Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 8 outubro 2008

A arte de saber parar: Clemer de 2002 a 2005

08 de outubro de 2008 1

O assunto da semana é o goleiro colorado Clemer. De 39 anos, dono de oito títulos oficiais (cinco Gauchões, uma Libertadores, um Mundial e uma Recopa Sul-Americana), o arqueiro mais vitorioso do Sport Club Internacional, superando em conquistas inclusive o mítico Manga, vive sua pior fase no Beira-Rio.

Ontem, o técnico Tite afirmou que Lauro é o novo titular. Para mim, um despiste pois Clemer obrigatoriamente será o goleiro nos confrontos contra o Boca Juniors, pois Lauro não foi inscrito e Ricardo tem feito péssimos treinamentos, enquanto Agenor é muito jovem. Isto sem contar que Lauro, para mim, é muito fraco.

O momento é claro: Clemer não tem mais o nível técnico necessário para ser titular de um time com grandes aspirações. Apesar de sempre ter cometido falhas, o fato é que Clemer teve grandes momentos e se mostrou mais confiável do que agora  nestes seis anos de Internacional. O jogador que defendeu o clube por mais temporadas desde os anos 80, Clemer nunca foi unanimidade entre os torcedores.

Desde que foi contratado junto ao Flamengo em 2002, quando Fernando Carvalho errou grosseiramente ao trazer o refugo Renato(3º goleiro do Corinthians e que falhou em quatro gols em quatro jogos). O arqueiro maranhense foi campeão gaúcho logo em seu primeiro mês no clube e foi um dos mais dedicados jogadores no desespero contra o rebaixamento naquele ano, salvo somente na última rodada contra o Paysandu no desespero de Belém.

Em 2003, Clemer continuou sem reservas à altura. Em fevereiro, uma defesa monumental quando o Colorado perdia por 1×0 abriu o caminho para a vitória de virada que quebrou uma escrita de quase 4 anos e 13 clássicos, 2×1 sobre o Grêmio em pleno Olímpico.

No Brasileiro, viveu momentos constrangedores como falhas grosseiras em um recuo de bola de Wílson contra o Guarani em Campinas, o frango na falta fraca cobrada por Tucho no Beira-Rio contra o Atlético-MG e a célebre reposição de bola a cabeça de Gavilán, sobrando para Dimba marcar para o Goiás em pleno Beira-Rio. Começava sua sina de gols trapalhões…

Em 2004, Clemer teve uma ótima fase técnica mas sofreu com lesões. A sombra “quente” de André, ex-ídolo colorado, não fez bem a ele, que reclamou quando chegou a ser reserva após lesão. Clemer ainda protagonizou confusões ao ser expulso de maneira grosseira em uma confusão com gandula (eliminação da Copa do Brasil contra o Vitória) e no Gre-Nal da Copa Sul-Americana.

Pegou pênaltis que classificaram o time nas semifinais do Gauchão (contra o Glória) e na primeira fase da Copa Sul-Americana (contra o Figueirense). Porém falhou em 3 gols na Bombonera, na derrota colorada de 4×2 para o Boca Juniors que eliminou o time da competição internacional (a primeira do clube em 11 anos). As lesões seguiriam pelo ano seguinte…

Em 2005, Clemer passou grande parte do primeiro semestre lesionado, sendo substituído com talento por André. Para piorar, quando voltou de lesão cometeu inúmeras falhas no 1º turno daquele Brasileirão. Sucessivos gols de falta de longa distância se tornaram o “calcanhar-de-aquiles” do veterano goleiro, já bastante contestado pela torcida.

Na reta final do Brasileiro, mais algumas falhas e lesões deixaram André terminando a temporada como titular. Para completar, mais três

Postado por Perin, que sabe quando parar…