Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 10 janeiro 2008

Dirigentes, procuradores, atletas e suas decisões

10 de janeiro de 2008 9

Quando o Grêmio estranhamente negociou o jovem atacante Carlos Eduardo para o obscuro Hoffenheim, da Segunda Divisão Alemã, ao invés do tradicional Benfica de Portugal, eu fui uma das pessoas que mais criticou a decisão.

Os fatores são diversos, mas em especial critiquei a diretoria gremista porque o Benfica estava interessado em utilizar Diego Souza como moeda de troca na contratação de Carlos Eduardo. O time português ficou claramente descontente com os rumos daquela negociação e boa parte da imprensa esportiva não entendeu.

Dito e feito: agora o time de Lisboa está fazendo de tudo para não negociar Diego Souza com o Grêmio após ter expirado o prazo de preferência tricolor na compra do meia, melhor jogador do time na temporada 2007. Hoje saiu mais uma matéria no Clic sobre o assunto.

Os procuradores e o próprio Carlos Eduardo foram ainda mais criticados por minha parte, pois não pensaram direito no futuro do garoto. Ao invés de disputar o tradicional Português e a bilionária Liga dos Campeões da Europa, hoje está se chafurdando na lama da German Bundesliga II contra timecos do porte de Erzgebirge Aue e Carl Zeiss Jena. Atualmente, o Hoffenheim está em oitavo lugar e poucas chances de subir para a Primeira Divisão.

Se eu fosse procurador, eu sempre orientaria o jogador a médio prazo. Não importa que jogando no Hoffenheim ele vai ganhar 10, 20 ou até 30% a mais que no Benfica: é burrice ir para um lugar tão distante e para um time tão pequeno.

Se meu atleta é a maior promessa de goleiro no futebol mundial e eu tenho uma proposta de 200 mil euros mensais no Manchester United ou 300 mil euros mensais no Chelsea, para qual eu iria? Pro Manchester, claro, afinal o goleiro titular tem 38 anos e o reserva é fraco. No Chelsea iria disputar posição com o ainda jovem Petr Cech, ou seja, ia ficar muito tempo mofando no banco.
Este tipo de pensamento não existe para a maioria dos procuradores, que deveriam ser menos %22empresários%22 e mais %22agentes%22 dos atletas, defendendo os interesses dos mesmos para que eles consigam cada vez mais sucesso, prestígio e dinheiro, pois naturalmente também ficarão tão ricos quanto ele.

Postado por Alexandre Perin