Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de dezembro 2008

Ranking da Conmebol atualizado até 2008

14 de dezembro de 2008 17

Rogério Ceni, campeão da Libertadores e Mundial em 2005 pelo São Paulo, líder do ranking Conmebol

Bom, ranking da Conmebol atualizado? Só aqui no Almanaque Esportivo!

Ao contrário da FIFA e da UEFA, a organização da Conmebol beira ao amadorismo. As suas punições disciplinares são uma piada, exigências ridículas de segurança, bagunça generalizada em seus regulamentos e datas marcadas. Vide o caos que foi marcar as datas das quartas-de-final da Libertadores 2006. Acho que eles não sabiam que ia ter Copa do Mundo no mesmo ano…

Até na sua divulgação e comunicação com o restante do planeta é complicado. Algumas seções principais de seu site oficial não são atualizadas há três anos!

Parece que mandaram embora o cara que tinha as planilhas e ninguém teve coragem de atualizar os dados, ou sei lá, preguiça mesmo.

Como as atualizações são por país e dependem de cada Confederação, a Conmebol sequer exige que suas afiliadas mantenham os dados atualizados. A da Argentina está atualizada até 2007, já a do BrasilVejam a seção brasileira do Ranking da Conmebol, só tem dados até 2005.

Buenas, eu aproveitei um tempo livre que tinha e fiz a atualização considerando-se as competições sul-americanas de 2006, 2007 e 2008. Vejam os resultados na planilha completa: Ranking Conmebol

TOP 10 (atualizado até dezembro de 2008)

1° – São Paulo 782 pontos
2° – Cruzeiro  593 pontos
3° – Santos    490 pontos
4° – Grêmio 489 pontos
5° – Flamengo  450 pontos
6° – Palmeiras  427 pontos
7° – Internacional 317 pontos
8° – Vasco da Gama 287 pontos
9° – Corinthians  270 pontos
10° – Atlético Mineiro 179 pontos

Algumas observações:

  • O Grêmio perdeu uma posição para o Santos, mas certamente irá recuperar a mesma na próxima temporada, já que irá disputar a Libertadores enquanto o Santos ficará de fora de todas as competições Sul-Americanas.
  • O Internacional ganhou duas posições, mas ainda está muito longe do Palmeiras, 6° colocado.
  • As duas Supercopas conquistadas pelo Cruzeiro fazem bastante diferença nos dados do time mineiro.
  • O Juventude é o 20° colocado com 16 pontos.
  • Maiores detalhes, critérios de classificação na planilha anexa.
  • OBS: Nicolas Mega, eu também achei estranho. Porém meu raciocínio foi simples: considerar os dados da Conmebol corretos até 2005 e calcular dali em diante. Não achei erros nos meus calculos sobre 2006, 2007 e 2008…

Postado por Perin, com dados do IPE….

Austríacos na F-1: marcados pela tragédia

14 de dezembro de 2008 0

Rindt, campeão póstumo pela Lotus em 1970

Um dos países mais pródigos na geração de talentos para a Fórmula-1 é a Áustria. No total, 16 pilotos do pequeno país europeu disputaram um GP de F-1 desde 1950. De lá saíram quatro títulos mundiais, três de Niki Lauda e um de Jochen Rindt. Além deles, o carismático Gerhard Berger fez muito sucesso nos anos 80 e 90, vencendo 10 GP`s e impressionantes 21 melhores voltas.

Porém muitos destes 16 pilotos sofreram acidentes gravíssimos ao longo de suas carreiras. Dentre todos os países que perderam pilotos em um final de semana oficial de Fórmula-1, a Inglaterra perdeu oito.

Depois dela vem a Itália e a Áustria, com três fatalidades. Os austríacos perderam dentro da Fórmula-1: Jochen Rindt (Itália, 1970), Helmutt Koinigg (EUA, 1974) e Roland Ratzenberger (San Marino, 1994).

A Áustria também possui o triste privilégio de ser o único país a ter um campeão mundial póstumo (Rindt, em 1970).

Para completar, dos 16 pilotos austríacos da F-1, nada menos que NOVE deles sofreram graves acidentes, todos com lesões corporais e sério risco de morte: os já citados Rindt, Koinigg e Ratzenberger, e mais Berger, Helmuth Marko, Karl Wendlinger, Lauda e Jo Gartner!

Berger teve sua Ferrari em chamas em Ímola, 1989. Já Helmuth Marko perdeu um olho ao ser atingido por uma pedra, no GP da França de 1972. Karl Wendlinger ficou em coma após acidente no GP de Mônaco de 1994, duas semanas após a morte de Ratzenberger.

O promissor Jo Gartner morreu em um incêndio após acidente nas 24h de Le Mans de 1986, enquanto o futuro tricampeão mundial Lauda quase morreu em condições semelhantes em 1976. Curiosamente Lauda foi salvo por quatro pilotos, um deles seu compatriota Harald Ertl, que morreu na década seguinte em um acidente aéreo.

Por fim, as três tragédias na Fórmula-1. Virtualmente campeão, Jochen Rindt perdeu o controle de sua Lotus na curva Parabolica e morreu ao ser estrangulado por seu cinto de segurança. Ele pensava em se aposentar ao final daquela temporada.

Muito à frente dos rivais na pontuação geral, Rindt foi campeão póstumo graças ao brasileiro Émerson Fittipaldi, que na corrida seguinte em Watkins Glen venceu sua primeira corrida (e do Brasil também!) e de quebra impediu o belga Jacky Ickx conquistar o título.

Nesta mesma pista de Watkins Glen, o novato Helmuth Koinnigg morreu instantaneamente ao atravessar um guard-rail em 1974. Um ano antes, o ídolo francês François Cevért havia morrido na mesma pista.

E, fechando a triste conta austríaca, o igualmente novato Roland Ratzenberger morreu em seu terceiro GP quando sua Simtek perdeu o aerofólio dianteiro e, desgovernada, bateu violentamente na curva Villeneuve no circuito de Ímola. Foi a primeira morte em 12 anos na F-1 e a penúltima até o momento, pois no dia seguinte pelo brasileiro Ayrton Senna, tricampeão mundial.

Os pilotos austríacos já mostraram ao longo das décadas seu talento com vitórias e títulos.

Resta saber se superaram a estigma dos graves acidentes. E da morte. 

Saudando os talentosos österreichischen!

VEJA TAMBÉM:

Segurança na F-1, I: GPDA e sua fundação

Segurança na F-1, II: Stewart, o pioneiro e líder

Segurança na F-1, III: O mestre Stewart e o aprendiz Cevért

Segurança na F-1, IV: O horror de Montjuich, 1975

Segurança na F-1, V: Lauda e os quatro salvadores

Segurança na F-1, VI: o corajoso Hailwood no inferno de Kyalami

Segurança na F-1, VII: o herói eterno David Purley

Ranking da CBF: artigo mostra erros na lógica

12 de dezembro de 2008 4

Olhem só… Na Wikipedia também tem críticas ao Ranking da CBF, muitas delas parecidas com as minhas.

Cliquem no link acima e vejam que os problemas são exatamente os que eu indiquei (e juro que nunca tinha lido o artigo).

CBF, revise seus critérios…

VEJAM A ANÁLISE COMPLETA, PUBLICADA EM 2008:

Ranking da CBF, parte II: como melhorar

12 de dezembro de 2008 21

Ontem mostrei aqui no Almanaque Esportivo os principais erros nos critérios equivocados adotados pela CBF para criação de seu ranking oficial. Hoje é dia de mostrar possíveis soluções para estes grosseiros erros, gerando um critério técnico muito mais confiável que o atual.

1º) Para as duas primeiras distorções apontadas ontem, sugiro uma mudança radical na pontuação. O Brasileirão com mais times teve 94 equipes (em 1979), e a Copa do Brasil com mais participantes nunca passou de sete fases (em 1997).

O campeão da Série A receberia 100 pontos, o vice-campeão 99 pts e assim sucessivamente até o 94º colocado (que só ocorreu em 1979), que ficará com 7 pts .

Na Série B, o campeão começa com 80 pontos, na Série C o campeão fica com 60 pontos e na nova Série D 40 pontos e por aí vai. Se houverem mais times que ponto em algum anos, os últimos ficam todos com 1 ponto.

Já na Copa do Brasil faria assim: 70 pontos ao campeão, depois 50 para o vice-campeão (que sequer vai à Libertadores). Nas semis, 40, nas quartas, 30, nas oitavas, 20, nas 1/16, 10 e nas 1/32 de final em diante 5 pontos.

Novos exemplos: O Grêmio, 22º colocado em 1979, teria 79 pontos contra 81 do América-RN, lanterna de 2007. Já o Luverdense, 16º na Série C de 2008, ganharia 45 pontos, contra 80 pontos para a Ponte Preta, 21º em 2003 na Série A.

MUITO MAIS JUSTO, não acham?

2º) As distorções 3 E 4 são mais simples de corrigir: basta dar automaticamente a mesma pontuação do campeão da Copa do Brasil para todos os times que estão na Copa Libertadores. No critério atual, seria 40 pontos e no critério “Alexandre Perin”, 70 pontos.

Novos exemplos: O São Paulo teria somado 170 pontos em 2008. Já o Fluminense, 5º colocado em 2005 e vice da Copa do Brasil, teria somado somente 156 pontos. Bem mais justo, não acham?

Já para o exemplo final, um hipotético time decacampeão brasileiro, da Libertadores e do Mundo, teria somado 1700 pontos em 10 anos pelo ranking da CBF revisado.

Já um time mediano, dez anos seguido vice-campeão da Copa do Brasil e sempre o 6º colocado no Campeonato Brasileiro, teria somado 1550 pontos.

DE NOVO, MUITO MAIS JUSTO, não concordam?
O que acham? Aguardo opiniões.


PS. O Grêmio teria 4284 pontos e o Internacional teria 4028 pontos no ranking Alexandre Perin.

VEJAM A ANÁLISE COMPLETA, PUBLICADA EM 2008:

Ranking da CBF, parte I: critérios equivocados

11 de dezembro de 2008 22

Antes de mais nada: esqueçam as paixões, vejam os fatos. Vamos somente aos fatos, caros leitores. Confio na inteligência de vocês!


Nesta época do ano, sai a
“atualização do ranking da CBF”. E em todos os anos, eu me irrito com a estupidez da entidade máxima do futebol nacional em não rever estes critérios. Peço a atenção da imprensa esportiva brasileira, que deve exigir da CBF uma revisão urgente. 

Especialmente porqu o ranking da CBF é crucial para definir a quantidade de vagas por estado na Copa do Brasil. Ou seja não é um ranking meramente “ilustrativo” e sim um índice que define o futuro de diversos times e campeonatos pelo país.

Antes de mais nada, acessem http://www.cbf.com.br/ranking/criterios.pdf e vejam as pontuações adotadas. Feito isto, vamos agora abordar as principais incoerências do principal critério para definir o número de vagas na Copa do Brasil:

ERRO UM: Supervalorizar todos os campeonatos da Série A com 20 ou menos participantes. Isto ocorreu somente em 1971, 1987, 1990, 2006, 2007 e 2008, míseras seis vezes de um total de 38 nacionais.

O 21º colocado em diante da Série A recebe arbitrariamente 4 pontos, enquanto o 20º colocado da mesma Série A recebe 41 pontos.

RESULTADO: o Grêmio, que fez uma campanha apenas razoável em 1979, ficando em 22º lugar de um total de 94 participantes. Com este resultado, o Tricolor ganhou ridículos 4 pontos no ranking, mesma pontuação do 94º colocado neste mesmo ano. Já um lanterna absoluto da Série A em 2007 como o América-RN fez 41 pontos!

ERRO DOIS:A distorção do `degrau` se torna maior ainda se compararmos resultados em divisões inferiores.

Exemplo: a Luverdense (MT), 16º colocada na Série C 2008, ganhou mais pontos que a Ponte Preta (SP), 21º colocada na Série A de 2003 (escapando por pouco do rebaixamento). A equipe mato-grossense recebeu cinco pontos por ter sido rebaixada à Série D. Já o time paulista quatro pontos após garantir presença na Série A!


ERRO TRÊS: Os critérios se tornam ainda mais prejudiciais aos times competentes quando analisamos a questão da Libertadores: quem está no torneio continental por definição não joga a Copa do Brasil . E assim é irremediavelmente prejudicado nos critérios bizarros do ranking da CBF. O mais incrível é que o ranking foi criado em 2003 e nesta época a regra “Libertadores não disputa Copa do Brasil” já existia!

VEJAM A ANÁLISE COMPLETA, PUBLICADA EM 2008:

Grêmio completa 25 anos da conquista em Tóquio!

11 de dezembro de 2008 4

Renato, o herói da maior conquista gremista

Ano passado, postei uma homenagem para o dia mais importante da história do Grêmio (a despeito de alguns, que acham o jogo com o Náutico…).

No dia 11 de dezembro de 2008 completam-se 25 anos do jogo Grêmio 2×1 Hamburgo, pela Copa Intercontinental de 1983.

Em um show de Renato Portaluppi em uma gélida tarde no estádio Nacional de Tóquio, o time gaúcho se sagrou campeão e conquistou o maior título que existia até o momento!

    Postado por Perin, saudando seu pai, irmão e a Mari!

    Gols sensacionais nos instantes finais, parte II

    10 de dezembro de 2008 1

    Continuando a sequência de títulos que foram decididos no “apagar das luzes”, mais gols internacionais. Semana que vem, a lista de gols nacionais.

    6º) Patrik Andersson – Hamburgo 1×1 Bayern de Munique – Campeonato Alemão 2000/01
    7º) Michael Thomas – Liverpool 0×2 Arsenal – Campeonato Inglês 1988/89
    8º) David Trezeguet – França 2×1 Italia – Eurocopa 2000
    9º) Cristian Nasuti – River Plate 2×1 Boca Juniors – Copa Libertadores 2004

    6°) Patrik Andersson, Hamburgo 1×1 Bayern de Munique
    49 do 2° tempo, última rodada do Alemão 2000/01 – Bayern levou 1×0 no final, mas fez o gol do título em um tiro livre indireto nos acréscimos.

    7°) Michael Thomas, Liverpool 0×2 Arsenal – Final em campeonato de pontos corridos
    47 do 2° tempo, última rodada do Inglês 1989 e gol do título  – O Arsenal precisava vencer por 2 gols pra ser campeão. Fez o segundo no finzinho e levou a taça:

    8°) David Trezeguet, França 2×1 Italia
    10 do 1° tempo da prorrogação, final da Eurocopa 2000 – Gol de Ouro e título francês:
    http://youtu.be/6jZIa-2MIKM

    9°) Cristian Nasuti, River Plate 2×1 Boca Juniors
    50 do 2° tempo – semifinal da Copa Libertadores 2004 – Boca empatou com Tévez aos 44 do 2° (ele foi expulso por imitar uma galinha), mas Nasuti levou para os pênaltis

    Primeiro o gol de Tévez aos 44 do 2º tempo. Reparem que Tévez é expulso por comemoração imitando uma ‘galinha’, apelido pejorativo do River Plate:

    E depois do Nasuti, nos acréscimos, levando o jogo para os pênaltis:

    Como eu disse, semana que vem começaremos com gols brasileiros! Espero que gostem!

    Gols sensacionais nos instantes finais, parte I

    09 de dezembro de 2008 2

    Fabio Grosso classifica a Itália e elimina a anfitriã Alemanha no Mundial 2006

    Uma seleção de gols nos instantes finais que mudaram o destino de times, clubes e nações.

    Abaixo uma lista com golaços no finalzinho de jogos decisivos por competições nacionais e internacionais.

    A minha listinha inicial é esta:

    1º) Dennis Bergkamp – Holanda 2×1 Argentina – Copa do Mundo 1998
    2º) Steven Gerrard – West Ham United 3×3 Liverpool – Copa da Inglaterra 2005/06

    3º) Adriano – Brasil 2×2 Argentina – Copa América 2004
    4º) Ole Solskjaer – Manchester United 2×1 Bayern de Munique – Liga dos Campeões 1998/99
    5º) Fabio Grosso – Itália 2×0 Alemanha – Copa do Mundo 2006

    Amanhã tem mais internacionais e semana que vem são os brasileiros:

    1°) Dennis Bergkamp, Holanda 2×1 Argentina

    44 do 2° tempo, quartas-de-final da Copa do Mundo de 1998 – O Ayala está procurando o Dennis até hoje…



    2°)Steven Gerrard, Liverpool 3×3 West Ham United

    46 do 2° tempo, final da Copa da Inglaterra de 2006 – O melhor chutador do mundo leva jogo para tempo-extra. E o Liverpool ainda termina campeão!

    3°) Adriano, Brasil 2×2 Argentina
    48 do 2° tempo, final da Copa América 2004 – Argentina faz 2×1 no finalzinho e Brasil empata espetacularmente no último lance

    4°) Ole Gunnar Solskjaer, Manchester United 2×1 Bayern de Munique

    47 do 2° tempo, final da Liga dos Campeões 1998/99.  Empate e virada nos acréscimos dá o título para o Man Utd!

    5°) Fabio Grosso, Italia 2×0 Alemanha
    14 do 2° tempo da prorrogação, semifinal da Copa do Mundo de 2006 (valeu pessoal, dormi e errei de Copa, hehe) – Quebrando os corações germânicos…

    Opinião: Falta do que fazer na Justiça Brasileira

    09 de dezembro de 2008 5

    É inacreditável o que eu li hoje sobre a intenção do juiz responsável pelo Juizado Especial Criminal de “investigar o aviãozinho” colorado flauteando o arquirrival Grêmio no último domingo.

    E troquem Grêmio por Internacional, dá na mesma. Tanto faz. É por estas e outras que a Justiça Brasileira muitas vezes é vista de maneira caricata pela população brasileira. Pelamordedeus…

    Sinceramente, com todo o respeito que o sr. juiz Felipe Keunecke de Oliveira  TENHO CERTEZA que existem INÚMERAS coisas mais importantes para que ele tenha que se preocupar do que isto. (OBS: EDITADO: De acordo com a Zero Hora, quem exigiu a investigação foi a Promotora Sônia Eleni Corrêa Memsch. Sendo assim, retiro as palavras para o juiz e mantenho as mesmas para a promotora Sônia, que deveria ter mais o que fazer)

    Ela vai fazer o quê? Mandar prender toda a imprensa mais a torcida colorada que usaram esta mesma frase para provocar os gremistas?

    E ao invés de investigar `o aviãozinho`, que tal processar e depois punir os “que podem vir a agir com violência”? Ou ainda vai prender todo o gremista que sair com a camisa em dia de jogos do Inter (e vice-versa)?

    Afinal, tem que se ter muita boa vontade para achar que um avião a 1km de altura com um pano amarrado provocar mais que um torcedor com camisa do rival na rua em um dia de jogo.

    Enquanto isto, os responsáveis pelos banheiros químicos do Beira-Rio foram isentados por se tratar de um “crime de multidão”… É um equívoco de avaliação. E falta do que fazer.

    Se isto fosse visto por todos como “flauta“, o futebol gaúcho, brasileiro e mundial estaria longe da violência. Mas ao invés disto, temos que aguentar exageros da Justiça Brasileira procurando pêlo em ovo.

    Que tal a Justiça exigir que os agressores de dirigentes do Internacional em 2007 (coincidentemente um deles é um dos acusados pelo tiroteio no Olímpico) cumpram as penas alternativas que lhe foram impostas?

    Ou agora ela vai mandar investigar todo o dirigente e jogador que fizer alguma provocação ao adversário?

    Deixe isto para o folclore e se empenhe em banir os marginais dos estádios. De todos eles.  

    Profundamente lamentável. Promotora Sônia, arranje trabalho realmente útil e não gaste desnecessariamente o dinheiro dos contribuintes.

    Postado por Perin, revoltado com a falta do que fazer…

    Craques do Brasileirão 2008 - Destaques finais

    09 de dezembro de 2008 1

    Hernanes, o craque do ano no futebol brasileiro

    Continuando a seleção dos melhores do Brasileirão 2008 apresentada ontem aqui no Almanaque Esportivo:

    TREINADOR: Celso Roth (Grêmio)
    A despeito de algumas bobagens (mexidas desnecessárias no time titular ao colocar reforços, demora para simplificar ações na queda de rendimento do 2º turno), Celso Roth é o grande vitorioso de todos os treinadores. De demissionário na primeira rodada se perdesse (e ganhou), terminou o ano como indicado a um dos melhores técnicos do Brasileirão, tirando muito do limitado time gremista. Luxemburgo errou demais ao aceitar passivamente um time sem defesa e repleto de atacantes, Adílson erra muito taticamente e Muricy fez o simples, aproveitou os erros dos outros e manteve sua postura pragmática de ser, sem brilho. Critiquei bastante Roth no início do Brasileirão, desta vez fica com o crédito. Reserva: Muricy Ramalho (São Paulo)

    CRAQUE: Hernanes (São Paulo)
    TIME: São Paulo

    REVELAÇÃO: Rafael Carioca (Grêmio)
    ÁRBITRO: Leonardo Gaciba (FIFA-RS)
    JOGO: Flamengo 5×2 Palmeiras (2º turno)
    GOLEADA: Figueirense 1×7 Grêmio (1º turno)
    DECEPÇÃO: Internacional
    VEXAME: Vasco da Gama rebaixado

    BOLA QUADRADA: Clemer (Internacional); Jorge Luiz (Vasco da Gama), Asprilla (Figueirense) e Hélder (Grêmio);Chico (Atlético-PR), Alceu (Náutico),  Daniel Carvalho (Internacional); Pedro Oldoni (Atlético-PR) e Zárate (Botafogo). Técnico: Cuca e Renato Gaúcho

    PROMESSAS E REVELAÇÕES PARA 2009, 2010, 2011… Vanderlei (Coritiba); Nei (Atlético-PR), Danny (Internacional), Héverton (Grêmio) e Netinho (Atlético-PR); Jean (São Paulo), Rafael Carioca (Grêmio), Wágner (Cruzeiro) e Tartá (Fluminense); Guilherme (Cruzeiro) e Keirrisson (Coritiba). Técnico: Vágner Mancini (Vitória)


    Aceito comentários em contrário.

    Postado por Perin, fechando a temporada 2008 no Brasil