no tempo, rememorando os grandes feitos de um artista até hoje exaltado. Ao final, o leitor encontra uma galeria com reproduções das principais obras presentes no álbum. Os amantes das HQs e os apaixonados pela história da arte terão entretenimento e informação na medida certa nesse lançamento da Editora Nemo.

“Leonardo da Vinci”, com roteiro de Mirella Spinelli e desenhos de Andréa Vilela e Mirella Spinelli. Coleção “Mestres da Arte em Quadrinhos”, Editora Nemo, 48 páginas, R$ 39,00.

Cantor Daniel lança biografia

03 de setembro de 2014 1
Divulgação, Benvirá

Divulgação, Benvirá

Com trinta anos de carreira e mais de treze milhões de discos vendidos, Daniel sentiu que era hora de contar a sua história. “Daniel – Minha Estrada”, lançamento da Benvirá, é fruto de depoimentos do cantor ao jornalista Tom Cardoso. Narrado em primeira pessoa, o livro retrata sua vida pessoal e artística, além de trazer imagens inéditas.

Nascido em Brotas (SP) em 9 de setembro de 1968, Daniel começou a arranhar seu primeiro violão aos oito anos. Ainda criança, aos 12, formou a dupla com João Paulo, com quem dividiu os palcos por mais de 15 anos. Depois da perda de seu parceiro e de tantos altos e baixos, encontrou forças para voltar à música. Ao longo de três décadas, ele construiu uma das carreiras solo de maior sucesso na música brasileira.

Além da infância, do egresso na música e da formação e triste término da dupla com João Paulo, a obra relata acontecimentos inusitados sobre sua vida, nunca ditos antes. Ao decorrer das páginas, é possível reconhecer toda simplicidade e simpatia do cantor e ainda se surpreender com a sua história.

“Juntos, já fizemos filme, DVD, várias campanhas, shows e inúmeras entrevistas. Mas quando mergulhei nas páginas deste livro, pude conhecê-lo mais e compreender seu jeito calado, família, carinhoso, pé no chão… Príncipe, como o chamam”, relata a apresentadora Xuxa Meneghel, autora de uma das orelhas da biografia e uma das primeiras a ler a história.

O livroé uma obra imperdível para fãs do cantor e admiradores do seu trabalho.

“Daniel – Minha Estrada”, de Daniel, com depoimentos a Tom Cardoso. Editora Benvirá, 208 páginas, R$ 24,90.

A Batalha pela Alma dos Beatles

15 de janeiro de 2014 0

Divulgação, Nossa Cultura

Você sabia que hoje, 15 de janeiro, é o Dia Mundial do Compositor? O compositor é tão fundamental na vida de um artista ou banda quanto o talento dos músicos. E para marcar essa data, a sugestão é o livro “A BATALHA PELA ALMA DOS BEATLES”, de PETER DOGGETT.

Quando Paul McCartney disse ao mundo em 1970 que não planejava mais trabalhar com os Beatles, mídia e público em geral sofreram o que foi visto como uma tragédia cultural. As declarações do músico não apenas marcaram o encerramento da majestosa carreira da banda, mas sinalizaram o final de uma era de otimismo sem precedentes na história da cultura popular humana.

Porém, a posteridade não dispensaria o grupo tão facilmente, e uma das fases mais fascinantes da história dos Beatles estava prestes a começar. Por quase quarenta anos, os quatro integrantes, suas famílias e parceiros de negócios foram forçados a viver em meio às reverberações daquele sucesso incrível.

Agora, pela primeira vez, é contada a dramática história das rivalidades pessoais e profissionais que dominaram as vidas dos Beatles desde 1969. As shakespearianas batalhas das famílias de Lennon e McCartney, os conflitos existenciais de George Harrison, dividido entre espiritualidade e fama, e os esforços de Richard Starkey contra o alcoolismo que ameaçava sua vida. As relações mutáveis entre os quatro, ao lutarem para afirmar suas identidades fora dos Beatles, e a transformação de sua empresa multimidiática, a Apple Corps, de bastião da contracultura a leviatã corporativa. Tudo isso está neste livro que retrata a que é considerada a maior banda de todos os tempos.

“A BATALHA PELA ALMA DOS BEATLES”, de PETER DOGGETT. Editora Nossa Cultura, 512 páginas, R$ 59,90.

A vida e os desafios de Francisco

16 de abril de 2013 0

No dia 13 de março de 2013, às 19 horas, na Capela Sistina, o mundo inteiro parou para ver o início do 266º pontificado da história da Igreja Católica. O até então cardeal Jorge Mario Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, respeitou e acolheu a vontade pelos coirmãos e se tornou o papa Francisco.

Mas quem é esse papa? Quais são suas origens e história? Por que o nome Francisco? Quais serão seus desafios? Estas, entre outras questões, serão respondidas no livro “Papa Francisco – a Vida e os Desafios”, escrito pelo italiano Saverio Gaeta, que traz a trajetória do papa desde sua infância, e uma síntese dos principais obstáculos que o aguardam.

Além de responder às diversas dúvidas dos fiéis, Saverio destaca em sua obra como foi a descoberta da vocação do novo papa. “Na manhã de 21 de setembro, tradicional dia da Festa do Aluno, decidira dar um salto na igreja, onde encontrou o padre Duarte, um sacerdote que nunca vira antes, mas que lhe transmitiu a sensação de uma grande espiritualidade. Confessou-se a ele, e naquele momento percebeu no coração o chamado a se tornar sacerdote”.

A obra é dividida em três partes. A primeira apresenta sua biografia, passando desde suas raízes até os primeiros passos de seu pontificado. Já a segunda traz uma síntese de seus pensamentos, suas ideias em dez palavras e o futuro da igreja e do mundo.

Por fim, a terceira parte aborda quais os desafios a serem enfrentados, como os escândalos à reforma da cúria e até mesmo a “coabitação” com o seu antecessor. O leitor ainda encontrará um apêndice, com um histórico de papas e antipapas da igreja, além da bibliografia utilizada pelo autor para compor o livro.

“Papa Francisco – a Vida e os Desafios”, de Saverio Gaeta. Editora Paulus, 72 páginas, R$ 15,00.

Getúlio, um presidente de muitas faces

25 de maio de 2012 0

Antes dele, o Brasil era um país em estágio pré-industrial; em poucos anos, a era Vargas construiu uma indústria siderúrgica imensa, revolucionou a infraestrutura de transportes e energia, lançou as bases da indústria petrolífera e incorporou o proletariado na vida nacional. Houve, no entanto, um preço a pagar por isso, e os efeitos dessa dívida são sentidos até hoje.

Pela pouca clareza das suas convicções ideológicas e caráter reservado da sua vida pessoal, Getúlio Vargas, a figura dominante da política brasileira no século 20, vinha sendo considerado uma esfinge que ainda não encontrara o seu Édipo. Com este livro, isso mudou.

“Getúlio Vargas: a Esfinge dos Pampas”, de Richard Bourne, pode ser considerada a biografia mais imparcial, bem escrita e profunda, tanto na análise política quanto na psicológica, do homem que governou o Brasil por mais tempo e mais o influenciou, para o bem e para o mal, o conceituado brasilianista inglês Richard Bourne decifrou o sorriso enigmático do presidente que chegou ao poder por meio de uma revolução, mas esmagou várias revoluções; que fortaleceu a classe trabalhadora, mas enfraqueceu a democracia; que lutou pelo bem–estar social, mas atentou contra liberdades individuais; industrializou o país e defendeu os direitos dos cidadãos, mas também dotou de poder quase ilimitado as Forças Armadas, assim criando, inadvertidamente, um monstro que acabou por devorá-lo em 1954, e ao Brasil, em 1964.

Sopesando a contribuição de Getúlio Vargas à nação brasileira, o professor Bourne conclui que o fiel da balança pende a favor desse gigante de 1,60 m de altura. “Fisicamente diminuto”, escreveu o jornal inglês “Manchester Guardian” sobre Getúlio, “a sua estatura moral o habilitou a governar um país tão grande quanto a Europa durante tantos anos. Suas reformas sociais e econômicas foram sem precedentes no Brasil. Até 1930, o Brasil tinha sido um país; Vargas transformou-o numa nação.”

“Getúlio Vargas: a Esfinge dos Pampas”, de Richard Bourne, com tradução de Paulo Schmidt e Sonia Augusto. Geração Editorial, 320 páginas mais caderno de fotos com 24 páginas, R$ 39,90.

A vida de Lennon em quadrinhos

03 de abril de 2012 0

Santa Catarina e o Brasil estão em polvorosa com os shows que Paul McCartney fará por estas bandas. Ele fez parte da que é considerada uma das maiores bandas de rock de todos os tempos, junto com Ringo Starr, George Harrison e John Lennon. E é sobre este último a dica de leitura de hoje, com o livro em formato de história em quadrinhos “John Lennon – um Tiro na Porta de Casa”, de Pol.

A vida de John Winston Lennon foi se fazendo “no caminho”, como a de todo grande roqueiro. A infância e Adolescência foram curiosas bússolas que o orientaram, sem medos, nem preconceitos, pela vertiginosa estrada do sucesso. Porém, essa vertigem foi um sinal de como terminariam seus dias? Dificilmente se pode afirmar isso, mas o final violento não deixa de ser sugestivo.

Esta biografia revela, com absoluta fidelidade aos fatos, os segredos de uma personalidade singular e intensa, feita de puro talento, que tombou fatalmente ferida em um dia de 1980. Lennon, hoje, é uma lenda tão presente quanto os incontáveis sucessos de sua vida. Um mito que já era venerado muito antes de se ouvirem os tiros fatais.

“John Lennon – um Tiro na Porta de Casa”, de Pol, com tradução de Sandra Martha Dolinsky. Coleção “Figuras do Rock em Quadrinhos”, Vergara & Riba Editoras, 64 páginas, R$ 34,90.

O retrato de um tirano

07 de março de 2012 1

Em 1963, na rua São Bento, em São Paulo, o então jovem escritor Fernando Jorge encontrou um amigo – o também escritor e político Israel Dias Novaes, diretor do Banespa e do jornal “Correio Paulistano”.

Os dois foram juntos a um café de esquina, onde Israel, conhecedor da predileção de Fernando por história, recomendou-lhe certo livro que lera recentemente. Tratava-se de uma biografia de Adolf Hitler, recém-publicada no Brasil, escrita por um autor alemão chamado Herman Zumerman (não Hermann Zummerman, na grafia alemã correta). O título dessa obra era “Hitler – Anatomia de uma Tirania”.

Animado, Novaes elogiou o livro, por sua clareza de estilo e abrangência da pesquisa realizada, mas, sobretudo, pela tradução ímpar, creditada a certo Raul Rodrigues. Ao ouvir isso, Fernando Jorge caiu na gargalhada e, diante da perplexidade do amigo, soltou esta bomba: — Herman Zumerman sou eu!

O livro, na verdade, fora escrito em português pelo próprio Fernando e publicado sob pseudônimo, por imposição de seu editor, o judeu búlgaro Eli Behar. No meio editorial brasileiro de então, autores estrangeiros vendiam mais que os nacionais, de modo que Herman Zumerman, o crítico Alfred Belsen e o tradutor Raul Rodrigues haviam sido todos inventados por Behar, numa época sem internet, em que tais imposturas passavam facilmente por verdades.

Esta é a nova edição corrigida e atualizada — inclusive no subtítulo — de uma das primeiras biografias de Hitler escritas por autor brasileiro. Fernando Jorge a produziu, em 1962, enquanto o mundo acompanhava o julgamento de Adolf Eichmann, um dos principais carrascos nazistas, e a lançou em 1963, dez anos antes da primeira grande biografia alemã do Führer, de autoria do historiador Joachim Fest.

Desde o suicídio em 1945, num abrigo subterrâneo localizado sob as ruínas de Berlim, cuja destruição (e a de boa parte da Europa) ele mesmo havia causado, o ditador alemão Adolf Hitler tem sido um enigma do mal. Seu maquiavelismo político, sua delirante obsessão pela superioridade racial, seu ódio excessivo — e até hoje inexplicável — pelos judeus, tudo isso aliado a um desprezo pela vida humana nunca antes visto, fazem dele o homem mais abominável que já comandou uma superpotência. Após seduzir a nação alemã, ele causou a Segunda Guerra Mundial e promoveu o Holocausto, deixando um saldo de milhões de mortos e um legado sinistro aos populistas e demagogos das gerações seguintes.

Sem nada diminuir da monstruosidade de Hitler, a biografia tecida por Fernando Jorge procura preservar-lhe a dimensão humana, buscando nas deformidades do seu caráter a verdadeira origem da selvageria nazista. Entre outros fatos pouco conhecidos da vida dele, somos informados de que Adolf se apaixonou quando adolescente, mas não se atreveu a cortejar a amada devido à sua timidez excessiva, anormal e até inviril. O que era Hitler, afinal de contas? Um psicopata? Um homossexual enrustido? Um neurastênico? Um mero oportunista ou um crente sincero na doutrina antissemita? Ou ambas as coisas? Uma das causas do seu monumental complexo de inferioridade poderia ter sido uma deficiência física? Qual?

Reconstituindo a trajetória do menino pobre maltratado pelo pai e mimado pela mãe, do artista frustrado, do vagabundo ressentido e morador de rua em Viena, passando por sua carreira de soldado destemido na Primeira Guerra Mundial, depois pela de orador popular, político demagogo, líder do Partido Nazista, até se tornar chanceler e, por fim, chefe supremo do Estado alemão, perseguidor das minorias e flagelo de toda a Europa, Fernando Jorge mais uma vez oferece a beleza de sua prosa e a abrangência de sua erudição, tintas multicoloridas com que pintou este retrato fidedigno e irretocável da maior de todas as tiranias.

“Hitler: Retrato de uma Tirania”, de Fernando Jorge. Geração Editorial, 328 páginas, preço não divulgado.