Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "Literatura Infantojuvenil"

Eugênia conta suas memórias

30 de outubro de 2017 0
Divulgação

Divulgação

Você já deve ter passado pela seguinte cena: algum familiar mais velho senta perto de você e começa a contar como era no tempo em que ele era mais novo, relatando coisas puxadas pela memória. Em geral, a conversa começa com a frase “no meu tempo…”. Por acaso, isso que conto não é verdade?

A sugestão de hoje, “As Memórias de Eugênia”, de Marcos Bagno, também tem alguém contando coisas do passado. A diferença é que a personagem é uma árvore. A protagonista e narradora desta história relaciona-se com o mundo e as pessoas de uma forma bem particular: Eugênia é uma árvore que presencia o surgimento e o crescimento da cidade onde vive e sofre as consequências do progresso.

Escrito com apuro de linguagem e um toque de poesia, este livro convida o leitor a revolver as memórias de Eugênia, que guardam surpreendentes segredos.

“As Memórias de Eugênia”, de Marcos Bagno, com ilustrações de Miguel Bezerra. Coleção “Metamorfose”, Editora Positivo, 88 páginas, R$ 45,90.

Você tem medo de bruxas?

26 de outubro de 2017 0
Divulgação

Divulgação

Como muita gente sabe, no dia 31 de outubro, nos Estados Unidos, é comemorado o Halloween, ou o Dia das Bruxas. É um evento tipicamente americano, mas que não está mais restrito ao território do Tio Sam, sendo realizados eventos semelhantes em vários países, inclusive no Brasil. Alguns dirão que é o “imperialismo americano” dominando. De qualquer forma, se existem pessoas que gostam, quem é que pode julgar?

Para essa turma que gosta de sair por aí usando nariz de bruxa e um chapéu pontudo e perguntando “trick or treating?” (no Brasil, adaptado como “doces ou travessuras?”, uma dica legal para a criançada é o livro “Bruxa, Bruxa, Venha à Minha Festa”, de Arden Druce.

A obra conta que uma garota pede que toda sorte de seres assustadores compareça à sua festa. E lá vão: bruxa, gato, espantalho, coruja, árvore, duende, dragão, pirata, tubarão, cobra, unicórnio, fantasma, babuíno, lobo e, epa!, Chapeuzinho Vermelho? Uma história de medo que mostra como a imaginação das crianças as faz capazes de se deliciar com a ideia do medo.

“Bruxa, Bruxa, Venha à Minha Festa”, de Arden Druce, com ilustrações de Pat Ludlow e tradução de Gilda de Aquino. Editora Brinque-Book, 36 páginas, R$ 41,30.

 

 

Jovem escritora lança "A Garota das Sapatilhas Brancas"

20 de outubro de 2017 0
Divulgação, Verus

Divulgação, Verus

Ana Beatriz Brandão

Ana Beatriz Brandão. Foto: Divulgação

Neste sábado, dia 21, a jovem escritora Ana Beatriz Brandão lança mais uma obra: “A Garota das Sapatilhas Brancas”, pela Verus Editora, do Grupo Editorial Record.

Spin-off de “O Garoto do Cachecol Vermelho”, que já está na quinta edição, este segundo romance da autora e quarto livro já publicado, mostra, pelas lembranças de diversos personagens já conhecidos e amados pelo leitor, como decisões podem afetar o destino. E os fãs já podem preparar os lenços novamente porque a trama é cheia de emoções.

Na história, Daniel Lobos vive a vida plenamente. Dono de um coração enorme, o jovem divide seu tempo entre duas paixões: a música e as causas sociais. Até que seu caminho cruza o de Melissa, uma bailarina preconceituosa e mesquinha, que põe à prova aquilo em que ele mais acredita: que todo mundo merece uma segunda chance.

Diferentemente do que acontece em “O Garoto do Cachecol Vermelho”, agora os leitores irão acompanhar o outro lado da história, que é o de Daniel, portador de uma doença degenerativa sem cura, a esclerose lateral amiotrófica, mais conhecida como ELA.

Vítima da mesma doença do pai, ele tenta se desviar dos familiares que tanto fazem perguntas sobre seu estado enquanto faz de tudo para arrancar sorrisos de Melissa. Quando ele propõe a ela o plano de passar dois meses juntos para que ela passe a ver a vida de forma diferente, a aproximação entre os dois se torna inevitável. Agora, nada mais será como antes.

Parte dos direitos autorais deste livro será doada para instituições ligadas à esclerose lateral amiotrófica (ELA). As doações, que contam com o apoio da Verus Editora e do Grupo Editorial Record, irão para o Instituto Paulo Gontijo e a Associação Regional de Esclerose Lateral Amiotrófica (Arela-RS). Os leitores de “O Garoto do Cachecol Vermelho” também continuam contribuindo para a Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica (Abrela).

“A Garota das Sapatilhas Brancas”, de Ana Beatriz Brandão. Verus Editora182 páginas, R$ 29,90.

Livro "Vida Game" aborda questões da pré-adolescência na era dos jogos eletrônicos

19 de outubro de 2017 0
VIDA GAME

Divulgação, Peirópolis

Sem didatismos, o livro “Vida Game”, que será lançado no dia 23 de outubro, traz a vida real como uma possibilidade de diversão, emoção e fases a serem cumpridas.

O texto do livro de Adriana Calabró foi o vencedor do Concurso João de Barro, prestigiado prêmio oferecido pela cidade de Belo Horizonte, e tem o formato de um diário, escrito por um menino que tem onze anos, faz doze durante a história, mas tem pensado muito nos treze, quando será tecnicamente um teen.

A autora, que teve formação em publicidade e está se licenciando em letras, já teve incursões no romance e no conto, e faz a sua estreia no gênero infantojuvenil. “Ao observar os meus sobrinhos e as demais crianças que já conseguem entender sobre a sua própria maturidade, seus próprios limites, surgiu a vontade de dar voz a eles. Assim nasceu o Fernando Fontes, narrador do ‘Vida Game’“, diz a autora, que, além de escritora, é roteirista, dramaturga, publicitária e dá aulas de escrita criativa. Possui outras obras premiadas, como o conto “Taciana”, finalista no Prêmio Off-Flip, o Projeto Marco Polo, vencedor da bolsa de criação literária do ProAc e o conto “A Lança e o Dado”, finalista no Prêmio Paulo Leminski.

“Vida Game”, de Adriana Calabró, com ilustração de Angelo Abu. Editora Peirópolis, 104 páginas, R$ 33.

Vida, aqui vou eu!

17 de outubro de 2017 0
Reprodução

Reprodução

Galerinha, a dica de hoje é bem legal. Com certeza, o livro “Vida, Aqui Vou eu!”, de Flávia Savary, vai fazer você pensar e até identificar algo semelhante acontecendo por perto.

O livro conta que o adolescente Paulo acredita que tem tudo: dinheiro, beleza, uma turma sempre disposta a bagunçar. Então por que há esse sentimento de vazio tão grande no peito? Será que o que ele possui já não lhe basta ou até mesmo descobriu que existem outras coisas mais importantes?

A convivência inicialmente imposta com a colega Clara se torna uma grande amizade e vai mostrar a Paulo que a vida tem muito mais a oferecer do que baladas. É no trabalho voluntário e na responsabilidade que ele descobre a alegria de estar a serviço do próximo e encontra assim um sentido para sua própria vida.

“Vida, Aqui Vou eu!”, de Flávia Savary, com ilustrações de Daniel Kondo. Editora FTD, 56 páginas, R$ 43,00.

 

Mistério e suspense em "Espelho, Espelho seu — uma Pedra, uma Feiticeira, um Reflexo"

11 de outubro de 2017 0
Divulgação

Divulgação

Olá, galerinha. A dica da véspera do feriadão vai agradar em cheio a quem gosta de histórias com uma pitada de suspense e mistério.

O livro “Espelho, Espelho seu — uma Pedra, uma Feiticeira, um Reflexo”, de Rosana Rios, conta sobre três desconhecidos, fragmentos de um antigo espelho e um mistério centenário: quando cacos de um antigo espelho partido aparecem na cidade de São Vicente, no litoral paulista, acontecimentos estranhos passam a ocorrer com três habitantes da cidade. Divididos entre razão e loucura, magia e realidade e passado e presente, o aposentado Solero e os estudantes Adriano e Alexa precisarão montar um quebra-cabeça intrigante para chegar à verdade, antes que seja tarde demais.

A autora desenvolveu a história a partir de uma lenda do folclore de São Vicente sobre a Pedra da Feiticeira, que, de fato, existe. Junto aos alunos, escolha um marco histórico ou geográfico de sua cidade e peça que eles escrevam um pequeno conto de ficção a seu respeito. Os protagonistas Adriano e Alexa enfrentam problemas com a própria imagem e identidade: converse com os alunos sobre quais fatores (sociais, emocionais etc.) podem levar a esse tipo de crise e peça que os alunos desenvolvam um texto dissertativo sobre suas causas e consequências.
Esta história permite trabalhar temas  como adolescência, identidade, investigação e mistério.

“Espelho, Espelho seu — uma Pedra, uma Feiticeira, um Reflexo”, de Rosana Rios. Editora Escarlate, 144 páginas, R$ 29,00.

Trilogia de Murilo Rubião tem dois livros indicados para o Prêmio Jabuti 2017

09 de outubro de 2017 0

 

Duas obras da trilogia de contos do escritor Murilo Rubião – um dos principais representantes da literatura fantástica no Brasil – estão entre as selecionadas para concorrer ao Prêmio Jabuti 2017. O livro “O Edifício” está concorrendo na categoria ilustração de livro infantil ou juvenil, com o trabalho do ilustrador Nelson Cruz. Nessa mesma categoria, o ilustrador Odilon Menezes concorre com a obra “Teleco, o Coelhinho”. Os dois livros fazem parte da trilogia lançada pela Editora Positivo em 2016, para comemorar o centenário de nascimento de Murilo Rubião. As capas dos livros estão na galeria acima. Para vê-las em tamanho maior, é só clicar nelas.

Os contos “Bárbara”, “O Edifício” e “Teleco, o Coelhinho” foram lançados em edições especiais e com a participação de grandes ilustradores brasileiros – entre eles Nelson Cruz e Odilon Menezes – cujos trabalhos interagem com o texto. Entre os diferenciais das publicações está justamente o formato, com ilustração e projeto gráfico que contribuem para ampliar ainda mais o peso da obra e aproximar as novas gerações do trabalho de Rubião e do gênero ficção fantástica.

Sobre os livros

“O Edifício”– trabalho que remete ao mito de Sísifo, é uma alegoria à condição humana e um conto extremamente angustiante no qual a vida parece suspensa. Segundo o escritor Nelson de Oliveira, que responde pelo prefácio da obra, a narrativa transparente, sem exageros retóricos, mostra que, para o autor, o enredo é tão importante quanto a linguagem. Ilustrado por Nelson Cruz em tinta acrílica e caneta nanquim, tem 48 páginas e custa R$ 41,90.

“Teleco, o Coelhinho” – este conto fala das questões da existência humana e da metamorfose, no sentido de tentativa de adaptação do mundo. Como explica Nilma Lacerda, que apresenta o livro, a obra mostra “as transformações contínuas de humor, de um corpo que em certas ocasiões parece não caber no eu que o abriga”. Com ilustrações de Odilon Moraes, em lápis, nanquim e Ecoline, tem 48 páginas e custa R$ 41,90.

Muita aventura em "Os Invisíveis e o Amuleto da Serpente"

20 de setembro de 2017 0
Divulgação, Outro Planeta

Divulgação, Outro Planeta

Com uma vida conturbada entre fugir dos valentões e entender tudo de biologia e matemática, Matheus Ueta vive uma aventura com seus amigos de tirar o folêgo. Em “Os Invisíveis e o Amuleto da Serpente”, publicado pelo selo Outro Planeta, da Editora Planeta, o pequeno personagem vai desvendar os mistérios deixados no PaleoPark, por seu avó e cientista Ueta San.

Ator, cantor e apresentador, Matheus Ueta agora se tornou escritor após muita aspiração e finalmente colocou seus escritos “para funcionar”, como ele diz. A intenção do jovem autor foi criar um personagem que se aventurasse no mundo incrível da ficção, com uma preciosa lição de responsabilidade ecológica.

O herói, com o mesmo nome do autor, não é popular na escola, é estudioso, tem uma criatividade e curiosidade sem tamanho. Sempre esta de olho no parque que seu avó havia comprado há muitos anos atrás. O PaleoPark fica em frente de sua casa, e ele terá momentos mágicos após um vulto chamar sua atenção em meio a tantas árvores.

Ao invadir a reserva para bisbilhotar, Matheus e seus amigos descobrem manuscritos secretos que irão levá-los à maior aventura de suas vidas: achar as quatro partes do amuleto da serpente, um objeto capaz de abrir o portal da cidade perdida de Shangri-lá. Porém, eles precisam correr, pois não estão sozinhos nessa busca.

Os leitores vão se entusiasmar quando encontrar no livro as definições do Mateus para palavras que têm outro significado no tradicional dicionário da língua portuguesa. Abaixo, uma mostra porque o garoto prodígio estreia na literatura com uma narrativa autêntica e divertida.

Século passado
A gente está no século XXI, por isso o século passado é o XX. Essa contagem surgiu lá na Roma Antiga e é representada com as letras maiúsculas, pois o alfabeto romano não tem letras minúsculas. Não entendeu nada?

A obra é um convite para todos embarcarem na Jikantabi — a incrível máquina do tempo, que leva a uma jornada pelas quatro partes do mundo atrás do segredo do cientista Ueta San. Esta aventura pode marcar a vida dos pequenos, além de trazer ensinamentos sobre reponsabilidade ecológica e a importância deles irem atrás dos sonhos e intuições.

“Os Invisíveis e o Amuleto da Serpente”, de Matheus Ueta, com ilustrações de Arthur Pandeki. Editora Outro Planeta, 160 páginas, R$ 31,90.

Muita diversão com "Traços Mágicos - Monstros"

19 de setembro de 2017 0
monstros traços mágicos

Divulgação

Você gosta de desenhar? E você gosta de livros com monstros? Se você disse sim para as duas perguntas, eu tenho uma dica bem legal: é o livro “Traços Mágicos — Monstros”, de Suhel Ahmed.

O livro tem projetos de desenhos para você se inspirar em qualquer lugar. O melhor é que a diversão louca nunca termina. Sabe por quê? Eu conto. Continue lendo.

Isso acontece porque, depois que você completar cada desenho, é só levantar a lâmina mágica e começar de novo! Então, o esquema é assim: você faz sua obra de arte, apaga, começa de novo; desenha, apaga e começa de novo! Legal, né?!

“Traços Mágicos — Monstros”, de Suhel Ahmed, com ilustrações de Srimalle Bassani. Editora Catapulta, 68 páginas, R$ 69,90.

 

A história de Carapaná e o povo sem sono

14 de setembro de 2017 0
Divulgação, Vale das Letras

Divulgação, Vale das Letras

Imagine a seguinte situação: chega certo dia (ou certo noite) e você descobre que nunca mais vai dormir. O que você acha: bom ou ruim? Como preencher as 24 horas do dia para compensar aquelas em que você dormiria?

É esse o enredo de “Carapaná e o Povo sem Sono”, de Fernando Henrique Becker. O livro conta que, certa vez, uma tribo de índios se descobriu sem sono. E agora? Como ocupar o tempo no eterno arrastar das horas? O que fazer para pôr fim a essa aflição?

É em meio ao marasmo e ao desespero que o intrépido Carapaná parte em uma missão sem precedentes na memórias da selva: rouba o sono de tribo vizinha.

Além da bela história, a obra ajuda a desenvolver o estímulo visual, habilidades em leitura, imaginação e criatividade.

“Carapaná e o Povo sem Sono”, de Fernando Henrique Becker Silva. Editora Vale das Letras, 56 páginas, R$ 22,90.