Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 5 dezembro 2007

Ainda sobre o Mano Menezes no Corinthians

05 de dezembro de 2007 3

O ilustre Hélio Sassens Paz também é da mesma opinião sobre a covardia do Mano. No seu blog %22Apito do Blackão%22, ele faz alguns comentários adicionais sobre este assunto. Confiram no site!

Postado por Alexandre Perin

Retrospectiva Inter 2007, parte I

05 de dezembro de 2007 4

Se o Grêmio já estava empolgado, imaginem os Colorados no início de 2007. Afinal, o Internacional era simplesmente o campeão da América e do Mundo, batendo o galático Barcelona em um jogo épico em Yokohama. De quebra, praticamente o time titular inteiro permaneceu, incluindo uma promessa não de craque, e sim de gênio: Alexandre Pato. Pois bem, o sonho virou pesadelo e não demorou muito para acontecer.

Gauchão: 7 vitórias, 4 empates e 5 derrotas. 15 gols a favor e 16 gols contra.

O ano de 2007 já começou errado em 2006. Sabendo que o time principal só voltaria de férias após o Mundial, a diretoria errou ao não antecipar as férias do Inter B.  Muito fraco, o time reserva em cinco jogos só ganhou um. Então outro erro do futebol do Inter: ao invés de desistir do Estadual e se concentrar na iminente Libertadores (que já estava complicada), o Inter tentou recuperar o tempo perdido com os titulares.

Jogos desgastantes no verão gaúcho, muitas lesões consecutivas (Fernandão, Índio, Pato e Ceará) e uma defesa fraquíssima (Rafael Santos, Ediglê e Wílson falharam inúmeras vezes), causaram o maior vexame colorado em um estadual. O Inter até reagiu e na última rodada estava se classificando, mas um novo erro de Rafael Santos nos acréscimos eliminou o campeão do mundo diante do Veranópolis. Sétimo lugar geral, quarto no grupo atrás de Veranópolis, Ulbra e Juventude. Pior campanha de todos os tempos. Alguma coisa estava muito errada mas ninguém na direção admitia.

Libertadores: 6 jogos, 3 vitórias, 1 empate e 2 derrotas. 7 gols pró e 7 gols contra.

Na Libertadores, o Inter se tornou o primeiro time campeão a não passar da fase de grupos no ano seguinte. Dois grandes responsáveis: a diretoria, que nâo repôs com a mínima qualidade a saída do esteio defensivo Fabiano Eller.
Simplesmente todos os sete gols sofridos aconteceram por falhas individuais clamorosas de um defensor:  Ediglê, Clemer e Rafael Santos contra o Nacional; Wílson, Edinho e Ceará contra o Vélez Sarsfield e Ceará contra o Emelec. Também a direção teve culpa ao não contratar um meia, priorizar o Gauchão causando lesões e desgaste em jogadores importantes como Ceará, Pato e Fernandão, e ainda ao não cobrar o técnico Abel por escalações equivocadas.

O técnico Abel Braga também teve suas responsabilidades. Foi ele quem tomou decisões esdrúxulas, tais como: deixar Pato e Vargas no banco contra o Vélez em Buenos Aires, escalando Michel e Adriano no meio-campo. Outra escalação bizarra foi colocar Christian contra o Vélez em Porto Alegre, com Pato de novo no banco. 

O centroavante ainda foi expulso infantilmente no primeiro tempo, deixando o Inter com dez jogadores em um 0×0 no Beira-Rio. Duas vitórias sobre o Emelec e uma vitória inútil contra o Nacional na última rodada foram insuficientes para a classificação. A crise já era evidente e Abel saiu, entrando Alexandre Gallo.

Recopa Sul-Americana: 1 derrota e 1 vitória. Campeão. 5 gols pró e 2 gols contra.

Em uma tentativa de choque de gestão, Gallo assumiu e logo de cara barrou Clemer, que fazia boas atuações, além de outros atletas em alta conta com Abel. O desconforto foi iminente no vestiário e causou um racha no grupo. Isto durou três derrotas medíocres no Brasileirão nos três primeiros jogos.

Já pressionado, no primeiro jogo da decisão da Recopa Sul-Americana contra o embalado mexicano Pachuca, Gallo voltou atrás e recolocou Rubens Cardoso e Cle

Postado por Alexandre Perin

Sobre Mano Menezes no Corinthians

05 de dezembro de 2007 9

Para mim, foi um ato de extrema covardia e prova da falta de confiança do Mano Menezes no seu próprio taco ir para o Corinthians na atual conjuntura.

- Ele nao vai provar que sabe treinar um time de estrelas.

- Ele não vai provar que sabe lidar com a pressão de ter jogadores reservas de nome insatisfeitos de serem banco de garotos ou de desconhecidos que estão jogando melhor e sendo mais úteis ao time.

- Ele não vai provar que sabe montar um time ofensivo quando necessário.

- Ele não vai provar que vira jogos que começam mal com substituições ousadas. Ou ainda provar que sabe executar arranjos táticos sem efetuar uma troca de jogadores durante uma partida, alterando o panorama e a tendência de um jogo.

E tudo isto porquê? Porque Mano Menezes simplesmente vai continuar escondendo estes defeitos nas inevitáveis limitações de um time de Segunda Divisão.

Que os bons resultados foram obtidos muito com mérito dele e algum do time, e que eventuais insucessos serão respondidos essencialmente pela ausência de qualidade da equipe.

Ou de um time de Primeira Divisão em seu retorno à elite, com provavelmente um elenco coeso, com folha salarial baixa, e que conquistando qualquer resultado será lucro.

Para mim, uma legítima %22bola fora%22. Quaisquer salário alto que ele venha a receber no %22Timão%22.

Como me disse um amigo há pouco no MSN: %22O Mano fugiu dos desafios%22…

Postado por Alexandre Perin