Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de janeiro 2008

Títulos de categorias de base por todo o Brasil

22 de janeiro de 2008 0

No post de ontem, foi destacado o trabalho de excelência da dupla Gre-Nal nas categorias de base. O investimento pesado em vestiários, concentrações, campos de treinamento, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, treinadores, preparadores físicos, médicos e fisioterapeutas está sendo recompensado.

Isto tem resultado ao lançar vários jogadores importantes para os títulos de Grêmio e Internacional nos últimos anos, além de garantir a estabilidade financeira e a capacidade de investimento maior da dupla perante aos mercados de Rio e São Paulo.

Isto também tem resultado na formação de titulares de Seleção Brasileira, como Ronaldinho e Lúcio. Além de lançar para o estrelato jogadores que são as principais revelações para o futuro no futebol mundial, como o ex-meia gremista Anderson (no Manchester United), e o colorado Alexandre Pato (no Milan).

Tudo isto também dá título. No caso, em competições de categorias de base, que reúnem os principais times do Brasil e até do exterior. Nas duas edições do prestigiado Campeonato Brasileiro Sub-20, o Internacional foi campeão em 2006, goleando o arquirrival em um show de Alexandre Pato. Em 2007, foi segundo colocado ao perder para o Cruzeiro na decisão. Mas o Grêmio também fez bonito: além do vice-campeonato de 2006, foi quarto colocado em 2007..

Na Copa Macaé de Juvenis, o Internacional é tricampeão (2000, 2001 e 2005) e o Grêmio venceu em 2004. Na Copa Brasil Sub-15, de Londrina e atualmente em Votorantim-SP, o Grêmio acaba de se sagrar bicampeão  (venceu também no primeiro ano da competição, em 2002), ganhando todos os jogos, sem levar nenhum gol e batendo o São Paulo na final. Mesmo número de títulos tem o Inter (2003 e 2005).

Em Santiago-RS, no Torneio Romeu Jacques Goulart de Juvenis, o Inter venceu sete vezes (1990, 1992, 1993, 2001, 2003, 2005 e 2007). O Tricolor foi o campeão quatro vezes consecutivas, entre 1995 e 1998, além do título de 2000.

Finalizando, no EFIPAN de Infantis em Alegrete, o Colorado triunfou em1986, 1987, 1994, 1997, 1999, 2002-2004 e 2007, contra dois títulos do Grêmio (1985 e 2006). Na segunda-feira, ambos decidiram o EFIPAN 2008 e o Inter venceu de novo, se sagrando campeão pela décima vez.

Postado por Alexandre Perin

Copa São Paulo de Juniores e os gaúchos

21 de janeiro de 2008 2

Internacional e Grêmio fizeram uma ótima participação na atual Copa SP de Juniores. Com as ótimas campanhas e o belo futebol apresentado, muitos chegaram a sonhar com uma final gaúcha em Gre-Nal.

O Inter, em um jogo heróico, superou o Santos e joga nesta terça-feira a semifinal contra o Rio Branco-SP. Nomes como o meia Tales, o centroavante Válter (o %22Da Silva%22) e o volante Sandro são os principais nomes do time, assim como o também volante Paulinho e os atacantes Éderson e Vágner.

Já o Grêmio lutou muito, mas acabou sendo derrotado pelo São Paulo por 2×0 neste domingo e deu adeus à competição. Porém o Tricolor gaúcho, de ótimos jogos no torneio, revelou destaques como o meia Maylson, o volante Rafael Carioca e o atacante Jhonatan, que devem jogar ainda este ano no time principal. Os dois primeiros, inclusive, já foram promovidos ao elenco principal pelo técnico Vágner Mancini.

E na história? O Grêmio nunca foi campeão da Copa São Paulo. Sua melhor campanha foi em 1991, quando chegou na decisão contra a Portuguesa-SP. Porém deu muito azar: além de pegar a melhor campanha de todos os tempos (9 vitórias, 32 gols marcados), com Tico e Sinval de coadjuvantes do craque Dener. O resultado foi uma goleada de 4×0 na final…

Curiosamente a estrela da Lusa depois brilharia no próprio Grêmio (ganhando seu único título profissional, o Gauchão de 1993), antes de morrer prematuramente no início de 1994 em um acidente automobilístico. Além deste ano, o Tricolor foi semifinalista em 1983 e chegou às quartas-de-final em 2006. O Juventude chegou às quartas-de-final em 1994, perdendo para o futuro campeão Guarani, que tinha Luizão e Amoroso como destaques.

O Internacional tem mais tradição na Copinha. O Colorado detém quatro títulos na competição: 1974, 1978, 1980 e 1998, só ficando atrás de Corinthians (seis) e Fluminense (cinco). Neste último título, brilhavam jogadores como Diogo Rincón e Lúcio, além dos hoje rodados Claiton, Juca e Fábio Pinto) na vitória nos pênaltis por 5×4 contra a Ponte Preta de Luís Fabiano.

Em 1974, o Colorado também bateu a Ponte Preta, enquanto em 1978 superou o Corinthians, enquanto em 1980 bateu o Atlético-MG. O Inter ainda foi vice-campeão em 1972 (perdeu para o Nacional-SP a decisão). E semifinalista nos seguintes anos: 1981, 1985, 1989, 1990 e 1994.

Amanhã, um post sobre as outras competições de categorias de base no Brasil.

Postado por Alexandre Perin

Newcastle United: um time sem explicação

20 de janeiro de 2008 0

Existe um time com mais de 99% de ocupação em seu estádio, significando 50 mil torcedores todo o santo jogo. Ele representa uma região inteira de seu país e está quase sempre na primeira divisão. Rico, gastou uma centena de milhões de dólares nos últimos 14 anos em reforços.

Porém, paradoxalmente, este time não conquista um mísero campeonato nacional desde o longínquo ano de 1927. Existe um time assim, e este se chama Newcastle United. A equipe do Norte da Inglaterra tem 4 títulos nacionais e 6 da Copa da Inglaterra (o último em 1955).

Com uma ótima situação financeira, uma bela infra-estrutura, uma torcida obviamente fanática chamada de “Toon Army”, estão na fila há 81 anos. Dos times tradicionais do futebol mundial, só tem fila menor que o Gimnasia y Esgrima, que não ganha o Argentino desde 1919. Esta semana, fazendo mais uma péssima temporada, o Newcastle dispensou Sam Allardyce e trouxe de volta o ex-treinador Kevin Keegan.

Aos 56 anos, o ex-craque do Liverpool busca terminar o que quase conseguiu em 1995: o título inglês. Naquele ano, o Newcastle chegou a estar 12 pontos na frente, mas conseguiu a proeza de jogar fora o título para o Manchester United.

No ano seguinte, já com Alan Shearer (jogador mais caro da história até então e que se tornou o maior goleador do time em todos os tempos), repetiu o vice-campeonato. Desgastado, Keegan deixou o clube no final do ano seguinte.

Kenny Dalgish, Ruud Gullit, Bobby Robson (este com algum sucesso), Graeme Souness e Glenn Roeder sucederam Keegan como treinador antes de Allardyce, o último a cair na moedeira de St James%27 Park, o belo estádio do Newcastle.

Um dos maiores erros do time do extremo norte inglês é exagerar nas contratações de atacantes. Se buscar Michael Owen e Alan Shearer era sucesso praticamente garantido, gastar fortunas em jogadores apenas medianos como Laurent Robert, Albert Luque, Faustino Asprilla, Oba Oba Martins, Titus Bramble, entre outros…

Se vai dar certo aguardar para ver, e antes podemos uma compilação de vídeos de lances e outra usando imagens da cidade e do filme “Goal”

2007 versus 2008 - Internacional

19 de janeiro de 2008 1

O Internacional começou o ano de 2007 em uma situação contraditória: campeão mundial e desmantelado. Além da saída, em definitivo, do titular e destaque Fabiano Eller, o Inter perdeu os eficientes reservas Fabinho, Léo e Rentería. Os indiscutíveis Fernandão, Índio e Ceará estavam machucados no início do ano. O obscuro Rafael Santos e os fracos Wílson e Ediglê eram os outros zagueiros para Libertadores e Gauchão.

Para piorar, Fernandão, Ceará e Granja passaram quase o primeiro semestre com problemas médicos, enquanto Pato se dividia entre Inter e Seleção Brasileira. No banco, opções ruins como Michel, Pinga, Christian e um desinteressado (e deslumbrado) Adriano Gabiru. Porém o maior problema sempre foi o foco: campeão mundial há poucos meses, o Inter errou na preparação, na escolha de prioridades e nas contratações. Em resumo, um desastre.

De lá para cá, o Inter dispensou um bando de come-dorme que não acrescentava qualidade no grupo, ou já estavam desmotivados no Beira-Rio. É bem verdade que não tem mais o jovem prodígio Alexandre Pato, que foi para o Milan.

Depois de atrasar muito a montagem de um time forte, o Colorado fez contratações bastante interessantes, como Marcão, Magrão, Sorondo, Guiñazu e, especialmente, o craque Nilmar. Este ano ainda veio Bustos, para ser titular, e Andrezinho, como opção de banco.

Time-base colorado no primeiro semestre de 2007:
Clemer; Ceará, Índio, Rafael Santos e Hidalgo; Edinho, Wellington Monteiro, Fernandão e Alex; Iarley e Alexandre Pato

Time base colorado projetado para 2008:
Renan; Bustos, Sídnei, Orozco e Marcão; Edinho, Magrão, Guiñazu e Alex; Fernandão e Nilmar

Nesta análise, eu tenho o seguinte placar: 2007 1×7 2008, com empates de Nilmar x Pato, Edinho e Alex se repetindo. Considero Ceará bem superior ao Bustos, mas vejo Renan, Sídnei, Orozco, Marcão, Magrão, Giñazu e Fernandão como atacante superiores aos seus respectivos de 2008.

Porém tudo será decidido em campo: o torneio em Dubai mostrou qualidades que o time já mostrava possuir, mas acima de tudo mostrou que o clube como um todo está focado em novas conquistas. Só que era um torneio, no qual o Inter não entrou como favorito. Se isto vai dar certo, é outra história e só saberemos em alguns meses…

Postado por Alexandre Perin

2007 versus 2008 - Grêmio

18 de janeiro de 2008 3

O time-base do Grêmio em 2007 no primeiro semestre foi diferente do segundo. No final de janeiro, já atuando pelo Gauchão e com Carlos Eduardo e Lucas voltando do Sul-Americano Sub-20, o time tricolor estava forte.

Para a Libertadores, foram contratados Diego Souza, Gavilán, Tuta, Lúcio, Schiavi e Saja, como titulares. Carlos Eduardo se afirmou como destaque do time, e o veterano Schiavi acabou barrado pelo jovem Teco, que hoje se recupera da segunda lesão grave seguida no joelho esquerdo.

O Grêmio ganhou com sobras o Gauchão do ano passado, chegando a ganhar sete jogos consecutivos. Com o Inter fazendo fiasco e não passando da primeira fase, o título veio em uma goleada sobre o Juventude.

Destes jogadores, Diego Souza, Saja, Gavilán, Tcheco, Tuta e Schiavi saíram, enquanto Lucas, Carlos Eduardo e Lúcio foram vendidos. Quem veio: Hidalgo, Eduardo Costa, Paulo Sérgio, Peter, Júnior, o colombiano Perea e a nova estrela, o meia-esquerda Roger. Mais um meia e outro zagueiro serão contratados, provavelmente do exterior.

O time-base do primeiro semestre de 2007 foi: Saja, Patrício, William, Teco e Lúcio; Gavilán, Lucas, Diego Souza e Tcheco; Carlos Eduardo e Tuta.

Hoje o time projetado para o Grêmio em 2008 é: Marcelo Grohe, Felipe, Léo, Thiego e Hidalgo; Eduardo Costa, Júnior, William Magrão e Roger; Reinaldo e Perea. O técnico é novo, Vágner Mancini, após um ciclo de dois anos e meio com Mano Menezes.

Meu placar é 2008 4×7 2007. Acredito que este ano o time tem 4 melhores (Felipe, Eduardo Costa, Roger e Perea) e 7 piores (Marcelo Grohe, Léo, Thiego, Hidalgo, Júnior, William Magrão e Reinaldo)

Acho que o Grêmio começa um novo ciclo, buscando soluções em suas categorias de base (aonde os garotos Felipe, Wágner, Jhonatan e Itaqui são as maiores esperanças), no jovem Perea ou ainda no ressurgimento de  Roger.

Amanhã, o Internacional

Postado por Alexandre Perin

Qual é o time mais rico do mundo?

13 de janeiro de 2008 0

Estudo feito pela BBC e divulgado na sexta-feira aponta o inglês Manchester United como o clube que mais lucrou na temporada 2007. O time de Old Trafford embolsou cerca de 78 milhões de euros, e movimentou 324 milhões de euros na temporada.

O aumento no lucro chegou a 93%, com 27% a mais de acréscimo na receita bruta. O aumento foi essencialmente gerado pela ampliação do estádio Old Trafford, sempre lotado para mais de 76 mil torcedores, e o novo contrato de TV da Premier League inglesa, ainda mais vantajoso que o anterior.

Como podem ver no post de ontem, milhões de dólares são recebidos por milhões de torcedores no exterior, fortemente influenciados pelo espaço em mídia que estes gigantes do futebol mundial possuem. Em segundo lugar na lista dos milionários está o Real Madrid, que pela primeira vez em muitos anos não contratou nenhum %22galático%22, mas no campo se afirmou e faz ótima temporada. 

Postado por Alexandre Perin

Manchester United: 333 milhões de torcedores!

12 de janeiro de 2008 3

Li hoje no Globo Esporte que a torcida do Manchester United é estimada no mundo em 333 milhões de torcedores, sendo 134 milhões considerados como sendo %22torcedores fiéis%22. Estes números astronômicos mostram a força do futebol globalizado e da mídia nos destinos do planeta.

Provavelmente times com apelo mundial como Milan, Real Madrid, Barcelona, Internazionale, Arsenal e Liverpool devem possuir números semelhantes, em especial graças à forte influência no superpovoado Sudeste Asiático.

Em um único só país, a estimativa é que o turco Fenerbahce, com seus 50 milhões de torcedores, seja a maior torcida em um país. O brasileiro Flamengo, a despeito das habituais bravatas e baboseiras do Kléber Leite, possui um número bem abaixo disto, na ordem de 35 milhões de torcedores. Números próximos aos do Corinthians, que gradualmente tem diminuído a diferença.

E se vocês acham que é exagero, basta dizer que o Barcelona tem mais de 20 mil sócios no Japão…

EDITADO: Depois de ler um comentário do Matheus de POA, fiz um research sobre o tamanho da torcida do Fenerbahce. Achei que só na Turquia eles possuem 30 milhões de torcedores (tirei do site da UEFA).

E o número é muito maior no resto do mundo, pois 6.5 milhões de turcos moram fora do país (com passaporte turco) e outros dez milhões são descendentes diretos de turcos. Só na Alemanha são 2.7 milhões de turcos. Se 1/5 disto torcer pelo Fenerbahce, chega bem próximo aos 35 milhões. Eu corrijo a informação sobre a Turquia.

Mas mantenho sobre as torcidas no resto do mundo. Índia e Ásia tem quase 3 bilhões de moradores e é gigantesca a força da Inglaterra sobre seu antigo império colonial. A influência da Grã-Bretanha é bem maior que a dos Estados Unidos, por exemplo.

Postado por Alexandre Perin

Dirigentes, procuradores, atletas e suas decisões

10 de janeiro de 2008 9

Quando o Grêmio estranhamente negociou o jovem atacante Carlos Eduardo para o obscuro Hoffenheim, da Segunda Divisão Alemã, ao invés do tradicional Benfica de Portugal, eu fui uma das pessoas que mais criticou a decisão.

Os fatores são diversos, mas em especial critiquei a diretoria gremista porque o Benfica estava interessado em utilizar Diego Souza como moeda de troca na contratação de Carlos Eduardo. O time português ficou claramente descontente com os rumos daquela negociação e boa parte da imprensa esportiva não entendeu.

Dito e feito: agora o time de Lisboa está fazendo de tudo para não negociar Diego Souza com o Grêmio após ter expirado o prazo de preferência tricolor na compra do meia, melhor jogador do time na temporada 2007. Hoje saiu mais uma matéria no Clic sobre o assunto.

Os procuradores e o próprio Carlos Eduardo foram ainda mais criticados por minha parte, pois não pensaram direito no futuro do garoto. Ao invés de disputar o tradicional Português e a bilionária Liga dos Campeões da Europa, hoje está se chafurdando na lama da German Bundesliga II contra timecos do porte de Erzgebirge Aue e Carl Zeiss Jena. Atualmente, o Hoffenheim está em oitavo lugar e poucas chances de subir para a Primeira Divisão.

Se eu fosse procurador, eu sempre orientaria o jogador a médio prazo. Não importa que jogando no Hoffenheim ele vai ganhar 10, 20 ou até 30% a mais que no Benfica: é burrice ir para um lugar tão distante e para um time tão pequeno.

Se meu atleta é a maior promessa de goleiro no futebol mundial e eu tenho uma proposta de 200 mil euros mensais no Manchester United ou 300 mil euros mensais no Chelsea, para qual eu iria? Pro Manchester, claro, afinal o goleiro titular tem 38 anos e o reserva é fraco. No Chelsea iria disputar posição com o ainda jovem Petr Cech, ou seja, ia ficar muito tempo mofando no banco.
Este tipo de pensamento não existe para a maioria dos procuradores, que deveriam ser menos %22empresários%22 e mais %22agentes%22 dos atletas, defendendo os interesses dos mesmos para que eles consigam cada vez mais sucesso, prestígio e dinheiro, pois naturalmente também ficarão tão ricos quanto ele.

Postado por Alexandre Perin

Copa Africana de Nações

09 de janeiro de 2008 2

O amigo Hélio Sassen Paz faz uma análise completa no seu %22Apito do Blackão%22 sobre a Copa Africana de Nações 2008, que começa neste mês e vai até fevereiro.

Ele cita o Almanaque Esportivo, comentando uma frase minha a respeito do equívoco da CAF (Confederação Africana de Futebol), de insistir neste período de disputa: em janeiro e fevereiro, no meio dos campeonatos europeus.

O que acaba acontecendo: as grandes estrelas acabam sendo liberadas, sob pena de confusão internacional. Imaginem o tamanho do rolo se por acaso Gana não recebe Michael Essien, a Costa do Marfim sem Didier Drogba, ou Camarões fica sem Samuel Eto%27o?

Mas os jogadores jovens, de times menores e de seleções menos expressivas, como Togo, Burkina Faso ou Angola, muitas vezes recusam convocações sob pena de perderem espaço em seus clubes, que veladamente os ameaçam.

Não entra na minha cabeça porque a CAF (salvo algum motivo muito obscuro ou um interesse financeiro que ainda não consegui deduzir), não muda a data da Copa Africana de Nações para o meio do ano em um ano ímpar, intercalado com a Copa América.

Assim teríamos uma competição internacional importante por ano, sempre em junho/julho e nunca durante a temporada regular na Europa. Todos os times poderiam entrar com força máxima, melhorando o nível técnico do torneio e aumentando o apelo popular.

Na minha idéia, a Eurocopa seria em 2008, a Copa Africana em 2009, a Copa do Mundo em 2010 e a Copa América em 2011, seguindo o fluxo sempre assim…

É melhor, não acham?

Postado por Alexandre Perin

Marco Materazzi: o carniceiro italiano

08 de janeiro de 2008 3

Além de ter sido imortalizado pela provocação que rendeu uma cabeçada de Zinedine Zidane na final da Copa do Mundo da Alemanha, Marco Materazzi ficará para sempre na memória do futebol como um jogador muito violento. Eu até não achoo veterano zagueiro italiano um mau jogador (hoje a idade já está pesando… Na Copa do Mundo foi muito bem, talvez superior ao incensado Alessandro Nesta, e marcou o gol de empate na decisão contra a França.

Porém Materazzi é um jogador desleal e, assim como o volante argentino Diego Pablo Simeone, acabará ficando marcado pela violência dentro de campo. No jogo de hoje entre Internazionale e Internacional pelo Torneio de Dubai, bateu recordes de faltas violentas e olha que estava jogando um mero Torneio de Exibição.

Uma voadora violentíssima no rosto do craque ucraniano Andriy Shevchenko, em jogo contra o Milan, ficou famosa como o pior lance de Materazzi. Porém não foi o único: no vídeo abaixo temos outros lances de pura covardia.

Postado por Alexandre Perin