Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 18 junho 2008

Viradas de Mesa - 2005 e o escândalo do STJD e os jogos anulados.

18 de junho de 2008 5

Em 2005, o árbitro Edílson Pereira de Carvalho assume estar envolvido em esquema de manipulação de jogos. Ele tinha apitado 11 jogos, mas só três estavam envolvidos no esquema.

Porém, inexplicavelmente e contra todas as recomendações e contra declarações dele mesmo, o presidente do STJD Luiz Zveiter anula todos os 11 jogos na manhã de domingo, 1° de outubro. Ao invés de líder, o Internacional acorda em terceiro lugar, atrás do Corinthians e do Goiás.

A decisão é claramente favorável ao Corinthians, que tinha perdido dois dos jogos anulados e que seriam remarcados. E iria contra o próprio código da Justiça Desportiva.

Em caso semelhante, o árbitro Paulo Danelon, que havia apitado na Série B e também estava envolvido no escândalo de jogos manipulados, inacreditavelmente não tem os seis jogos remarcados. A decisão é definitiva, e os jogos voltam a ocorrer. Somente um jogo tem seu vencedor mantido, a vitória do Inter sobre o Coritiba. O Corinthians, que havia perdido para Santos e São Paulo, vence o primeiro e empata com o segundo, recuperando quatro pontos.

O mais incrível ocorreu no jogo Juventude x Fluminense. Edílson tinha sido pago para beneficiar o Flu, mas o Juventude venceu. Porém como todos os 11 jogos foram anulados, o Flu teve a chance de jogar de novo e acabou ganhando a partida em Caxias do Sul. Ou seja, a remarcação acabou dando exatamente o resultado exigido pelos corruptores.

O impacto é imediato no ânimo dos torcedores: no mesmo dia, um confronto generalizado ocorre em Internacional 2×2 Fluminense, e no jogo remarcado Santos x Corinthians o time da capital goleia com vários santistas sendo expulsos e o estádio interditado. O Corinthians chega a estar 11 pontos na frente do Inter, que recupera terreno até a `decisão`, antepenúltima rodada no Pacaembu, dia 20 de novembro.

Neste jogo, depois de sair perdendo para o Timão com 1 gol de Carlos Tévez, o Inter empata com Rafael Sobis. No finalzinho da partida, Tinga sofre pênalti claro de Fábio Costa mas o árbitro Márcio Rezende de Freitas não marca e ainda expulsa Tinga, acusado de simular a infração. O jogo termina 1×1 e o Corinthians é campeão por três pontos. Caso os resultados originais tivessem sido mantidos, o Internacional seria campeão com um ponto de vantagem.

Depois disto, o presidente do STJD é afastado do cargo em decisão do Conselho Nacional de Justiça. O último capítulo desta história aconteceu no final do ano passado, quando o ex-presidente corinthiano Alberto Dualib afirmou, em escutas telefônicas, que o Corinthians foi campeão em 2005 por causa de um jogo roubado.

Um dos capítulos mais negros da história do futebol brasileiro. E um sentimento de revolta que marca até hoje os colorados, que secam o Corinthians tão ou mais que o eterno rival Grêmio.

De lá para cá, o Corinthians escapou do rebaixamento por pouco em 2006, caiu em 2007 e recentemente perdeu a final da Copa do Brasil para o Sport.

Postado por Perin, lamentando um momento negro do futebol

Dick Vigarista parte I: 1994

18 de junho de 2008 0

Lembram de Dick Vigarista? Aquele queixudo que tinha o ajudante Mutley no desenho “Corrida Maluca“, de imenso sucesso nos anos 60 e 70? Este foi o principal apelido que Michael Schumacher teve ao longo de sua longa e vitoriosa carreira na F-1. Isto por causa de dois incidentes marcantes, além de outras questões menores, como a vez que a Ferrari obrigou Rubens Barrichello a abrir mão da vitória em prol de Schumacher (GP da Áustria 2002), e a vez que Schumacher ficou parado na curva Rascasse, impedindo Fernando Alonso de completar a volta no treino classificatório e obter a pole (GP de Mônaco 2007).

Schumacher e seu alter-ego

Michael Schumacher foi um piloto que de imediato angariou antipatia dos brasileiros. Afinal, ele entrou na Benetton no lugar do simpático e talentoso brazuca Roberto Moreno, que infelizmente não estava aproveitando sua oportunidade na Benetton. O problema é que Schumacher, já na sua PRIMEIRA corrida, tinha mostrado que era um “fuoriclasse” pois conseguiu um belíssimo 7º lugar no grid com uma Jordan. Em 1992, veio sua primeira de 91 vitórias e em 1994 o primeiro dos sete títulos mundiais.

Pois é justamente em 1994 que começamos o assunto de hoje. Em uma temporada marcada por falcatruas nos pits (a Benetton tirou um filtro que acelerava o reabastecimento) e pela morte trágica do favorito absoluto Ayrton Senna, Schumacher saiu com 30 pontos na liderança do campeonato. Depois de Ímola, o coadjuvante Damon Hill ficou com a responsabilidade de comandar a Williams. Mas o campeonato estava praticamente decidido depois que Schummy venceu seis das primeiras sete provas

E então vieram as confusões fora das pistas.Primeiro se viu que a Benetton tinha um controle de largada camuflado. No GP da Inglaterra, Schumacher demorou para largar e foi ultrapassado na volta de apresentação, mas buscou recuperar posições ainda na mesma volta (na época era proibido). Como pena, foi desclassificado mas se recusou a ir para os boxes. Foi punido adicionalmente por duas corridas, um evidente exagero. 

Depois, foi descoberta a retirada do filtro de combustível da Benetton (provável causa do incêndio nos boxes de Jos Verstappen no GP da Alemanha), que acelerava os pit-stops da Benetton.

Porém no GP da Bélgica, o alemão foi desclassificado porque a prancha de madeira no assoalho (que teoricamente limitaria a aerodinâmica) estava com desgaste maior que o permitido. Aí foi injusto, pois claramente Schumacher rodou e passou em cima de uma zebra que deve ter lascado toda a prancha.

O resultado foi que na última corrida, em Adelaide, Schumacher estava somente um ponto à frente de Damon Hill. Largou na frente, abriu vantagem até que… errou e bateu! Com o carro danificado, voltou para a pista e literalmente jogou o carro em cima de Damon Hill, que também ficou danificado e teve de abandonar.

Postado por Perin, lembrando que amava Corrida Maluca