Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de dezembro 2007

Mais uma morte nos gramados do mundo

29 de dezembro de 2007 0

Depois de perder o meia gaúcho Cléber, que faleceu pouco antes do Natal vítima de uma sequência de AVC%27s (acidente vascular-cerebral), o futebol mundial perdeu mais um atleta. Ainda sem uma informação oficial da causa, o meia escocês Phil O%27Donnell, do Motherwell, da primeira divisão escocesa, faleceu neste sábado vítima de um desmaio em campo.

Ele desmaiou quando seria substituído no jogo que o Motherwell venceu o Dundee United por 5×3. Seu sobrinho, David Clarkson, estava em campo e também deixou o gramado ao perceber a gravidade do incidente. O%27Donnell tinha 35 anos, foi levado direto a um hospital mas acabou não resistindo.

O%27Donnell é a terceira morte neste ano de 2007 envolvendo jogadores de elite. O caso mais famoso do ano foi o falecimento do jovem Antonio Puerta, do Sevilla, em agosto. O%27Donnell começou no próprio Motherwell, e jogou ainda por times como o Celtic Glasgow, o Sheffield Wednesday.

Clique aqui e veja a ficha completa de O%27Donnell no site do Motherwell. O futebol de luto, mais uma vez

Postado por Alexandre Perin

Naturalização de jogadores? Estes aqui fizeram!

29 de dezembro de 2007 0

Muito interessante o post do meu amigo Carlos Henrique Oliveira em seu blog %22Futebol e História%22. Ele cita com destaque exemplos de jogadores naturalizados, em especial o brasileiro Deco e o gênio %22Major Galopante%22 Férenc Puskas.

Aliás, estou preparando um post especial sobre times do Leste Europeu que fizeram história, e o fabuloso time húngaro dos anos 50 é obviamente o assunto principal.

Confiram o %22Futebol e História%22, vale a pena!

Postado por Alexandre Perin

Zlatan Ibrahimovic: o mago gigante

26 de dezembro de 2007 0

Se existe um centroavante que consegue juntar altura, técnica apuradíssima e faro de gol este alguém se chama Zlatan Ibrahimovic. O temperamental atacante sueco, formado no Molde da Noruega, filho de pais bósnios e que já brilhou no Ajax e na Juventus, hoje é o melhor jogador da Internazionale de Milão.

Dos tempos de jovem, sempre arrumando confusão dentro e fora de campo, Ibrahimovic (ou Zlatan,como prefere ser chamado) parece ter superado. Faz tempo que não vai expulso,e seu futebol só aumenta… Há uns dois anos ficou famoso pela polêmica sobre os chicletes, após uma imagem fortuita de uma transmissão do italiano. Ele mostrou que consegue mascar chiclete, cuspir, fazer embaixadinhas e colocar na boca de novo. Isto virou até tema da campanha %22Joga Bonito%22, da Nike (mas é porquice igual, hehe). Veja abaixo a matéria:


Porém é dentro de campo, em jogos oficiais, que ele brilha mais. Abaixo vão duas compilações diferentes, uma com seus primeiros tempos de Ajax e outra dos gols mais recentes, pela Juventus e Internazionale.



Postado por Alexandre Perin

Steven Gerrard: o melhor kicker do planeta

25 de dezembro de 2007 2

Nesta época de vacas magras no futebol brasileiro, vou ficar postando alguns gols antológicos do futebol inglês. Um deles eu vi ao vivo na TV, e é sobre ele que estou escrevendo hoje.

É o gol de empate de Steven Gerrard, do Liverpool contra o West Ham United, na final da Copa da Inglaterra de 2006. Este gol foi considerado como sendo o mais bonito de todos os tempos já marcado em uma final deste centenário torneio. Também foi o %22gol do ano%22 na temporada 2005/06.

Aos 45 do segundo tempo, perdendo por 3×2 depois de levar 2×0, empatar e ceder de novo a vantagem para o West Ham, Gerrard empatou o jogo. Mesmo com câimbras, ele desferiu um petardo de quase 35m a 110km/h, superando o goleiro trinitino Shaka Hislop. Um golaço que você pode ver abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=dm6-S6T_nGk

Steven Gerrard, capitão do Liverpool, é uma espécie de ícone do renascimento do Liverpool. Time mais popular e vitorioso do futebol inglês em todos os tempos (são 18 Ingleses, 5 Liga dos Campeões e 3 Copas da UEFA, além de dois vices europeus), o Liverpool amargou dez anos sem títulos na década de 90.

Foi em 2000, quando Gerrard se tornou o líder máximo do time, que o clube reagiu. De lá para cá, sempre com Gerrard como principal jogador da equipe, foram nada menos que oito títulos relevantes: Copa da UEFA, Copa da Liga Inglesa, Copa da Inglaterra e SuperCopa Européia em 2001, Copa da Liga Inglesa em 2003, Liga dos Campeões e Supercopa Européia em 2005, e de novo a Copa da Inglaterra em 2006.

A final da Liga dos Campeões em 2005 se tornou um épico em Istambul, Turquia: perdendo por 3×0 no intervalo contra o poderoso Milan, os Reds reagiram. Steven Gerrard descontou de cabeça no segundo tempo e empurrou o time para a virada antológica. Logo depois, ele desferiu o chute que gerou um rebote e o gol de Smicer. E foi Gerrard que, em rebote de cobrança de pênalti desperdiçada por ele próprio, o gol de empate (EDITADO: correção enviada pelo leitor Fernando, foi Xabi Alonso). Nos pênaltis, o Liverpool superou o Milan e se sagrou campeão europeu pela quinta vez.

E o capitão Gerrard? Levantou mais uma taça… A sua mais especial.

Postado por Alexandre Perin

Zinedine Zidane marcando o gol da vida

24 de dezembro de 2007 1

Que o meia Zinedine Zidane era um craque, ninguém duvida. Zagallo e Parreira que o digam: o cracaço francês, filho de argelinos, destruiu a Seleção Brasileira na final da Copa do Mundo de 1998 e ainda na Copa do Mundo de 2006.

No Real Madrid, Zidane conquistou vários títulos, mas um teve sabor especial. O time madrilenho começava a estratégia dos %22galáticos%22, e Zidane era justamente o primeiro contratado neste modelo, implantado pelo presidente Florentino Perez.

Na Liga dos Campeões 2001/02, o Real chegou à decisão em Glasgow, Escócia, contra a zebra Bayer Leverkusen, time no qual jogava o brasileiro Lúcio.

Raúl fez 1×0, mas o próprio Lúcio empatou para o Bayer ainda no primeiro tempo. Porém, nos acréscimos, Raúl cruzou da esquerda e Zizou fez simplesmente isto:



No segundo tempo, o Bayer não teve forças para reagir e o Real conquistou o título continental pela nona vez, recorde absoluto no futebol europeu.

Foi um dos gols mais bonitos da carreira de Zidane, um dos maiores craques dos últimos 20 anos no futebol mundial.

Postado por Alexandre Perin

Gols históricos na Inglaterra, parte II

23 de dezembro de 2007 0

Segundo Gol: Alan Mullery – Fulham 1×1 Leicester City, Copa da Inglaterra 1973/74

O vigoroso meia Alan Mullery marcou o gol do ano de 1974 no futebol inglês. Em um jogo pela quarta fase da Copa da Inglaterra, Mullery atuava pelo Fulham. recebeu um cruzamento da esquerda e, sem pulo e nem deixar cair, desferiu um chutaço no ângulo. Um gol que eu, sinceramente, nunca vi antes. Vejam o vídeo abaixo:

Formado no mesmo Fulham aonde encerrou a carreira, Alan jogou por lá muitos anos antes de ir para o poderoso Tottenham Hotspur. Nos Spurs, ele foi duas vezes campeão da Copa da Inglaterra e jogou 35 jogos pela Seleção Inglesa. Foi titular na Copa do Mundo de 1970, jogando contra o Brasil e marcando seu único gol pelo ‘English Team’, na derrota de virada por 3×2 contra a Alemanha Ocidental que selou a eliminação do então campeão mundial.

Postado por Alexandre Perin

Gols históricos na Inglaterra, parte I

23 de dezembro de 2007 0

Ronnie Radford – Hereford United x Newcastle United, Copa da Inglaterra 1971-72

Ronnie Radford, carpinteiro e jardineiro, jogava no time semi-amador do Hereford. O adversário era o poderoso Newcastle, pela terceira fase da Copa da Inglaterra. O Hereford era da quarta divisão e entrou na quarta fase classificatória. Chegando à terceira fase, quando entram os times da primeira divisão, arrancou um empate em 2×2 contra o Newcastle fora de casa.

No jogo desempate, perdia de 1×0 desde o início do jogo, quando Ronnie desferiu um petardo de 30m no ângulo do goleiro Willie McFaul e empatou o jogo, provocando histeria e invasão de campo. Na prorrogação, Ricky George fez mais um e selou a maior zebra da história de 125 anos do torneio.

Vejam os gols do Hereford United:


Saiu o sorteio da Liga dos Campeões!

22 de dezembro de 2007 0

Nesta sexta-feira foi anunciado o sorteio das oitavas-de-final da Liga dos Campeões da Europa. O atual campeão Milan pegou um páreo duro: o jovem e talentoso time do Arsenal. Se os garotos de Highbury não tremerem, o campeão mundial Milan pode deixar a competição cedo. Eu aposto no Arsenal, até porque o talentoso holandês Robin van Persie já estará de volta aos gramados. A não ser que Alexandre Pato comece a aprontar das suas pelo Milan…

Já o poderoso Barcelona teve mais sorte: vai enfrentar o Celtic Glasgow. Infinitamente superior tecnicamente, o único problema do Barça deve ser o jogo de ida, já que os escoceses são praticamente imbatíveis jogando em casa (Milan, Real Madrid, Manchester United já sofreram no Celtic Park). Dá Barça, com algum sufoco.

Em outro duelo de titãs, o multicampeão Liverpool irá enfrentar o time de melhor retrospecto na temporada: a Internazionale. Sobrando em todas as competições, a atual bicampeã italiana é favorita, e conta com o sueco Zlatan Ibrahimovic em fase esplendorosa. Porém o time de Rafa Benítez (se continuar no cargo até lá) é especialista em mata-mata, apesar da péssima fase no Inglês e da campanha irregular na Liga. Eu aposto no Liverpool, afinal a Inter tem a tradição de amarelar nas fases eliminatórias da Liga.

Para variar, o Manchester United pode se considerar sortudo. Apesar de enfrentar o heptacampeão francês Lyon, sem dúvida este é o time mais fraco comandado por Juninho Pernambucano. Saíram as estrelas como Essien, Malouda, Abidal e ficou um time envelhecido, sem o talento anterior. A esperança francesa é o jovem Karim Benzema, que tem causado furor nos gramados franceses. Mas, com o melhor time do Manchester desde a geração de David Beckham, e com talentos cintilantes como Cristiano Ronaldo, Wayne Rooney e o brasileiro Anderson, o Manchester é favorito.

Real Madrid e Roma é um jogo sem prognósticos. O ousado esquema tático do técnico Luciano Spaletti, da Roma, é o ideal para enfrentar times ofensivos, como é o caso do Real Madrid. O problema é quando algo dá errado, e o resultado é um desastre, como o histórico 7×2 das quartas-de-final sofridos contra o Manchester. O Real faz ótima temporada, mas não tem sido confiável na Liga. É um duelo complicado, com Real Madrid por pequena vantagem.

O Chelsea deu sorte. Pegará o grego Olimpiacos, que faz ótima campanha na Liga depois de anos sendo eliminado na primeira fase. Os gregos passaram bem sobre a Lazio na primeira fase e engrossaram contra o Real Madrid, mas não devem ser páreo para os Azuis de Londres.

Já o Sevilla, atual bicampeão da Copa da UEFA, tem uma parada dura contra o Fenerbahce. Se existe estádio na Europa que vira um caldeirão, é o do campeão turco. O Surku Saracoglu é um inferno para os visitantes, com a fanática torcida do time que tem uma legião de brasileiros, capitaneados pelo astro Alex, ex-Palmeiras e Cruzeiro. Mas em casa, o time espanhol deve prevalecer e é nele que eu aposto.

O último confronto é entre Porto e Schalke 04. Dois times que podem ficar felizes de escaparem dos gigantes no sorteio, e que vão disputar entre si a chance de ao menos ir às quartas-de-final. Eu aposto nos portugueses, mais experientes em Liga dos Campeões e com um time de melhor qualidade.

Postado por Alexandre Perin

Chilique em campo!

21 de dezembro de 2007 0

 O vídeo abaixo é de Antonio Cassano aprontando mais uma inusitada cena em campo. O %22enfant-terrible%22, %22garoto-problema%22, mascarado ou o que quiserem chamar segue aprontando pelos gramados da Europa.

De novo gênio do futebol italiano, contratado por 30 milhões de dólares pela Roma junto ao pequeno Bari, Cassano nunca se firmou. O habilidosíssimo, porém individualista e totalmente temperamental atacante conseguiu brigar com o treinador Fabio Capello na Roma e no Real Madrid. Também discutiu com Marco Tardelli, treinador da Seleção Italiana Sub-20 e foi dispensado.

Agora emprestado a Sampdoria, causou espanto ao discutir com o árbitro no dia 29 de outubro, jogando contra o Catania. Cassano simplesmente saiu de campo aos 38 do segundo tempo e o técnico Walter Mazurri teve que gastar uma substituição.

Neste final de semana, aprontou outra: recebeu uma amarelo contra a Fiorentina, quando o jogo estava 1×1. O cartão era o terceiro e Cassano ficaria suspenso para o próximo jogo, justamente contra a Roma. Ele então teve um verdadeiro %22chilique%22 em campo: esbravejou, chorou, gritou, se jogou no chão, etc… Uma cena vergonhosa!

O curioso é que ele ficou em campo no segundo tempo e fez o gol de empate no finalzinho da partida, garantindo um empate em 2×2 para a Sampdoria.

Vejam as imagens do fiasco:

Postado por Alexandre Perin

Anderson: titular da MINHA Seleção Brasileira

20 de dezembro de 2007 7

Hoje afirmo sem problema algum: Anderson, o garoto formado no Grêmio, seria titular absoluto da MINHA Seleção Brasileira. No meio-campo, na terceira função com Kaká ao seu lado. Na frente, Robinho ou Ronaldinho e um centroavante. Parece absurdo para quem começou como atacante jogar em uma função bem mais recuada? Então leiam:

Confesso que sempre achei exagerada a mídia em cima do Anderson quando jogava no Grêmio. Em uma época carente de títulos e há quase 5 anos sem um grande ídolo (o último tinha sido Marcelinho), tudo que o Tricolor mais precisava era de um ídolo.

A despeito de golaços antológicos contra times inexpressivos no Gauchão e na Série B, Anderson não ia bem contra times melhores. No final da Série B sofreu lesão mas também ficou no banco contra o Santa Cruz e Náutico, quando entrou e fez o famoso gol da %22Batalha dos Aflitos%22. Vendido aos 17 anos chegou ao Porto e manteve a sina: jogaços no Português, mal na Liga dos Campeões.

Ainda assim, o Manchester United apostou e levou o garoto no início da temporada. Em uma crise de lesões no meio-campo, o técnico Alex Ferguson colocou o jovem brasileiro como segundo volante. A idéia era ter a mesma movimentação e o posicionamento do ótimo, raçudo e violento Paul Scholes, que começou como meia-atacante goleador.

Praticamente ninguém apostava nesta solução, especialmente aqui no Brasil. Honestamente, eu achei sim que poderia dar certo. Ferguson queria aproveitar o que Anderson tem de melhor: a condução de bola, o passe preciso e a soberba visão de jogo. No início, ele ainda cometeu muitas faltas e tinha certa dificuldade na marcação, no posicionamento defensivo. 

Porém aos poucos isto foi sendo corrigido e o resultado tem sido fantástico: sistematicamente ele tem sido um dos melhores em campo. Saiu aplaudidíssimo de campo em vários jogos e só tem falhado justamente no que era melhor antes: ainda não fez gol (Ferguson já falou que só falta isto para ele ficar perfeito).

Como o Manchester joga com dois laterais defensivos, o que não ocorre no Brasil, seria arriscado ele jogar na mesma posição pela Seleção. Porém eu acabaria de vez com a versão 2 (e igualmente fracassada) do %22quarteto mágico%22, tirando ou Ronaldinho ou Robinho, colocaria ele como terceiro homem de meio-campo e teria um time bem mais equilibrado.

Aliás, minha Seleção Brasileira seria esta hoje: Júlio César (Internazionale); Maicon (Internazionale), Lúcio (Bayern de Munique), Juan (Roma) e Marcelo (Real Madrid); Lucas (Liverpool) ou Denílson (Arsenal), Hernanes (São Paulo), Anderson (Manchester United) e Kaká (Milan); Ronaldinho (Barcelona) e Luís Fabiano (Sevilla).

Uma posição em aberto é a primeira do meio-campo. Nem Denílson, tampouco Lucas são titulares nos times, e também não jogam exatamente por ali. Os que tem jogado, Gilberto Silva, Josué e Mineiro, para mim não tem nível de Seleção Brasileira

O talentoso Rafinha é um nome forte para disputar posição com o Maicon (que eu já entreguei os pontos, tem jogado muito bem) e na lat-esquerda ainda está aberta a disputa.

No ataque Alexandre Pato aguarda sua chance, agora que irá começar a atuar pelo Milan. Já Adriano e Nilmar, que haviam sido convocados antes, precisam ter condições de atuar 90 min em alto nível. Vágner Love e Afonsão é conversa para boi dormir…

Postado por Alexandre Perin