Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "meio ambiente"

Docol publica o "Almanaque da Água"

20 de março de 2017 0
Almanaque da Água

Divulgação, Docol

Olá, galerinha. Começando mais uma semana, o Blog do Aldo traz uma sugestão que não está à venda, mas que é muito legal. Aproveitando que 22 de março é o Dia Mundial da Água, a Docol, empresa joinvilense que produz metais sanitários e soluções para o consumo deste bem tão importante, editou o “Almanaque da Água”.

A publicação apresenta 60 curiosidades, dicas, fatos históricos, números, datas e dados para conhecer esse recurso tão essencial à vida e saber preservá-lo. Aliás, turminha, preservação é a palavra-chave para todo mundo não ter de passar pelo aperto da escassez desse líquido tão essencial à vida. Você já pensou como seria a vida se a água acabasse? Pois saiba que em pouco tempo, se a água sumisse da Terra, toda forma de vida também se extinguiria.

Por isso a conscientização é tão importante, afinal, não há como fabricar água. Ou você pensa que dá para ir no mercado da esquina e dizer para o atendente: “Moço, preciso de duas moléculas de hidrogênio e uma de oxigênio para minha mãe fazer uma água bem fresquinha”. Esqueça! Água não é igual a bolo, que basta reunir alguns ingredientes e dali alguns minutos está pronto.

A boa notícia é que você pode ajudar a preservar a água. Por exemplo: na hora de escovar os dentes, desligue a torneira até que você precise enxaguar a boca. Outra dica: na hora do banho, nada de cantar as músicas do CD inteiro do seu artista preferido. Enquanto se ensaboa e passa o xampu, desligue o chuveiro. Ah, banho rápido não significa só olhar para o chuveiro e dizer “oi, amiguinho!” Faça a coisa certa, cara!

Como falei, o “Almanaque da Água” não está à venda, mas você tem um chance de conseguir um exemplar porque a Docol vai distribuir para as crianças que visitarem a empresa com suas escolas no decorrer do ano. O material também será distribuído a clientes, jornalistas, arquitetos e outros parceiros da Docol.

A publicação teve criação de Tatiana Engelbrecht e Daniel Almeida, direção de arte de Cinthia Behr e Daniel Almeida, textos de Rogério Trentini e ilustrações de Bárbara Malagoli.

Crianças e natureza – reconectar é preciso

01 de novembro de 2016 0
Divulgação, Pandorga

Divulgação, Pandorga

Com o objetivo de ressaltar a importância das interações entre as crianças e os ambientes naturais, o livro Crianças e Natureza – Reconectar é Preciso é um alerta para as graves consequências físicas e psíquicas de um cotidiano infantil sedentário e conectado a dispositivos eletrônicos (sejam eles tablets, celulares, computadores ou outros).

Nesta obra, a psicóloga Christiana Profice reúne os principais resultados de pesquisas sobre o tema em termos nacional e internacional. A conclusão a qual ela passa para o leitor é que a reconexão entre crianças e natureza é mais do que urgente, sob o risco de aumento de distúrbios físicos e emocionais causados pela privação de interações cotidianas com os ambientes naturais, seus seres e processos.

Um outro efeito nefasto do afastamento entre crianças e natureza é o desinteresse das pessoas pelo mundo natural, que, sem conhecê-lo, não se empenham em sua proteção, agravando, deste modo, os problemas ambientais contemporâneos.

Apesar deste alerta, as pesquisas científicas – apresentadas no livro – deixam claro que nem tudo está perdido e que ainda há tempo para reversão da situação, basta que seja devolvido às crianças o direito delas de contato com a natureza, da qual todos nós fazemos parte.

A leitura deste livro por pais, educadores e mesmo por crianças e adolescentes, certamente, já vai iniciar uma mudança de pensamento acerca da importância da natureza para a humanidade e de nossa responsabilidade para com sua proteção.

Trata-se de salvar a espécie humana, de dar às próximas gerações a oportunidade de estabelecer interações mais equilibradas e respeitosas com a natureza, seus seres e processos. Para fim, reconectar as crianças é preciso. E urgente. Antes que seja tarde demais.

Crianças e Natureza – Reconectar é Preciso, de Christiana Profice. Editora Pandorga, 200 páginas, R$ 39,90.

Autora de 61 anos lança o primeiro livro em Balneário Piçarras

08 de agosto de 2016 3
Divulgação

Divulgação

Você conhece um guruçá? Tenho certeza que sim. Se já foi numa praia, você já viu aquele crustáceo molinho e esbranquiçado que anda de lado, em movimentos rápidos, indo de um buraco a outro na areia da praia, parecendo um siri desbotado. Esse é um guruçá ou maria-farinha. Mas você conhece o guru…çá sabichão? No livro “As Aventuras de um Guru..çá Sabichão”, de RoseSpíndola, de Balneário Piçarras, o leitor vai conferir as aventuras do crustáceo Guru…çá Sabichão para salvar seus amigos das maldades de alguns humanos que frequentam as praias da região.

O livro tem 26 páginas, projeto gráfico do jornalista Luiz Garcia e ilustrações do jovem Guilherme Roemers, de apenas 17 anos, também morador de Balneário Piçarras e que, além deste livro, já tem em seu currículo ilustrações em outros quatro livros, três já publicados e um ainda em produção. O lançamento do livro acontecerá em agosto nas escolas municipais de Balneário Piçarras, além de eventos já organizados em Balneário Camboriú em setembro e na Feira do Livro de Balneário Piçarras, em novembro. O livro também será vendido em papelarias e livrarias da região.

Direcionado a crianças de 10 e 11 anos, “As Aventuras de um Guru..çá Sabichão” apresenta de forma atraente e ilustrativa uma história que mostra a importância da preservação ambiental (em especial do crustáceo guruçá — comum na região litorânea) e, de maneira secundária, também sobre os dramas do bullying (tema transversal tão atual). “Além disso, eu gostaria de incentivar outros escritores a mostrarem seus escritos e tentarem publicação, mostrando que a criatividade e a arte não se findam quando a idade avança”, lembrou Rose, que lança seu primeiro livro agora aos 61 anos. Desde 2013, Rose participa das ações culturais em Balneário Piçarras e foi incentivada a mostrar e publicar seus textos, escritos há 20 anos e guardados em uma gaveta.

Para a produção de 500 exemplares do livro, RoseSpíndola contou com o financiamento do Edital Ivone Pires de Apoio à Cultura 2016, por meio da Fundação Municipal de Cultura de Balneário Piçarras. Como contrapartida, a escritora vai destinar 225 livros para distribuição gratuita nas escolas do município. Os demais livros serão vendidos pela autora nas livrarias, papelarias da região e em eventos literários a R$ 20. A autora também visita as escolas da região e o contato é pelo e-mail roseespindola01@outlook.com.

O reino animal tem cada história...

12 de abril de 2016 0
Divulgação, Gaia

Divulgação, Gaia

Você sabia que muitos peixes evoluíram para o ambiente terrestre? Você sabe a diferença entre o jacaré e o crocodilo? Sabe quais são os mamíferos que botam ovos? E quanto mede a maior sucuri já vista? Essas e muitas outras curiosidades do mundo dos animais são encontradas no lançamento “Bichos da Terra”, de Salvatore Siciliano. A obra, integrante da coleção “Céu, Terra e Mar”, da Editora Gaia, é uma verdadeira viagem no tempo e esclarece como peixes fizeram a transição do ambiente aquático para o terrestre, dando origem aos sapos, às rãs, às tartarugas… e, finalmente, aos mamíferos.

Com bom humor e muito didatismo, Salvatore dá ao leitor uma verdadeira aula de biologia, comentando sobre hábitos, alimentação e reprodução de peixes, anfíbios, répteis e mamíferos. As fotografias presentes na obra nos apresentam bichinhos curiosos: bichir-do-senegal, lêmures e tuco-tucos… Além das imagens, Luciano Tasso traz cor às páginas com suas criativas ilustrações.

Depois de tanto aprendizado, “Bichos da Terra” nos deixa uma reflexão, lembrando que não somos os únicos a habitar o planeta e destacando os perigos que corremos ao extrapolar a exploração de recursos naturais. Um belo livro para aprender e também para pensar.

“Bichos da Terra”, de Salvatore Siciliano, com ilustrações de Luciano Tasso. Editora Gaia, 56 páginas, R$ 45,00.

Corre, curumim!

10 de fevereiro de 2016 0
Divulgação, DCL

Divulgação, DCL

Muita gente está voltando às aulas hoje. É hora de colocar a mochila nas costas e partir para mais um ano de enriquecimento pelos estudos. E que tal aquecer a leitura com um livro bem legal? Presta atenção!

Um jovem curumim e seu amigo mico-leão-dourado decidem sair para um passeio pela floresta, mas eles não imaginavam encontrar tantas figuras do folclore para persegui-los.

No meio da fuga das criaturas, no entanto, eles acabam se deparando com algo muito mais assustador: a mata sendo devastada. “Corre, Curumim!”, de Laerte Silvino, é um livro de imagens que mostra a relação do índio com o seu lar e sua cultura, além de destacar a importância de preservar e defender a natureza.

“Corre, Curumim!”, de Laerte Silvino. Editora DCL, 32 páginas, R$ 24,00.

Cerrado em quadrinhos

04 de dezembro de 2015 0
Divulgação

Divulgação

A sugestão de hoje, “Cerrado em Quadrinhos”, de Alves, trata deste importante tipo de vegetação no Brasil e que a garotada já deve ter visto nas aulas de geografia.

O cerrado costuma ser deixado um pouco de lado quando o assunto é a preservação ambiental, tendo sua importância ofuscada pela das grandes florestas verdes. Mas suas estranhas árvores retorcidas escondem incontáveis riquezas e uma das maiores biodiversidades do planeta.

Segundo maior bioma brasileiro, o cerrado abriga milhares de espécies; e povos indígenas, quilombolas, sertanejos e ribeirinhos estão entre as comunidades que encontram lar nesse colosso da natureza.

Nesta inspirada homenagem em forma de tiras, o cartunista Alves resgata a importância do cerrado e soma – ora com bom humor, ora em tom de denúncia – suas forças à daqueles que já lutam pela sua preservação.

“Cerrado em Quadrinhos”, de Alves. Editora Nemo, 64 páginas, R$ 29,90.

José e o mistério dos bichos da Amazônia

30 de outubro de 2015 0
Divulgação, Pólen

Divulgação, Pólen

Por que alguns bichos vivem soltos na floresta e outros ficam presos em zoológicos? E os bichos domésticos, por que ficam dentro de casa? Essas questões são um grande mistério para José, o protagonista de “José e o Mistério dos Bichos da Amazônia”, novo livro infantil da jornalista e professora universitária Liege Albuquerque, publicado pela Pólen Livros.

Para compor a obra, a autora se inspirou na filha, Catarina, hoje com a mesma idade do protagonista (sete anos), que queria entender por que os bichos de zoológicos pareciam tão tristes, assim como os cães e gatos abandonados nas ruas.

“Fui construindo a história com minha filha, nas noites de Sherazade, em que ficávamos conversando e inventando histórias antes de dormir. Aproveitei para romancear um pouco do ambiente mágico onde tive o privilégio de viver quando morei no interior do Estado, no interior do Amazonas”, conta a autora.

O livro conta como José descobre que existem pessoas más que “roubam” os animais da selva para vendê-los aos zoológicos. Triste, ele vai passar as férias na casa da tia, em Manaus, e então conhece os animais domésticos, que dependem do homem para sobreviver. Essa experiência faz com que ele compreenda que cada tipo de animal precisa de condições adequadas para viverem felizes.

O livro ainda conta com ilustrações primorosas de Carlinhos Müller, com quem Liege trabalhou por muitos anos no jornal “O Estado de S.Paulo”. As imagens reproduzem a grandiosidade da Amazônia, ajudando a contar essa história desse menino que quer espalhar para o mundo os segredos que ele descobriu.

“José e o Mistério dos Bichos da Amazônia”, de Liege Albuquerque, com ilustrações de Carlinhos Müller. Editora Pólen, 32 páginas, R$ 32,00.

Moranguinho no mundo dos sonhos

01 de outubro de 2015 0
Divulgação, Boa Nova

Divulgação, Boa Nova

Publicação da Editora Boa Nova, “Moranguinho no Mundo dos Sonhos” traz para as crianças textos do escritor peruano Luis Hu Rivas com ensinamentos de amizade, amor, respeito à natureza e aos animais.

O escritor peruano já havia experimentado o sucesso com o livro “Meu Pequeno Evangelho”, feito em parceria com Mauricio de Sousa, com ensinamentos retirados de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. Agora, ele adaptou o clássico “Livro dos Espíritos” para a turma das frutinhas mais famosas do mundo.

Na Cidade das Frutinhas existia uma lenda antiga: a do Mundo dos Sonhos. Segundo ela, havia um mundo que continha uma flor muito especial: a Flor da Natureza. Essa flor só desabrochava quando uma pessoa tinha um problema para resolver e não sabia como. A lenda dizia que uma nuvem mágica aparecia sobre a cabeça de quem tinha o problema e fazia chover bem em cima dela. A nuvem misteriosa simbolizava o grande problema a ser solucionado, e a chuva era o início da solução dele.

Ao sair à procura da misteriosa Flor da Natureza, Moranguinho e sua turma acabam embarcando em uma aventura emocionante dentro do mundo dos sonhos ou mundo espiritual. Com um animado guia turístico chamado Huck, as frutinhas aprendem as dez importantes leis morais sobre admiração, trabalho, reprodução, conservação, transformação, sociedade, igualdade, liberdade, progresso, amor e justiça.

“Moranguinho no Mundo dos Sonhos” traz uma moralidade edificante para crianças. De forma lúdica, Luis Hu Rivas se baseia nas dez leis morais, ou dez leis da natureza, de uma das obras mais importantes de Allan Kardec, para escrever a obra.

O livro ainda traz mais de 20 atividades relacionadas às lições aprendidas pelas frutinhas, além do característico aroma de morango, próprio da famosa personagem.

“Moranguinho no Mundo dos Sonhos”, de Luis Hu Rivas. Editora Boa Nova, 64 páginas, R$ 29,90.

O Pavoroso Gargalhão

23 de junho de 2015 0
Divulgação

Divulgação

Para quem gosta de histórias com bichos esquisitos, “O Pavoroso Gargalhão”, de Stella Carr, é uma boa sugestão. Aliás, até a forma como a criatura surgiu é esquisita… eu conto.

Dona Maricota estava lavando a louça na cozinha. Mas, em vez de usar detergente de boa qualidade, os chamados biodegradáveis, desses que não poluem porque a espuma se desmancha na água, usou outro comum.

Daí a espumarada toda entrou pelo buraco da pia e foi rolando pelo encanamento até parar debaixo da padaria, onde seu Juvenal, o padeiro, atirou pelo esgoto um resto de farinha velha e bolorenta, em vez de jogar dentro do saco de lixo. O monte de espuma se misturou com a farinha e a massa ensaboada foi seguindo pelos canos da cidade.

A estranha criatura atravessou os esgotos da cidade, impressionou os moradores do vilarejo vizinho e bagunçou certos contos de fada. Mas será que o pavoroso é tão mau assim? Onde ele estará agora?

“O Pavoroso Gargalhão”, de Stella Carr, com ilustrações de Laurent Cardon. Editora FTD, 64 páginas, R$ 37,00.

Alice no Fundo do Mar

22 de maio de 2015 0
Divulgação, Nova Alexandria

Divulgação, Nova Alexandria

De que maneira educar as crianças para que compreendam a importância do meio ambiente e o equilíbrio ecológico? No livro “Alice no Fundo do Mar”, publicado pelo selo Volta e Meia da Editora Nova Alexandria, a socióloga Vanessa Labarrere chama a atenção para a ocupação desenfreada do litoral brasileiro e a falta de controle na produção e descarte de lixo, que compromete inclusive os oceanos.

Filha de biólogo, a personagem inicia seu interesse pela natureza e vai descobrindo a influência da humanidade em cada lugar por onde passa e como as construções que desenvolve, nada sustentáveis, agridem toda forma de vida que os cerca. Mas é ao lado da tartaruga marinha Madu que a curiosa garota entra em contato com o mundo debaixo d’água e se interessa ainda mais pelos seres vivos do oceano.

Guiada pelas nadadeiras de sua nova amiga, Alice conhece o efeito devastador da poluição, que causa sérios danos também à vida subaquática. Ela se envolve em várias “histórias de pescador”, na tentativa de fazer uma faxina nos corais, em que é auxiliada por prestativos e inteligentes golfinhos.

Indicada para crianças de seis a nove anos, a narrativa é leve e bem-humorada. A autora homenageia, nesta obra, o clássico da literatura infantil “Alice no País das Maravilhas”, do escritor inglês Lewis Carrroll (1832-1898), e, na vivência da garota que fala com os animais, se aproxima de outro personagem clássico, o Dr. Dolittle, criado pelo escritor inglês Hugh Lofting (1886-1947). O prefácio é do contista e pesquisador brasileiro Marco Haurélio.

“Alice no Fundo do Mar”, de Vanessa Labarrere, com ilustrações de Severino Ramos. Editora Nova Alexandria, 52 páginas, R$ 37,00.