Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 18 dezembro 2008

Livros sobre futebol: `Febre de Bola`, parte I

18 de dezembro de 2008 9

Hoje vamos contar uma história que inclusive virou filme. Há muitos anos atrás, meu grande amigo Maurício Neves de Jesus me emprestou um livro chamado “Febre de Bola“, de um autor chamado Nick Hornby. Ele disse apenas, com sua sapiência secular (que só errou ao escolher o Flamengo como time do coração): “leia Perin, você vai se identificar”. Como sempre, o Mau estava certo…

Este livro de horby é autobiográfico. Assim como seus romances posteriores como `Alta Fidelidade` (Tim Robbins, John e Joan Cusack, entre outros no elenco) ou `Um Grande Garoto` (Hugh Grant, Toni Coillette e Rachel Weisz), `Febre de Bola` virou filme (estrelado pelo excelente Colin Firth). Mas não adianta. Se não és daqueles que seus amigos dizem “fulano é doente“, então você não deve ler este livro.

Febre de Bola - Autor: Nick Hornby/Editora RoccoOs capítulos são nomeados por jogos, por temporadas. Por jogadores, sejam bons ou ruins. Por decisões. Tudo na vida de Hornby gira em torno de sua quase doentia paixão pelo Arsenal (curiosamente, em um período de vacas magras do clube de Highbury, que ficou quase 20 anos sem ganhar nada, com direito a fiascos monumentais em decisões de Copas da Inglaterra).

Ao longo de quase três décadas, Nick marca compromissos de acordo com a tabela de jogos, o jogo de seu time é prioridade absoluta, lembra de detalhes de quase todos os jogos, sabe o que fez naquele dia e hora, tem mau humores insuportáveis quando seu time dá vexame ou entra em estado de melancolia profunda. Seus melhores amigos são os companheiros de arquibancada. Aumentou a relação com familiares levando irmãos mais novos para o estádio. Fica eufórico com jogos simplórios, decisões e títulos inesquecíveis. Ou seja, resumindo: Nick Hornby é Alexandre Miguel de Negreiros Perin. E vice-versa.

Sob esta ótica, com detalhes completos, ele conta a vida do próprio Hornby, a separação de seus pais e como ir ao estádio do Arsenal no final dos anos 60 se tornou uma válvula de escape para viver com seu pai, depois com seus meio-irmãos e com todas as pessoas que convivem com ele.

Nick passa pela faculdade em Cambridge (e uma obsessiva e inevitável paixão pelo obscuro Cambridge United, da 5° divisão, valeu CH!!!). Sua volta à Londres, sua vida de professor recém-formado e seu início de carreira como escritor.

Amanhã irei citar dois trechos do livro que eu sempre me identifiquei, que exemplifica como o futebol está em minha vida.

Postado por Perin, que já leu o livro umas 3 vezes…

Ranking IFHHS - Saiu atualização de 2008

18 de dezembro de 2008 9

Saiu a atualização do ranking da IFHHS, a Federação Internacional de História e Estatística do Futebol. Ao contrário de rankings ditos “históricos” como o da CBF (já detonado por mim) e da Conmebol (atualizado por mim há poucos dias e que ainda sofrerá algumas correções e ajustes), o ranking da IFHHS funciona mais ou menos como o ranking da ATP, que reflete as últimas 52 semanas (um ano).

(OBS: O mané aqui errou e ajustou a data do post da IFHHS para 2020!!! Só ia aparecer aqui de novo daqui há 12 anos.)

Seus critérios estão aqui e não irei discutir. Tem umas tosquices como Internazionale campeã italiana fora mas Roma dentro do Top 10, porém isto se deve aos péssimos resultados da Inter na Liga dos Campeões no período abordado. O mesmo vale para o Chelsea em comparação com o Liverpool. Vejam os resultados:

Top 10 – (1º de dezembro de 2007 a 30 de novembro de 2008)

1. (1.) Barcelona – Espanha – 278 pontos
2. (3.) Manchester United – Inglaterra
(1.) Liverpool – Inglaterra – 263 pontos
4. (6.) Bayern München – Alemanha – 260 pontos
5. (5.) Boca Juniors – Argentina – 258 pontos
6. (4.) Chelsea – Inglaterra – 250 pontos
7. (9.) Lyon – França -237 pontos
8. (10.) Arsenal – Inglaterra – 234 pontos
9. (11.) AS Roma – Itália – 229 pontos
10.(14.) Estudiantes – Argentina – 224 pontos

Os Brazucas:

12. (13.) São Paulo – 219 pontos
14. (12.) Fluminense – 214 pontos
27. (30.) Cruzeiro – 176 pontos
32. (35.) Flamengo – 169 pontos
44. (98.) Internacional - 156 pontos
60. (51.) Santos  – 143 pontos
69. (58.) Botafogo – 138 pontos
107. (91.) Sport – 118 pontos
111. (134.) Grêmio – 112 pontos
124. (130.) Vasco da Gama – 106 pontos
143. (155.) Palmeiras – 98 pontos
179. (175.) Atlético Mineiro – 88 pontos
205. (248.) Goiás – 82 pontos
217. (233.) Atlético Paranaense – 80 pontos
226. (248.) Coritiba – 80 pontos
290. (320.) Vitória – 70 pontos
329. (420.) Náutico –
(320.) Figueirense  – 64 pontos

EDITADO: o Érico Ferreira (sempre leitor do Blog) e o Filipe mandaram o link do Ranking Histórico da IFHHS, com todos os dados desde 1991 até 2007.

O ranking (que

Postado por Perin, com dados dignos de IPE…

A crise econômica global e os pilotos de Rali

18 de dezembro de 2008 2

Seguindo os passos da Suzuki, a Subaru também anunciou o abandono da equipe no Mundial de Rali em virtude da crise econômica global que afetou profundamente as montadoras de automóveis (e sua capacidade de investimento em esporte auto-motor).

Os fabulosos pilotos de rali e suas máquinas deslizadoras...

Além deles, a Honda também anunciou sua saída da Fórmula-1 a partir de 2009. A forte recessão tem afetado sobretudo as montadoras norte-americanas e japonesas.

As categorias que devem ser mais afetadas são as que recebem mais dinheiro desta origem: Fórmula-1, Mundial de Rali e Moto GP. Categorias com um número maior de investidores próprios, como as norte-americanas NASCAR e CART, devem sofrer um efeito direto menor.

Enquanto isto, curtam o vídeo abaixo com um show de um piloto de rali (da extinta Subaru) que peguei no Blog “Fórmula-1″, do Daniel Dias (e este pegou por indicação do Mário Marcos de Souza.

Postado por Perin, saudando o show no rali e temendo 2009…