Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "educação"

Docol publica o "Almanaque da Água"

20 de março de 2017 0
Almanaque da Água

Divulgação, Docol

Olá, galerinha. Começando mais uma semana, o Blog do Aldo traz uma sugestão que não está à venda, mas que é muito legal. Aproveitando que 22 de março é o Dia Mundial da Água, a Docol, empresa joinvilense que produz metais sanitários e soluções para o consumo deste bem tão importante, editou o “Almanaque da Água”.

A publicação apresenta 60 curiosidades, dicas, fatos históricos, números, datas e dados para conhecer esse recurso tão essencial à vida e saber preservá-lo. Aliás, turminha, preservação é a palavra-chave para todo mundo não ter de passar pelo aperto da escassez desse líquido tão essencial à vida. Você já pensou como seria a vida se a água acabasse? Pois saiba que em pouco tempo, se a água sumisse da Terra, toda forma de vida também se extinguiria.

Por isso a conscientização é tão importante, afinal, não há como fabricar água. Ou você pensa que dá para ir no mercado da esquina e dizer para o atendente: “Moço, preciso de duas moléculas de hidrogênio e uma de oxigênio para minha mãe fazer uma água bem fresquinha”. Esqueça! Água não é igual a bolo, que basta reunir alguns ingredientes e dali alguns minutos está pronto.

A boa notícia é que você pode ajudar a preservar a água. Por exemplo: na hora de escovar os dentes, desligue a torneira até que você precise enxaguar a boca. Outra dica: na hora do banho, nada de cantar as músicas do CD inteiro do seu artista preferido. Enquanto se ensaboa e passa o xampu, desligue o chuveiro. Ah, banho rápido não significa só olhar para o chuveiro e dizer “oi, amiguinho!” Faça a coisa certa, cara!

Como falei, o “Almanaque da Água” não está à venda, mas você tem um chance de conseguir um exemplar porque a Docol vai distribuir para as crianças que visitarem a empresa com suas escolas no decorrer do ano. O material também será distribuído a clientes, jornalistas, arquitetos e outros parceiros da Docol.

A publicação teve criação de Tatiana Engelbrecht e Daniel Almeida, direção de arte de Cinthia Behr e Daniel Almeida, textos de Rogério Trentini e ilustrações de Bárbara Malagoli.

Bullying é uma coisa muito feia!

26 de janeiro de 2017 0
Divulgação, Todolivro

Divulgação, Todolivro

O Blog do Aldo apresenta hoje um livro para a criançada, mas que trata de um assunto muito sério: o bullying.

O livro “Diferente de Você — Preconceito Físico”, de Suelen Katerine A. Santos, mostra que todos merecem respeito. Achar que só porque uma pessoa parece “diferente”, pode-se fazer ou dizer tudo que se pensa não ajuda em nada. Pelo contrário. O bullying machuca quem o sofre e não acrescenta nada a quem o pratica.

O livro faz parte da coleção “Bullying”, da Editora Todolivro. Essa série tem o objetivo de alertar e educar as crianças sobre o prejuízo de atitudes agressivas, verbais ou físicas, que se repetem sem motivação evidente e acabam causando dor e angústia, bem como traumas para uma vida. As narrativas aqui compartilhadas buscam mostrar a importância de aprender a conviver com as diferenças e respeitar o próximo.

“Diferente de Você — Preconceito Físico”, de Suelen Katerine A. Santos. Coleção “Bullying”, Editora Todolivro, 28 páginas, R$ 19,90.

Livro aborda a importância do brincar

21 de outubro de 2016 0
Divulgação, Peirópolis

Divulgação, Peirópolis

Não é novidade que o brincar gera muitos benefícios à criança, principalmente o desenvolvimento da coordenação motora e da imaginação. E o livro “Brinquedos do Chão: o Imaginário, a Natureza e o Brincar”, de Gandhy Piorski, trata desses aspectos. em relação com a natureza.

A obra inaugura uma série que explora a imaginação do brincar e sua intimidade com os quatro elementos da natureza: terra, fogo, água e ar, e revela a voz livre e fluente da criança em sua trajetória de moldar a si própria, tão esquecida nos estudos sobre a infância. Assim como o brinquedo, interessa ao autor, artista plástico, teólogo, pesquisador da infância e do imaginário, a brincadeira e seu universo simbólico; a experiência da criança quando, em comunhão com a natureza e em sua vivência transcendente, brinca e significa o mundo.

O primeiro volume é dedicado aos brinquedos da terra, que caracterizam, na produção material, gestual e narrativa da infância, a investigação da matéria e as operações da imaginação no forjar a elaboração e o enraizamento dos papéis sociais na casa, na família e no mundo.
O estudo desdobrou-se também em várias exposições de brinquedos colecionados ao longo dos anos, e seu corpo teórico vem repercutindo em diferentes espaços em que a criança é tema de interesse.

“Brinquedos do Chão: o Imaginário, a Natureza e o Brincar”, de Gandhy Piorski. Editora Peirópolis, 156 páginas, R$ 42,00.

Como lidar com a influência da internet, dos amigos da escola e dos parentes indiscretos na criação dos filhos?

05 de outubro de 2016 0
Divulgação

Divulgação

Há pais que não querem que o filho fique viciado em açúcar desde a infância, mas a avó vive oferecendo doces. Há aqueles que não querem que ele assista a vídeos adultos, mas não têm controle sobre o que os amigos da escola mostram. Há também os que querem matricular o filho em uma escola, mas o ex-marido quer colocá-lo em outra. O novo livro da argentina Cris Poli, “Atenção! Tem Gente Influenciando seus Filhos”, dá orientações para os leitores lidarem eficientemente com situações como essas.

A apresentadora está ciente de que as crianças estão sob a influência de muitas pessoas além dos pais – como amigos, parentes, propagandas, moda, internet, mídia e outros – e que todos interferem na maneira de pensar, agir e falar dos pequenos. Mesmo assim, Cris não prega a demonização dos agentes que intervém no crescimento das crianças – afinal, ninguém precisa afastar os filhos de uma avó doceira ou mantê-los alienados em relação ao mundo.

“Viver em sociedade é uma das experiências mais gratificantes que um indivíduo pode ter, além de ser uma necessidade. É nessa interação que ele conhece o outro, troca ideias, expõe pontos de vista, torna-se gente ativa, porta-se de modo digno em um mundo carente de virtudes.”

Ao invés disso, a autora ensina a assertividade, o diálogo e a firmeza de convicções como instrumentos indispensáveis no dia a dia da família para lidar de forma eficaz com maus influenciadores, manter a harmonia no lar e proteger as crianças.

Na obra, pais encontram sugestões para solucionar tensões na família de forma adequada e sem brigas, instruções para escolher a escola mais apropriada para os filhos de acordo com a corrente pedagógica, dicas para estabelecer uma rotina saudável para a criança que convive com parentes e muito mais.

“É possível que avós sejam intransigentes, mandões e autoritários ou se achem no direito de dar palpites o tempo todo. Mas isso não pode intimidar você e seu cônjuge. Ficar refém de um estado de estresse emocional não funciona.”

Cris exemplifica tudo com relatos verídicos, trazendo histórias reais de famílias que experimentaram sucesso ou fracasso no quesito abordado, permitindo que o leitor se imagine nas situações e avalie suas próprias ações.

Com mais de 40 anos de experiência em educação infantil, Cris Poli também é mãe e avó e, portanto, possui conhecimento teórico e prático mais que suficiente para guiar mães e pais em conflito com influências indesejáveis.

“Atenção! Tem Gente Influenciando seus Filhos”, de Cris Poli. Editora Mundo Cristão, 128 páginas, R$ 29,90.

Educadoras lançam livro no Garten Shopping

05 de agosto de 2016 0
Repetência - a avaliação sob a ótica das crianças

Divulgação

A sugestão de hoje no blog trata de um assunto sério na educação: a repetência. Por isso, coloque na agenda para este sábado um lançamento de livro sobre o assunto.

As autoras Gabriela Maia Fischer e Verônica Gesser lançam neste dia 6 de agosto, em Joinville, o livro “Repetência — a Avaliação sob a Ótica das Crianças” (Editora Appris, 145 páginas, R$ 49). A sessão de autógrafos acontece na loja da Livrarias Curitiba do Garten Shopping, às 18h30.

O fracasso escolar de crianças multirrepetentes foi justificado durante anos por fatores biológicos e sociais externos à escola. Tal conceito, considerado superficial, ainda é muito presente em discursos de docentes e acadêmicos. “Mas será que a escola tem ouvido a opinião das crianças? Que significados tem a educação para esses sujeitos com dificuldade de aprendizagem que vivenciaram a reprovação e continuam tentando de alguma forma aprender?”, questionam as autoras Gabriela e Verônica.

A análise destes questionamentos deu origem ao livro, que apresenta discussões e ponderações em torno desses estudantes, muitas vezes até rotulados como não aprendentes, destacando a relevância da avaliação da aprendizagem escolar e trazendo para a reflexão sobre esse problema a voz das próprias crianças multirrepetentes.

Sobre as autoras

Gabriela Maia Fischer é doutoranda e mestre em educação pela Univali. Verônica Gesser é pós-doutora em Educação: currículo e ensino pela Barry University e doutora em Educação: currículo e ensino pela Florida International University.

Serviço

O QUÊ: lançamento do livro “Repetência — a Avaliação sob a Ótica das Crianças” e sessão de autógrafos com as autoras.
ONDE: Livrarias Curitiba do Garten Shopping — avenida Rolf Wiest, n° 333,  Bom Retiro, em Joinville.
QUANDO: 6 de agosto, às 18h30.
QUANTO: o acesso ao evento é gratuito.
MAIS INFORMAÇÕES: (47) 3043-9402.

A Nova Terra — a Chegada dos Portugueses ao Brasil

19 de julho de 2016 0
Divulgação, Moderna

Divulgação, Moderna

Nesta terça-feira, que tal um livro que mostra parte da história do Brasil? Legal, né? Continue lendo, que eu conto mais.

O livro “A Nova Terra — a Chegada dos Portugueses ao Brasil”, de Álvaro Cardoso Gomes, conta que, no fim do século 15, Dom Manuel, o rei de Portugal, logo depois da descoberta do caminho para as Índias por Vasco da Gama, tem um grande sonho. Aparelha então uma armada, formada de 13 embarcações, sob o comando de um dos mais ilustres nobres portugueses. Para onde se dirigirão as naus e caravelas?

A bordo de uma dessas embarcações vai como clandestino o menino Manuel José, órfão de pai e mãe. Possuidor do mapa de um fabuloso tesouro na Índia, ele parte em busca de riquezas. Ao mesmo tempo, é perseguido por homens cruéis que farão de tudo para lhe roubar o mapa. Mas, no meio da viagem, Manuel José vem a descobrir que a rota da expedição foi alterada. E, assim, chega ele a uma terra paradisíaca, cheia de encantos e belezas naturais, onde fará novos amigos.

A obra, integrante da série “Recontando a História”, permite aos professores trabalharem assuntos como colonização e grandes navegações

“A Nova Terra — a Chegada dos Portugueses ao Brasil”, de Álvaro Cardoso Gomes. Série “Recontando a História”, Editora Moderna, 160 páginas, R$ 50,00.

Alfabetização por um Caminho Suave

10 de maio de 2016 0
Divulgação, Caminho Suave

Divulgação, Caminho Suave

A dica que eu vou dar hoje vai fazer muita gente voltar aos primeiros tempos da escola. Trata-se do livro “Caminho Suave — Alfabetizando pela Imagem”. Foi com a cartilha “Caminho Suave”, da educadora Branca Alves de Lima (in memoriam), que muitos, como este que vos escreve, aprenderam as primeiras letras e sílabas na escola.

O tempo passou, mas a cartilha, hoje parte do grupo da Editora Edipro, mantém a sua essência, claro que com as atualizações que o tempo exige. Lançada em 1948, com o objetivo de facilitar o aprendizado de crianças e adultos no mundo das letras, como seu nome sugere, a coleção foi um grande sucesso por tratar da alfabetização de maneira simples e inteligente. Um dos livros, a famosa e tradicional cartilha “Caminho Suave”, já está na 132ª edição.

O sucesso do método fácil, verdadeiramente testado e aprovado, fez com que esta cartilha obtivesse a classificação de multifuncional: serve para alfabetizar crianças, jovens e idosos; é muito usada entre estrangeiros, especialmente, pelos japoneses; serve como método de reforço de alfabetização; e é usado amplamente em programas de alfabetização solidária.

Além da multifuncionalidade, há ainda a lembrança afetiva que a coleção traz aos que por ela foram educados. Assim, a cartilha pode ser, inclusive, dada como um presente aos que já saíram da escola, mas também às crianças como conteúdo complementar, para pintar e aprender brincando.

Indicado como material didático, da educação infantil ao ensino fundamental, e também como livros de apoio ao ensino de português, a coleção traz um conteúdo ricamente ilustrado e é indicado para todos aqueles que precisam desenvolver ou aprimorar a coordenação visomotora e as demais habilidades essenciais na arte da escrita.

Didaticamente estruturado, os livros que vão até a 4ª série (do antigo 1º grau) oferecem o treino da escrita de todas as letras do alfabeto – apresentadas nas versões de fôrma e cursiva –, das palavras e dos números. A coleção, que apresenta consagrado método de ensino, ainda hoje é adotada por professores das redes pública e privada, na alfabetização de idosos, educação solidárias, além dos projetos sociais religiosos ou seculares.

As edições Caminho Suave são usadas tanto no método principal como no material de apoio a outras estratégias educacionais. Mais do que ajudar o estudante a conquistar uma letra legível e ganhar rapidez ao escrever e raciocinar, estes livros contribuem ao aprendizado e evolução da linguagem escrita da atual sociedade.

“Alfabetização pela Imagem”, de Branca Alves de Lima. Editora Caminho Suave, 128 páginas, R$ 46,00.

Deu a louca na ortografia?

06 de maio de 2016 0
Divulgação, Mundo Mirim

Divulgação, Mundo Mirim

Todo mundo sabe que, desde o começo deste ano, algumas palavras tiveram a forma de escrever modificada por causa da entrada em vigor do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Para não deixar a galerinha por fora, o blog sugere o livro “Deu a Louca na Ortografia?”, de Eliane Aguiar e Débora de Angelo. A obra serve de ensinamento para aprender as novas regras da língua portuguesa.

Publicação da Editora Mundo Mirim, esse guia explica de maneira divertida ao jovem leitor por que a grafia ficou diferente. Com uma conversa descontraída, o próprio guia da língua brasileira explica para alguns alunos sobre as mudanças.

“Deu a Louca na Ortografia?” apresenta também, de forma exemplificada, as novas regras e ainda tem um vocabulário de consulta prática:

“Como ficou – Como era
Azaleia – azaléia
Bicho do mato  – bicho-do-mato
Birigui – Birigüi
Boia – bóia
Cefaleia – cefaléia
Cinquenta – cinqüenta”.

Com ilustrações de Jorge Barreto, o livro esclarece de forma simples, rápida e agradável todas as dúvidas de crianças e jovens sobre as mudança na língua portuguesa.

“Deu a Louca na Ortografia?”, de Eliane Aguiar e Débora de Angelo, com ilustrações de Jorge Barreto. Editora Mundo Mirim, 40 páginas, R$ 19,90.

O menino que entrou dentro de si mesmo

18 de abril de 2016 1
Divulgação, Caminho Suave

Divulgação, Caminho Suave

Começando a semana, a sugestão é uma obra que pretender ensinar a olhar para os pensamentos e desenvolver uma nova atitude frente a eles: “O Menino que Entrou Dentro de si Mesmo”, de Arnaldo Vicente e publicada pela Editora Caminho Suave.

No livro, o pequeno leitor descobre que, mesmo com todos os pesadelos, pensamentos negativos e medos, é possível percebê-los, mas nem sempre segui-los. O autor oferece a todos, sejam adultos ou crianças, uma reflexão de como estão processando os problemas e como é possível mudá-los por meio das emoções.

A história traz o conceito-chave da terapia cognitiva, que tem o objetivo de ensinar que a criança evolui na medida em que descobre que conversar consigo mesma é essencial para a felicidade, sempre distinguindo entre os fatos e os pensamentos sobre eles.

A mensagem principal da obra é plantar uma semente para que as crianças cresçam emocionalmente saudáveis, conhecedoras de si mesmas e capazes de lidar com os desafios e as adversidades da vida. Afinal, o Menino Triste encontra a felicidade quando entra no próprio coração, vê os pensamentos ruins e descobre que ele pode desenvolver uma nova atitude diante destes sentimentos negativos.

“O Menino que Entrou Dentro de si Mesmo” é o primeiro livro infantil de uma série que levará a chancela da Caminho Suave — editora que publica a famosa e tradicional cartilha “Caminho Suave”, que já alfabetizou mais de 40 milhões de brasileiros com sua maneira simples e inteligente — que tem o objetivo de ajudar os pais na laboriosa arte de educar os filhos.

“O Menino que Entrou Dentro de si Mesmo”, de Arnaldo Vicente, com ilustrações de Kelly Adão. Editora Caminho Suave, 32 páginas, R$ 32,90.

Os benefícios da leitura no berçário

23 de março de 2016 0
Divulgação, InVerso

Divulgação, InVerso

Todo mundo sabe que a leitura faz bem. O que poucos entendem é que a leitura pode ser iniciada ainda quando as crianças estão na fase do berçário. E os benefícios nessa etapa são muitos:

  • Estreita a relação afetiva entre quem conta as histórias e os bebês;
  • Ajuda a construir a identidade;
  • Promove a interação com os livros e por meio dos livros;
  • Desenvolve o gosto pela leitura;
  • Potencializa o imaginário;
  • Proporciona o acesso às histórias como patrimônio cultural e à cultura letrada.

Então, galerinha, que tal uma sugestão (ou melhor, duas) para começar ou continuar essa prática tão benéfica? Dentre muitas opções para a criançada, há a coleção “Primeiro Olhar”, que inicia com dois volumes: “Abraço” e “Festa”, ambos de autoria de Eliziane Nicolao e Ross Mary Vieira, com ilustrações de Karen Basso. As autoras partiram de estudos feitos com bebês e crianças na primeira idade e trabalham a leitura e a afetividade nestas duas obras.

O livro “Abraço” incentiva o carinho pela família. Já “Festa” aborda o cuidado e o carinho com os animais, aproximando pais e filhos por meio da leitura.

“Abraço” e “Festa”. Coleção “Primeiro Olhar”, de Eliziane Nicolao e Ross Mary Vieira, com ilustrações de Karen Basso. Editora InVerso, R$ 30,00 cada título.

Divulgação, InVerso

Divulgação, InVerso