Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de setembro 2008

Segurança na F-1, II: Stewart, pioneiro e líder

30 de setembro de 2008 0

O lendário Jackie Stewart

Falar em GPDA nos anos 60 e 70 era falar de Jackie Stewart, escocês tricampeão mundial de F-1 em 1969, 1971 e 1973. Falar em segurança nas pistas e em respeito com a vida dos pilotos também. Tudo isto começou em um acidente e um pavoroso resgate, que quase custou a vida do piloto, muito antes dele se sagrar campeão mundial.

Em 1966, no GP da Bélgica em Spa-Francorchamps, ele perdeu o controle de sua BRM em um temporal. Seu carro bateu em um poste telefônico, em um barranco e foi parar em uma fazenda, capotado.

Stewart ficou 24 minutos de cabeça para baixo, preso no carro e com combustível vazando, sem que ninguém tivesse ferramentas para retirar o mesmo do carro. Quem resgatou o futuro cavaleiro da Rainha foram seus colegas Graham Hill e Bob Bondurant, com as ferramentas de um espectador da corrida. Fantástico, né?

Pior foi depois, quando ele foi levado em uma caçamba de caminhonete até o primeiro posto de atendimento, sem nenhuma estrutura. Com o corpo encharcado de gasolina, Stewart ficou em uma padiola no chão, do lado de tocos acesos de cigarro antes de ser transportado.

Vocês acham que terminou? Que nada, a ambulância se perdeu da escolta policial e o motorista não sabia o caminho para Liége, a cidade grande mais próxima. Somente depois de uma segunda ambulância ser acionada, Stewart chegou ao hospital, em precárias condições de saúde. Ele teve de ser levado de avião para a Inglaterra, aonde foi corretamente tratado e ficou sem sequelas.

Depois disto, Jackie Stewart começou a angariar antipatia dos donos de circuitos ao exigir barreiras adequadas de proteção e todas as medidas mínimas necessárias, como capacetes completos e volantes removíveis.


“Eu teria sido um campeão mundial muito mais popular se eu sempre dissesse o que as pessoas gostariam de ouvir. Eu provavelmente estaria morto, mas certamente seria mais popular”, com sua habitual franqueza disse certa vez o lendário escocês.

Porém Sir Jackie Stewart não terminaria a F-1 de maneira feliz. Isto veremos na semana que vem…

SÉRIE COMPLETA

Segurança na F-1, I: GPDA e sua fundação

Segurança na F-1, II: Stewart, o pioneiro e líder

Segurança na F-1, III: O mestre Stewart e o aprendiz Cevért

Segurança na F-1, IV: O horror de Montjuich, 1975

Segurança na F-1, V: Lauda e os quatro salvadores

Segurança na F-1, VI: o corajoso Hailwood no inferno de Kyalami

Segurança na F-1, VII: o herói eterno David Purley

Superação Olímpica - Celebre a Humanidade!

30 de setembro de 2008 2

Olimpíadas

Para fechar a saga olímpica de exemplos de superação e amor ao esporte, uma sequência de filmes patrocinados pelo COI (Comitê Olímpico Internacional). Neles, são são mostrados exemplos de superação, na vida e no esporte, e valores que deveriam ser sempre regra, e não exceção.

São momentos sublimes que ressaltam valores que jamais devem deixar de serem lembrados. Alguns vídeos tem narração de pessoas famosas, como o falecido ator Christoper Reeve (o eterno Superman), o presidente da África do Sul Nélson Mandela, o cego tenor italiano Andrea Bocelli e o ex-presidente da ONU, Kofi Annan.

Outros são apenas imagens selecionadas mostrando uma mensagem sobre o esporte e como ele deve ser visto por todos.

Celebre a Humanidade – Christoper Reeve

Celebre a Humanidade – Nélson Mandela

Celebre a Humanidade – Kofi-Annan

Celebre a Humanidade – Andrea Bocelli

Celebre a Humanidade

Os maiores tenistas da história - Masculino e Feminino

29 de setembro de 2008 0

Levantamento com os dados dos maiores tenistas da história, incluindo total de títulos, recordes e curiosidades.

MASCULINO

Os maiores tenistas de todos os tempos, parte I

FEMININO

Os maiores tenistas de todos os tempos, parte II

Heidfeld bate recorde e completa 25º GP seguido

29 de setembro de 2008 0

O alemão Nick Heidfeld entrou para a história da Fórmula-1. Ele é o primeiro piloto a completar 25 GP`s consecutivos, marca que detinha antes ao lado do alemão Michael Schumacher. O heptacampeão completou todas as provas entre o GP da Hungria de 2001 e o GP da Malásia em 2003, 24 ao todo. Já seu compatriota viu a linha de chegada em todas as provas desde o GP da França do ano passado e a corrida de hoje em Cingapura.

Se Heidfeld terminar duas das últimas três provas, se iguala ao português Tiago VAGAROSO Monteiro (sim, este é o nome completo dele), que fez 17 em 18 na temporada 2006. Se chegar ao final em Monte Fuji, Xangai e São Paulo, Heidfeld também fica com este recorde.

Porém Heidfeld tem outras marcas recordes na F-1, e nenhuma delas muito positiva. É o piloto com mais pontos na história (196) sem vencer um GP e já correu em 147 GP`s. Se vencer uma prova na carreira, irá superar o inglório recorde de Rubens Barrichello, que venceu uma corrida após 123 GP`s.

Já Fernando Alonso conquistou sua 20° vitória, a primeira desde o GP da Itália de 2007. Foi ainda a primeira vitória da Renault desde 2006, conquistada pelo próprio Alonso.

Ele é o piloto em atividade com mais vitórias, três a mais que o finlandês Kimi Raikkonen (o atual campeão mundial). Ele está empatado com Mika Hakkinen, a duas de Damon Hill e a três do brasileiro Nélson Piquet.

Confira as vitórias de cada piloto ainda em atividade:

Fernando Alonso – Espanha – 20 vitórias
Kimi Raikkonen – Finlândia – 17 vitórias
David Coulthard – Escócia – 13 vitórias
Felipe Massa – Brasil – 10 vitórias
Rubens Barrichello – Brasil – 9 vitórias

Lewis Hamilton – Inglaterra – 8 vitórias
Giancarlo Fisichella – Itália – 3 vitórias
Jarno Trulli – Itália – 1 vitória
Jenson Button – Inglaterra – 1 vitória
Robert Kubica – Polônia – 1 vitória
Heikki Kovalainen – Finlândia – 1 vitória
Sebastien Vettel – Alemanha – 1 vitória

Postado por Perin, o primeiro a anunciar este recorde inútil

GP de Cingapura: Show de Alonso!

29 de setembro de 2008 1

Fernando Alonso, o grande vencedor em Cingapura

A corrida de hoje, o GP 900° da Fórmula-1 e o primeiro disputado à noite, foi sensacional. Ao contrário do que eu esperava, tivemos ultrapassagens na corrida em Cingapura, mais que em Monaco e infinitamente mais do que nas duas modorrentas pistas espanholas de Valencia e Barcelona.

Foi uma vitória suprema do espanhol Fernando Alonso, que contou com a sorte ao ser beneficiado pela batida de Nélson Piquet Jr. (que deve ter bailado na Renault depois de xingar o time no treino e bater sozinho de novo na corrida). Maior vencedor da F-1 na atualidade, o espanhol bicampeão mundial em 2005 e 2006 mostrou mais uma vez seu talento, saindo do 15° lugar e vencendo a corrida.

Porém, de novo, tivemos que aguentar o enésimo equívoco da Ferrari contra seus pilotos. Desta vez uma lambança já anunciada 2x em Spa e 1x em Valencia. É inconcebível que a maior escuderia da Fórmula-1 em todos os tempos tenha cometido tantos erros grosseiros na temporada. São seis erros contra Massa e cinco contra Raikkonen.

Mas este pode ter sido definitivo, já que Lewis Hamilton está sete pontos na frente, faltam somente três provas e dificilmente a McLaren comete os erros estúpidos que a Ferrari tem feito em 2008… E no ralo a fenomenal volta de Massa na pole-position0.6s mais rápido que Hamilton.

Buenas, vamos aos troféus da Fórmula-1 neste domingo, amargo para os brasileiros e feliz para o “Príncipe das Astúrias“, Fernando Alonso:

Troféu “Jim Clark”: Para Fernando Alonso, que quebrou o jejum de quase dois anos sem vitórias da Renault e mais de um ano para o espanhol. Um show nos treinos do bicampeão mundial, prejudicado pela pane da Renault no início do Q2 ontem. Com menção honrosa para Nico Rosberg, que chegou em segundo e superou o terceiro lugar do GP da Austrália neste ano.

Troféu “Rouge & Blanc”: Para Nico Rosberg, que teve que correr rápido a prova inteira e superar o erro da Williams ao chamar o alemão para os pits

Troféu “Didi Mocó Prize For Technical Achievements”: Ferrari e sua geringonça eletrônica ridícula de controle de saída nos pits. Menção (des)honrosa para a pífia corrida de Heikki Kovalainen e mais uma batida de Raikkonen, de novo no mundo da lua…

Troféu “Fiofó de Ouro”: Fernando Alonso, é claro. Só ganhou porque seu companheiro encheu o muro na hora exata. E ainda contou com as burrices de Williams e BMW, e com os erros da Ferrari, para vencer seu 20° GP. Curioso que Nelsinho foi 2° na Alemanha em condições idênticas: uma batida, um safety car na hora exata

Troféu “Chris Amon”: Para Nico Rosberg, que só não venceu porque sua equipe Williams cometeu a burrice de chamar o piloto com o Pitlane fechado. Seria sua primeira vitória na Fórmula-1.

Troféu “Dick Vigarista”: Para ninguém, todos agiram de maneira muito correta no GP.

Troféu “Porque Não Fiquei Com minha Boca Fechada”: Nelsinho Piquet, que falou muito durante a corrida…

Postado por Perin, que xingou várias vezes Domenicali

Quando deixa de ser corrida e vira boxe, parte II

28 de setembro de 2008 0

Boxe, parte II: Tracy e Bourdais

Hoje é dia de falar dos incidentes envolvendo o sempre polêmico piloto canadense Paul Tracy. A primeira briga foi no GP da Califórnia de 2006 pela Champ Car. Depois de rodar sozinho, Tracy simplesmente não viu Alex Tagliani e acertou o seu compatriota.

Ambos abandonaram a corrida, e Tagliani ficou possesso. Sem culpa alguma no acidente, ele reclamou muito de Paul Tracy, que tentava acalmá-lo. Mas Tagliani exagerou na dose, xingou e empurrou muito até perder o controle e começar a briga:

Ambos foram multados e Tracy ficou sob observação para as próximas 3 corridas. Amigos fora das pistas, no final do ano Tracy pediu desculpas para Tagliani sobre o acidente, e este aceitou. Suas esposas são muito próximas e tudo ficou em paz entre eles.

O mesmo não pode-se dizer do francês Sebastien Bourdais, desafeto confesso de Tracy. Depois da briga em San José, a prova seguinte da Champ Car era em Denver. Tagliani e Tracy se tocaram no início da prova.O primeiro abandonou, e Tracy caiu para último.

Em uma bela corrida de recuperação, o canadense chegou ao segundo lugar. Faltando poucas voltas, começou a ter problemas na bomba de combustível e passou a ser ameaçado por Bourdais, líder do campeonato.

Na última volta, Bourdais tentou passar Tracy por fora, que espalhou na freada e ambos bateram. Após a batida, o francês atravessou a pista e foi para cima de Tracy, só sendo contido pelos fiscais de pista, vejam a briga:

Como já estava sob observação, Tracy foi multado em 25 mil dólares e perdeu três pontos na classificação de pilotos.

Postado por Perin, que manda Tracy se aposentar urgente

Quando deixa de ser corrida e vira boxe, parte I

27 de setembro de 2008 0

Briga entre equipes de Kanaan e família Hornish

Quando o esporte a motor vira um ringue de boxe. Como fiquei um pouco afastado dos últimos anos assistindo a Champ Car e a IndyCar, não vi certos incidentes ridículos, e certamente lamentáveis.

São três em especial, e rivalidade dentro das pistas virou uma briga fora das mesmas. Vou contar estas histórias aqui no Almanaque Esportivo, primeiro um incidente do ano passado e depois duas confusões envolvendo o sempre polêmico Paul Tracy. Perto deles, a briga unilateral entre Nélson Piquet e Eliseo Salazar em 1982, na pista de Hockenheim foi fichinha…

A primeira foi no GP de Watkins Glen pela IndyCar de 2007. Os pilotos Sam Hornish Jr. e Tony Kanaan se tocaram na pista, e o primeiro ganhou a posição por causa deste toque. Ao final da corrida, o brasileiro Kanaan foi conversar com Hornish Jr. quando então foi empurrado pelo pai do piloto norte-americano.

Integrantes da equipe Andretti Green, de Kanaan, derrubaram Hornish Sr. Então vieram mecânicos da Penske e a briga se espalhou. Depois de apartados, os pilotos deram suas explicações e sem dúvida, o idiota do dia foi o pai de Sam Hornish, que não tinha que se meter. Vejam as imagens:


Postado por Perin, que lamenta tanta burrice

Wayne Rainey, o campeão caído das 500cc

26 de setembro de 2008 1

Falar em Mamola e sua manobra extraordinária em Misano me lembrou um grande campeão das motos, o norte-americano Wayne Rainey. Ele foi tricampeão das 500cc entre 1990 e 1992.

Em 1993, Rainey liderava a competição com vantagem sobre seu arquirrival, o também norte-americano Kevin Schwantz, quando a tragédia se abateu sobre Rainey, na mesma pista de Misano que Mamola tivera seu momento genial oito anos antes:

Rainey liderava a corrida, quando perdeu o controle de sua Yamaha e sofreu uma queda, visualmente inócuoa. Porém as consequências foram graves e o piloto sofreu uma lesão na coluna vertebral e ficou paralisado, para sempre, do peito para baixo.

Rainey viu seu rival Schwantz conquistar seu único título mundial naquela mesma temporada. Na temporada seguinte, Kevin sofreu mais algumas quedas e, após uma conversa com seu amigo Rainey, decidiu abandonar as pistas. Era o início da era “Michael Doohan” nas 500cc.

Hoje Rainey é um dos principais líderes pela segurança nas pistas e trabalha em diversas ações de caridade.

Postado por Perin, que sempre adorou corrida de moto!

Aprendeu, Robinho??? Trocou de empresário...

25 de setembro de 2008 1

Bem feito para o Robinho! Teve que deixar de ir para o Chelsea e ir para o Manchester City para tomar vergonha na cara e dispensar o Wágner Ribeiro, seu empresário que sempre ferrou sua vida.

Como falei mês passado, Robinho e Nilmar sempre foram mal-orientados por seus empresários. Agora falta o Nilmar…

Postado por Perin

Lei Pelé tirou Possebon do Inter + vídeo da lesão

24 de setembro de 2008 0

Carrinho assassino do austríaco Pogatetz sobre o brasileiro Possebon

O desconhecido brasileiro Rodrigo Possebon se tornou notícia ontem após sofrer uma entrada criminosa em um jogo do Manchester United contra o Middlesbrough ontem, vitória de 3×1 pela Copa da Liga Inglesa. 

Ele saiu de campo com máscara de oxigênio e foi para o hospital, mas hoje informou-se que a lesão não é tão grave quanto o esperado. Porém Possebon ficou marcado também por ser o primeiro jogador promissor ou de destaque que o Internacional perdeu por causa da Lei Pelé. 

Muito se diz que Internacional , Atlético-PR e São Paulo foram os times que melhor se estruturaram para as profundas mudanças causadas pela Lei Pelé, em vigor desde 2001. Muitos jogadores foram contratados pelo Colorado com contratos com outros times se encerrando, vindo por preço reduzido.

Nas categorias de base, o Colorado não teve grandes problemas, com contratos longos e vendas vultosas como Alexandre Pato, Nilmar, Lúcio e Fábio Rochemback. Enquanto isto, o rival Grêmio, assim como Corinthians e Vasco da Gama, perderam inúmeros jogadores de Seleção Brasileira por valores irrisórios, como Ronaldinho, Tinga, Juninho Pernambucano, Liédson e Gilberto.

Porém o Internacional um dia perderia um jogador que se recusasse a renovar contrato e isto aconteceu com Possebon. Com cidadania italiana, o garoto se destacou em um Mundial Sub-15 observado por olheiros do Manchester United em 2005 (a Nike Premier Cup U-15) e foi analisado por dois anos pela direção do clube inglês.

Visando uma transferência, seu empresário forçou a barra pedindo valores absurdos e dizendo que ele iria para a Europa, não aceitando renovar contrato. Irritado após uma dicussão final, o então presidente Fernando Carvalho chegou a expulsar o mesmo de sua sala ainda em 2006

O jogador ficou “na geladeira” por praticamente um ano. Possebon tinha contrato até metade de 2008, mas teve sua liberação antecipada em janeiro por um valor em torno de R$ 910 mil.

O Manchester United manteve a proposta e Possebon foi anunciado, treinando desde então com os times de base do Manchester. Ele estreou no time principal na primeira rodada do Campeonato Inglês, 1×1 contra o Newcastle.

Muito elogiado pelo técnico Alex Ferguson, Possebon tem sido muito comparado com o veterano Paul Scholes. Como prêmio pelas atuações, ao invés de

Postado por Perin, horrorizado pela entrada criminosa