Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 20 outubro 2008

Disciplina no futebol: na Inglaterra é diferente

20 de outubro de 2008 2

Jogadores do Manchester no infame assalto ao árbitro D`Urso em 2000 - Punições pesadas

Traçando um paralelo com a realidade brasileira, a Justiça Desportiva na Inglaterra também é controlada pela Federação Nacional. Porém, ao contrário do Brasil, existe profissionalismo: todos são pagos (e bem) por suas funções. O resultado? Funciona muito, mas muito melhor…

Lá, como aqui, existe uma Comissão Disciplinar que pode rever uma punição, aumentando ou diminuindo a pena para um atleta. Porém ela é bem mais isenta, e fortemente cobrada pela especializada mídia inglesa.

Ela também analisa lances que não foram vistos pelo árbitro. Ela também pode rescindir um cartão dado equivocadamente para o jogador errado.

As suspensões por cartões amarelos e vermelhos tem penas claras, escritas em lei e progressivas, como podem ver:

CARTÕES AMARELOS:

Se um jogador ganha 05 amarelos, fica suspenso por um jogo.
Se um jogador ganha 10 amarelos, fica suspenso por dois jogos.
Se um jogador ganha 15 amarelos, fica suspenso por três jogos.
Se um jogador ganha 20 amarelos, tem que “pedir penico” no Comitê Disciplinar, além de automaticamente suspenso por quatro partidas. Ah, e pelo resto da carreira, a cada 5 amarelos tem que ir em audiência e sua situação analisada.

CARTÕES VERMELHOS:

Um jogador expulso por dois amarelos na mesma partida fica um jogo suspenso.
Um jogador expulso por impedir chance clara de gol, fica dois jogos suspenso.
Um jogador expulso por indisciplina verbal, gestual contra jogadores e torcedores, também fica dois jogos suspenso.
Um jogador expulso por entrada violenta, agressão, cuspir em outra pessoa, fica três jogos suspenso.

A cada expulsão reincidente, o jogador cumpre uma partida a mais. Por exemplo, na terceira vez que um jogador for expulso em uma temporada, ele terá a pena normal (de 1 a 3 jogos) mais dois jogos-extra por cada período anterior de suspensão por expulsão, como “brinde” pelo péssimo histórico disciplinar anterior.

Se acham exagero, vale lembrar que o reserva colorado Ricardo Lopes já tem 10 amarelos pelo Inter, o também reserva gremista Paulo Sérgio tem 10 no Grêmio, enquanto Martinez e Kléber do Palmeiras possuem 11 amarelos. 

O “líder” de amarelos é Augusto Recife, com 12 amarelos em 26 jogos pelo Ipatinga. O volante foi expulso uma única vez, e já ficou quatro jogos suspenso pelo acúmulo de cartões. .

O melhor é o seguinte: se um atleta já tem suspensões por acúmulo de amarelos ou cartões vermelhos, cada período suspenso conta como jogo extra na próxima punição. Isto acaba punindo com mais rigor jogadores indisciplinados nos dois critérios!

Então um jogador com quatro amarelos e com duas expulsões, ficará três jogos suspenso ao receber o quinto amarelo, ao invés de um jogo só. A conta é simples: um jogo de fora pelos cinco amarelos e mais dois pelo histórico de dois vermelhos na mesma temporada.

Se isto fosse aplicado no Brasileirão, o indisciplinado palmeirense Kléber estaria em maus lençóis. Caso recebesse o 15º amarelo (ele já tem 11!!!), não ficaria somente um jogo suspenso mas sim SEIS jogos. Três jogos pelo acúmulo de 15 amarelos e outras três partidas pelo histórico de expulsões na competição (três períodos suspenso).

Os clubes também tem punições coletivas: seis amarelos no mesmo jogo para um time, multa no clube. Dobrada se ocorrer novamente na mesma temporada. Cartões em excesso com relação à média da competição, multa no clube. Um “arrodeão” em um juiz por parte de jogadores do mesmo clube, penas pesadas para todos. E multa no clube!

O lance da foto que ilustra este texto foi um pênalti corretamente marcado para o Middlesbrough em Old Trafford, no jogo contra o anfitrião Manchester United dia 29 de janeiro de 2000.

O insano capitão Roy Keane, e mais Nicky Butt, David Beckham, Jaap Stam e Gary Neville foram para cima do então jovem árbitro Andy D’Urso, que assustadamente foi recuando perante o avanço dos jogadores.

O resultado? Punição pesada para todos os envolvidos e multa altíssima ao Manchester United. A propósito: o goleiro australiano Mark Bosnich (algoz palmeirense na final da Copa Intercontinental em 1999), pegou a penalidade batida por Juninho Paulista. Instantes depois o Manchester United fez o gol da vitória por 1×0.

O que acharam do Código Disciplinar Inglês?

Parece complicado, mas é simples: quanto mais indisciplinado for um jogador, piores são as punições. A progressão das penas não é aritmética e sim geométrica.

Se não é perfeito, para mim é muito melhor que o nosso!

Deixem seu recado!

GP DO JAPÃO: Show de trapalhadas dos candidatos ao título

20 de outubro de 2008 0


Desculpem pelo atraso
, mas aí vai a análise do GP do Japão de Fórmula-1, disputado na semana passada. Um final de semana na Oktoberfest em Igrejinha e uma semana atribulada me impediram de escrever sobre a prova…

Em uma corrida repleta de alternativas, com muita coisa acontecendo nas duas primeiras voltas, Fernando Alonso conquistou sua segunda vitória consecutiva na temporada, e desta vez sem contar com o fator “sorte”, e aproveitando os erros de Lewis Hamilton e Felipe Massa, que culminaram com problemas para Kimi Raikkonen. A Renault provou que tem atualmente o terceiro melhor carro da prova, e ainda deixou Nélson Ângelo Piquet, muito contestado nas provas anteriores, com um ótimo e consistente quarto lugar.

Para os líderes do campeonato, uma corrida a esquecer. Hamilton largou mal, freou pior ainda na primeira curva e espalhou, atrapalhando Kimi Raikkonen. Depois errou sozinho ao tentar passar Alonso.

Na volta seguinte, Massa errou a freada, saiu da pista e ao retornar, bateu em Hamilton. Os dois, Massa e Hamilton, foram punidos por suas respectivas bobagens. Melhor para o polonês Robert Kubica e para Alonso, que disputaram a vitória, decidida entre eles na primeira parada nos boxes. Raikkonen, em uma recuperação tardia, fez uma bela prova e chegou em terceiro lugar.

Se Nelsinho foi muito bem, Rubens Barrichello teve mais uma corrida execrável no cágado ambulante da Honda. Largou mal e ficou a corrida inteira na rabeira, se arrastando até o final da prova.

Buenas, vamos aos prêmios do final de semana:

Troféu “Jim Clark”Fernando Alonso. O bicampeão mundial segue dando show, correndo sem compromisso mas com talento de sobra. Menção honrosa para Nélson Ângelo Piquet e para Robert Kubica, que fizeram belas corridas.

Troféu “Rouge & Blanc” – Para Felipe Massa, pela magnífica e ousada ultrapassagem sobre Mark Webber no final da prova.

Troféu “Dick Vigarista” – Para Felipe Massa, pela burrice do toque com Lewis Hamilton. Menção (des)honrosa para Webber, que jogou Massa para cima da saída dos boxes.

Troféu “Fiofó de Ouro” – Para David Coulthard, que em sua antepenúltima prova da carreira deu uma porrada forte no muro e não se machucou.

Troféu “Chris Amon” – Para Adrian Sutil e Timo Glock, os alemães que vinham muito bem mas quebraram no final.

Troféu “Porquê Não Fiquei Com Minha Boca Fechada” – Para ninguém, não falaram nada demais nos últimos dias…

Troféu “Didi Mocó Prize for Technical Achievements” – Para Lewis Hamilton, que cometeu os mesmos erros primários que lhe custaram o título de 2007.

Troféu “Porquê Não Fiquei Com Minha Boca Fechada” – Para ninguém, não falaram nada demais nos últimos dias…

A corrida seguinte (que na real já aconteceu e teve sua análise destrinchada ontem aqui no Almanaque Esportivo) seria na bela pista de Xangai: o GP da China.

Todos esperavam um passeio das Ferraris, mas não foi o que aconteceu…

Disciplina no futebol - No Brasil é bagunça

20 de outubro de 2008 0

É uma vergonha todo o sistema disciplinar do futebol brasileiro. Punições sem critério nas Comissões Disciplinares do STJD são apenas um reflexo disto. Assim como arbitragens calamitosas, nas quais os juízes não são punidos com o devido rigor pelos incontáveis erros.

Foi um escândalo a arbitragem do paulista Cléber Abade no jogo Internacional 2×1 Atlético-MG. A absurda entrada de Alex Sandro sobre Nilmar, com um pontapé na barriga do atacante colorado merecia expulsão sumária e suspensão longa. Vejam o vídeo:


O cartão amarelo foi quase tão ridículo quanto a equivocada expulsão de Zé Antônio, que puxou o colorado Edinho pela camisa no meio-campo e foi expulso direto. Depois tivemos outros lances bem mais violentos, ignorados pelo juiz (que sabia que tinha feito burrada na expulsão do jogador atleticano).

Por isto que digo que a arbitragem brasileira é uma vergonha e a boa culpa disto é das comissões de arbitragem. Falta profissionalismo, organização e critérios claros.

A culpa também é da legislação brasileira. O CBDF é vago, omisso em relação a vários aspectos e não tem uma graduação nas punições disciplinares.

Ou o jogador é punido por três jogos ou pega 120 dias. Não existe um meio-termo.

À noite falo como é na Inglaterra, aonde as leis disciplinares estão escritas e são cumpridas.

Postado por Perin, irritado com a várzea na CBF

GP DA CHINA - A vitória 200 da Grã-Bretanha na F-1!

20 de outubro de 2008 1

O vencedor e futuro campeão Hamilton, e o derrotado Massa

Em uma monótona corrida, sobretudo na parte de cima da classificação, o inglês Lewis Hamilton ficou muito próximo de seu primeiro título mundial de Fórmula-1. O piloto britânico ganhou de ponta a ponta o GP da China disputado na bela pista de Xangai, largando na pole, liderando praticamente a prova inteira e ainda fazendo a melhor volta da prova, com larga vantagem sobre as Ferrari. Foi a 200° vitória da Grã-Bretanha na categoria.

Ao brasileiro Felipe Massa, que ficou muito longe do desempenho das McLaren, ficou a reza (braba) de que o raio caia no mesmo lugar de novo e Hamilton, sete pontos na frente, jogue fora o título no GP do Brasil, daqui a duas semanas. Com um péssimo carro, ele contou ainda com o jogo de equipe de Kimi Raikkonen, que cedeu a segunda posição na parte final da prova.

Os brasileiros Nélson Angelo Piquet e Rubens Barrichello fizeram boas provas. Nelsinho, que largou em 10° lugar, chegou em 8°. Já Barrichello, que largou em 12°, terminou na 11° colocação, bem à frente do companheiro Jenson Button. Rubinho deve se despedir da categoria na próxima prova, o GP do Brasil após 15 temporadas na categoria e quase 300 GP`s disputados.

Detalhe interessante: Nick Heidfeld, que fez ótima prova e chegou em 5° lugar, pode bater outro recorde na categoria e igualar-se ao português Tiago Monteiro com 18 corridas completadas em uma única temporada.

Detentor do recorde de 27 GP`s consecutivos terminados, o alemão da BMW pode chegar aos 18 GP`s completados em um único ano, repetindo o feito de Monteiro pela Jordan em 2005.

Buenas, vamos aos prêmios do final de semana:

Troféu “Jim Clark”Lewis Hamilton, sem dúvida. Em uma corrida monótona, o brilho de Hamilton destoou da mediocridade geral. Sem erros, perfeito e muito próximo do primeiro título. Seu segundo “Grand Slam“, com vitória, pole e melhor volta (o primeiro havia sido no GP de Japão de 2007).

Troféu “Rouge & Blanc” – Para Fernando Alonso. Pela soberba ultrapassagem sobre o medíocre Heikki Kovalainen no retão de Xangai, aproveitando o embalo ganho na curva inclinada antes da reta.

Troféu “Dick Vigarista” – Para Sebastien Bourdais, que causou um acidente tosco na largada e tirou Jarno Trulli da prova.

Troféu “Fiofó de Ouro” – Para ninguém. Não vi ninguém ter sorte na prova, apenas competência ou incompetência.

Troféu “Chris Amon” – Para Adrian Sutil, que quebrou de novo. O alemão da Force India já tem 11 abandonos em 17 provas no ano. Quando ele não faz bobagem, o carro quebra.

Troféu “Didi Mocó Prize for Technical Achievements” – Para Kovalainen, que além de não estar correndo nada, ainda teve um pneu furado. O finlandês vai terminar na ridícula sétima colocação da classificação de pilotos, vendo seu companheiro de equipe provavelmente ser campeão. Vergonhoso.

Troféu “Porquê Não Fiquei Com Minha Boca Fechada” – Para todo mundo que disse que Xangai era pista da Ferrari. Foi um vareio da McLaren

Agora é tudo em Interlagos! Mas acho que o Brasil vai completar mais um ano na fila…