Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Suspense"

Quem matou o Saci?

02 de agosto de 2017 0
Escarlate, divulgação

Escarlate, divulgação

O livro “Quem Matou o Saci?”, de Alexandre de Castro Gomes, conta que a detetive Billy Conrado e o detetive Joaquim de Jeremias colhem pistas e não poupam esforços para solucionar o misterioso assassinato de um conhecidíssimo personagem do folclore brasileiro. Quem teria motivos para matar o Saci Perereira? Muitos personagens são suspeitos, mas quem seria o verdadeiro culpado? De forma bem-humorada e original, o autor cria uma história de detetive instigante ao mesmo tempo em que faz um surpreendente passeio pelo folclore brasileiro.

Como sugestão aos professores, esta história permite trabalhar temas como folclore, suspense e humor. A obra apresenta diversos personagens do folclore brasileiro. Os alunos estão familiarizados com todos eles? Quais outros personagens eles conhecem (por exemplo, o Curupira ou a Mula sem Cabeça) e como eles poderiam ser incluídos na história? A exemplo das fichas de cada suspeito contidas no livro, peça para os alunos criarem fichas para esses outros personagens.

Repare com os alunos que o livro conta a história de três maneiras: pelas fichas, pela narração de Jeremias e pelo depoimento dos suspeitos. De que maneira eles diferenciam-se entre si (note, por exemplo, o uso de fontes diferentes)? Qual o efeito desses recursos na visão dos alunos? Eles agregam à narrativa? A história seria diferente ou teria menos impacto se esses recursos não fossem utilizados?

“Quem Matou  o Saci?”, de Alexandre de Castro Gomes, com ilustrações de Cris Alhadeff. Editora Escarlate, 112 páginas, R$ 35,00.

Fenômeno da literatura de fantasia argentina chega ao Brasil com livro sobre bruxas

01 de agosto de 2017 0
Divulgação, Planeta

Divulgação, Planeta

Chega ao Brasil o primeiro volume da pentalogia “Bruxas”, série best-seller da Argentina. Escrito pela “rainha do gênero de fantasia”, segundo o jornal “Clarín”, Tiffany Calligaris virou uma febre entre os jovens do país. Influenciada pela autora J.K. Rowlling, a escritora fez uma pesquisa de campo em Salém para criar o enredo que envolve bruxas  e outros seres míticos.

O livro “Bruxas: Laços de Magia” conta a história de Madison Ashford, estudante  de design em Boston, que leva uma vida sossegada até o aparecimento de um novo aluno da faculdade, Michael Darmoon.  O jovem e suas duas primas, também recém-chegadas à cidade, parecem ser envoltos em uma aura misteriosa.

Na presença de Michael e suas exóticas primas, nascidos em Salém, situações bizarras começam a ocorrer no campus e Madison vira alvo de alguns desses acontecimentos: lâmpadas estouram quando ela e o garoto se esbarram nos corredores, sonhos enigmáticos passam a ocupar as noites da jovem e um gato preto surge nos momentos mais inesperados.

Como tais acontecimentos bizarros conectam todos os personagens? Como os episódios acontecidos em Salém, palco principal do julgamento das bruxas em 1692, podem reverberar na atualidade? Essas só algumas das questões que Madison precisa desvendar no primeiro livro da pentalogia “Bruxas”.

“Bruxas: Laços de Magia”, de Tiffany Calligaris. Editora Planeta, 320 páginas, R$ 39,90.

"Sósia" espera sua ajuda em evento neste dia 14

13 de julho de 2017 0
Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Galera, faço a última chamada para que todos colaborem com o escritor joinvilense Renan Cardozo (foto ao lado), que busca colocar, via financiamento coletivo, o livro “Sósia” na praça. E você não precisa desembolsar uma soma astronômica para ajudar o escritor nessa empreitada: sabe aqueles R$ 10 adormecidos na carteira? Pois é! Essa quantia já vai dar um tremendo empurrão no projeto.

Também para impulsionar as contribuições, Renan fará nesta sexta-feira, dia 14, às 20h, na Livraria O Sebo da rua Dr. João Colin, 572, realizará um evento de divulgação do financiamento coletivo e da obra. Antes que me esqueça, o prazo fatal para o jovem escritor conseguir seu intento é o dia 19.

Quer ajudar o projeto a sair do plano das ideias e do papel, mas não tem como ir ao evento? Fica frio (ou fria), porque a contribuição é feita pelo site do Catarse-me, que explica tintim por tintim os passos e os mimos que cada doação oferece. O link é o https://www.catarse.me/sosia.

Sobre o livro

“Sósia” é um suspense psicológico, inspirado pelos clássicos lovecraftianos, como O Caso de Charles Dexter Ward”, que pretende questionar os laços com nossa própria identidade.

A história começa com um conjunto de relatos, do médico Johnas Spirandelle, enquanto ele e seu amigo, o oficial Ten. Carvalho, tentam descobrir que bizarra relação ocorre entre, uma série de assassinatos e a histeria religiosa causada por uma misteriosa ressurreição.

O romance discute o tema da “Sombra”, desenvolvido pelo psicólogo Carl Jung, sobre a natureza selvagem do ser humano. A arte da capa, criada pelo artista Walter Pax (autor das ilustrações da edição brasileira de “O Chamado de Cthulhu”) descreve esse conflito.

"O Escravo de Capela": um novo olhar sobre mitos nacionais

23 de junho de 2017 0
Divulgação, Faro

Divulgação, Faro

A história do Brasil na era colonial foi marcada a ferro e sangue. Sangue de homens e mulheres trazidos para essa terra estranha, de costumes e crenças alheios aos seus, povoada por seres rudes e mãos prontas para causar dor. Uma terra onde ser livre não era uma opção, nem mesmo na morte. E em meio a tantas histórias fortes, foi com a mistura de crenças africanas e ritos religiosos que diversas lendas nasceram. No entanto, com os passar das décadas, muito das cores originais e do terror nelas contidas foram amenizados. E é para resgatar esse terror original que “O Escravo de Capela”, de Marcos DeBrito, foi escrito. Aqui, nossas lendas não parecem fábulas para crianças. Aqui, elas são muito mais próximas do real.

O romance se passa no ano de 1792, auge da era colonial brasileira, quando a produção de açúcar nas fazendas de cana era controlada pelas mãos impiedosas dos senhores de engenho. Os homens acorrentados que não derramassem seu suor no canavial encontravam na dor de um lombo dilacerado o estímulo para o trabalho braçal. Não eram poucos os negros que recebiam no pelourinho a resposta truculenta para sua rebeldia. Pior ainda àqueles que, no desejo por liberdade, acabavam mutilados pelo gume de um terçado. No retorno de um morto que a terra deveria ter abraçado surge o pior dos pesadelos. E como se não bastasse o terror que assombra a casa-grande ao cair da noite, um conflito que parecia enterrado é reaceso, podendo destrancar um segredo capaz de levar todos à ruína.

“O Escravo de Capela” poderia muito bem ser um romance histórico, pois o drama principal são as relações entre os membros da família Cunha Vasconcelos e as consequências pelo longos anos de tratamento cruel dado aos escravos. Mas o autor é conhecido por entregar uma visão aterradora dos males reais que afetam o ser humano, trazendo terror às suas tramas como representação do pior que existe dentro de nós.

Esqueça as histórias de brincadeiras e estripulias de um moleque travesso. O assobio na floresta não é o aviso de traquinagem, mas o presságio de que o terror se aproxima. O caminhar errante, desequilibrado e mutilado é paciente. Porque a vingança vai chegar para todos de Capela.

“O Escravo de Capela”, de Marcos DeBrito. Faro Editorial, 228 páginas, R$ 44,90.

Vaquinha para colocar "Sósia" na praça

22 de maio de 2017 0
Divulgação

Divulgação

Tem muita gente com talento que, geralmente, precisa de uma forcinha para transformar os projetos em algo concreto. O problema é que, muitas vezes, as iniciativas, como publicar um livro, precisam ficar adormecidas numa gaveta qualquer das boas intenções devido às limitações de verba. Menos mal que existe a modalidade de financiamento coletivo (uma espécie de vaquinha eletrônica), com o qual se pode ajudar. E é esse mecanismo que Renan Cardozo, de Joinville, está usando para publicar o livro “Sósia”.

O projeto está no site Catarse.me e disponibiliza várias formas (valores) de ajudar, partindo de apenas R$ 10. Cada valor tem um tipo de recompensa, como exemplar do livro, reprodução da capa em tamanho grande etc. Vá lá e ajude Renan a tirar do papel o seu “Sósia”.

“Sósia” é um suspense psicológico inspirado pelos clássicos lovecraftianos, como “O Caso de Charles Dexter Ward”, que pretende questionar os laços com nossa própria identidade. A história começa com um conjunto de relatos do médico Johnas Spirandelle enquanto ele e seu amigo, o oficial Ten. Carvalho, tentam descobrir que bizarra relação ocorre entre uma série de assassinatos e a histeria religiosa causada por uma misteriosa ressurreição.

O livro discute o tema da “Sombra”, desenvolvido pelo psicólogo Carl Jung, sobre a natureza selvagem do ser humano. A arte da capa, criada pelo artista Walter Pax (autor das ilustrações da edição brasileira de “O Chamado de Cthulhu”) descrevem esse conflito.

Serviço:

Suspense alucinante em "Febre de Enxofre"

31 de janeiro de 2017 0
Divulgação, Penalux

Divulgação, Penalux

O que esperar de um convite que pode mudar sua vida? Sorte, armadilha ou simplesmente alucinações? Essa é uma questão que envolve o poeta desiludido Yuri Quirino, personagem do livro “Febre de Enxofre”, do escritor mineiro, radicado na Paraíba, Bruno Ribeiro.

O romance, publicado pela Editora Penalux, começa quando Yuri se despede da mulher amada e conhece Manuel di Paula, uma criatura estranha que oferece uma oportunidade peculiar de trabalho para ele: escrever sua biografia. Para produzi-la, Yuri precisa viajar até Buenos Aires (Argentina), a cidade natal de Manuel. Porém, ele termina entrando em uma voragem absurda de horror e perdição.

Elementos como o culto, o prosaico e o sagrado, a alucinação e a realidade, são pontos importantes das versões pós-moderna dos grandes mitos da literatura moderna: o vampirismo, traduzido com muita vitalidade na obra de Bruno Ribeiro.

Segundo o autor, o livro tende a se converter em um jogo de bonecas russas, ou espelhos confrontados, onde um e outro pisam na cauda do outro mutuamente. Ele comenta ainda que a obra brinca com o real e com o fictício, trazendo um mundo de imaginação e suspense para o leitor. “É um livro que assume riscos e cumpre com as expectativas que se propõe. Sem pudor”, ressalta.

“Febre de Enxofre”, de Bruno Ribeiro. Editora Penalux, 274 páginas, R$ 45,00.

Dois crimes, uma testemunha e muito suspense em "A Garota do Lago"

27 de janeiro de 2017 0
Divulgação, Faro

Divulgação, Faro

Becca Eckerley tinha a vida perfeita. Estudava para ser uma grande advogada numa das faculdades mais importantes do país, uma família feliz e unida, seus amigos eram leais, se dava bem com todos que a conheciam… Uma garota inteligente e amável que encantava a todos. Até que é encontrada morta.

Um crime brutal que abalou a pequena cidade de Summit Lake era o que a repórter investigativa Kelsey Castle precisava para afastar a mente de sua tragédia pessoal. O que ela não imaginava é que a vida dela e a morte dessa jovem estariam ligadas. E o que mais incomodava Kelsey eram as perguntas que ninguém conseguia responder: por que estão tentando manter tudo em sigilo? O que realmente aconteceu com essa garota? Como acontece um crime de ódio contra alguém sem inimigos? E por que Becca está morta e ela não?

A Faro Editorial lança neste mês o thriller “A Garota do Lago”, de Charlie Donlea, que arrebatou milhares de leitores nos Estados Unidos. Um livro de estreia que mereceu destaque de diversos autores consagrados, como Robert Dugoni e Emily Bleeker. Desde então, o autor tem sido considerado um dos autores mais promissores dos últimos tempos. Com uma narrativa eletrizante, mesclando flashes do passado e do presente, ele criou um romance assombroso sobre duas mulheres que foram vítimas de um crime, mas só uma sobreviveu para contar essa história.

“A Garota do Lago”, de Charlie Donlea. Faro Editorial, 296 páginas, 39,90.

O chamado do monstro

20 de janeiro de 2017 0
Divulgação, Ática

Divulgação, Ática

A escuridão. O vento, os gritos. Os olhos estatelados, a respiração entrecortada.

É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de chegar ao fim. Tudo é tão aterrorizante que Conor não se mostra nem um pouco assombrado quando uma árvore próxima à sua casa – um imponente teixo – transforma-se num monstro.

Além disso, ele precisa lidar com coisas mais urgentes e graves: o reinício do tratamento contra o câncer ao qual sua mãe terá de se submeter, a vinda da avó para “ajudá-los”, a permanente ausência do pai desde que foi morar com a nova família e o pesado bullying na escola, do qual é vítima quase todos os dias. Tudo muito mais perturbador do que uma criatura feita de folhas e galhos (mesmo que pulsem e se contorçam).

Só que o monstro sabe que Conor esconde um segredo. E isso o torna realmente assustador. Por que Conor deveria dar ouvidos ao que parece imaginado? Por que o monstro parece ser a única criatura a estar ao seu lado diante de seus maiores medos: perder a mãe e contar a verdade sobre o que sente?

A narrativa de “O Chamado do Monstro”, de Patrick Ness, trata de temas universais sem ser artificial ou moralizante. Com texto simples, o autor parece tocar cada leitor individualmente, fazendo da narrativa uma experiência múltipla e única ao mesmo tempo.

A ideia central desta história é da escritora Siobhan Dowd. Morta pelo câncer em 2007, ela não teve, infelizmente, tempo de terminá-la. Então, Patrick Ness recebeu a proposta de desenvolver a trama. Mesmo hesitando no começo, a força da história o cativou. O resultado é uma narrativa comovente e verdadeira, escrita sob uma situação-limite e com uma força inesquecível.

O filme “Sete Minutos Depois da Meia-noite”, inspirado no livro e que estreou nos cinemas em janeiro, é dirigido por J.A. Bayona, diretor espanhol do terror “O Orfanato”. O próprio Patrick Ness assina o roteiro. O longa traz Sigourney Weaver e Felicity Jones, além de Liam Neeson, que faz a voz do monstro e narra a força e a imprevisível ferocidade das histórias, responsáveis pelo medo, pela angústia, pela solidão, lembrando que encarar com sinceridade segredos recolhidos dentro do peito é muito mais aterrorizante.

“O Chamado do Monstro”, de Patrick Ness (ideia original de Siobhan Dowd), com ilustrações de Jim Kay e tradução de Antônio Xerxenesky. Editora Ática, 216 páginas, R$ 35,90.

Haverá um futuro para o bem da humanidade ou o mal irá prevalecer?

19 de janeiro de 2017 0
Divulgação, Autêntica

Divulgação, Autêntica

Uma trama sombria pode liberar o mal que habita em cada um de nós e se espalhar sem controle pelo mundo. Os destinos de três jovens precisam se conectar para tentar evitar que isso aconteça. É nesse enredo que se desenvolve a história contada no livro “O Mistério da Luz e a Face das Sombras”, de Silvio Costta.

O passado medieval e o presente tecnológico estão ligados nessa incrível trama que envolve violência, corrupção e crimes misteriosos, tendo como eixo a modernidade e a ciência em contraponto à e à esperança no divino.

Haverá um futuro para o bem da humanidade ou o mal irá prevalecer? Tudo o que acontece é causa e efeito ou estamos predestinados? A batalha entre o caos e a ordem começa agora, com o mistério da luz e a face das sombras!

“O Mistério da Luz e a Face das Sombras”, de Silvio Costta, com ilustrações de Cláudio Martins. Autêntica Editora, 240 páginas, R$ 39,80.

Uma pedra, uma feiticeira, um reflexo e muito mistério

05 de janeiro de 2017 0
Divulgação, Escarlate

Divulgação, Escarlate

Gosta de ler histórias com mistérios e suspense? Então, preste atenção no livro que o Blog do Aldo indica hoje: “Espelho, Espelho seu – uma Pedra, uma Feiticeira, um Reflexo”, de Rosana Rios.

O livro conta que três desconhecidos, fragmentos de um antigo espelho e um mistério centenário: quando cacos de um antigo espelho partido aparecem na cidade de São Vicente, no litoral paulista, acontecimentos estranhos passam a ocorrer com três habitantes da cidade. Divididos entre razão e loucura, magia e realidade e passado e presente, o aposentado Solero e os estudantes Adriano e Alexa precisarão montar um quebra-cabeça intrigante para chegar à verdade, antes que seja tarde demais.

A autora desenvolveu a história a partir de uma lenda do folclore de São Vicente sobre a Pedra da Feiticeira, que, de fato, existe. Para os professores, a sugestão é, junto aos alunos, escolher um marco histórico ou geográfico de sua cidade e peça que eles escrevam um pequeno conto de ficção a seu respeito. Os protagonistas Adriano e Alexa enfrentam problemas com a própria imagem e identidade: converse com os alunos sobre quais fatores (sociais, emocionais etc.) podem levar a esse tipo de crise e peça que os alunos desenvolvam um texto dissertativo sobre suas causas e consequências.

“Espelho, Espelho seu – uma Pedra, uma Feiticeira, um Reflexo”, de Rosana Rios. Editora Escarlate, 144 páginas, R$ 28,70.