Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Literatura Infantojuvenil"

Como viver para sempre

05 de janeiro de 2016 0
Divulgação, Escarlate

Divulgação, Escarlate

Mesmo antes de descobrir o segredo do museu, Pedro já vivia em dois universos à parte, dentro e fora de um lugar que cheira a história, cheio de peças que ultrapassam milênios, passagens secretas e corredores sem fim. Esse mundo, que ele vive explorando, é também o seu lar.

Numa noite, em busca de uma cura para a doença de seu avô, Pedro descobre a existência de um livro cujo título estava gravado em ouro: “Como Viver para Sempre”. A descoberta marca o início de uma grande aventura por um mundo novo e mágico, no qual Pedro vai descobrir algo muito familiar.

“Como Viver para Sempre” é inspirado no premiado livro ilustrado de mesmo título, escrito e ilustrado por Colin Thompson e também publicado no Brasil pela Escarlate, selo da Editora Brinque-Book.

“Como Viver para Sempre”, texto e ilustrações Colin Thompson e tradução de Ibraíma D. Tavares. Editora Escarlate, 240 páginas, R$ 29,00.

Tiranossauro para ler e montar

04 de janeiro de 2016 0

tiranossauro

No primeiro post do ano, quero dar uma sugestão bem legal. Todo mundo sabe que crianças, principalmente os meninos, adoram filmes e livros sobre dinossauros.

Entre todas essas criaturas, talvez a que mais chame a atenção seja o temível Tiranossauro Rex. E é sobre ele a dica de hoje, em uma publicação da Editora Vale das Letras, com textos de Patrícia Amorim.

A obra conta um monte de curiosidades sobre o tiranossauro. Além disso, as crianças poderão se divertir porque as páginas, feitas em material resistente, têm seis quebra-cabeças. Então, é uma excelente forma de fazer os pequenos aprenderem e se divertirem.

“Tiranossauro”, textos de Patrícia Amorim, com ilustrações de Jean C. Ferreira e Carla Arnhold. Coleção “Dinossauros”, Editora Vale das Letras, 12 páginas (capa almofadada e miolo com material resistente), preço não divulgado.

Céu de fundo do mar e outras memórias

28 de dezembro de 2015 0
Divulgação, Autêntica

Divulgação, Autêntica

Não simplesmente por causa das laranjeiras enfileiradas dos dois lados da rua principal. Nem apenas pelo sempre perfume de laranja madura. Tampouco pelas fumaças, fugidas dos tachos, que se exibiam à frente dos turistas, puxando os olhares para as janelas com legendas: Doce de Laranja. Não era por nada disso, mas existia mesmo uma estranha e mágica névoa alaranjada naquele lugar.

E foi dentro dessa névoa alaranjada que Carolina e seu irmão Zezin, personagens do livro “Céu de Fundo do Mar e Outras Memórias”, de Janaína Michalski, viveram os “desacontecimentos” dos dias, junto com o filhote de dragão que tinha espírito de formiga, enquanto o quintal poderia virar um mar cheio de peixes e os garotos da escola voavam por dentro das histórias, puxados pelo colega que não se chamava Albano, até um céu de fundo do mar.

“Céu de Fundo do Mar e Outras Memórias”, de Janaína Michalski, com ilustrações de Aline Abreu. Editora Autêntica, 64 páginas, R$ 35,00.

O menino que queria saber

23 de dezembro de 2015 0
Divulgação, Biruta

Divulgação, Biruta

Muita gente, principalmente os pais, vai se identificar com o livro “O Menino que Queria Saber”, de Marion Villas Boas. Afinal, que família não tem aquela criança que é a curiosidade em forma de gente?

O menino queria saber. Saber o quê? Todos pareciam ter a resposta, menos ele. O menino, que não é nem um pouco acomodado, foi perguntar. E nós ainda nem sabemos qual é a dúvida. Nossa, quanta coisa para descobrir!!

Neste delicado e bem-humorado livro, a imensa vontade de saber das crianças é mostrada com inteligência e simpatia. Mas o que estamos esperando? Já passou da hora de ler o livro e matar tanta curiosidade!

“O Menino que Queria Saber”, de Marion Villas Boas, com ilustrações de Marta Strauch. Editora Biruta, 36 páginas, R$ 32,50.

"A Espada de Herobrine", para os fãs de Minecraft

21 de dezembro de 2015 2
Divulgação, Nemo

Divulgação, Nemo

Toda criança já ouviu falar em Minecraft. O jogo eletrônico que permite a construção de estruturas em mundos paralelos a partir de blocos está entre as febres do momento. Para esses fãs, a sugestão é o livro “A Espada de Herobrine – uma Aventura não Oficial de Minecraft”, de Jim Anotsu.

Na história, o brasileiro Jim Anotsu nos apresenta Arthur e Mallu, irmãos que obrigatoriamente se unem para descobrir um caminho para casa quando são transportados para o Mundo da Superfície. A única esperança da dupla está em uma lenda muito antiga que envolve o ser mais perigoso e poderoso de que já se teve notícia.

Nessa missão, os dois travarão embates incríveis contra aranhas, zumbis e demais seres noturnos daquele mundo, como os creepers e os endermen.

“A Espada de Herobrine – uma Aventura não Oficial de Minecraft”, de Jim Amotsu. Editora Nemo, 208 páginas, R$ 24,90.

Catando piolhos, contando histórias

18 de dezembro de 2015 0
Divulgação, Brinque-Book

Divulgação, Brinque-Book

Para encerrar a semana, a sugestão é o livro “Catando Piolhos, Contando Histórias”, de Daniel Munduruku. A obra traz memórias de um menino indígena que nos fala das tradições de seu povo munduruku transmitidas pela narrativa oral nos momentos felizes quando, sentado na aldeia, no colo dos mais velhos lhe faziam carinhos na cabeça.

“Ali, contávamos para todos os adultos presentes tudo o que havíamos feito durante o dia. Embora não parecesse, todos nos ouviam com atenção e respeito. Aquele era um exercício de participação na vida de nossa comunidade familiar.”

O livro tem oito histórias, algumas delas são mitos; outras, lendas dos espíritos da floresta; e outras, lições de vida ou narrativas de memórias de brincadeiras inocentes.

“Catando Piolhos, Contando Histórias”, de Daniel Munduruku, com ilustrações de Maté. Editora Brinque-Book, 48 páginas, R$ 35,50.

Dinheiro público - o que é, de onde vem, para onde vai

16 de dezembro de 2015 0
Reprodução

Reprodução

Após um período de chuvas, os moradores do bairro Nova Esperança viram um córrego, que até então estava acomodado, de repente, transbordar. Muitos, que não tinham para onde ir, tiveram que se abrigar em uma escola do bairro. E além de não resolver o problema do córrego, a prefeitura construía um caríssimo viaduto. Foi assim que a população se uniu para exigir o bom uso do dinheiro público.

O livro “Dinheiro Público – O que É, de Onde Vem, Para Onde Vai”, de Edson Gabriel Garcia, mostra para a garotada, de forma bem didática, que cuidar do que é bem público é dever de todos porque tudo que o governo municipal, estadual ou federal constrói, compra ou conserta tem um custo que sai do dinheiro que cada cidadão contribui, mesmo indiretamente, na forma de impostos e taxas. Por isso, é necessário cobrar dos seus representantes a boa aplicação dos recursos para que não haja desperdício.

Da mesma forma, cada um tem sua parcela no cuidado de tudo que beneficia a população. Por exemplo, dizer que um telefone depredado não é da sua conta porque você não precisa dele é totalmente sem realidade. Você pode não precisar desse equipamento, mas ele está ali porque, de alguma forma, você ajudou para isso, é seu dinheiro que está aplicado ali.

“Dinheiro Público – O que É, de Onde Vem, Para Onde Vai”, de Edson Gabriel Garcia. Coleção “Conversas sobre Cidadania”. Editora FTD, 64 páginas, R$ 38,40.

A Festa do Rei da Floresta

15 de dezembro de 2015 0
Divulgação, Vale das Letras

Divulgação, Vale das Letras

Eu sei que você já está aí, de férias, de papo para o ar, curtindo o prêmio de ter tirado boas notas na escola. Parabéns, viu?! Mas que tal pegar aqueles lápis de cor que sobraram e liberar seu lado artístico?

Para isso, eu sugiro o livro “A Festa do Rei da Floresta – Livro de Colorir para Jovens Artistas”, ilustrado por Alexandre R. Mendonça e editado pela Vale das Letras, de Blumenau. Como o próprio título sugere, o leão fez uma festa para comemorar seu aniversário. E não é que apareceu um monte de bichos para festejar com o rei das selvas?

O livro, além das ilustrações para colorir, também tem pequenos textos em forma de verso para você se inspirar ainda mais. Então, mãos à obra!

“A Festa do Rei da Floresta – Livro de Colorir para Jovens Artistas”, ilustrado por Alexandre R. Mendonça. Editora Vale das Letras, 64 páginas, preço não divulgado.

Bichos ensinam economia e consumo consciente

10 de dezembro de 2015 0
Divulgação, Geração

Divulgação, Geração

Com 24 páginas, ilustrações de Cláudio Martins e autoria de Ana Paula Hornos, o livro infantil “Crise Financeira na Floresta”, lançamento da Geração Editorial, propõe uma nova versão da fábula “A Cigarra e a Formiga” que acaba por se revelar uma preciosa, lógica e eficaz lição de economia para as crianças.

Desta feita, há uma variação sobre o tema da cigarra e a formiga, universalmente conhecido e amado pelas crianças. A cigarra, que sabemos ser uma artista sem preocupação com o lado material da vida, fica devendo folhas à formiga por tomar emprestadas e não pagar, oferecendo como garantia sua viola, tida como muito valiosa por todos os bichos da floresta. Mas isso prejudica a formiga, que cai sempre na sua lábia e vive emprestando a ela, sem receber.

Porém, nesta versão, a cigarra extrapola a relação e, além de abusar do fiado com a formiga,pede emprestado também à borboleta, à minhoca e até ao bicho-preguiça, incluindo também o tatu, e sempre com seu argumento de não pagar, mas de oferecer como penhor sua preciosa viola. No entanto o macaco, que é esperto, previdente e até fundou um banco de folhas (são folhas as moedas da floresta), revela que não se deve emprestar a mau pagador. Ele empresta a juros e só a quem, como se diz regularmente, “tem bom nome na praça”.

O problema de consumir demais afeta a borboleta, que é vaidosa e não resiste a comprar roupas da moda e se endividar mais ainda. A todo momento, ela toma novos empréstimos ao banco do macaco. O macaco tem como cliente exemplar o joão-de-barro, que é um pássaro construtor muito trabalhador e muito consciente de suas transações econômicas, sendo generoso sem deixar de ser inteligente. Ele ensina lições práticas de economia ao seu filho — poupança (deixar uma parte sempre guardada) e nada de fazer fiado. Por sua boa índole, ele ajuda o periquito, que está passando aflições, tem poucas folhas, mas quer construir sua casa.

O penhor eterno da cigarra — sua viola famosa — gera, na verdade, uma onda de fiados na floresta, tendo como pressuposto que o valor do instrumento cobrirá todos os empréstimos que ela fez. Mas um dia os bichos decidem, em peso, ir apanhá-la da cigarra, em pagamento, pois o instrumento, a esta altura, já gerou uma polêmica “bolha da viola”. Ao fim, isso gera tumulto, e o caso é levado até o leão, rei da bicharada. Em conjunto, surge a proposta de organizar uma escola que transmitirá ensinamentos sobre economia e, para a cigarra não se sair mal na história, ela comporá uma melodia em pagamento e dará suas aulas de poupança, economia consciente e distribuição inteligente dos lucros cantando, que é, afinal o que melhor sabe fazer.

Desta maneira, este belo livro, cheio de ilustrações vivamente coloridas, dá uma aula prática e objetiva de economia para as crianças, colocando em cena os bichos que elas tanto amam e conhecem por meio das fábulas e mesmo conceitos mais complicados, como o da “bolha” — relacionada a dívidas acumuladas que não há como pagar — ficam explicados para os pequeninos. Lições práticas de poupança, de como evitar gastos desnecessários com o consumo de bens supérfluos (retratado pelo caso da borboleta), de como distribuir lucros com justiça, ficam sendo de fácil assimilação. Nenhum personagem surge como capitalista antipático, que guarda apenas para si e explora o trabalho alheio, já que nessa floresta de Ana Paula Hornos reina a solidariedade, ainda que os bichos cometam alguns enganos ao lidar com as questões econômicas, como, aliás, todos os seres humanos cometem.

Um lançamento que junta ao encanto da fábula eterna uma didática lição proveitosa para todos.

“Crise Financeira na Floresta”, de Ana Paula Hornos e ilustrações de Cláudio Martins. Geração Editorial (selo Geraçãozinha), 24 páginas, 29,90.

Ana, Guto e o Gato Dançarino

09 de dezembro de 2015 0
Divulgação, Brinque-Book

Divulgação, Brinque-Book

Talento e criatividade para transformar o mundo Ana tem. O que lhe faltava era coragem para mostrar ao mundo seu dom. Pelo que se sabia, Ana, personagem do livro “Ana, Guto e o Gato Dançarino”, de Stephen Michael King, fazia sapatos: marrons, pretos ou simples botinas de trabalho.

Ela não tinha coragem de mostrar tudo que era capaz de fazer. Ana podia pegar qualquer coisa e transformá-la em algo diferente, mas os habitantes de sua cidade só queriam saber do que era comum, prático e conhecido.

Seus dias eram todos iguais, até que a visita de dois menestréis, vindos de longe, mudou sua vida. Guto e o Gato Dançarino precisavam de novos sapatos, mas não tinham como pagar por eles. Ofereceram em troca aulas de dança. Ana aceitou e ficou tão agradecida pelas aulas e por seus novos amigos, que achou pouco retribuir somente com simples botinas. Ana tomou coragem e fez tudo aquilo que sabia fazer, presenteou seus amigos e mudou a vida de todos.

“Ana, Guto e o Gato Dançarino”, texto e ilustrações de Stephen Michael King, com tradução de Gilda de Aquino. Editora Brinque-Book, 36 páginas, R$ 34,20.