Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 3 setembro 2008

Spa: Os dois sustos brasileiros na Bélgica

03 de setembro de 2008 0

Mantendo a saga de posts sobre a belíssima e desafiadora pista de Spa-Francorchamps, vamos falar hoje de acidentes envolvendo pilotos brasileiros. Em 1999, a estreante equipe B.A.R. sofreu dois acidentes praticamente idênticos nos treinos classificatórios para a corrida. E ambos foram na famosa curva em subida Eau Rouge.

O primeiro deles foi com Jacques Villeneuve, que perdeu o controle do carro na segunda perna da curva e bateu violentamente na barreira de pneus. O treino foi interrompido e Villeneuve nada sentiu.

Porém logo após o reinício do treino, foi a vez do brasileiro Ricardo Zonta, também da BAR, bater na mesma curva, saindo quase do mesmo jeito. O acidente foi mais violento, mas Zonta igualmente não se machucou. Vejam a cena:


p>

Porém o mesmo não podemos dizer a respeito do que aconteceu com o brasileiro Luciano Burti, dois anos depois. Em uma tentativa de ultrapassagem sobre Eddie Irvine, Burti perdeu a asa dianteira de seu Prost-Peugeot. No acidente, quebrou a suspensão e os freios dianteiros. Ele bateu violentamente na rapidíssima curva Blanchimont, a mais de 270km/h com o carro se enfiando embaixo da barreira de pneus.

Fiquei na hora apavorado, pois demorou muito o resgate. Irvine igualmente ficou assustado, e tentava auxiliar o resgate de seu ótimo amigo.

Burti sofreu uma forte desaceleração cerebral, desmaiou e ficou alguns dias em coma. Recuperou-se aos poucos, mas não teve sequelas e hoje é, além de piloto na Stock-Car Brasil, o melhor comentarista de automobilismo da TV brasileira.

Vejam agora imagens do acidente e do dramático resgate:

Amanhã outra homenagem à Spa-Francorchamps!

Postado por Perin, que comemora Burti na F-1 de hoje

Real Madrid pedala Robinho e empresário

03 de setembro de 2008 4

O que Robinho e Nilmar possuem em comum?

Algumas coisas são claras: um gigantesco futebol, ídolos de torcidas, talentos precoces. Muito dinheiro no bolso, alguns títulos importantes.

Outras nem tanto: um péssimo empresário, que orienta seus atletas equivocadamente. E confusões em todas as transferências, incomodando torcidas que os tinham como ídolos até pouco tempo.

ROBINHO

Wágner Ribeiro, procurador de Robinho, é um especialista em causar confusão via imprensa. Foi assim que perdeu a procuração de Kaká, em sua conturbada saída do São Paulo para o Milan em 2003. Hoje Wagner Ribeiro é considerado “persona non grata” no São Paulo e não está autorizado a ir ao Morumbi.

Foi assim que ele forçou a barra para a venda de Robinho ao Real Madrid em 2005. E foi assim agora, três anos depois, na saída do atacante para o Manchester City.

Ele e o jogador queriam o porto seguro do Chelsea, de Felipão e os bilhões de Roman Abramovich. Porém Wágner Ribeiro, ops, “Robinho” forçaram tanto a transferência.

Muito pressionado, e mais irritado ainda, o clube espanhol deu um golpe de mestre, detonando a estratégia de Robinho e de seu polêmico empresário:

No último dia, na última hora, o presidente Ramón Calderón aceitou uma proposta do Manchester City, de valor altíssimo, é verdade. Mas de um clube muito, mas muito menor que Real Madrid e até mesmo do Chelsea, atual  vice-campeão europeu.

Acuado entre ficar na capital espanhola, com a torcida protestando contra si ou até mesmo ficando um ano sem jogar, Robinho não teve escolha. Ele foi forçado a ir para o rival do Manchester United, atual campeão europeu e bicampeão inglês. Um time médio. Mais ou menos que trocar o Corinthians pelo Coritiba.

O City é um time menor, muito menor, do que qualquer outro que o craque brasileiro já jogou, os míticos Santos e Real Madrid. Seu último título de expressão foi em 1970, a Recopa Européia. O Campeonato Inglês só ganhou duas vezes, e a última fazem exatos 40 anos!

NILMAR

Com Nilmar acontece o mesmo. Seu empresário, Orlando da Hora, já se envolveu em escândalos no futebol do Espírito Santo e não tem um único outro atleta de alto nível em seu “portfólio”. O melhor jogador, depois de Nilmar, é o zagueiro Teco, emprestado pelo Cruzeiro ao Grêmio.

E sua orientação é péssima. Sempre que vai falar de uma transferência, Nilmar irrita a torcida de seu time. Seja qual ele for.

Foi assim no Internacional, no Lyon, no Corinthians e agora, de novo, no Colorado. Se eu fosse amigo de Nilmar, e não sou, mandaria ele calar a boca. Ele será vendido em dezembro. Sem dúvidas. Ganhou uma bolada agora. Igualmente indiscutível.

Só que precisa ter cuidado com o que fala, sempre na hora errada do jeito errado.

Afinal, ele assinou um contrato, não foi? Não tem uma multa pré-estabelecida? E um prazo de duração? Então que se cumpram as cláusulas legais. E era isto.

Nilmar, uma dica: olha pro ladinho. Vê aquele careca, de cavanhaque, feioso e que fala espanhol?

Ele se chama Pablo Horácio Guiñazu. Aprende com ele a ser profissional. 

E cresce, definitivamente.