Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "ana maria machado"

O que eu vejo pode não ser o que você vê

19 de fevereiro de 2013 0

Uma nova publicação destinada ao público infantil chega ao catálogo da Editora Gaia: “Como eu Vejo as Coisas”, de Sirish Rao, um dos mais importantes escritores indianos da atualidade.

A narrativa gira em torno de Siena Baba, um feliz artista que vê o mundo de maneira diferente, de uma forma peculiar, toda especial, ímpar. As pessoas que param para olhar seu trabalho acham a pintura estranha e, às vezes, até esquisita demais. Mas ele não se importa com o que dizem a respeito da sua arte.

Um dia, Siena Baba decide pintar uma extraordinária galeria de animais para sua casa. Um porco com penas de pavão, um azulão com cabeça de leão, um crocodilo com plumas de um galo… “O que você pinta parece nada com as coisas que existem de verdade”, reclamavam os visitantes. “Não posso fazer nada”, respondia Siena Baba. “É como eu vejo as coisas”, concluía ele.

Depois de uma noite de sono, o artista encontrou uma solução para a confusão armada com bichos inexistentes. Para o pequeno leitor, Sirish Rao mostra como o mundo pode ser diferente com o poder da arte e da imaginação.

“Como eu Vejo as Coisas”, de Sirish Rao, com ilustrações de Bhajju Shyam e tradução de Ana Maria Machado. Editora Gaia, 32 páginas, R$ 59,00.

Ana Maria Machado e a senhora dos mares

03 de maio de 2012 0

Uma nova obra para crianças e jovens assinada pela premiada escritora Ana Maria Machado é lançada pela Editora Gaia. “Senhora dos Mares” é uma narrativa extremamente sensível e conta a história de Marina, uma menina nascida numa família de pescadores. Os avôs, os tios, o pai e o irmão saíam de madrugada para o mar com anzóis, redes e iscas e só voltavam no fim do dia.

O desejo de Marina era ir com eles, pescar, viajar, conhecer outros lugares. Porém, só os homens podiam. “Menina não pesca. / Nunca se viu menina pescadora – explicou um vizinho. Eu vivo pescando há mais de sessenta anos e nunca ouvi falar nisso. Dizem até que ter mulher no barco traz má sorte. Pode ser perigoso… / Lugar de mulher é em casa – concordaram todos.”

Marina, insistente, determinada nos seus sonhos, aguarda uma oportunidade para provar o que pode. Será que ela consegue? É o que leitores de “Senhora dos Mares” desejam.

“Senhora dos Mares”, de Ana Maria Machado, com ilustrações de Rafael Polon. Editora Gaia, 24 páginas, R$ 21,00.

É preciso olhar as coisas simples do dia a dia

26 de abril de 2012 0

Quantas vezes os pais ficam refletindo: “Sou eu que estou ensinando meu filho ou estou aprendendo com ele?”. A sugestão de hoje, “Quem Foi que Fez?”, Ana Maria Machado e a filha Luisa Baeta propõem uma introspecção maior sobre este assunto.

Neste livro, integrante da coleção “Abre o Olho”, Ana Maria Machado e a filha, que é fotógrafa e designer, mais uma vez juntas, em textos e fotos, convidam o leitor para explorar o olhar com sensibilidade. Olhar para as coisas simples do dia a dia — o vento, as casas, as ruas, as praças, o pão, as frutas, a chuva, a terra, entre outras — e sentir toda sua riqueza, mistério e complexidade. Quem fez meu pai, minha mãe? Quem me fez foram meus pais. E eles? Os meus avôs. E quem ficou lá para trás? Quem fez o primeiro de nós?

Perceber o mundo a sua volta, pensar sobre ele, levantar questões, criar perguntas e sugerir respostas pode proporcionar descobertas incríveis e um sentimento prazeroso de pertencimento.

“Quem Foi que Fez?”, de Ana Maria Machado e projeto gráfico e imagens de Luisa Baeta. Coleção “Abre o Olho”, Global Editora, 32 páginas, R$ 27,00.

Surfando nas asas do mar

19 de março de 2012 0

Uma linda donzela se disfarça de cavaleiro para salvar sua família, crianças levam à loucura um síndico mandão, um boto fica apaixonado por uma estrela cadente… Quantas histórias! Apaixonadas, comoventes, divertidas, nas quais o ser humano é capaz de transformar qualquer situação.

Dividida em seis capítulos que organizam temas de grande importância na obra de Ana Maria Machado,”Nas Asas do Mar”, integrante da coleção “”Para Gostar de Ler Júnior”, é uma antologia que dá oportunidade de se aventurar no rico universo de uma das mais prestigiadas escritoras da literatura infantojuvenil brasileira.

Os textos navegam por vários gêneros: contos, recontos da tradição popular brasileira e mundial, poemas… O leitor vai se encantar com o ritmo gostoso e a forma envolvente, quase em tom de conversa, com que Ana Maria Machado narra suas histórias.

“Nas Asas do Mar”, de Ana Maria Machado, com ilustrações de Florence Breton. Coleção “Para Gostar de Ler Júnior”, Editora Ática, 120 páginas, R$ 29,50.

Ana Maria Machado reconta histórias greco-romanas

05 de dezembro de 2011 0

Grande parte de nossa cultura nasceu com os gregos e romanos, que nos deixaram um tesouro valiosíssimo – mitos, lendas, fábulas, tragédias e comédias –, cujas marcas nos acompanham até hoje.

O livro “Histórias Greco-romanas”, com passagens recontadas por Ana Maria Machado, reúne algumas dessas histórias, que vão deixar seus ecos em todos os séculos de nossa era. Às vezes elas parecem contos de fadas, outras vezes fazem lembrar um filme de aventura.

As narrativas são apenas uma pequena amostra da riqueza e da variedade daquilo que a literatura clássica nos deixou como legado. Essas e muitas outras histórias fazem parte da inestimável herança da Antiguidade Clássica. Vale a pena conhecer.

“Histórias Greco-romanas”, com textos recontados por Ana Maria Machado e ilustrações de Laurent Cardon. Coleção “Histórias de Outras Terras”, Editora FTD, 56 páginas, R$ 30,60.

A história da irmã do Sol

16 de novembro de 2010 0

“A Irmã do Sol”, do escritor escocês Andrew Lang e adaptada por Ana Maria Machado, é uma história de encantar. Castelos, florestas perigosas, gigantes, bosques selvagens, galinhas douradas, objetos e animais mágicos misturam?se para criar uma narrativa envolvente.

Um garoto condenado por um rei injusto parte à procura da galinha dourada que será sua salvação. Nessa longa busca, o rapaz conhece a princesa com uma estrela na testa que brilhava quando ela abria os olhos.

Ele teria de lutar com os gigantes que mantinham prisioneira a irmã da princesa. Mas será que o rei mau vai deixar o jovem plebeu casar com aquela princesa linda e capaz de enfrentar até as ordens reais?

“A Irmã do Sol”, de Andrew Lang, com adaptação de Ana Maria Machado, tradução de Luisa Baeta e ilustrações de Cláudia Scatamacchia. Global Editora, 32 páginas, R$ 29,00.

Aventura em um navio fantasma

25 de outubro de 2010 0

Ana Maria Machado presenteia o jovem leitor com a adaptação de uma aventura aterrorizante em alto-mar: “O Navio Fantasma”, de Wilhelm Hauff. A respeito dessa versão, a autora comenta: “Ao criar sua história, o escritor alemão também se inspirou em uma coletânea que fazia muito sucesso na Europa: os contos de ‘As Mil e uma Noites’. Por isso, ele introduz essa atmosfera oriental em seu relato. Fala em sultão, peregrinação a Meca. Os cenários dos acontecimentos (além do alto-mar, evidentemente) são a Índia, a Argélia e o porto de Balsora, na Mesopotâmia, atual Iraque. (…)

Além desses lugares, o leitor vai “conviver” com náufragos, um rapaz e o fiel empregado de seu pai que vão viver uma aventura aterrorizante, cercados pelos espíritos do capitão e dos marinheiros mortos num estranho motim.

Mas o que fica mesmo mais forte, após a leitura, é a estranha atmosfera fantástica do relato sobrenatural (…). Um tema que continua a fascinar as novas gerações, agora em filmes, histórias em quadrinhos, desenhos animados. Vale a pena ler a história e conhecer como ela era contada em outros tempos.

“O Navio Fantasma”, de Wilhelm Hauff, com adaptação de Ana Maria Machado e ilustrações de Michele Iacocca. Global Editora, 32 páginas, R$ 29,00.

Ana Maria Machado une dois mundos

20 de setembro de 2010 0

Como o céu e o mar poderiam se aproximar? Como um habitante das matas, capaz de voar, poderia se sentir atraído por um ser dos oceanos?

Em “O Elfo e a Sereia”, Ana Maria Machado conta a história de um amor quase impossível entre um elfo (pequena criatura que vive na mata) e uma sereia (que vive no mar). A autora aproxima dois mundos totalmente diferentes e, desta união, surgem seres maravilhosos que moram ao mesmo tempo na fantasia, na mata e no mar. Leia um trecho do livro:

- Preciso de ti. Fica comigo.
– Se eu ficar, morro – disse a Sereia.
– Tu tens os olhos mais verdes que o vento do mar, um jeito mais forte e seguro que qualquer navio, o cheiro da terra mais vivo e fresquinho que já senti.
– Mas não me posso demorar fora d’água.
– Também não me posso demorar.

Nessa narrativa poética, Ana Maria Machado, sempre criativa e sensível, encontra uma forma de esses dois seres, apesar das diferenças, serem felizes para sempre.

“O Elfo e a Sereia”, Ana Maria Machado, com ilustrações de Elma. Global Editora, 32 páginas, R$ 29,00.

Conto de um califa em Bagdá

20 de julho de 2010 0

Um califa, um grão-vizir, um mercador, uma caixinha com pó preto, um manuscrito, um sábio, uma palavra mágica e uma coruja são alguns dos elementos presentes na sedutora história de “O Califa Cegonha”, do escritor alemão Wilhelm Hauff, com tradução de Maria Lucia Machens e adaptação de Ana Maria Machado. Uma narrativa que instiga a imaginação criadora da criança e a transporta para as terras longínquas de Bagdá.

Era um homem pequeno, gordo, de rosto moreno e vestia um traje esfarrapado. Trazia consigo uma caixa com todo tipo de coisas: pérolas, anéis, pistolas, ricamente adornadas, taças e pentes. Muito à vontade, foi logo abrindo e mostrando todas as mercadorias, elogiando a qualidade dos artigos (…). Quando o mascate ia fechando a caixa, o califa viu, no fundo, uma gaveta pequena e perguntou…

A narrativa de “O Califa Cegonha” abre espaço para que, mesmo em tempos de alta tecnologia, recupere-se o prazer de ler, ouvir e contar histórias.

“O Califa Cegonha”, de Wilhelm Hauff, com tradução de Maria Lucia Machens, adaptação de Ana Maria Machado e ilustrações de Cláudia Scatamacchia. Global Editora, 24 páginas, R$ 29,00.

Ana Maria Machado fala palavras, palavrinhas e palavrões

22 de abril de 2010 0

Por que palavrões podem ser palavras grandes, ou às vezes, pequenas? Por que às vezes são palavras proibidas, outras vezes não, dependendo do caso?

No livro “Palavras, Palavrinhas e Palavrões”, de Ana Maria Machado, há uma menina que gosta de palavras, palavrinhas e palavrões. Ela adora descobrir palavras novas. E se encanta com o mistério daquelas que, sem mudar nada, ora dizem uma coisa, ora significam outra diferente.

A família vai à loucura com essa mania da menina de ficar colecionando e mastigando palavras. Até que um dia, por causa dessa confusão toda do que pode ou não pode falar, a pequena tomou uma decisão importante: não falaria mais nenhuma palavra! Só que a chegada de uma nova irmãzinha faz com que ela mude de ideia e veja que brincar com as palavras de nossa língua é um verdadeiro barato!

Quem tem ou mesmo já teve criança pequena em casa e se lembra da fase da descoberta das palavras vai se identificar com o livro, que trata exatamente desse mundinho em que os pequenos adoram falar ou inventar palavras que, muitas vezes, nem eles próprios sabem o que significa.

“Palavras, Palavrinhas e Palavrões”, de Ana Maria Machado, com ilustrações de Jótah. Editora FTD, 48 páginas, R$ 26,80.