Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 14 junho 2008

Viradas de Mesa no Brasileirão -1971 a 2008

14 de junho de 2008 19

Esta é a página mais vergonhosa da história do futebol brasileiro. Os fatos mostram que a Justiça vale para os mais fracos. Sempre.

1974
O Vasco ganha na Justiça Desportiva o direito de fazer a final com o Cruzeiro, disputada em uma só partida, no seu estádio, por conta da invasão de um torcedor no Mineirão, na fase classificatória. No Maracanã, os cariocas venceram. Sobram boatos de que o mando de campo foi comprado, pois a diretoria do Cruzeiro mal reclamou da decisão.

1982
O Palmeiras é rebaixado. Em vez de disputar a segundona em 83, é inventada a Taça de Prata, cujo campeão somava-se aos classificados para a fase final da Séria A no mesmo ano. O Palmeiras vence o torneio e, assim, volta ao grupo de elite sem jogar a segundona.

1983
Mesma coisa do ano anterior, agora beneficiando Corinthians e Atlético-PR

1986
Como bem o leitor Michel lembrou, o Brasil de Pelotas foi 3° colocado de 1985. Porém eles foram rebaixado inexplicavelmente para a Terceira Divisão! Deve ter sido castigo por ter ganhado do Flamengo nos dois anos anteriores…

1987
O Botafogo deveria disputar a Segunda Divisão, porém com a criação da Copa União, ficou no grupo de elite, o Módulo Verde. Em compensação, o América-RJ, 3° no campeonato anterior e com um time histórico, disputou o Módulo Amarelo (na prática, a Segundona)

1989

O Vasco da Gama havia ganho o direito de disputar jogos decisivos no mesmo horário dos rivais. O Coritiba quis o mesmo na segunda fase, antes de um jogo contra o Santos, que a CBF (então comandada por um velho decrépito chamado Octávio Pinto e com os nefastos Nabi Abi Chedid e Eurico Miranda de vices-presidentes eleitos) tinha marcado em horários diferentes.

Aí a CBF NEGOU o direito do Coxa, que não foi a campo. Resultado? Rebaixamento para o time paranaense, um dos maiores absurdos da história do futebol brasileiro!!!!!

1992
Foi tentado uma virada de mesa para não rebaixar Grêmio e Vitória, mas evidentemente Internacional e Bahia rechaçaram a idéia que beneficiaria os rivais, após no Clube dos 13. Para não correr riscos com o Grêmio, rebaixado para a Série B de 1991, é definido o ascenso de 12 times, ao invés de dois como eram nos anos anteriores. O Tricolor termina em 9º lugar.

1993
Com 32 times, um grupo de elite é formado nos grupos A e B. Os menores ficam  nos grupos C e D. A divisão é por critérios políticos, já que times que foram bem na Série B de 92 (Vitória e Paraná), terminam nos grupos C e D assim como a Portuguesa, que foi bem na Série A de 1992. Já o Grêmio, 9º colocado da Série B em 1992, vai direto para o grupo de elite! Ah, e não tem rebaixamento nos grupos A e B. Uma vergonha, muito pior do que ocorrido em 1992.

1996
Fluminense é rebaixado em campo, mas os clubes e a CBF recolocam o clube na Série A em 1997 por conta da “tradição”. O leitor Marcelo França Santos me mandou seus comentários, deixo eles na íntegra:

“Em 1997, o Fluminense e o Bragantino foram alçados de volta à primeira divisão como solução “salomônica” da CBF para evitar os rebaixamentos de Corinthians e Atlético-PR. Ambos foram pegos em gravações telefônicas combinando pagamentos ao então presidente da CONAF, sr. Ivens Mendes em troca de ajuda na arbitragem. O correto seria  suspender ambos os clubes, o que causaria seus rebaixamentos
automáticos e, naturalmente, evitaria as quedas de Fluminense e  Bragantino (que não mais seriams os últimos colocados do campeonato de
1996). Contudo, a solução casuística da CBF foi a de afastar os  dirigentes dos clubes e o Ivens Mendes (adimitindo, portanto, suas
culpas) e punir o Atlético-PR com perda de cinco pontos no campeonato do ano seguinte, além de anular o rebaixamento de 1996 com o argumento de que os resultados do campeonato estavam sob suspeição (o que era verdade, diga-se de passagem). O Corinthians passou incólume pelo caso comprovado de compra de arbitragens.”

Opinião pessoal: A solução foi propositada, pois haviam muito mais horas de gravação que prejudicariam outros clubes grandes do centro do país. A virada de mesa ocorreu de fato e beneficiou os dois. Isto é fato. Se outros deveriam ser igualmente punidos, eu concordo totalmente. Em países honestos, os times mais bem colocados da Divisão Inferior são premiados, ao invés de beneficiar um que deveria ter sido rebaixado. Mas como é Brasil… E nada me tira da cabeça que o objetivo em divulgar apenas parcialmente as informações das gravações tenha sido justamente este, de criar a desculpa de uma virada de mesa.

OBSERVAÇÃO: O Renan Machado e Silva, torcedor do Fluminense, me encaminhou um educadissimo e-mail com um aspecto importante. É sobre este meu comentário: “Em países honestos, os times mais bem colocados da Divisão Inferior são premiados, ao invés de beneficiar um que deveria ter sido rebaixado. Mas como é Brasil …“. Palavras do Renan:  “Em minha opinião, não é justo comparar o desempenho do Fluminense e do Bragantino quando eles disputam diretamente contra 2 equipes que comprovadamente compraram juízes. Qual a validade dos resultados das 2 equipes envolvidas no esquema? Porém, a minha opinião pode não valer de nada, então mostrarei exemplos reais para mostrar que a sua frase está equivocada.

Vou citar 2 exemplos da Itália, que você deve conhecer. Em 1980, como você pode ver na classificação a seguir, os 3 times rebaixados seriam os 3 times com menor pontuação: Catanzaro, Udinese e Pescara. Porém, como Milan e Lazio participaram do esquema de venda de resultados, eles foram rebaixados e Catanzaro e Udinese escaparam. http://en.wikipedia.org/wiki/1979%E2%80%9380_Serie_A

A mesma coisa aconteceu com a Juventus em 2006 e o melhor rebaixado, Messina, se livrou do rebaixamento.”

Opinião Pessoal: Não considero em si a Itália o melhor dos exemplos, tendo em vista que o escândalo de 2006 terminou em punições brandas para quase todos os envolvidos. Porém respeito a opinião do Renan e fica a informação de que em outros países se adotou o mesmo critério feito no Brasil em 1996. Uma ressalva que eu faço é que a denúncia tinha mais horas de gravação, envolvendo OUTROS times, mas estas ‘não foram utilizadas’…

Valeu Renan, pela educação e pela clareza de teus argumentos!

1999
O Botafogo leva 6 a 1 do São Paulo mas ganha os pontos da partida, por um erro do STJD botafoguense comandado pelo ridículo Luiz Zveiter que adotou uma análise bizarra de seus próprios regulamentos. Sandro Hiroshi atuou com inscrição irregular: tinha registro em federações de dois Estados brasileiros. Os pontos salvam o Botafogo (e não o Internacional, que escaparia de qualquer maneira se não houvessem resultados invertidos) e resultam no rebaixamento do Gama.Mais detalhes aqui

2000
O Gama, rebaixado em função dos pontos conquistados pelo Botafogo nos tribunais desportivos, entra na Justiça Comum e ganha liminar. O Clube dos 13 organiza Copa João Havelange, com o Gama. Aproveitando o embalo, sobem o Fluminense, o Juventude e o Bahia, que tecnicamente deveriam disputar a Série B 2000.

2005

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2008/06/18/falcatruas-no-brasileirao-2005/