Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Literatura Infantojuvenil"

O dia em que B apareceu

27 de junho de 2014 0
Divulgação, Biruta

Divulgação, Biruta

Bernardo, um adolescente superdotado, vive as descobertas e os conflitos de alguém que não encontra lugar em seu meio e se refugia na literatura, escrevendo uma história cujos personagens são inspirados em um grupo de jovens que ele observa da janela de seu apartamento. Em “O DIA EM QUE B APARECEU”, a escritora e jornalista Milu Leite traz uma novela policial que lança mão da metalinguagem para falar da forma como uma obra pode ser escrita: em duas narrativas que ocorrem simultaneamente.

Seu primeiro grande achado é utilizar os mesmos personagens de “O Dia em que Felipe Sumiu”, seu livro anterior, agraciado em 2006 com o Prêmio Jabuti na categoria juvenil (3º lugar), uma história escrita por Bernardo (o mencionado “B” do título), agora sob a óptica de um autor-narrador-personagem revelado em sua intimidade. A história contada por “B” gira em torno da investigação empreendida pelos amigos Dora, Hipotenusa, Farelo, Felipe e do cachorro Tobias, a fim de elucidar o desaparecimento de um músico famoso na década de 70.

Com habilidade, Milu vai costurando as duas narrativas, que não escapam do desafio de compor um painel muito particular da vida de um garoto e sua obra, propondo um instigante questionamento dos limites entre ficção e realidade, verdade e mentira, solidão e inclusão. As tipografias em cores diferentes facilitam o entendimento das sequências, bem como as ilustrações recortadas e bastante vivas de Sergio Magno que conversam muito bem com a trama, num tom bem-humorado.

“O DIA EM QUE B APARECEU”, de Milu Leite, com ilustrações de Sergio Magno. Editora Biruta, 108 páginas, R$ 36,50.

O urso rabugento

25 de junho de 2014 0
Divulgação, Brinque-Book

Divulgação, Brinque-Book

Você conhece alguém daquele tipo que parece estar sempre ranzinza, com cara de poucos amigos? Pois saiba que a dica de hoje tem um personagem assim.

O livro “O URSO RABUGENTO”, de Nick Bland, conta que, num dia de chuva e vento, uma zebra, um alce, um leão e uma ovelha procuravam um lugar para brincar – e achavam que tinham encontrado o local ideal numa caverna seca e quentinha.

Mas eles não contavam que o local já tinha um morador dos mais estressados e que não quer saber de ter alguém por perto para lhe tirar o sossego. Como será que os quatro amigos vão acabar com a rabugice do urso?

“O URSO RABUGENTO” faz parte da série “Ler e Ouvir”, um recurso de leitura compartilhada que pode ser acessado gratuitamente escaneando-se o QR code no interior do livro.

“O URSO RABUGENTO”, texto e ilustrações de Nick Bland, com tradução de Gilda de Aquino. Série “Ler e Ouvir”, Editora Brinque-Book, 24 páginas, R$ 26,90.

Será que eu sou tudo isso mesmo?

19 de junho de 2014 0

Divulgação, Mundo Cristão

A sugestão de hoje é um livro que promete ser a melhor amiga das adolescentes brasileiras e ajudar os pais a entenderem suas filhas. “Fala Sério! Será que eu Sou Tudo Isso Mesmo?”, de Camrym Lynn Kelly (“Cam”),é mais que um livro, mais que uma aventura, mais que um caderno de anotações… Ao longo de seis capítulos, ele fará com que a leitora encare certos assuntos delicados do dia a dia – que elas não comentam com ninguém – e encontre no livro alguém para desabafar, uma espécie de diário.

A fase da pré-adolescência é fundamental no processo de formação da saúde integral do adulto. É a época na qual os pais precisam ter muito diálogo e comunicação com os filhos. Este livro é a ferramenta ideal para quem busca uma literatura adequada para esta faixa etária.

Publicação da Editora Mundo Cristão, a obra traz conteúdos especiais, jogos e brincadeiras. Uma poderosa ferramenta pedagógica que ajudará o adolescente a desabafar e a expressar seus sentimentos.

Por meio de uma linguagem apropriada e histórias divertidas, o livro traz desabafos, confidências, sonhos, desejos e uma grande descoberta: Deus não é aquele cara chato e mal-encarado que muitos adultos pintam por aí. Uma forma empolgante e adequada para as meninas aprenderem sobre fé e comportamento e autoestima.

Composto por episódios divertidos da vida real, o livro conta histórias clássicas de qualquer adolescente. São aventuras que mostram como a vida pode ser incrível. A autora contou também com a ajuda de sua mãe, Jill, e da irmã mais velha e Erin Kelly para compor “Fala Sério!”.No texto, elas expõem questões essenciais que fazem parte da formação de uma menina.

“Fala Sério!”é um livro comunicativo que permite que a leitora o transforme no seu diário. Além de responder às perguntas feitas por Cam Kelly, as garotas ainda podem se divertir com diversas brincadeiras, como espaços para pintar, um quadro de lembretes com frases inspiradoras e até um caça-palavras!

“Fala Sério! Será que eu Sou Tudo Isso Mesmo?”, de Camrym Lynn Kelly (“Cam”). Editora Mundo Cristão, 160 páginas, R$ 24,90.

Exemplos de solidariedade em "Zloty"

11 de junho de 2014 0

Divulgação, Gaudí

Suas histórias sempre surpreendentes e originais, tanto pelas ideias quanto pelas ilustrações, encantam o público de qualquer idade. Tomi Ungerer começa a narrativa com a personagem principal, Zloty – nome dado ao título da obra –, na sua lambreta em alta velocidade indo levar as compras para a avó doente, que morava do outro lado da floresta, como fazia toda semana.

Um incidente na estrada muda o rumo da história. Aos poucos, surgem outros personagens – o grande anão, o pequeno gigante, o lobo Mir, os pais e a avó da menina Zloty. Outro incidente: um vulcão próximo à cidade entra em erupção. Imediatamente, os gigantes começaram a remover os destroços e os anões trataram dos feridos.

A narrativa pouco a pouco cresce em profundidade e sensibiliza e prende a atenção do leitor pela presença da solidariedade e do compromisso entre todos envolvidos na história.

“Zloty”, de Tomi Ungerer, com tradução de Hedi Gnädinger. Editora Gaudí, 32 páginas, R$ 35,00.

Desvendando o Grupo de Maracatu

06 de junho de 2014 0

Divulgação, Formato

Crianças e adolescentes se encantam diante de um grupo musical, especialmente pelos instrumentos que o compõem. E a sugestão de hoje também é “musical”: trata-se do livro “DESVENDANDO O GRUPO DE MARACATU”, editado pela Formato.

Os autores Márcio Coelho e Ana Favaretto apresentam de maneira simples como o grupo de maracatu é constituído, quais são seus principais instrumentos e como eles atuam em conjunto.

Nessa obra, o pequeno leitor vai conhecer o Maracatu Nação, de Pernambuco, e descobrir algumas afinidades desse grupo com a bateria de escola de samba e com outras manifestações musicais.

“DESVENDANDO O GRUPO DE MARACATU”, de Márcio Coelho e Ana Favaretto Formato, com fotografias de Maurício Froldi, Márcio Coelho e Ana Favaretto. Editora Formato, 32 páginas, R$ 34,90.

Terra de Histórias – O Retorno da Feiticeira

04 de junho de 2014 0

Divulgação, Benvirá

“TERRA DE HISTÓRIAS – O RETORNO DA FEITICEIRA” conta a história dos gêmeos Alex e Conner, envolvidos em uma aventura no mundo do conto de fadas. Escondidos, eles escapam de casa e voltam ao mundo mágico de Terra de Histórias para ajudar seus amigos na luta contra Ezmia, a feiticeira maléfica mais poderosa do universo. Ezmia rapta a mãe dos irmãos como parte de seu plano de dominar todos os reinos.

A Terra de Histórias não é mais o lugar que os irmãos Alex e Conner Bailey conheceram há um ano, quando vivenciaram emocionantes aventuras para completar o Feitiço do Desejo. Agora, a malvada Feiticeira, a mesma que condenou Bela Adormecida a anos de sono profundo, está de volta e quer vingança, e o mundo dos contos de fadas vive sob uma atmosfera de medo. Quando o poder da Feiticeira atinge também o Outromundo e Charlotte, mãe dos gêmeos, desaparece misteriosamente, Alex e Conner desafiam as ordens da avó e encontram um jeito de voltar ao mundo mágico para resgatar a mãe. Para isso, contam com uma ajudinha da relutante Rainha Chapeuzinho Vermelho, dos foras da lei Cachinhos Dourados e João e do homem-sapo Froggy. Juntos, eles precisam construir a Varinha Prodigiosa, última esperança de livrar os dois mundos da pior ameaça que já existiu e, só então, salvar sua mãe. Eles conseguirão vencer a todo-poderosa Feiticeira? Será que a paz voltará a reinar na Terra de Histórias?

A obra foi escrita por Chris Colfer, ator que interpreta Kurt Hummel no seriado “Glee”.

“TERRA DE HISTÓRIAS – O RETORNO DA FEITICEIRA”, de Chris Colfer, com tradução de Ricardo Gouveia. Editora Benvirá, coleção “Terra de Histórias”, 496 páginas, R$ 39,90.

A Iara: uma lenda indígena em quadrinhos

02 de junho de 2014 0

A Iara

A lenda da Iara é uma das mais belas do folclore brasileiro. Agora, ela é recontada na HQ “A Iara: uma Lenda Indígena em Quadrinhos”, lançamento da Editora Nemo. Escrito e desenhado pelo pernambucano Silvino, o álbum traz uma história de amor e terror, inspirada nas narrativas indígenas brasileiras. Com dinamismo e dramaticidade a cada página, esta versão em quadrinhos reúne um traço moderno e uma história tradicional, abordando um tema ao mesmo tempo muito brasileiro e bastante universal.

Iara era uma bela índia que, por se destacar na caça e ser elogiada pelo pai, despertou a inveja e o ódio de seus irmãos. Eles planejam sua morte, mas ela descobre o plano e resolve matá-los para se defender, fugindo em seguida para a mata. Contudo, seu pai a captura e, como punição, a joga no rio. Os peixes a salvam e a Lua a acolhe como filha, transformando-a na mitológica Iara, a mãe-d’água. A partir daí, ela usa sua beleza e seus cantos fascinantes para cativar os corações dos homens e levá-los à morte.

O pajé Kapot, um dos raros sobreviventes à atração da sereia, conta aos mais jovens a lenda da Iara com o objetivo de fazer com que eles tomem cuidado para não serem seduzidos. Todavia, alguns não acreditam na história, como Ngoi-Tumre, filho do cacique Pa-Toit, pertencente à classe mais alta dos guerreiros. Ele quer se casar com a jovem Moema e, de acordo com os costumes da tribo mebemokré, deve entregar uma prenda à sua futura esposa. Para demonstrar sua paixão pela amada, o valente índio, mesmo com os avisos do pai, sai de noite com seu amigo Dyokre em busca de um artefato mais brilhante que as estrelas. Entretanto, para conseguir êxito na missão, os dois vão precisar atravessar o rio e se deparam com a Iara e sua beleza exuberante. A trama assume, então, contornos bastante dramáticos…

Com um acabamento cuidadoso e linguagem atual, o álbum traz a lenda de nossos povos indígenas de uma forma atraente e dinâmica. Com uma narrativa criativa e envolvente, Silvino consegue despertar o interesse de leitores de todas as idades para uma das histórias mais fascinantes de nosso folclore.

“A Iara: uma Lenda Indígena em Quadrinhos”, de Silvino. Editora Nemo, 56 páginas, R$ 42,00.

Um macaco quer recuperar sua bala

29 de maio de 2014 0

Aldo Brasil

O blog apresenta hoje mais uma história que integra a coleção “Histórias de Mary e Eliardo”: trata-se do livro “O MACACO”, que faz parte da série “Bicho do Mato”. Os livros dessa série possibilitam que a criança desenvolva a imaginação, a curiosidade e sua capacidade de expressão e seu potencial criativo. A história é uma narrativa bem dinâmica, com vários personagens, porém com parágrafos curtos.

A obra conta que o macaco foi chupar uma bala, mas a bala caiu. Ele achou que tivesse caído dentro do tronco oco do ipê. Como não conseguiu tirar, pediu ao Ferreiro que lhe fizesse um machado para derrubar o ipê. O ferreiro não quis ajudar.

O macaco pediu para o rato, para vários outros animais, pediu para o fogo, para a água. Tudo em vão. A resposta era sempre a mesma: “Ora, Macaco, não me aborreça! Tome uma moeda, compre uma bala e vá embora daqui”. Insistente e esperto, ele encontrou uma saída e recuperou sua bala. Como ele conseguiu isso, você só vai saber se ler o livro.

“O MACACO”, de Mary França e Lucas França. Coleção “Histórias de Mary e Eliardo” – série “Bicho do Mato”. Global Editora, 16 páginas, R$ 18,90.

Como vivem as crianças da Amazônia

27 de maio de 2014 0

Divulgação, Mundo Mirim

Você já parou para pensar em como as crianças de cada região brasileira vivem? Apesar de serem crianças como quaisquer outras, que gostam de brincar e têm muita energia para gastar, o modo de vida pode ser bem diferente. Afinal, em um país tão grande como o Brasil, as diversidades mostram o quanto é rica a cultura nacional. No livro “CRIANÇAS DA AMAZÔNIA”, publicado pela Editora Mundo Mirim, o leitor conhecerá a história de algumas crianças dessa região brasileira, que têm um olho no verde da floresta e outro no verde da esperança.

O livro apresenta um pouco da riqueza das crianças dessa região do País, as tradições, costumes, lendas brincadeiras e modo de vida. Lendo as histórias do livro, o leitor entrará em contato com a cultura de uma região do Brasil pouco conhecida, principalmente no Sul e no Sudeste.

O público também vai perceber que na Amazônia não há somente a cultura indígena, mas muitas outras culturas. Influenciadas pelas características geográficas, históricas e econômicas da região, as crianças dessas histórias mostram um dia a dia singular.

É preciso entender que as crenças, costumes, jeito de falar, vestir, se alimentar etc. fazem parte de uma tradição muito rica e devem ser preservadas e conhecidas. Assim, ao conhecer realidades diversas, pode-se estimular o respeito às diferenças, tão necessário para construir relações de paz, solidariedade e dignidade.

Escrita e ilustrada por Maurício Veneza, a obra é composta por sete contos cujos protagonistas são crianças de diferentes regiões da Amazônia. Por meio das histórias delas, o leitor perceberá particularidades da cultura e do lugar, como as palafitas, o seringal, lendas indígenas, a presença do búfalo etc.

Escrito numa linguagem clara, cada conto aborda um pouco do cotidiano dessas crianças, de acordo com a região em que moram, com suas curiosidades, alegrias e dificuldades. Uma boa oportunidade para conhecer outra realidade.

“CRIANÇAS DA AMAZÔNIA”, texto e ilustrações de Maurício Veneza. Editora Mundo Mirim, 32 páginas, R$ 29,90.

Morada das Lembranças

26 de maio de 2014 0

Fugimos como fogem aqueles que não têm escolha: largam repentinamente sua identidade e seguem tentando não deixar vestígios.

Mais do que a história de uma família, essa é a história de um povo que viu o passado se desfragmentando durante a guerra civil. Em Morada das Lembranças, a escritora e psicóloga Daniella Bauer leva o leitor por uma viagem no tempo que começa em 1920, na Rússia.

Uma mãe e seus dois filhos pequenos, sofrendo com o assassinato do pai, partem em busca de um futuro desconhecido para fugir do caos que se instalou durante a revolução. Na primeira etapa da fuga, embarcam em um trem com destino à Polônia, onde ficam hospedados por poucos dias na casa de um antigo amigo da família. Na segunda e mais difícil etapa, rumo ao Rio de Janeiro, embarcam na precária terceira classe de um navio, onde convivem por quase dois meses com cerca de 770 pessoas, lidando com suas memórias, doenças e muita fome.

Para essa família, o Rio de Janeiro não se apresenta como a “Cidade Maravilhosa”, mas como um recomeço sem escolhas, onde deveriam reaprender a viver em uma nova cultura, com novo idioma, novas vidas e identidades.

Através dos olhos de uma menina inicialmente assustada, mas bastante corajosa, acompanhamos essa trajetória que desperta inúmeras perguntas, muitas das quais permanecem sem resposta.

Com uma narrativa intensa e recheada de dilemas, Morada das Lembranças tece um lindo bordado com os testemunhos de desafios vividos em forma de rejeição, violência, preconceito e muitas perdas. Daniella Bauer, no entanto, trata de todos esses assuntos com muita delicadeza e intensidade, por acreditar que “carregar muitas histórias sem contá-las, tendo muitas vidas que guardar, nos torna pessoas pesadas, por demasiado entristecidas.” Dessa forma, cativa o leitor até as últimas frases, firmando sua convicção de que “bravos e corajosos são aqueles que fizeram de sua vida uma história a ser compartilhada.”

“Morada das Lembranças”, de Daniella Bauer. Editora Biruta, 200 páginas, R$ 41,50.