Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 28 novembro 2007

O meu time seria assim:

28 de novembro de 2007 14

O que eu faria se fosse o Dunga? A lista acima tem quase 50 jogadores com idade olímpica, ou seja nascidos após 01/01/1985. Vou fazer comentários setor por setor, conjecturando um time titular e ainda dizendo quais atletas que eu não considero ter chances de seguir nos planos de Dunga para a Seleção Brasileira.

De cara, observo que este time tem diferenciais técnicos imensos: Alexandre Pato, Diego, Anderson e Breno são jogadores muito acima da média. Em favor de Diego e Anderson uma grande experiência internacional.

Goleiros: o colorado Renan deve ser titular, pois Felipe e Cássio praticamente não jogam. O arqueiro do Inter já disputou dezenas jogos nos últimos três anos pelo time principal, além de ter sido titular em todas as divisões de base da Seleção Brasileira desde os 14 anos.

Laterais: Na direita, o polivalente e mais experiente Rafinha é mais completo que Ilsinho, e joga em um campeonato de nível superior (Alemanha contra Ucrânia). Na esquerda, Marcelo (que já fez até gols pela Seleção Principal) deve ser o titular, enquanto Adriano e o Leonardo, da renascida Portuguesa, disputam posição.

Zagueiros: provavelmente a zaga titular será tricolor: Breno e Alex Silva. Gladstone é meia-boca, mas o Dunga adora zagueiro rebatedor (basta ver a paixão por Alex Silva no time principal), então tem chances. O resto disputa uma vaga.

Volantes: sobra talento. Temos 4 excepcionais %22camisa 8%22: Lucas, Denílson, Diego Souza e Hernanes. Difícil será montar um time sem um %22camisa 5%22 de ofício. Mas é muito jogador bom e os demais devem sobrar. Maycon, Ramires e Charles não são da mesma turma…

Meias: a maior fartura do time. Diego e Anderson são os principais destaques, mas Thiago Neves, Wagner e William tem boas chances. Jogando de volante na Inglaterra, Anderson poderá ser o terceiro no meio-campo, liberando Diego para encostar no ataque. Ao contrário de muitos, acho que o ex-gremista Carlos Eduardo terá poucas chances, especialmente por ter ido se esconder na Segunda Divisão da Alemanha.

Atacantes: assim como laterais e goleiros, acho que falta um pouco mais de qualidade nesta parte. Além de Alexandre Pato, sem dúvida a maior estrela do time, não temos mais outros jogadores diferenciados. Rafael Sobis vive bom momento mas seu time é muito ruim, Diogo foi o destaque na Série B e Guilherme tem muito potencial mas não são jogadores diferenciados.

A minha Seleção Olímpica seria esta: Renan, Rafinha, Breno, Alex Silva e Marcelo; Denílson, Hernanes, Anderson e Diego; Alexandre Pato e Diogo.

Postado por Alexandre Perin

Seleção Olímpica: em busca do ouro em Beijing

28 de novembro de 2007 0

Com a convocação de Dunga, começou oficialmente o Projeto Olímpico de 2008 para a Seleção Brasileira. Já classificado para a competição, o Brasil busca o inédito ouro olímpico em Beijing e no meu ponto de vista terá um dos times mais fortes de todos os tempos.

Dunga chamou jogadores para o amistoso do dia 08 de dezembro contra a Seleção do Brasileirão 2007. Alguns não foram convocados por estarem no time adversário do amistoso (ex. Hernanes, do SP) e ainda várias estrelas do futebol europeu que não foram liberados por não ser data FIFA.

Além dos que Dunga chamou, no qual se destacam Alexandre Pato e Breno, muitas outras prováveis estrelas estão de fora da convocação, em especial Diego do Werder Bremen e o ex-gremista Anderson, do Manchester United. Ambos destaques em potências européias, assim como Marcelo, do Real Madrid e Denílson, do Arsenal.

Portanto na lista que montei com a ajuda do amigo Guilherme Boeira e de Marcelo Schleder temos os convocados de Dunga, as estrelas européias e mais jogadores com idade e potencial que ainda atuam no futebol brasileiro. No próximo post meus comentários sobre o time.

Goleiros
Felipe (Santos), Renan (Inter), Cássio (PSV)

Zagueiros
Breno (São Paulo), Leandro Almeida (Atlético-MG), Léo (Grêmio), Rodolfo (Atlético-PR), Gladstone (Sporting), Alex Silva (São Paulo), Domingos (Santos), Sidnei (Internacional)

Laterais
Rafinha (Schalke-04), Apodi (Vitória-BA), Leonardo (Portuguesa), Nei (Atlético-PR) e Valmir (Palmeiras), Marcelo (Real Madrid), Adriano (Sevilla), Ilsinho (Shakthar Donetsk)

Volantes
Denílson (Arsenal), Ramires (Cruzeiro), Charles (Cruzeiro), Maycon (Inter), Lucas (Liverpool), Hernanes (São Paulo)

Meio-campistas
Diego Souza (Grêmio), Pedro Ken (Coritiba), Toró (Flamengo), Thiago Neves (Fluminense), Wagner (Cruzeiro), Diego (Werder Bremen), Anderson (Manchester United), Carlos Eduardo (Hoffenheim), Lulinha (Corinthians), Caio (Palmeiras), William (Shakthar Donetsk), Renato Augusto (Flamengo)

Atacantes
Alexandre Pato (Milan), Diogo (Portuguesa), Keirrison (Coritiba), Guilherme (Cruzeiro), Pedro Oldoni (Atlético-PR) , Rafael Sobis (Real Betis), Jô (CSKA Moscou)

Postado por Alexandre Perin

Há cinco anos, Librelato se foi

28 de novembro de 2007 29

No dia 28 de novembro de 2002, em uma curva da Av. Beira-Mar em Florianópolis, o futebol brasileiro perdeu uma promessa. Já Criciúma e Internacional perderam um herói. Mahicon Librelato, um atacante vindo do Criciúma e que estava há menos de um ano no Colorado, morreu afogado após acidente de trânsito na capital catarinense.

Há cinco anos, mais que uma promessa de inegável talento que seria convocada no mês seguinte para a Seleção Olímpica, os colorados perdiam uma de suas poucas esperanças em um futuro incerto.

Quase rebaixado, escapando por um milagre na última rodada ao bater o Paysandu em Belém, o futuro do Inter era sombrio: só Daniel Carvalho, Chiquinho e Librelato davam alegrias. Porém Chiquinho descobriu ter uma rara doença no cérebro. Então, um novo golpe: a morte de seu jovem ídolo em uma curva do mar catarinense.

Em sua curta carreira, Mahicon Librelato já havia salvado o Criciúma de um inglório rebaixamento para a Série C no ano anterior, 2001, ao marcar o gol do salvamento com ombro deslocado contra o Sergipe. Pretendido por Cruzeiro e Grêmio, foi comprado pelo Internacional após longa negociação. Foi, inclusive, o único jogador comprado naquela temporada horrorosa pelo presidente Fernando Carvalho.

Ao final do jogo contra o Cruzeiro na penúltima rodada, quando o Inter ficou virtualmente rebaixado, a imagem mais marcante era de Librelato, um catarinense que tinha se identificado com o Internacional. Chorando copiosamente assim como milhares de torcedores nas arquibancadas e milhões pelo mundo afora. E que prometeu ficar no Inter até voltar à Primeira Divisão caso fosse rebaixado.

Porém ele mesmo tratou de não cumprir a promessa, pois marcou o primeiro gol da vitória de 2×0 no Mangueirão. Naquela tarde de 17 de novembro de 2002, ele começou a redenção colorada, que deixou Belém e foi até Yokohama. O pesadelo do rebaixamento terminava ali, e ele era um dos responsáveis pelo salvamento. Vejam a reportagem:

E ali ele se despediu de sua maior paixão: a bola.

Aquele gol foi o início de uma escalada colorada que prosseguiria nos anos seguintes: a volta das vitórias em Gre-Nais e a campanha digna no Brasileirão de 2003. O retorno à América na Sul-Americana de 2004 e 2005. O título do Campeonato Brasileiro roubado por Márcio Rezende de Freitas, MSI e Luiz Zveiter em 2005. E as conquistas da América e do Mundo em 2006, além da Recopa e a consequente Tríplice Coroa de 2007.

Depois de sua morte, foi feita uma faixa no estádio Beira-Rio. Fica na goleira do Gigantinho e nela está escrito %22Librelato Eterno%22. Coincidentemente, é a faixa que mais aparece na comemoração de Tinga após marcar o segundo gol da final da Libertadores contra o São Paulo. Ou talvez não seja.

Postado por Alexandre Perin, com saudades do amigo