Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 29 junho 2008

Momentos engraçados do tênis mundial

29 de junho de 2008 1

Alguns momentos divertidos de um esporte famoso por sua sobriedade nas quadras do planeta:

Saretta dispara: `OUT` é o cacete!

Djokovic sacaneando a Sharapova

 

Há 50 anos: BRASIL CAMPEÃO DO MUNDO!

29 de junho de 2008 0

O brasileiro é famoso por esquecer seus ídolos. Por não lembrar seus feitos, ignorar seu passado glorioso. Há 50 anos, no estádio Raasunda em Estocolmo, capital da Suécia, o povo brasileiro começava a expurgar seu “complexo de vira-latas“.

Sentimento nato da maioria dos nascidos neste país e que estava com sua força máxima desde a tragédia do “Maracanazo“, a derrota na final da Copa do Mundo de 1950 em pleno Maracanã, de virada contra o Uruguai por 2×1.

No dia 29 de junho de 1958, o Brasil foi campeão mundial de futebol ao enfiar históricos 5×2 contra a anfitriã Suécia, de virada. Depois de superar adversários dificílimos como a França (do artilheiro Just Fontaine, que fez 13 gols naquela Copa), País de Gales, a União Soviética e seu futebol científico, o mundo sabia: os melhores eram os brasileiros.

Era a glória de um futebol que tinha craques do porte de Didi, Nílton Santos, Djalma Santos, Vavá. Mas que sobretudo tinha a genialidade imprevisível de Mané Garrincha e o futebol sobrenatural de Pelé, então com 17 anos.

Naquele time alguns jogadores já eram lendários, como Didi e Nílton Santos, porém outros apenas haviam brilhado em solo nacional. Um deles, chamado por Nélson Rodrigues de “O Anjo das Pernas Tortas“, era chamado de Manoel. Virou mito com o apelido Garrincha, um passarinho, e atendia por um dos mais brasileiros de todos os apelidos: Mané. Preciso falar algo?

O outro, bem… Édson Arantes do Nascimento. Um tal Pelé, 17 anos. Por um esquecimento da CBF (então CBD), não mandaram o número das camisetas. Um funcionário da FIFA colocou aleatoriamente e… Saiu a camisa 10 para Pelé. Sabe quando dizemos que o craque do time é o 10? E que coisa boa é “DEZ”? Isto começou lá na Suécia, há 50 anos…

A campanha:

Pela primeira vez, a desorganizada CBD levava preparador físico (Paulo Amaral, falecido recentemente), um corpo médico-dentista e até um psicólogo. Os jogadores não foram numerados, e um funcionário sueco da FIFA aleatoriamente numerou os atletas. Coincidência ou não, Pelé ficou com a camisa 10 e Garrincha com a 11…

Na primeira fase um 3×0 sobre a Áustria foi seguido por um 0×0 contra a Inglaterra. Neste jogo o Brasil não foi bem, sendo amplamente dominado pelos ingleses.

Com a classificação em risco, alguns jogadores conversaram com o técnico Vicente Feola. Depois desta conversa, o forte volante Zito e os futuros gênios Pelé e Garrincha viraram titulares. O futebol científico dos soviéticos, um dos favoritos ao título, foi destroçado pelos dribles de Garrincha e 2×0 foi o placar sobre a União Soviética, gols de Vavá.

Nas quartas-de-final, Pelé entraria para a história contra País de Gales. Fez seu primeiro gol em Mundiais ao marcar uma obra-prima contra a sólida defesa galesa. O gol só saiu aos 28 minutos do segundo tempo, mas os 73 minutos que precederam este momento foram eliminados de sua existência, frente à beleza do gol do garoto do Santos:


Na semifinal, a França do centroavante Just Fontaine. Com oito gols marcados até aquele dia, ele era o líder de um time que ainda tinha os craques Kopa e Piantoni. Mas pegou um Brasil inspiradíssimo, que venceu por 5×2 com um golaço de Didi e outros três gols de Pelé, que começava a se tornar um mito com sua imort

Postado por Perin, fazendo mais que a CBF por estes mitos