Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de julho 2008

GP da Alemanha - A sorte de Nelsinho Piquet o leva ao pódio

21 de julho de 2008 0

O GP da Alemanha de 2008 pode ser considerado uma corrida dividida em dois pedaços. O primeiro, insuportavelmente chato sem um único momento de atenção (até a sempre traumática largada de Hockenheim este ano foi monótona). No segundo, do instante da batida de Timo Glock, foi sensacional, repleto de ultrapassagens e alternativas.

A melhor coisa que o alemão fez até agora na F-1 foi encher o muro da reta dos boxes de traseira e embolar a corrida. Outro show de Lewis Hamilton, o segundo consecutivo depois do espetáculo de Silverstone.

O bafejar dos deuses para Nelsinho Piquet. Já Felipe Massa continua à frente de Kimi Raikkonen, e desta vez a Ferrari não piorou a situação. Deixou este encargo para a McLaren, que cometeu um erro “ferrariano” grosseiro na tática de paradas, mas compensou com um carro suficientemente rápido e um piloto suficientemente veloz para conquistar a vitória.

Portanto, vamos aos prêmios especiais do “Almanaque Esportivo” para o GP da Alemanha de 2008.

Troféu “Jim Clark” – Para Lewis Hamilton, com uma atuação soberba e extremamente veloz. Brilhante nos treinos e na corrida, sai da Alemanha líder isolado com quatro pontos na frente de Massa. Ele receberá o troféu com Nelsinho Piquet, que sim teve sorte na parada antes do safety car. Mas que depois foi bastante veloz, mesmo sob pressão e sem cometer erros. De quebra, ainda andou rápido o suficiente para não ser incomodado por Massa. Segundo lugar, liderando a corrida por seis voltas não é nada mal para um novato.

Troféu “Fiofó de Ouro” – Óbvio, Nelsinho Piquet. Parar dez segundos antes de Glock se esborrachar e ver todo mundo trancado no safety car foi sorte demais para um brazuca só. Mas ele já merecia pelos desempenhos consistentes da França e Alemanha.

Troféu “Porquê Não Fiquei Com Minha Boca Fechada”Fernando Alonso. Certamente irritado por ter visto seu companheiro novato de equipe chegar em 2º lugar (a melhor posição da Renault em 2008), e somente três pontos na frente dele na tabela de pontos, o espanhou se irritou ao final da corrida.

Ao invés dos “parabéns” protocolares ou algo mais gentil para o jovem brasileiro de 22 anos, Alonso disparou: “- Nelson teve problemas na sexta e no sábado, não encontrou um bom ritmo e largou em décimo sétimo. A entrada do safety car após a batida do Timo Glock foi o que determinou o resultado dele. Acontece isso quando a sorte resolve ajudar alguém.” Ah, se dor-de-cotovelo matasse…

Troféu “Didi Mocó Prize For Technical Achievements”David Coulthard. A batida de ontem foi simplesmente ridícula, e tá mais que na hora da FIA dar uma advertência ao aposentável escocês. Menção (des)honrosa para a burrice da McLaren em não fazer o pitstop com Hamilton e Kovalainen no safety car.

Troféu “Rouge & Blanc” – Para Kimi Raikkonen, o piloto que mais fez ultrapassagens na corrida. Aproveitou erros de Alonso, Trulli e de seu compatriota Kovalainen para arrancar uns pontinhos em uma corrida totalmente obscura da Ferrari.

Troféu “Chris Amon” – Até deveria ser “hors-concours“, porque é parecido fisicamente e tem tudo a ver com o ex-piloto inglês, mas Rubens Barrichello mereceu. Com uma Honda horrorosa, ficou de castigo se arrastando lá na rabeira até ser jogado para fora por uma manobra ridícula de David Coulthard.

Gol incrível perdido na Série C

21 de julho de 2008 0

Que o Nilmar ontem abusou de perder gols feitos, e em outras partidas também deixou o Internacional na mão, não temos dúvidas.

  

Que o Perea anda devendo no Brasileiro, é indiscutível para qualquer gremista.

Mas no jogo Sampaio Correa-MA 0×0 Picos-PI, pela Série C do Brasileirão, o atacante Ivan se superou. Perdeu pênalti e rebote… Confiram:

Postado por Perin, dizendo que este que nem ele errava…

Hockenheim - II: 1994, quem sobrou, ganhou!

19 de julho de 2008 0

Hockenheim é um dos circuitos mais legais da Fórmula-1. Mesmo sem a lindíssima parte da “Floresta Negra“, a pista ainda continua muito bacana. Até tivemos uma luta de boxe entre o brasileiro tricampeão Nélson Piquet e o chileno Eliseo Salazar!

Em 1994, era a primeira vez que Michael Schumacher, que nunca deu muita sorte na pista (ganhou 3 em 14 participações),
corria em casa liderando o campeonato de pilotos (que a Alemanha, até então, jamais tinha vencido).

Uma das maiores confusões da história das largadas na Fórmula-1 ocorreu há 14 anos em 1994, e boa parte da culpa foi do futuro bicampeão Mika Hakkinen. Esta mesmíssima corrida também terminou marcada pelo primeiro dos três incêndios nos boxes em reabastecimentos (que voltavam naquela temporada), talvez o mais espetacular deles.

Foi ainda a penúltima vitória de um motor V12 (a última seria a única vitória de Jean Alesi no GP do Canadá em 1995). E ainda a primeira vitória da Ferrari em quase quatro temporadas, a última havia sido em Jerez de la Frontera em 1990. 

Apenas 15 de 26 pilotos que largaram terminaram a volta inicial, graças a dois acidentes isolados. O mais incrível é que, como quase todos os carros ficaram fora da pista, não foi necessária uma nova largada.

De cara e no final do grid, Andrea de Cesaris e Alessandro Zanardi bateram na largada, levando junto Pierluigi Martini e Michele Alboreto. Na sequência da volta, Mika Hakkinen tocou na Williams de David Coulthard (que escapou). Levou junto Mark Blundell, Rubens Barrichello, Eddie Irvine e Johnny Herbert. Atingido na batida, Heinz Harald Frentzen saiu ainda na primeira volta, enquanto Jean Alesi abandonou após a primeira curva com problemas elétricos.

Desclassificado na corrida anterior, Schumacher partiu logo no início para a pressão sobre Gerhard Berger, que aproveitava a potência dos V12 nas longas retas de Hockenheim. Aos poucos, a Ferrari foi abrindo distância até as primeiras paradas nos boxes.

Então o incidente dramático do GP: durante a parada de reabastecimento, vazou combustível da Benetton de Jos Verstappen. Ele tem a presença de espírito de, meio segundo antes do incêndio começar, acenar para os mecânicos se afastarem. O fogo se alastra rapidamente, mas é igualmente brilhante a ação dos mecânicos, que apagam o incêndio antes de um desastre maior.

“Jos The Boss” sai praticamente ileso, com q

Postado por Perin, com saudade das freadas nas chincanas

Ayrton Senna e Erik Comas: unidos na adversidade

18 de julho de 2008 0

Erik Comas foi um polêmico piloto francês, que correu na Fórmula-1 entre 1991 e 1994. Não muito talentoso, em contra-partida não tinha “papas na língua” e desfiava frases polêmicas, sobretudo em um período no qual o “politicamente correto” era moda na Fórmula 1.

Ele ficou para sempre marcado por uma relação diferente com o tricampeão mundial Ayrton Senna. De solidariedade entre os pilotos. Dois anos antes, no desastroso acidente que o inglês Martin Donnelly foi literalmente jogado no meio da pista em Jerez de la Frontera, Espanha, Senna é o único piloto a ir ao local do acidente e voltar extremamente preocupado.

O primeiro incidente entre o brasileiro e Comas ocorreu nos treinos do GP da Bélgica de 1992. Correndo pela Ligier, Erik Comas bateu forte na sequência de curvas chamada “Blanchimont“, na parte mais rápida da pista de Spa-Francorchamps.

Senna passava pelo local, parou na mesma hora, desceu do carro para verificar se Comas estava bem. O francês desmaiou e ficou com o pé no acelerador. Senna chega, segura a cabeça de Comas até que os médicos cheguem, além de desligar a ignição do carro.

Dois anos depois, na trágica corrida de Ímola de 1994, Comas parou na quinta volta com problemas no carro. Na volta seguinte, Senna bateu na Tamburello e passou a ser atendido pela equipe médica. Provavelmente nenhum energúmeno na Larrousse percebeu que a corrida estava em bandeira vermelha (ou seja, SUSPENSA) e liberou Comas para voltar à pista.

O francês vem em alta velocidade e só não causa uma tragédia porque consegue frear a tempo de não atropelar dezenas de fiscais de pista, equipes de resgate e um HELICÓPTERO no meio da pista.

Porém Comas enxerga o capacete ensanguentado e destruído de Senna. Ciente de que as chances eram mínimas e uma tragédia havia acontecido, o francês se sente tão mal com o acidente que retorna aos boxes e se retira da prova. Ao final daquela temporada, sem sucesso nas pistas, Erik Comas se torna piloto de carros de turismo, com sucesso nas 24h de Le Mans.

Postado por Perin, lembrando de curiosidades do esporte

As maiores transferências da história do futebol gaúcho - Jul/2008

16 de julho de 2008 6

Quais foram as maiores transferências da história envolvendo jogadores da Dupla Gre-Nal até hoje? Mesmo com alguns números sendo discutidos, em linhas gerais temos dados interessantes envolvendo a maioria dos últimos ídolos do Rio Grande do Sul.

Alexandre Pato, a mais cara venda gaúcha da história/site oficial do Milan

A super-estrela Ronaldinho, vendido esta semana do Barcelona para o Milan, é somente a décima negociação da história do futebol gaúcho. A conturbada saída do astro gremista em 2001 fica atrás das vendas de Alexandre Pato, Fábio Rochemback, Lucas, Rafael Sobis, Nilmar, Anderson, Carlos Eduardo, Sídnei e Lúcio.

Sem sombra de dúvidas, a maior transação é a saída de Alexandre Pato do Internacional para o Milan, por aproximadamente 49 milhões de reais no ano passado. Foi a única negociação na qual o clube comprador pagou a multa recisória, ou seja: a transferência ocorreria com ou sem aval do clube vendedor.

Depois dele está a surpreendente venda do volante Fábio Rochemback em 2001. Em uma época de mercado altamente inflacionado, a transação rendeu ao Colorado quase 27 milhões de reais. No Grêmio, as recentes negociações de Lucas e Anderson foram as mais lucrativas da história.

Com a venda de Ronaldinho para o Milan, o Grêmio lucrou aproximadamente  1,9 milhões de reais. Porém esta contabilização está acrescida do crédito por formação de jogador, sempre obtido em cada negociação do atleta. Este valor também desconta os 10% aos quais o empresário Eltamar Salvadori recebeu ao investir um valor para pagamento de despesas do clube em 2000.

Em 2001, a FIFA ordenou o pagamento de US$ 4,5 milhões do Paris Saint-Germain por Ronaldinho, infinitamente abaixo do valor de mercado do jogador na época. Este é o valor que Ronaldinho custou ao PSG, na prática.

A revolta gremista se refere ao fato de que Ronaldinho chegou a ter uma proposta oficial de US$ 28 milhões do Real Madrid em 2000, além da fictícia US$ 80 milhões do Leeds United tão propalada na imprensa.

Em contra-partida, Ronaldinho e Assis sempre deixaram veladamente informado que os astronômicos salários pagos para jogadores como Zinho, Astrada, Amato, Paulo Nunes & Cia pela gestão de José Alberto Guerreiro e com dinheiro da futuramente falida empresa suíça ISL eram muito superiores aos 45 mil reais mensais que Ronaldinho recebia. Ou seja, a estrela do time, do futebol brasileiro e da Seleção Brasileira na época ganhava um salário muito abaixo de companheiros muito menos talentosos.

Mas isto é assunto para outro dia aqui no Almanaque Esportivo.

Vamos à tabela de transferências do futebol gaúcho até este momento: (CLIQUE PARA AMPLIAR)

As 10 maiores transferências da história do RS - Arquivo Pessoal



VEJA TAMBÉM

Manchester United - Canal de torcedores no Brasil

15 de julho de 2008 3

Pessoal, divulgando para o fã-clube oficial do Manchester United no Brasil um release do responsável pelo site, Daniel Martins Lobo.

O site é bem legal e vale a pena acessar, ainda mais torcedores e simpatizantes do clube de Old Trafford, exatamente o MEU caso… hehehe

“O Clube de Fãs Manchester United Brasil, mais conhecido como MANUTD BR, completa 3 anos de existência em 2008 tendo surgido em 2005. No dia 20 de Outubro de 2005, Daniel Martins Lobo e Pedro Henrique Almeida, dois fanáticos pelo Manchester United, fundaram e inauguraram o Manchester United Brasil depois de planejar a criação e estruturação do clube de fãs por quase dois meses. Tudo começou quando Daniel encontrou um site sobre o United que pertencia a Pedro e convidou-o para o projeto do clube de fãs. Enquanto, respectivamente, um se encarregaria do conteúdo do site, o outro ficou responsável pelo layout do site. E, após reunirem um grande contingente de informações sobre o clube, o antigo site de Pedro saiu do ar e deu lugar ao novo ManUtd Br.
 
Em janeiro de 2008, os fundadores do clube de fãs apostaram na idéia de lançar uma nova versão do site. Assim, logo no primeiro dia do ano, o ManUtd Br, em sua terceira versão, ganhou uma cara nova. Aos poucos, graças ao crescimento do site com o aumento das parcerias e sua auto-divulgação, o ManUtd Br deixou de ser uma aposta de dois torcedores e se tornou um dos maiores clubes de fãs do Brasil. O projeto passou a ser reconhecido pelos meios de comunicação em todo o país e se tornou assunto de reportagem em diversos sites, blogs, jornais, revistas e rádios.
 
A equipe atual do ManUtd Br é composta por: Alex Sabino, Akira Hiratuka, Danilo Camargo, Gabriel Baptista, Gabriel Oliveira, Guilherme Mansueto, Lucas Ferrari, Matheus Ramos e Pedro Henrique Souza. Além, é claro, dos próprios fundadores.
 
Com o lançamento de várias seções de interatividade para os usuários o site deu um grande salto, conseguindo um número cada vez maior de fãs cadastrados. Em 2008, a organização do site entrou em contato com o Manchester United FC na tentativa de oficializar o MANUTD BR como Manchester United Supporters Club of Brazil. Para isso, é necessário que, ao menos, 100 membros cadastrados no site sejam Ticket Members do United. Uma tarefa complicada, mas já existe o projeto de lançamento de uma campanha de Sócios.
Depois de apenas 2 anos de inauguração, o Manchester United Brasil já ultrapassou os 11.000 membros e já recebeu mais de 200.000 visitantes.

Fala Red Devil:  Envie seu texto para publicação no site.
<

Postado por Perin, saudando a torcida do Man Utd!

Grêmio: estatísticas 2008, parte II

14 de julho de 2008 0

Depois de analisar osnúmeros da temporada 2008 até este domingo, vamos avaliar os principais destaques individuais do Grêmio neste ano. E os nomes se repetem: os jogadores Perea e Roger seguem liderando os números de gols e assistências. Aliás, o ex-meia tricolor segue sendo o principal destaque, vice-artilheiro e segundo nas assistências.

Perea, repetindo a primeira divulgação dos dados, é o líder em gols. De oito gols, o colombiano passou a ter onze na atual temporada. Roger, que já foi embora, é o segundo com dez gols, sete deles de pênalti.

Em terceiro lugar segue o volante William Magrão, que não marca há 15 jogos mas já tem seis gols na temporada. Ele passou boa parte dos últimos jogos com problemas musculares. O atacante Marcel, goleador do time no Brasileirão, fez quatro gols nesta competição e se iguala a Paulo Sérgio, Reinaldo, Soares, Tadeu (hoje no Figueirense) e Jonas (que foi para a Portuguesa).

Nas assistências, uma surpresa: o contestadíssimo lateral-direito Paulo Sérgio, que jogou praticamente todas as partidas do ano, é o líder com oito assistências, a maioria em bolas paradas. Em segundo lugar está Roger, que deu sete passes para gol. Com cinco passes para gol, o reserva Anderson Pico, seguido por Perea com quatro.

Uma curiosidade: o segundo gol do Grêmio contra o Fluminense na vitória de 2×1, anotado por Perea teve participação de um inusitado “assistente”. Um “passe” (na real um chutão) do goleiro Victor, chegou à intermediária, e o centroavante Marcel furou na dividida. A bola sobrou para o colombiano, que fez um belo gol. Portanto, passe do gol para Victor, mesmo que involuntariamente.

Até o momento, 19 jogadores gremistas fizeram gols em 2008, e 20 atletas deram passes para um ou mais gols. E ainda 21 gols foram marcados por jogadores que deixaram o Grêmio.

Artilharia Tricolor em 2008:

Perea – 11 gols
Roger (deixou o clube) – 10 gols
William Magrão – 6 gols
Jonas (deixou o clube), Marcel, Paulo Sérgio, Reinaldo, Soares e Tadeu (deixou o clube) – 4 gols
Anderson Pico e Pereira – 3 gols
André Luís, Júlio dos Santos (deixou o clube), Léo – 2 gols
Adílson, Jean, Peter (deixou o clube), Rodrigo Mendes e William Thiego – 1 gol

Assistências gremistas em 2008

Paulo Sérgio – 8 assistências
Roger (deixou o clube) – 7 assistências
Anderson Pico – 5 assistências
Perea – 4 assistências
André Luís – 3 assistências
Hidalgo (deixou o clube), Pereira, Rudinei, Soares – 2 assistências
Eduar

Postado por Perin, fechando o segundo levantamento do ano

Inter dá vexame fora, brilha em casa

14 de julho de 2008 1

Com o empate em 1×1 contra o Atlético-PR em Curitiba, segue a sina colorada de péssimo aproveitamento fora de casa nas últimas duas temporadas.

No Brasileirão 2008 são quatro derrotas e dois empates nos seis jogos fora do Beira-Rio. O Internacional ainda foi derrotado, como visitante, nos quatro jogos que fez pela Copa do Brasil e Campeonato Gaúcho contra times da Série A e B. Isto somado à derrota na última rodada do Brasileirão 2007 contra o Goiás em Goiânia, são nove derrotas seguidas de dois empates.

O último triunfo ocorreu em 4° de novembro de 2007, na reestréia de Nilmar, quando o Internacional bateu o Vasco da Gama por 2×1 em São Januário.

Em 2007, o time só venceu Sport, Vasco da Gama e América-RN como visitante em 19 jogos no Brasileiro. No Gauchão, só bateu Novo Hamburgo e Gaúcho de Passo Fundo, enquanto na Libertadores só venceu o Emelec como visitante. Foram somente seis vitórias fora de casa ao longo de toda a temporada 2007.

Os onze jogos sem vitória na sequência contrastam com as duas temporadas anteriores, nas quais o Internacional foi um terrível adversário como visitante. Em 2005 terminou o ano como melhor visitante, e em 2006 foi o segundo melhor.

Em 2006, quando perdeu o título para o São Paulo com alguma folga, o Internacional obteve oito vitórias, cinco empates e apenas seis derrotas como visitante. Ficou em segundo lugar neste quesito, atrás somente do São Paulo.

Já em 2005, ano da polêmica disputa contra o Corinthians e contra o STJD e a anulação de jogos, o Colorado obteve nove vitórias, seis empates e novamente seis derrotas em 21 jogos atuando como visitante. Foi o segundo melhor time, atrás somente do Palmeiras.

O curioso é que nestes dois anos o Colorado nunca teve um aproveitamento tão bom em casa quanto o que está obtendo nestes primeiros 11 jogos do Brasileirão 2008. Até o momento, foram quatro vitórias e um empate. Na temporada inteira foram 15 vitórias, 1 empate e somente 1 derrota.

Esta é a melhor campanha desde 1997, quando comandado por Celso Roth obteve iguais quatro vitórias e 1 empate antes de levar 1×0 do Juventude e ceder uma invencibilidade de 13 jogos ao todo naquele Brasileirão.

Postado por Perin, citando fiascos colorados fora do Beira-Rio

Grêmio: estatísticas 2008, parte I

13 de julho de 2008 0

Depois de um primeiro semestre lamentável, o Grêmio começou bem a fase final da temporada 2008, que envolverá jogos no Brasileirão e na Copa Sul-Americana (que começa em agosto).

No Campeonato Brasileiro, o Tricolor era um dos menos cotados antes da competição, mas tem mostrado regularidade e, desde o início da competição, está sempre entre os primeiros colocados. O técnico Celso Roth tem sofrido poucas derrotas (somente duas no Brasileiro), e segue com a melhor defesa da competição, além de ter o sexto melhor ataque

Se a competição terminasse hoje, o Grêmio completaria a temporada em 3° lugar e classificado para a Libertadores. A pior colocação do time foi na 1° rodada, um bom 7° lugar e olha que o Grêmio venceu, 1×0 no São Paulo fora de casa. Da segunda rodada em diante, o Tricolor não baixou do 6° lugar e em 8 das 11 rodadas, ficou na “Zona Libertadores

Já o ataque tem marcado seus golzinhos, facilitados por muitos gols de bola parada. O Grêmio já converteu 12 gols de pênalti na temporada, com Roger tendo convertido sete deles.

No Brasileirão, dos 16 gols marcados, quatro foram de pênalti, dois de escanteio e dois de faltas laterais. O Tricolor tem a seu favor um número pequeno de derrotas no ano: foram somente 4, apenas uma delas no Olímpico.

Resumo do Grêmio na temporada 2008:

36 jogos, 25 vitórias, 7 empates e 4 derrotas, 46 gols a favor, 15 gols contra.

Maior sequência de vitórias: 8
Maior sequência de jogos sem perder: 19
Maior goleada: Grêmio 6×0 Jaciara-MT – Copa do Brasil, 1° fase
Maior sequência de derrotas: 2
Maior sequência de jogos sem vencer: 3
Pior derrota: Botafogo 2×0 Grêmio – Brasileirão
Maior número de gols em um só jogo: Grêmio 6×0 Jaciara-MT – Copa do Brasil, 1° fase
Maior número de gols em um só jogo: Perea (4) em Grêmio 6×0 Jaciara-MT – Copa do Brasil

Amanhã: os números dos jogadores tricolores na temporada 2008.

Postado por Perin, salientando os números tricolores em 2008

Isto sim é um golaaaaaaaaaço

13 de julho de 2008 0

Isto que é golaço… No jogo Gotemborg 2×0 Orebro, pela primeira rodada do Campeonato Sueco da temporada 2007 (Allsvenskan), o peruano Andrés Vasquez, que joga na Suécia desde os dez anos, fez um golaço:

Vásquez, que tem direito à cidadania sueca por morar no país há mais de cinco anos, ainda não decidiu em que país vai atuar. Com 20 anos, ele já foi convocado pelo técnico do Peru e pelo técnico da Suécia (já jogou jogos pelas divisões de base da seleção sueca). Vendido pelo Gotemborg no final de dezembro, Vásquez atualmente joga pelo FC Zurich, da Suíça.

Postado por Perin, dizendo que fez isto ontem no Playstation