Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "geração"

Cruls – Histórias e andanças do cientista que inspirou JK a fazer Brasília

24 de fevereiro de 2014 0

Divulgação, Geração

Realista, o presidente Juscelino Kubitschek sabia muito bem do que falava quando anunciou, em 1955, a construção de Brasília. A exata localização do novo Distrito Federal estava descrita desde 1894, no Relatório Cruls, aprovado pelo Congresso Nacional de então.

Entramos numa incrível viagem guiados por Luiz Cruls, um belga de nascimento, naturalizado brasileiro e brasileiríssimo de coração. Engenheiro de ferrovias por formação, astrônomo por vocação, ele comandou a Comissão Exploradora do Planalto Central do Brasil, que percorreu a região nos anos de 1892 e 1893, com a tarefa de demarcar a localização da nova capital.

A viagem não para por aí. Ao nos embrenharmos no livro “Cruls – Histórias e Andanças do Cientista que Inspirou JK a Fazer Brasília”, de Jaime Sautchuk, vamos entrar num bom pedaço da história do Brasil. De maneira leve, jornalística, o autor nos relata o que havia nessa região antes da chegada da Missão Cruls, como era chamada a comissão. A flora, a fauna, as águas e a presença humana são retratadas numa linguagem simples, direta e às vezes poética.

A maneira como Portugal estendeu as fronteiras de sua colônia no Oeste; os feitos dos viajantes, entre bandeirantes, aventureiros e cientistas; o indígena; o fim do Império. Os reais objetivos de Anhanguera 2º, o ciclo do ouro, as pesquisas científicas, as guerras e a chegada do boi.

A orientação usada por Cruls em suas medições foi sempre o Cosmos. Por isso, nosso percurso passa também pela astronomia. Boa viagem.

“Cruls – Histórias e Andanças do Cientista que Inspirou JK a Fazer Brasília”, de Jaime Sautchuk. Geração Editorial, 160 páginas, R$ 34,90.

Big Bang – Como o mundo foi criado

31 de janeiro de 2014 0

Divulgação, Geração

A origem do mundo sempre levanta uma pergunta que sempre causa debate: afinal, como ele surgiu? “BIG BANG – COMO O MUNDO FOI CRIADO”, de JULIE ANDKJAER OLSEN e MAREN WEISCHER, a sugestão de hoje, trata desse tema.

Você com certeza sabe que toda criança vem da barriga da mãe dela — você também veio. Mas você sabe dizer de onde vieram sua mãe e seu pai? Juntamente com todas as outras pessoas, todos os animais e todas as plantas, você veio das estrelas. Agora você vai ficar sabendo como o mundo foi criado e como a vida começou e foi dar em pessoas, que vieram dar em sua família, que veio dar em você.

Esta é história de como o mundo veio a existir, do Big Bang até hoje, contada para as crianças.

“BIG BANG – COMO O MUNDO FOI CRIADO”, de JULIE ANDKJAER OLSEN e MAREN WEISCHER, com tradução de Francis Henrik Aubert. Editora Geração (selo Geraçãozinha), 64 páginas, R$ 42,00.

A Guerra dos Fae - as Crianças Trocadas

19 de dezembro de 2013 0

Divulgação, Geração Editorial

Jayne, a heroína da saga “A GUERRA DOS FAE – AS CRIANÇAS TROCADAS”, de ELLE CASEY, é uma garota de 17 anos, rebelde e desbocada, que não consegue se encaixar em lugar algum. Assediada pelo padrasto, foge de casa, e seu único amigo, o nerd Tony, resolve acompanhá-la. Sem dinheiro no bolso e nenhum plano, os dois adolescentes partem para Miami, onde conhecem o misterioso Jared, que se propõe a ajudá-los com comida, abrigo e segurança. Tudo muito bom para ser verdade. Os dois vão com Jared a um armazém, onde vários outros jovens como eles, também fugitivos, estão reunidos.

Uma organização de que ninguém ouviu falar oferece aos jovens a chance de participarem de um estranho e suspeito experimento, uma competição na qual os concorrentes poderão ganhar muito dinheiro se chegarem ao final. Dopados, são levados a um local secreto, em uma imensa floresta. Não demoram a descobrir que perigos indescritíveis estão à espreita, pois o bosque onde foram largados está infestado de criaturas assustadoras, como íncubos, gnomos, lobisomens e outros seres sobrenaturais.

Na floresta, Jayne descobre-se possuidora de espírito de liderança e outros dons especiais de cuja existência nunca suspeitou, bem como uma espécie de afinidade poderosa e enigmática com a própria floresta, dons com que poderá, talvez, proteger a si própria e aos seus amigos quando chegarem a um mundo paralelo ao mundo real… o mundo dos Fae.

Elle Casey criou com maestria uma história envolvente, moderna e original, em que a magia está presente de um modo assombroso e plausível. A magia em “As Crianças Trocadas” não é ilusionismo nem misticismo, e sim uma energia inerente ao planeta e ao universo, que une os seres vivos, as coisas inanimadas… e aquelas que se encontram parcialmente vivas.

Não são apenas a magia e os seres fantásticos que fazem deste livro uma aventura inesquecível, mas também uma história sensacional e personagens fortes, plausíveis, com defeitos e qualidades, parecidos com gente que todos nós conhecemos. Repleta de ação, suspense e muito, mas muito humor, o livro é uma leitura envolvente e deliciosa, que puxa o leitor para dentro da história e não o deixa sair dela enquanto não chegou ao fim.

“A GUERRA DOS FAE – AS CRIANÇAS TROCADAS”, de ELLE CASEY, com tradução de Claudia Dornelles. Coleção “A GUERRA DOS FAE”, Geração Editorial, selo Geração Jovem, 288 páginas, R$ 34,90.

DE BAMBOLÊ E PATINS

24 de setembro de 2013 0

Divulgação, Geração

Em tempos de internet e tablets, até soa estranho falar de brinquedos e brincadeiras  que parecem coisa de outra mundo. A dica de hoje é de um livro que já no título traz dois desses brinquedos e que, por meio da poesia, vai fazer muita gente voltar no tempo: “DE BAMBOLÊ E PATINS”, de MARIA ELISA ALVES.

A autora é educadora e convive há mais de 30 anos com os processos de alfabetização e divulgação da poesia. Nesse tempo, desenvolveu um método de ensino lúdico que sensibiliza a criança à realidade que a cerca.

O resultado do trabalho em oficinas e jogos com crianças também pode ser visto no livro, uma reunião de poemas nascidos dessas oficinas e dedicado “a todas as crianças, esperanças de amanhã, e a todos os adultos que ainda guardam esperanças dentro de si”.

“DE BAMBOLÊ E PATINS”, de MARIA ELISA ALVES, com ilustrações de Cláudio Martins. Coleção “Meu Livro”, Geração Editorial, 24 páginas, R$ 18,00.

Muito além da morte

19 de março de 2013 0

Sam vai morrer e decide escrever um livro a respeito de sua situação. Sam tem uma lista de desejos com oito tópicos:

1. Quer ser um cientista famoso. Descobrir coisas e escrever livros sobre suas descobertas.
2. Bater um recorde mundial. Não um recorde de algum esporte. Um recorde bobo.
3.  Assistir a filmes de terror que ninguém permite.
4. Subir a escada rolante de descer ou descer a escada rolante de subir.
5. Ver um fantasma.
6. Ser um adolescente. Fazer coisas que adolescentes fazem, como beber, fumar ou ter namoradas.
7. Passear em um dirigível.
8.  Subir em uma nave espacial e ver a Terra do espaço.

Esta não é sua única lista. Sam cria também listas de como viver eternamente, listas sobre sua aparência, coisas favoritas, o que fazer quando alguém morre, fatos fantásticos sobre dirigíveis, para onde vamos após a morte, coisas que quer que aconteça após sua morte, dentre outras listas e questões que os adultos não sabem ou não querem responder.

“Como Viver Eternamente”, de Sally Nicholls, lançado em 19 países, apresenta-se em um formato que o destina não só para crianças e jovens, mas igualmente para adultos. A Geração Editorial, escolhida pela Scholastic para lançar o livro no Brasil – não fez diferente. O editor Luiz Fernando Emediato – também autor de um livro infantil sobre a morte, “Eu Vi Mamãe Nascer”, também se apaixonou imediatamene pelo texto de Sally Nicholls: “A gente não larga a história, que a gente vai lendo com um sorriso leve nos lábios e de vez em quando um aperto no coração e lágrimas nos olhos. É o livro de autor iniciante que todo editor sonha descobrir”.

A autora tinha 23 anos quando escreveu essa história, depois de fazer um curso de literatura numa universidade inglesa. Seu prêmio no final do curso foi ter os originais encaminhados para um agente literário, que se apaixonou pelo texto. Cinco editoras quiseram lançar a autora. Venceu a Scholastic – a maior do mundo para livros destinados a crianças e adolescentes.

O que é que o livro de Sally tem que outros sobre o mesmo tema não teriam? Os editores que se encantaram com o livro concordam com um fato: o livro não fala da morte, mas da vida. Não fala do fim, mas da eternidade. Fala sobre a alegria de viver e do sentido da vida enquanto ela dura. A leitura vai fluindo, delicadamente, com pequenas surpresas ao longo das descobertas do menino curioso que tenta tirar de sua rotina tudo o que ela pode oferecer de bom.

“Como Viver Eternamente”, de Sally Nicholls. Geração Editorial, 232 páginas, R$ 34,90.

Cuidado! O bicho vai pegar!

30 de outubro de 2012 0

Você costuma chamar o seu irmão de burro? Diz que a sua prima é uma cobra? Então, fique ligado porque a coisa pode ficar complicada!

Aproveite também para avisar aquele pessoal que adora xingar os outros usando o nome dos bichos. Eu conheço um que vive dizendo: “O irmão da fulana é um porco!!”. Tenho uma vizinha que sempre cochicha para as amigas: “Aquela vaca da mulher do açougueiro é uma anta!”. “Aquele cara é um burro!”; “Como vai a besta do seu primo? E a cascavel da sua sogra?

Pois é, por causa desses “elogios” todos, em “O Berro da Bicharada”, de Cláudio Martins, os animais ficaram revoltados e resolveram dar um fim a isso! Sei não, mas acho que o bicho vai pegar!

“O Berro da Bicharada”, texto e ilustrações de Cláudio Martins. Coleção “Meu Livro”, Geração Editorial, 32 páginas, R$ 24,00.

O mundo sem a mamãe

05 de outubro de 2012 0

Todo mundo passa por momentos muito difíceis. Infelizmente, as crianças também não estão livres de carregar suas cruzinhas, que, devido à falta de maturidade para lidar com certos problemas, tornam-se um peso extremamente insustentável. E um desses momentos é a morte de alguém querido. Como lidar com o sentimento de vazio que brota nos pequenos corações? Se para um adulto já é difícil suportar a dor que a morte causa, imagine para uma criança.

O livro infantil “Eu Vi Mamãe Nascer”, de Luiz Fernando Emediato, publicado em repetidas edições desde 1977, já encantou duas gerações que nele buscaram conforto quando se trata não só de enfrentar o tema da morte, mas também o de responder à eterna pergunta: para que serve a vida?

Uma criança de oito anos narra suas reações diante da morte da mãe. O livro foi recomendado pela Fundação de Assistência ao Estudante (FAE) e como tal tem sido adotado em numerosas escolas de primeiro grau, como leitura suplementar, em todo o País.

“Eu Vi Mamãe Nascer”, de Luiz Fernando Emediato, com ilustrações de Thais Linhares. Geração Editorial, 32 páginas, R$ 34,00.

Batalha entre os corações de pedra

21 de agosto de 2012 0

O romance “Coração de Pedra – livro 1″, do inglês Charlie Fletcher, publicado pela Geração-Ediouro, conta a fascinante história de uma guerra entre estátuas mitológicas e estátuas de seres humanos em Londres. O início de tudo foi um soco de um adolescente, George Chapman, decepando a cabeça de um dragão de pedra do pórtico do Museu de História Natural.

Ele é perseguido por um pterodáctilo, réptil de dentes afiados e pontudos, que se soltou da fachada do museu e o olhava fixamente com ódio e fome. George é salvo pela estátua do Artilheiro do Memorial de Guerra.

Somente o jovem enxerga as estátuas em movimento. Para reparar o estrago que aprontou, ele tem de colocar a cabeça do dragão no Coração de Pedra, mas George não sabe onde encontrá-la. Na busca, conta com a ajuda de Edie, uma menina bem decidida. Com linguagem ágil e fácil, a história tem ritmo eletrizante, mas ao mesmo tempo diverte.

“Coração de Pedra – livro 1″, de Charlie Fletcher. Geração Editorial/Ediouro, 464 páginas, R$ 39,90.

Retrato de um Brasil renascido

19 de julho de 2012 0

Escrito com a bagagem cultural de quem estuda o Brasil há cerca de 40 anos, mas também com a imparcialidade e isenção de que só um estrangeiro é capaz, o livro “Brasil em Alta – a História de um País Transformado”, do conceituado jornalista norte-americano Larry Rohter, pode ser considerado uma enciclopédia em um volume sobre o Brasil moderno.

Conhecedor do Brasil como poucos brasileiros, demonstrando uma notável familiaridade com a psique da sua sociedade e com o funcionamento de suas instituições, Larry Rohter trata da história, os costumes, a economia, o povo, a terra, os recursos naturais, a cultura e a política do Brasil, com especial destaque para as mudanças que, nos últimos 20 anos, transformaram um atrasado país agrícola, arruinado pela hiperinflação e pela ditadura militar, numa emergente potência industrial e uma das maiores economia do mundo, escolhida para sediar a Copa e os Jogos Olímpicos, em 2014 e 2016, respectivamente.

Com incomparável profundidade de análise, o jornalista também explica por que, apesar de todos esses avanços, esta terra de grandes contrastes e contradições ainda permanece enfraquecida por mazelas sociais que remontam aos tempos da colonização, como clientelismo, fisiologismo e corrupção, forças retrógradas de diversos aspectos da vida brasileira que não só não morreram, como continuam dirigindo os rumos da Nação.

Uma dessas contradições foi sentida pelo autor na própria pele ao protagonizar, em 2004, um episódio que demonstrou como, apesar da consolidação da democracia no Brasil, ainda existem políticos brasileiros que atentam contra a liberdade de imprensa. Correspondente do “New York Times” no Brasil durante muitos anos, Larry Rohter, em um artigo para o seu jornal, criticou o então presidente Lula pelo seu consumo excessivo de bebidas alcoólicas, ao que este, em represália, ordenou que o jornalista fosse expulso do País, utilizando a mesma lei da época da ditadura outrora usada para silenciar o próprio Lula.

O presidente acabou tendo de suspender essa ordem, depois que o Superior Tribunal de Justiça emitiu uma liminar, criticando-o severamente por se exceder em sua autoridade. “No Estado democrático de direito não se pode submeter a liberdade às razões de conveniência ou oportunidade da administração”, estabelecia a liminar. “E aos estrangeiros residentes no País, como aos brasileiros, são assegurados direitos e garantias fundamentais pela Constituição Federal.”

“Brasil em Alta – a História de um País Transformado”, de Larry Rohter, com tradução de Paulo Schmidt e Wladir Dupont. Geração Editorial, 392 páginas, R$ 39,90.

Mais forte que o sobrenatural

03 de julho de 2012 1

“Sombras da Noite – a Vingança de Angelique”, é o primeiro de dois romances baseados na série “Dark Shadows”, exibida nos EUA pela ABC TV entre 1966 e 1971, e depois  retomada em 1991. Considerado hoje um seriado cult, “Dark Shadows” inspirou também  o filme de Tim Burton que traz Johnny Depp no papel de Barnabas e Eva Green no de Angelique.

A história começa na segunda metade do século 18, na ilha de Martinica, no Caribe, e se estende até os anos 70, nos Estados Unidos. Angelique e Barnabas são os personagens principais. O destino dela começa a mudar drasticamente depois que o pretenso pai a tira da casa, uma humilde choupana, sob a promessa de proporcionar-lhe uma vida melhor. Pelo menos era isso o que a mãe, descendente de escravos, pensava, liberando a filha para seguir o seu caminho aos dez anos de idade.

A partir daí, inicia-se uma completa revolução na vida da menina, a começar pela sua vivência entre os escravos que trabalham no engenho de açúcar do pai, onde é forçada a se passar por uma deusa e assistir aos flagelos dos escravos, ao mesmo tempo em que, prisioneira num pequeno quarto, gasta o tempo lendo a obra completa de Shakespeare, além de aprender a arte da feitiçaria, do sobrenatural.

Ela também terá que se libertar da escravidão branca. Logo depois, cairá numa segunda escravidão, a do amor impossível, quando cruza com Barnabas Collins, um jovem burguês conquistador. Angelique é uma das suas presas. Ele a ilude de tal forma que acaba vítima da própria sedução. No desespero de agarrar o seu amado, Angelique lança mão de todos os seus poderes sobrenaturais, aprendidos na senzala, até o ponto em que tudo foge ao controle. Amor se transforma em ódio, vida se transforma em morte, sonhos viram pesadelos.

Um livro de mais de 500 páginas, numa linguagem enxuta, concisa, rico em situações, diálogos e fatos históricos. O vampirismo aparece, mas não é o cerne do romance. O aspecto central é a luta por um amor fugidio, tão forte que leva à loucura.

Este é um livro de arrepiar, mas não tanto de medo. A autora norte-americana Lara Parker — que interpretou a sensual e vingativa Angelique no seriado — trata das paixões que movimentam a vida, tornando-a mais pulsante, pungente e impetuosa. Mesmo que, para isso, alguns personagens se transformem em vampiros, feiticeiros, assassinos. No fundo, todos querem mesmo é ser felizes, apesar dos rumos inesperados que a vida toma.

Assista ao trailer do filme:

“Sombras da Noite – a Vingança de Angelique”, de Lara Parker, com tradução de William Lagos. Geração Editorial, 552 páginas, R$ 49,90.